Ary de Resende Barroso (1903 - 1964) MP

public profile

View Ary de Resende Barroso's complete profile:

  • See if you are related to Ary de Resende Barroso
  • Request to view Ary de Resende Barroso's family tree

Share

Nicknames: "Ari Barroso"
Birthdate:
Birthplace: Ubá, Minas Gerais, Brazil
Death: Died in Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
Cause of death: Cirrose Hepática
Managed by: Lúcia Pilla
Last Updated:

About Ary de Resende Barroso

Ary de Resende Barroso (Ubá, 7 de novembro de 1903 — Rio de Janeiro, 9 de fevereiro de 1964) foi um compositor brasileiro de música popular.

Vida

1903 - Em 7 de novembro nasce, na cidade de Ubá, em Minas Gerais, Ary Evangelista Barroso.

1911 - Seus pais morrem e ele passa a ser criada pela avó, Gabriela Augusta de Rezende, e pela tia professora de piano, Rita Margarida de Rezende.

1915 - Começa a trabalhar como pianista auxiliar no Cine Ideal, apesar do empenho da avó e da tia em fazê-lo padre.


1918 - Aos 15 anos, compõe o cateretê "De longe" e a marcha "Ubaenses Gloriosos".

1920 - Muda-se para o Rio de Janeiro.

1921 - Matricula-se na Faculdade de Direito. (Depoimento sobre a profissão de advogado: A profissão de advogado é muito estática. Creio que daria um excelente causídico, principalmente no crime. Eu sou mais dinâmico. Não tomei posse no cargo, porque o meu caminho era outro... a música popular.)

1922 - Reprovado na faculdade, começa a fazer fundo musical para filmes mudos no Cine Íris.

1923 - Passa a tocar com a orquestra do maestro Sebastião Cirino.

1928 - Contratado pela orquestra do maestro Spina, de São Paulo, para uma temporada em Santos e Poços de Caldas. Nessa época, Ary resolve dedicar-se à composição. Compõe "Amor de mulato", "Cachorro quente" e "Oh! Nina", em parceria com Lamartine Babo.

1929 - A música "Vamos deixar de intimidade" é gravada por Mário Reis e se transforma no seu primeiro sucesso. Conclui a Faculdade de Direito.

1930 - Fica em primeiro lugar no concurso da Casa Edisor com a marcha "Dá nela". Com o dinheiro do prêmio, casa-se com Ivone Belfort de Arantes. (Depoimento sobre Ivonne, sua esposa: Eu queria que todas as mulheres fossem a mãe que minha esposa foi e que continua sendo para meus netos...)

1931 - Ary escreve a música "A grota funda", que, depois, tem a letra alterada por Lamartina Babo e se transforma no sucesso "O rancho fundo". (Depoimento sobre a sua preferência pela música do trabalhador: Das minha, Terra Seca, porque pretende descrever a tragédia do negro em luta contra as asperezas da terra. Drama atual, intenso, visível a olho nu.)

1932 - Vai trabalhar na Rádio Phillips como pianista, mas logo se torna, também, locutor esportivo, humorista e animador.

1934 - Cria na Rádio Cosmos, de São Paulo, o programa "Hora H".

1935 - Leva o programa "Hora H" para a Rádio Cruzeiro do Sul, no Rio de Janeiro.

1937 - Lança, na Rádio Cruzeiro do Sul, o programa "Calouros em Desfile", onde obrigava os candidatos a só cantarem músicas brasileiras. Depois, essa atração vai para a TV Tupi.

1938 - Vai para a Rádio Tupi onde atua como lucutor, comentarista, humorista e ator.

1939 - Lança, no espetáculo 'Joujox et balagandans', de Henrique Pongetti, o samba "Aquarela do Brasil".

1944 - Pela primeira vez, vai aos Estados Unidos e compõe, para o filme 'Brasil', a música "Rio de Janeiro", que é indicada ao Oscar. (Depoimento: Vivi algumas semanas nos Estados Unidos e tive o meu nome na folha de pagamento de um dos maiores estúdios cinematográficos. Num tempo em que o dólar valia entre vinte e trinta cruzeiros, ganhei, de salários, cerca de três milhões de cruzeiros. De direito autoral, não tenho a conta. Uma parte do que ganhei, o imposto de renda comeu. Fiquei impressionado com os Estados Unidos. É uma terra em que tudo funciona. Lá, a gente aperta urn botão e a bomba atômica explode. Aqui a gente pode apertar o que quiser, que nada acontece...)

1946 - Ary é eleito o segundo vereador mais votado do Rio de Janeiro, então Distrito Federal.

1954 - Candidatou-se novamente para vereador, mas não foi eleito, desiludindo-se da política.(Comentário do jornal O Globo: Ficamos com pena do velho Ary, mas sentimos ao mesmo tempo uma grande alegria com a notícia. Alegria real, profunda, patriótica, de ver que o veterano compositor desiste afinal dessa coisa feia e muitas vezes suja, para a qual não nasceu, e que se chama política, para prosseguir no seu destino sonoro de criar melodias que nós cantamos hoje, e que os filhos dos nossos filhos cantarão ainda, com a mesma emoção e ternura. Não seria nunca um voto a favor de um novo hospital, de um cano de adutora ou de uma nova avenida que iria assinalar o seu nome na posteridade. Será dos acordes da "Aquarela do Brasil", da "Baixa do Sapateiro", dos "Quindins de Iaiá", do "Rancho Fundo" e de dezenas de outras canções que o nome de Ary Barroso será repetido, quando já estiverem em ruínas os hospitais, os canos de adutora e as avenidas que ele gostaria de aprovar na Câmara Municipal. Velho Ary Barroso, teu destino é a música, a grande música viva que o povo canta, e nós todos sentimos um orgulho imenso de ti, e do Brasil, quando nos chegam, mesmo desengonçados, em ritmo meio cubano, os acordes grandiosos da tua e da nossa "Baixa do Sapateiro", na voz de um Bing Crosby. Foi por isso que ficamos contentes, Ary, egoísticamente contentes, diante da tua amargura e da tua decepção. Foi por isso também que nós não votamos em ti para vereador.)

1955 - No dia 7 de setembro, Ary e Villa-Lobos se encontraram no Palácio do Catete para receber a Ordem do Mérito, concedida pelo Presidente da República, Café Filho. (Depoimentos sobre o fato: 1)Estou vivendo os melhores dias de minha vida, pois, se o Itamaraty acha que eu mereço a medalha é porque de alguma maneira exalto minha terra e para um artista ou antes, para um homem, não há nada mais maravilhoso, de mais sublime, do que ser premiado pela sua terra, ainda mais quando esse prêmio é o maior do seu País. 2) Depoimento sobre a repercussão em sua cidade natal com relação ao título Grão-oficial do Mérito - Creio que não, e não creio porque eu não permitiria mais. Esta é a minha única grande mágoa: a minha cidade, minha terra natal, cujo nome foi escrito nos maiores jornais do mundo e proferido em todas as grandes cidades, negou-se a dar meu nome a um logradouro público, enquanto outras cidades, de outros países, no estrangeiro, prestaram-me outras homenagens equivalentes. Os políticos de Ubá transfomaram um caso pessoal em caso político. Não procuraram saber se o filho da terra merecia o prêmio. Procuraram, isto sim, ver que o compositor Ary Barroso era parente de seu adversário político local. Por isso não tenho meu nome numa rua ou numa praça. Agora, nunca mais! )

1960 - É nomeado Vice-presidente do Departamento Cultural e Recreativo do Clube de Regatas Flamengo.

1961- Ary adoece de cirrose hepática e muda-se para um sítio em Araras. (Depoimento sobre a doença - Eu era uma das últimas pessoas a merecer esta doença tão aniquiladora, pelo meu temperamento. Mas foi muito bom. Essa doença fêz-me encontrar. Hoje sou completamente diferente. Quando ficar bom e fôr falar com os meus amigos, muitos vão se espantar estarão falando com um outro Ary. Eu estava vivendo uma vida de artificialismo. Felizmente me encontrei. Quando ficar bom, quero ser um grande avô. Esporadicamente aparecerei na Noite. Imagine que o médico hoje disse não saber quando poderei me levantar. Não sinto nada, mas se levantar-me e for ver um Fla x Flu e voltar para a cama estou arriscado a morrer.)

1962 -Parcialmente restabelecido, volta ao Rio e retoma seu progama da rede Tupi, "Encontro com Ary".

1963 - No final do ano tem nova crise de cirrose hepática. (Depoimento sobre o boato de sua morte morte: ..."-Deixem-me viver. O inverno vem perto. A neve já está caindo. Senaclítica, Sabebelzia, tiu,tiu!")

1964 - No dia 9 de fevereiro, falece o compositor brasileiro mais conhecido no seu país e no exterior.

Principais sucessos

A casta Suzana, Ary Barroso e Alcir Pires Vermelho, 1941

Aquarela do Brasil, Ary Barroso, 1939 (http://www.youtube.com/watch?v=_mQHr8bAojU)

Aquarela mineira, Ary Barroso, 1951

Boneca de piche, Ary Barroso e Luiz Iglezias, 1938 (http://www.youtube.com/watch?v=4H4-41Qo7ws&feature=related)

Brasil moreno, Ary Barroso e Luiz Peixoto, 1941

Camisa amarela, Ary Barroso, 1939 (http://www.youtube.com/watch?v=pqUF4dXOPcY)

Casta Susana, Ary Barroso, 1939

Como vais você, Ary Barroso, 1936

Dá nela, Ary Barroso, 1930

É luxo só, Ary Barroso, 1959 (http://www.youtube.com/watch?v=xTh8ny9azco&feature=related)

Eu dei, Ary Barroso, 1937

Faceira, Ary Barroso, 1931 (http://www.youtube.com/watch?v=1weub9tZDQI)

Foi ela, Ary Barroso, 1934 (http://www.youtube.com/watch?v=ODT1CIZw_h0)

Folha morta, Ary Barroso, 1952

Grau dez, Ary Barroso e Lamartine Babo, 1934

Inquietação, Ary Barroso, 1933

Isto aqui o que é?, Ary Barroso, 1941 (http://www.youtube.com/watch?v=0QNNchd9pI0)

Maria, Ary Barroso e Luiz Peixoto, 1932

Morena Boca de Ouro, Ary Barroso, 1941

Na Baixa do Sapateiro, Ary Barroso, 1938 (http://www.youtube.com/watch?v=_2UO_Q3Ht8w)

Na batucada da vida, Ary Barroso e Luiz Peixoto, 1934 (http://www.youtube.com/watch?v=NBep9tG5io0&feature=related)

Na virada da montanha, Ary Barroso e Lamartine Babo, 1935

No rancho fundo, Ary Barroso e Lamartine Babo, 1931 (http://www.youtube.com/watch?v=faoE4MhvpVk)

No tabuleiro da baiana, Ary Barroso, 1936 (http://www.youtube.com/watch?v=hm2a-BcVdKg)

Os quindins de Iaiá, Ary Barroso, 1940 (http://www.youtube.com/watch?v=vjlXqqR7iLM)

Por causa dessa caboca, Ary Barroso e Luiz Peixoto, 193.....

Pra machucar meu coração, Ary Barroso, 1943

Quando eu penso na Bahia, Ary Barroso e Luiz Peixoto, 1937

Rancho das namoradas, Ary Barroso e Vinícius de Moraes

Rio, Ary Barroso,

Rio de Janeiro, Ary Barroso, 1950

Risque, Ary Barroso, 1952

Terra seca, Ary Barroso, 1943 (http://www.youtube.com/watch?v=xwHZZQ__oqI)

Três lágrimas, Ary Barroso, 1941

Tu, Ary Barroso, 1933

Upa! Upa! (A canção do trolinho), Ary Barroso, 1940

Vamos deixar de intimidade, Ary Barroso, 1929

Discografia

(1958) Meu Brasil brasileiro • Odeon • LP

(1958) Ary Caymmi - Dorival Barroso • Odeon • LP

(1955) Encontro com Ary - Um bate papo musical com o maior compositor brasileiro • Copacabana • LP

(1954) Um nome para esta valsa/Ocultei • Odeon • 78

(1952) O nosso amor morreu/Nada mais me consola • Odeon • 78

(1951) Chorando/Sambando na gafieira • Odeon • 78

(1950) Ai Geni/Na beira do cais • Odeon • 78

(1940) Sem ela/No tabuleiro da baiana/Por causa dessa cabrocha/Novo amor/Quando penso na Bahia • Odeon • 78

(1939) Tu/Maria/No rancho fundo/Faceira/Foi ela/Terra de iaiá • Victor • 78

(1939) Na baixa do sapateiro/Boneca de pixe • Odeon • 78

(1938) Deixa falar • Odeon • 78

Crítica de Ricardo Cravo Albin

Se a década de ouro (30-40) foi a mais brilhante e famosa fase da MPB, Ary Barroso terá sido sua grande estrela, dentre todos os autores. Costumo dizer que Carmen Miranda foi a rainha de sua época e Ary seu natural príncipe consorte. E por quê? Porque Ary não foi apenas o excepcional compositor. Foi personagem múltiplo e polêmico, ou seja, uma absoluta novidade para a época.

Ary Barroso, autor de um dos mais belos conjuntos de obras dentro do cancioneiro brasileiro, foi inicialmente apenas pianista, profissão que exercia por amor e por sobrevivência. Até que, contratado para musicar peças de teatro, se lançaria como compositor, quando escreveu toda a partitura musical para a peça “Brasil do amor”. Ali estrearia também o cantor Sílvio Caldas, cantando uma das primeiras músicas compostas por Ary e que mais tarde se tornaria um clássico, o samba “Faceira”.

No ano de 1944 o compositor visitou pela primeira vez os Estados Unidos, onde seu prestígio já era grande, graças às músicas que Carmen Miranda cantava, e, sobretudo, graças ao sucesso de “Aquarela do Brasil”, que naquele ano começava a transformar-se em grande hit nas paradas norte-americanas. Chegando aos Estados Unidos, a primeira música que Ary compôs seria uma canção expressamente feita para o filme “Brazil”. Chamou-se “Rio de Janeiro” e se tratava de um samba exaltação à cidade que o acolhera e que lhe dera fama.

É certo que Ary Barroso experimentou em 1944 o gosto tão difícil de ter sucesso nos Estados Unidos. E de lá voltou ainda mais famoso. A cada vez mais ocupado e mais solicitado para programas de rádio, de jornal e sua vida pública de vereador da cidade. Por isso mesmo sua bagagem musical caiu verticalmente nas décadas finais de sua existência, os anos 50 e 60, em que apareceram menos de três sucessos do compositor.

Toda sua obra, contudo, jamais deixou de merecer atenções, tanto por parte da crítica quanto por parte dos mais variados intérpretes brasileiros ou não.

Biography in English

The most Brazilian of Brazilians

The short history of Brazilian popular music is strewn with the names of illustrious songwriters. Few shine as brightly as Ary Barroso’s.

The first samba composer to attain international fame, Ary Barroso was a hitmaker extraordinaire. During the 1930s he wrote many of Carmen Miranda’s best-known vehicles. His hundreds of sambas, sambas-canções, and ballads have endured beyond his lifetime and are as compellingly delightful today as they were fifty years ago.

Ary Barroso invented a new genre of song (later baptized as samba-exaltação) one memorable night in 1939, when he sat at the piano and created what may very well be the planet’s most recognizable tune: “Aquarela do Brasil”—known the world over as simply “Brazil” (see lyrics in Portuguese - http://daniellathompson.com/ary/aquarela.html - and in English and Spanish - http://daniellathompson.com/ary/lista.html).

In this site you’ll find the discography (http://daniellathompson.com/ary/aqua-list.html) of “Aquarela do Brasil,” beginning with its first recording in 1939. The composer’s other million-air song, “Na Baixa do Sapateiro” (aka “Bahia” or “Baía”—see lyrics (http://daniellathompson.com/ary/baixa.html)), is likewise covered (http://daniellathompson.com/ary/baixa-list.html).

But these two songs barely scratch the surface; we have assembled here the lyrics to many of Ary Barroso’s songs, from the well-known to the relatively obscure.

And just as “Aquarela” and “Baixa” alone can’t define this songwriter’s musical output, songwriting was but a facet of this fascinating man’s life. A lawyer by training, Ary Barroso possessed many talents and practiced them all: radio announcer, writer, humorist, reporter, producer, piano player, star maker, master of ceremonies, TV show host, interviewer, soccer commentator, narrator, and politician. An ardent fan of the Rio soccer club Flamengo, he rejected a Hollywood career to be near his favorite team.

The highlights of Ary Barroso’s colorful life are recounted in our Life & Times page (http://daniellathompson.com/ary/lifetimes.html). An expanded accounting is provided in Arthur de Faria’s article ExtraordinAry (http://www.brazil-brasil.com/blajul97.htm), published in the July 1997 issue of Brazzil magazine. Lesser known episodes in the composer’s life and work are revealed in Stories of Ary (http://daniellathompson.com/ary/stories.html).

Many additional articles and the most extensive discography of Ary Barroso’s work on the Web can be found in Daniella Thompson’s Ary Barroso Discography (http://daniellathompson.com/Texts/Ary_Barroso/Ary.htm).

Fontes:

Wikipédia

Site Oficial de Ary Barroso

Biography in English of Ary Barroso

Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira

view all

Ary Barroso's Timeline

1903
November 7, 1903
Ubá, Minas Gerais, Brazil
1930
February 26, 1930
Age 26
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
1955
September 7, 1955
Age 51
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
1960
1960
Age 56
1964
February 9, 1964
Age 60
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
????
????
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil