No que estou trabalhando agora?

Started by Lúcia Pilla on Friday, February 3, 2012

Participants:

Profiles Mentioned:

Related Projects:

Showing 811-840 of 1085 posts
9/18/2012 at 5:09 PM

Lúcia Pilla
Por favor, explique para mim e para Deisi Vaz Pinto do que se trata o projeto para o qual ele foi convidado a colaborar (e até já aceitou).
Não conseguimos compreende-lo. Obrigada, como sempre.

9/18/2012 at 5:14 PM

Marcos Raposo e Lúcia Pilla
Também eu desconhecia a questão de devolução de dotes. Também devo ter cabulado a aula de casamento dotal. Mas é uma questão bem interessante e deveria ter regras, como por exemplo, o pai deveria estar vivo quando do óbito da filha. Senão, o dote voltaria para quem???

9/19/2012 at 5:00 AM

Pois é, a finalidade do dote era ajudar no sustento da nubente e da família que resultasse do casamento. Desculpem se continuo a "sherlocar", mas é fascinante, vejam: Justina, a 1ª mulher de meu bisavô, teve 4 filhos, que também morreram. De que? Certamente de alguma epidemia que devastou o Vale do Paraíba. Ora, se os filhos não houvessem morrido também, os bens dotais continuariam sob a administração do pai viúvo e não seriam devolvidos. Arrisco até dizer que os filhos morreram antes de Justina... é isso mesmo, colega Carla, ou estou sonhando?
Abraços,
Marcos.

9/19/2012 at 5:53 AM

"Senti firmeza", Carla. Obrigado pela solidariedade. Na verdade,
agora já deu para perceber - nos frutos iniciais do impressionante trabalho de Jadra - que o Geni cresce exponencialmente também nas técnicas de tratamento dos dados recolhidos e não apenas na quantidade de novos perfis abertos e acumulados. Em suma, há trabalho para todos e, claramente, ninguém poderá pretender atuar em todas as frentes ao mesmo tempo. Pelo que acabo de perceber, a partir de uma determinada massa de dados recolhidos só podemos ter idéia de conjunto - literalmente "ver", no tempo, a projeção daquilo
que fazemos - mediante tratamento estatístico e apresentação gráfica adequados. Esta a maravilhosa surpresa com que nos brindou Jadra, "entrando-de-sola" - sem delonga, nem burocracia - naquilo que ela sem dúvida domina com maestria e executa com inacreditável rapidez. Percebeu que havia a tal "massa crítica" nos dados de minha família e ofereceu-se para "trabalhar" nela. Embora, como registrei, ainda sem atinar com o diferencial oferecido pela nova abordagem, respondi com um lacônico e feliz "OK" para obter - de imediato, em menos de 48 horas - não apenas uma foto colocada no lugar certo, "ad hoc", mas uma verdadeira "impressão digital" da árvore familiar, espécie de ícone vivo, que usa sofisticado programa para atualizar-se automaticamente. E, de quebra, mais 141 gráficos com as legendas detalhadas dos nomes - numerados - ali plotados, e que vou levar meses "digerindo".
Mas - sempre há um mas - parece que é uma técnica aplicável, pelo
menos por enquanto, apenas às 10 primeiras gerações a partir do
YOU, o white-hole-central, o "centro", que agora, na nova língua croata,
deve traduzir-se por "srediste" em substituição ao antigo "centar". Bjs, Deisi

9/19/2012 at 9:18 AM

Carla Assenheimer (C), a imagem que está agora no perfil de Deisi é uma representação gráfica das 10 gerações mais próximas da árvore dele. O gráfico é «lido» assim: Deisi está bem no centro, cercado por duas meias luas que são os seus pais, por sua vez cercados por 4 fatias que são os avós e assim sucessivamente. Onde não há cor, o antepassado é desconhecido. Onde um antepassado se repete, há uma marca no formato de um O.

São dois os gráficos, na verdade. Em um deles (o que está como foto do perfil), cores diferentes significam lugares de nascimento diferentes, permitindo uma visualização geográfica dos ancestrais. No outro, as cores evidenciam os perfis que se repetem (mas este eu não consigo ver porque Deisi nunca aceitou meus pedidos de colaboração... rsrs).

9/19/2012 at 12:43 PM

Já eu, Lúcia, não consigo porque sou daltônico.

9/19/2012 at 1:45 PM

Hahaha Então nem sabes como estás bonito nestes tons de verde e azul...

9/19/2012 at 5:36 PM

Marcos Raposo com certeza os filhos faleceram antes da mãe que trouxe o dote para o casamento, do contrário o dote tornar-se-ia herança aos filhos. E inexistindo na época o instituto da meação com o marido sobrevivente, talvez o dote de fato tenha se tornado herança. Em não havendo sucessores, e estando vivos os ascendentes, retornou a eles.

Deisi Vaz Pinto agora sim!!! Até que enfim uma imagem...tá ainda parecendo um olho mal rabiscado....mas vai melhorar...não se preocupe...rs.

9/20/2012 at 6:18 AM

Oi Carla, obrigado por seu estímulo e " torcida", que nunca faltaram. Não há dúvida de que uma boa imagem vale mais do que mil palavras, em especial quando nos projetamos no passado mais remoto através de uma rota que nós mesmos vamos aprendendo a reconstruir e a confiar, num exercício de redescoberta com caráter cada vez menos lúdico e mais verossímil. Só agora começo a entender o porquê de Godard(*) fazer esta distinção entre imagens fortes e imagens brutas: "Uma imagem não é forte porque é brutal, mas porque a associação entre as idéias é longínqua e justa" ! Assim, longe de "um olho mal
riscado" na impressão digital que a árvore de minha família acaba de
ganhar, vejo-a, pelo contrário, como uma representação ao mesmo tempo precisa, viva e bela, que só a arte mais simples e pura, quase matemática, pode expressar. Como o "Homem Vitruviano" de DaVinci,
o dedo de Deus na "Criação de Adão", de Miguel Ângelo e o "Olho da
Providência" no Grande "G" da arquitetura maçônica, que é tudo e tudo vê. E mais do que uma imagem forte, viva e bela, é mais outro dos privilégios, enormes privilégios - ao ponto da recorrente suspeita de mania-de-grandeza - ao ver-me, de súbito, representado no "olho-focal" de tantas vidas, que ali pontuaram grandes esperanças e muito esforço, assim como importantes realizações e estóica resignação ante as vicissitudes do processo civilizatório que agora, em nossas mãos, periga ser anulado pela impressão digital de qualquer fundamentalista que se aproxime do botão vermelho.
Desculpa o desabafo Carla, mas a culpa é sua, que provoca estes teimosos assomos de fé no futuro, amor ao presente e saudoso respeito ao passado, reacendendo algumas luzes que vão balizando o
nosso caminho, como esta frase - quase hermética há 200 anos(*) - e que agora parece dirigida ao momentoso "Mensalão":
"Se é sabido em hermenêutica que os lugares duvidosos de um escritor se entendem por outros antecedentes e consequentes, que são claros, o mesmo é na conduta humana".
Um grande e reconhecido beijo fraterno, cara Carla. Deisi
(*)Antônio Luís de Brito Aragão e Vasconcelos, in "Defesa de Francisco de Paula Cavalcante de Alburquerque, Documentos Históricos (Revolução de 1817), vol. 108, p. 5-28, 24(citados em "Raízes do Privilégio-Mobilidade social no mundo ibérico do Antigo Regime", Ed.
Civilização Brasileira, 2011, p.455).

9/20/2012 at 6:35 AM

Hehe Só falta o Deisi entender que seu "olho" só estará melhor desenhado, quando tornar públicos os perfis de seus antepassados e/ou aceitar colaboradores... Enquanto isso não acontece, só o Deisi pode ver ou completar estes ramos que estão até 5 gerações ocultados de todos nós...

Private User
9/20/2012 at 6:36 AM

Daisi,
I can make it go further then 10 generations but because you have 2^10 ancestors in that circle it gets too small, unless you print a poster or have a very large screen.

I will make a prettier picture for you - something more colour coordinated.

9/20/2012 at 6:38 AM

Eu quero um olho desse pra mim! Hehehehe!

9/20/2012 at 8:58 AM

Eu tenho dois, mais um terceiro semelhante ao Deisi seria GENIAL, assim como ele próprio é. Mas, Deisi, eu entenderia o fato de manter privados todos esses perfis se teu sobrenome fosse uma "sopa de letrinhas", como o meu. hehe.

9/20/2012 at 9:32 AM

{{//photos.geni.com/p13/09/2c/d7/40/53444839db44b88d/cl00e1udio_guedes_1954_14_06_2012_11_04_small.jpg}}

{{//photos.geni.com/p13/10/36/db/71/53444839db44b88c/cl00e1udio_guedes_1954_14_06_2012_11_01_small.jpg}}

Estes são os olhos do meu marido. Eu mesma não tenho uma ligação direta à Big Tree.

9/20/2012 at 9:33 AM
9/20/2012 at 9:36 AM

Diego de Moraes Moreira (C), melhor pedir a Jadra que faça do teu filho já que a Lucimar tem grandes ligações também...

9/20/2012 at 10:04 AM

Só para dizer que estou de inteiro acordo com a Carla no que tange à ordem de sucessão. Valeu!

Private User
9/20/2012 at 2:57 PM

Lucia, you can click on the "full size" on the image and then copy the link, see http://photos.geni.com/p13/cc/f9/e3/56/53444839db2d7b3c/cesar_julio...

9/20/2012 at 4:30 PM

Yes, Jadra. This is what I did. But a debate has different rules than a project.

9/20/2012 at 5:32 PM

Lúcia, fico feliz que todos estejam acompanhando e aderindo a esta
extraordinária tecnologia em boa hora trazida pela prima Jadranka a
partir de árvore de minha família. Os dados já plotados nos gráficos constam do site público mantido no Geneanet por Valdenei da Silveira,o mesmo que já disponibilizei aqui mais de uma vez, e de
onde tirei os quase mil nomes, das mais de 30 gerações a que se limitou minha modesta "colaboração" com o Geni, onde eles agora estão também rendendo copiosos frutos coloridos:
http://gw5.geneanet.org/valdenei?lang=en&m=A&p=deisi+vaz&am...
http://gw5.geneanet.org/valdenei?lang=en&pz=valdenei+correa&amp...

9/20/2012 at 5:57 PM

Lúcia, seria fantástico! Peço à Jadra diretamente?

9/21/2012 at 1:43 AM

Claro, Diego!

9/21/2012 at 4:34 AM

Obrigado pela gentil classificação querida Carla. Do tipo que, entretanto, como você bem sabe, me deixa com o desconfortável sentimento de que, de algum modo, continuo enganando as pessoas que "não contavam com a minha astúcia", como dizia o Chaves - ele sim genial - recentemente falecido humorista mexicano. Mas devo-lhe, sem dúvida, uma explicação quanto à suposta negativa de desprivatizar os perfís da árvore familiar que plantei e venho cultivando no Geni a partir do dia seguinte ao do falecimento de minha querida e bela primogênita, na flor de seus encantados 52 anos: transplantei, sem qualquer distinção de público ou privado, todos os dados com os quais outros avatares da genealogia - do quilate de nossa Jadranka, os gaúchos João Simões Lopes Filho e Valdenei da Silveira - me haviam brindado recentemente, também de forma generosa, inesperada e repentina,a partir de seus sites enciclopédicos na internet. Não sei, até hoje, a razão pela qual alguns desses dados foram considerados, no Geni, como privados e dependentes de minha autorização para torná-los públicos Mas não apenas autorizei, pedi, sem resultado, que alguém fizesse, por mim, a tal desprivatização. Como, aliás, acho que Jadranka acaba de conseguir rápida e facilmente pra também poder "colaborar" comigo, não eu com ela, que não entendo os mecanismos técnicos, como vem observando lúcida e persistentemente a nossa prezada Lúcia. Continuo autorizando e pedindo que seja desfeita a tal distinção entre público e privado que, repito, não partiu de mim e para mim não existe. Nem mesmo em função dessa "sopa de letras" a que você se refere e que, como sabemos agora, vem sendo "esquentada" desde os tempos bíblicos. O que existe sim são "claros" ainda não preenchidos porque ainda desconhecidos os seus titulares. E é precisamente na tentativa de preenche-los que ainda não dei por concluída a tarefa. O que, como vemos, tem o saudável e reconfortante efeito colateral de continuar trazendo o calor da sincera e proveitosa amizade das primas e primos vivos, bem vivos...e adoráveis. Bjs, Deisi
http://gw5.geneanet.org/valdenei?lang=en&m=A&p=deis......
http://gw5.geneanet.org/valdenei?lang=en&pz=valdenei+correa......

9/21/2012 at 9:18 AM

Deisi, se estás disposto a tornar público estes perfis, que para toda a comunidade GENI do Brasil e Portugal é crucial, aceite os pedidos de ADICIONAR AO GRUPO FAMILIAR que Lúcia e eu te enviaremos. Assim e somente assim, teremos os poderes para torná-los públicos. Pode ser?

9/23/2012 at 3:18 PM

Hoje andei ampliando a ramificação basca da minha família. Não identifiquei nenhum novo ancestral mas adicionei alguns parentes e familiares por casamento. Todos com documentos (link) do Arquivo Histórico e Eclesiástico de Biscaia. A maioria das localidades de Derio e Mungia. Já está na hora de eu criar um projeto de "Genealogia Basca". Existe, e eu colaboro com, um sobre a "Basque Diáspora". Minha bisavó está nele. Mas acho interessante ir além. Em breve vou separar um tempo para criá-lo.

9/23/2012 at 3:31 PM

Perfeito Diego!
Hoje também, andei completando a árvore da bossa nova, tão justamente reverenciada fora do país. Mas confesso que me fascina mais os perfis do século XV ou XVI...

Private User
9/23/2012 at 3:47 PM

Carla, Diego
I have tried to run a program but it would not work
Will send you a message later

9/23/2012 at 4:38 PM

Thank you, Jadra!

9/23/2012 at 5:13 PM

Tks, tks, Jadra.

9/24/2012 at 5:05 AM

Sorry, Carla Assenheimer. Se não conseguem fazer o que sugerem, e que estou careca de autorizar, parece que chegamos a um impasse. O sistema, "sponte sua" faz distinções - que nós não fazemos entre
os nossos antepassados - e, para que sejam desfeitas, impõe que tomemos a responsabilidade de desfazê-las PESSOALMENTE. O que também parece ser considerado - na "mens legis" do programador - da mais alta gravidade, face a tantas imposições. O quê, mui felizmente, conflita frontalmente com a minha própria programação mais básica.
O tal programa - e eu - estamos, nem é preciso dizer, imensamente longe da perfeição, e este "choque" está longe de ser o mais importante para ambos. Como todo mundo sabe, há 100 anos, o 'beabá" da ciência da administração é a sigla POC³ - Planejamento, Organização, Comando, Coordenação e Controle - base de toda e qualquer estrutura administrativa dessas que vêm sobrevivendo a décadas de crise e crescimento, algumas delas já centenárias. A retro-alimentação(e a correção) do processo se dá do fim para o começo. O controle identifica os problemas que serão corrigidos no âmbito da organização e repassados à coordenação via comando central. E é isso que espero ainda ver funcionar no "trato digestivo" do Geni: as fusões indiretas "diagonais", que confundem, difundem as confusões e triplicam o trabalho. Perto disso este nosso impasse pode - e deve - ser considerada "capitis deminutio" e consertado na própria "linha-de-montagem". S.M.J., este é o meu parecer.
Respeitosamente, Deisi Vaz Pinto

Showing 811-840 of 1085 posts

Create a free account or login to participate in this discussion