António Cândido Ribeiro da Costa (1850 - 1922)

public profile

View António Cândido Ribeiro da Costa's complete profile:

  • See if you are related to António Cândido Ribeiro da Costa
  • Request to view António Cândido Ribeiro da Costa's family tree

Поделиться

Related Projects

Birthdate:
Birthplace: Lufrei, Porto, Portugal
Death: Died in Candemil, Viana do Castelo, Portugal
Managed by: Lúcia Pilla
Last Updated:

About António Cândido Ribeiro da Costa

Ribeiro da Costa (António Cândido).

n. 30 de Março de 1852. f.


Doutor em Direito pela Universidade de Coimbra e lente catedrático da mesma faculdade, deputado, par do reino, conselheiro de Estado, ministro de Estado, procurador geral da coroa, sócio efectivo da Academia Real das Ciências, etc.

N. em Candomil, concelho de Amarante, a 30 de Março de 1852.

Matriculou-se no 1.° ano de Direito em 1871, fazendo um curso brilhante, alcançando as primeiras distinções, doutorando-se em 21 de Julho de 1878. Seguiu também o curso de Teologia com distinção. Consagrando-se ao magistério, foi nomeado lente catedrático em 29 de Dezembro de 1881. Leccionou com rara proficiência científica, tornando-se notáveis as suas prelecções. Vindo para Lisboa, entrou na política, filiando-se no partido progressista, que tinha por chefe Anselmo José Braamcamp, de quem era amigo íntimo. Foi eleito deputado em sucessivas legislaturas, representando círculos importantes, entre os quais se contava o de Aveiro. A primeira vez que a sua palavra se fez ouvir na câmara, causou o maior assombro e deslumbramento. Celebraram-lhe o admirável discurso, não somente os grandes jornalistas do seu partido, como os mais temidos adversários políticos.

Diz um dos seus biógrafos, nos Perfis contemporâneos, pág. 74:

«Entrado no parlamento, sob o peso de enormes responsabilidades, postos nele os olhos do país, rodeado das esperanças dos seus amigos e assediado já pelas invejas, quis uma série complicada de incidentes que a sua estreia parlamentar, anunciada dia a dia, não pudesse efectuar-se senão depois de esperada por longo prazo, cheias as galerias da sala pela enorme multidão que afluíra pela noticia do seu discurso, a regurgitar o recinto dos jornalistas, o qual era então quase uma lioneira de feras contra o governo, e a tribuna diplomática a desbordar. Falava Dias Ferreira. António Cândido pediu a palavra. Inesperadamente, por um preito de admiração, que só honra o espírito do ilustre jurisconsulto e estadista, mas que foi então, por muitos, interpretado como um processo insidioso para embaraçar o novo parlamentar, depois de engrandecer em palavras quentes e fervorosas os talentos de António Cândido, e descrever a ansiedade com que era esperado o seu discurso naquela sala onde deixara de ressoar a voz de José Estêvão, Dias Ferreira interrompeu a sua oração. António Cândido pareceu, durante essas palavras, que sucumbia numa síncope, tal era a palidez do seu rosto, o descorado dos seus lábios, a tremura das suas mãos. Pois mal se ergueu, transfigurou-se. Como que uma augusta e calma serenidade lhe transluzia do olhar, da gentilíssima cabeça, e as primeiras palavras, na sua cadência dominadora e doce, empolgaram logo, venceram, todo o auditório. As pouquíssimas frases, a sermo corporis, na frase dum grande escritor, a linguagem do corpo que não é toda a eloquência, mas sem a qual não há eloquência, exercia o seu influxo poderoso. Que assombro e colossal triunfo! Velhos parlamentares, duros e afeitos aos violentos combates da câmara, enterneceram-se até às lágrimas ao apertá-lo nos braços. Nos corredores, nas escadas, muitos que o não conheciam, saudavam-no com entusiasmo A oposição, pela voz do Sr. Hintze Ribeiro, declarou, como um preito de homenagem, cerrar sobre este discurso o debate, em que estavam ainda inscritos alguns dos mais notáveis oradores.»

Desde então a sua vida parlamentar foi uma série de vitórias. Era um dos lutadores mais fervorosos e mais apaixonados do partido progressista, mas abandonou-o em 1888, pouco mais ou menos, por discordar da marcha que a sua política havia levado, e recusando a sua cadeira no parlamento. Entregou-se então ao serviço do seu emprego de ajudante do Procurador-geral da coroa, para que havia sido anteriormente nomeado, conservando-se então afastado da política. Datam desse período alguns dos seus mais importantes discursos literários. Foi então que na Academia Real das Ciências, a que depois presidiu, proferiu o Elogio Histórico do rei D. Luís, falecido em Outubro de 1889, esculpindo com amor o perfil do monarca, dedicando à sua memória uma das suas mais belas e eloquentes homenagens. Publicou por esta época, o seu primeiro livro, Discursos e Conferencias, onde reuniu o que andava disperso no Diário das Câmaras e em outras publicações literárias.

Em 1890 reconciliou-se com o seu partido, e quando nesse ano caiu o ministério regenerador, que já havia sucedido a outros de pouca estabilidade, por causa do conflito com a Inglaterra, consequências do ultimato de 11 de Janeiro, organizou-se em Outubro um gabinete presidido pelo velho parlamentar, o general João Crisóstomo de Abreu e Sousa e o Sr. António Cândido foi nomeado ministro do reino, encarregando-se também, interinamente, da pasta da Instrução Pública e Belas Artes. Este ministério durou apenas 10 meses, podendo dizer-se, que naquela conjuntura em que seria difícil sustentar-se qualquer gabinete, como acontecera aos anteriores, foi o Sr. António Cândido, politicamente, a alma desse ministério. A sua obra de pacificação, interpondo-se às ambições e aos rancores partidários, mantendo-se entre os dois grandes grupos monárquicos, regeneradores e progressistas, permitindo que se olhasse serenamente às crises a que urgia acudir, essa obra, devida à ponderação do seu espírito e à autoridade moral do seu carácter, à confiança que a todos merecia, não teve, pela sua natureza de trabalho lento e íntimo, os fulgores que deslumbram, mas representa enorme serviço ao país e à monarquia. Quando rebentou a revolta republicana do Porto, em 31 de Janeiro de 1891, o Sr. António Cândido, então ministro, foi quem fez a liquidação dessa revolta, preparada desde muito tempo. Com energia e firmeza, sem sobressaltos, não ouvindo vozes que lhe falavam a linguagem do ódio nem se atemorizando com os gritos aterradores, procedeu serenamente ao apuramento de responsabilidades. Ao deixar de ser ministro estava extinto o pânico que passara nas regiões da política, e a ordem inteiramente restabelecida. O Sr. António Cândido Ribeiro da Costa foi nomeado par do reino em 1 de Junho de 1891, e em Março de 1902, conselheiro de Estado. Em Coimbra, no seu tempo de estudante, também se distinguiu como orador sagrado, e nas suas conferências, escutadas sempre com entusiasmo.

http://www.arqnet.pt/dicionario/rcantoniocandido.html

показать все

Хронология António Cândido Ribeiro da Costa

1850
March 29, 1850
Lufrei, Porto, Portugal
1922
1922
Age 71
Candemil, Viana do Castelo, Portugal