Is your surname de Alvarenga?

Research the de Alvarenga family

Ana de Alvarenga's Geni Profile

Records for Ana de Alvarenga

16,940 Records

Share your family tree and photos with the people you know and love

  • Build your family tree online
  • Share photos and videos
  • Smart Matching™ technology
  • Free!

Share

About Ana de Alvarenga

PROJETO COMPARTILHAR Coordenação: Bartyra Sette e Regina Moraes Junqueira www.projetocompartilhar.org


S.L. 5º, 421, Cap. 6º Anna de Alvarenga, falecida em 1644, foi casada três vezes: a 1.ª com Domingos Rodrigues, a 2.ª com Pedro de Araújo,(SAESP. vol. 5º, neste site) natural de Refoios de Ponte de Lima. Acompanhando a seu cunhado, o capitão Antonio Pedroso de Alvarenga, em sua entrada ao sertão até o rio Paraupava, distante de S. Paulo mais de 300 léguas, ao norte de Goiás, rio este que encaminha suas águas ao caudaloso rio do Maranhão, faleceu em 1616 nesse sertão. Terceira vez casou Anna de Alvarenga com Pedro da Silva, viúvo de Luzia Sardinha. Teve (C. O. de S. Paulo): Do 1.º, uma f.ª. 1-1 Maria de Alvarenga, (omitida por Pedro Taques) C.c. Domingos Maciel. Teve q. d.: 2-1 Anna de Alvarenga, cc Simão Domingues Maciel, 2-2 Maria de Alvarenga, cc. Antonio de Proença Varella


Do 2.º, f.º único: 1-2 Pedro de Araújo casou em 1638 com Izabel Mendes. Faleceu Pedro de Araújo nesse mesmo ano deixando a mulher grávida do f.º único: 2-1 Pedro de Araújo de Alvarenga (confundido por Pedro Taques com o pai n.º 1-2) casou em 1654 com Izabel Vaz Coelho.


Do 3.º, 2 f.ªs: 1-3 Anna de Alvarenga, casou em 1634 em S. Paulo com Gaspar de Godoy 1-4 Izabel da Silva, foi casada com Sebastião Gil de Godoy


Subsídios à Genealogia Paulistana (Bartyra Sette)


1-1 Maria de Alvarenga e Domingos Maciel tiveram mais os filhos: 2-3- Domingos Maciel Aranha ou de Alvarenga que foi cunhado de Antonio de Proença Varela (SAESP 41º, neste site) 2-4- João Maciel de Alvarenga, idem


1-2 Pedro de Araújo, nascido por 1613 (testamento paterno SAESP vol. 5º, neste site), falecido em 1638 (abaixo), casado que foi com Izabel Mendes, pais de: Pedro, nascido em 1638, póstumo Izabel Mendes casou em segundas com Felipe Fernandes. (SL. 7º, 249, 1-3)


ANA DE ALVARENGA Inventário e Testamento (anexo o de Pedro de Araújo - 1638)


SAESP - vol. 29, fls. 175 a 214 Testamento data: 25-2-1644 Local:vila de São Paulo, nas pousadas da morada de Pero da Silva Juiz dos Órfãos: Dom Simão de Toledo. (aa) Dom Simão de Toledo Pizza. Escrivão dos Órfãos: Domingos Machado Avaliadores: Manoel da Cunha e Manoel Alvres de Souza Declarante: o viúvo Pero da Silva


Título dos herdeiros: - Maria dAlvarenga, casada com Domingos Masiel - Pedro, órfão, filho de Po. de Araújo que Deus tem e neto da dita defunta Ana dAlvarenga, de idade de 5 anos pouco mais ou menos. - Ana dAlvarenga, casada com Gaspar de Godoi Moreira. - Izabel da Silva, casada com Bastian Gil de Godoi


TESTAMENTO


Em nome de Ds. (...) Eu Anna dAlvarenga faço este meu testamento. Encomenda a alma. Deixo por meu testamenteiro a meu marido Pedro da Silva. Declaro que fui casada três vezes com três maridos e deles tive filhos e filhas e a primeira com Domingos Roiz de que tive uma filha por nome Maria dAlvarenga a qual casei e lhe tenho dado sua legitima e o que lhe prometi em dote (...) tenho quitação e sendo caso que queira de meu marido e filhos algua cousa lhe tenha dado eu e meu marido Po. da Silva vinte patacas pa. pagar a sentença do Bernardo de Quadros e mos pagara e não querendo herdar lhos ------ e peço a meu marido Po. da Silva e filhos que ----- falem disso. Declaro que fui casada com Po. de Araújo de que tive um filho por nome Pedro que Nosso Sor. levou pa. si e me deixou um neto por nome Pedro que se criou em minha casa e lhe tenho suas peças e pelo tirar o ouvidor geral do poder de seu avô mo entregou e assim peço as justiças de Sua Magde. o não deixem tirar desta vila porque nela há doutrina e bons costumes o que n]ao há aonde seu avô mora e sendo caso que em tempo se arrecade ---- herança de seu avô Po. dAraújo que Ds. tem e ---------- conforme seu testamento deixo o que me couber ao dito meu neto Po. de Araújo e que os mais herdeiros não herdem nessa pouquidade porquanto é seu direito e assim as casas em que eu morava pegadas a minha filha Maria dAlvarenga da banda de riba pegado com as casas de Frco. de Proensa. De presente sou casada com Po. da Silva do qual tenho duas filhas uma por nome Anna outra por nome Izabel as quais tenho já casadas e lhe dei seu dote de que me deram ja ----- do que lhe prometi e estão satisfeitos. (...) meu corpo seja enterrado em o convento de Nossa Senhora do Monte do Carmo. Acompanhamentos e missas, esmolas pias. - deixo de esmola uma saia de portalegre e duas camisas e um manto de sarja e um saio de baeta a minha filha Maria dAlvarenga.- deixo que se me diga duas missas a Sra. Santa Anna na Parnaíba em sua casa. Deixo a meu marido Pedro da Silva o remanescente de minha terça em sua vida e por sua morte ficara a meus herdeiros o que lhe couber a cada um. Tenho em minha casa uma moça por nome Madanella de meu filho Gaspar Sardinha lho entreguem se Ds. for servido levar-me desta vida presente e sendo caso que faça algum condesilho se lhe dará inteiro credito como se fosse testamento (...) e roguei a meu cunhado Manoel Mourato Coelho que este fizesse e assinasse a meu rogo, hoje onze de julho de 1644 - Manoel Mourato Coelho. E assim declarou que se desse de esmola uma saia de tafetá e duas camisas a uma pobre a quem seu testamenteiro achar que seja pobre e mais necessitada e com esta declaração mandou que se aprovasse o testamento - Manoel Mourato Coelho. Aprovação: vila de São Paulo nas casas e pousadas de Pero da Silva, aos onze de julho de 1644 Cumpra-se como nele se contem - Raposo ------ Cumpra-se como nele se contem S. Paulo 22-6-1644 - Toledo ----- ---------- S. Paulo - ------ 22 junho 644 (a) Mcos. Mendes.


--------------------- ---------------------- em meu sizo --------------- declarar certas couzas ----------------- que -------- tenham duvida nem demandas primeiramente ------------- que dei a minha filha Maria dAlvarenga que Ds. tem com seu marido Domingos Masiel uma cama --------- um colchão (...) e peço a meu marido Po. da Silva que todo o bem que lhe poder fazer ---------- essa é minha vontade, e assim tambem meu filho Po. dAraujo declaro que quando for ------------- sertão foi com sua gente de sua casa e assim --------- a gente que tenho trazido do sertão daquela que lhe coube por morte de seu pai havera quatro anos que tinha casa sobre ------------ Po. da Silva e de sua casa casou adonde mtos mantimentos donde a justiça fez seu inventário por sua morte e pelo inventário que se lhe -------- constará o que é de meu neto Pedro e a ele me reporto e isto é a verdade e peço as justiças de Sua Magde. façam cumprir este condisilho e declaração e rogo a meu cunhado Manoel Mourato que este fizesse e assinasse hoje vinte dias do mes de julho de mil e seiscentos e quarenta e quatro - Manoel Mourato Coelho.


Foram citados: - Gaspar de Godoy Moreira e a sua mulher - a Sebastião Gil de Godoy e a sua mulher Se queriam herdar e por eles foi dito que ----- nada deste inventário e fazenda; - por Domingos Masiel e a sua mulher foi dito que eles queriam herdar.


Avaliações, bens de raiz, criações.


Aos 19 dias do mes de ---- de 1644 no termo desta vila no sitio e fazenda que ficou da defunta Ana dAlvarenga na paragem chamada Jorge Velho, para efeito de continuar no beneficio deste inventário.


Avaliações de bens móveis, ferramentas, gente forra.


Declarou o viúvo Pero da Silva que devia a seu filho Gaspar Sardinha de resto da legitima que lhe coube por morte de sua mãe Luiza Sardinha 8$000 réis.


Curador alide ao órfão Pedro filho de Po. de Araújo e neto da defunta Ana dAlvarenga: a Manoel Mourato Coelho


Liquido para partir entre o viúvo e os dois herdeiros 150$160 rs. - quinhão do viúvo Pero da Silva - quinhão do herdeiro Domingos Masiel - quinhão do órfão Pedro de que foi entregue o tutor e curador.


fls. 199 termo de curador ao órfão: a Gaspar de Godoy (aa) Gpar. de Godoy Morera.


Confessou o tutor e curado do órfão -- dito Gaspar de Godoi Moreira receber de seu sogro Pero da Silva que restava a dever no quinhão do órfão.


Confessou Antonio de Proensa Varela como procurador bastante de seu sogro Domingos Masiel receber o quinhão que lhe coube assim dos móveis como de dinheiro e peças forras que por morte e falecimento de Ana dAlvarenga que couberam o que tudo recebeu da mão de Pero da Silva e assim mesmo confessou receber do dito Pero da Silva como testamenteiro da dita defunta uma saia de portalegre e um manto de sarja e um habito de baeta e duas camisas de algodão (...) e por ser verdade assinou.


Arrematações, quitações.


Digo eu Ana Masiel que recebi de Pero da Silva como testamenteiro de sua mulher Ana dAlvarenga que Ds. tem, uma esmola que a dita defunta deixou qu4e se desse de duas camisas de pano de algodão e uma saia de raxeta (...) hoje 4-8-1644.


Dinheiro dado a ganhos.


fls 212 seja notificado Gaspar de Godoi Moreira tutor do órfão Pedro, filho que ficou de Po. dAraujo para que dentro de cinco dias apareça para dar conta da pessoa e bens do órfão (...) São Paulo 17 de agosto de 651.


fls. 213: aos 6-6-1654 nesta vila de São Paulo, Francisco Sotil dOlivra., pelo qual foi dito que seu filho João Sotil que Ds. tem, havia tomado a ganho neste inventário a quantia de 5$440 rs. (principal e juros total 9$879 rs). Mandou o juiz se entregassem a Pedro da Silva visto o órfão ser já casado. Recebi a quantia do termo acima como curador que sou deste inventário. Hoje 6-6-1654. Gpar. de Godoy Moreira,


Confessou Pedro dAraujo dAlvarenga estar pago e satisfeito de toda a sua legitima de que deu esta livre e geral quitação (...) em que ha por desobrigado o seu curador e devedores exceto Paulo da Costa de quem não tem cobrado (...). 5-8-654 - Po. dAraujo dAlvarenga.


fls. 214 Aos 21-1-1662 foram apresentados estes autos de inventário e testamento do defunto Pedro de Araújo de que é testamenteira Anna de Alvarenga os quais autos fiz logo conclusos ao Ilmo. Senhor Prelado.


Consta pelas quitações juntas a fl. 24 neste inventário da defunta Anna dAlvarenga ter seu marido e testamenteiro Po. da Silva satisfeito e dado cumprimento a todos os legados (...) e deve tambem o dito Po. da Sylva dar conta de um inventário de seu antecessor Po. dAraujo, que esta junto a este seu testamento, e não consta que lhe tenham feito sufragios dalma. São Paulo 23-1-662,