Astrogildo Pereira da Costa, Barão de Aceguá (1815 - 1892)

public profile

View Astrogildo Pereira da Costa, Barão de Aceguá's complete profile:

  • See if you are related to Astrogildo Pereira da Costa, Barão de Aceguá
  • Request to view Astrogildo Pereira da Costa, Barão de Aceguá's family tree

Share

Related Projects

Birthdate:
Birthplace: Piratini, Rio Grande do Sul, Brazil
Death: Died in Jaguarão, Rio Grande do Sul, Brazil
Managed by: Pablo Benítez Barreto
Last Updated:

About Astrogildo Pereira da Costa, Barão de Aceguá

Natural do Cerro do Baú, município de São João do Herval, Erval (RS), nascido em 1815; era filho do Capitão Astrogildo Pereira da Costa e de Maria Antônia da Silveira, que era filha de Manoel Amaro da Silveira (falecido em Jaguarão, aos 16 de maio de 1824) e de Maria Antônia Muniz.

Desde menino manifestou pronunciadas tendências para a carreira das armas e demonstrou alto valor em 1821, quando o lar paterno foi assaltado por malfeitores estrangeiros.

Em 1835, foi qualificado Guarda Nacional; achava-se casualmente em Pelotas, quando rebentou a Revolução Farroupilha. Imediatamente se apresentou ao Capitão José Mazzaredo que, por ordem do Governo, reunia gente para opor resistência aos revolucionários.

Foi promovido a Cabo, quando servia nas forças do futuro Visconde de Cerro Alegre, após ter realizado dificílima missão bélica, na qual já anteriormente haviam fracassado dois oficiais. Tomou parte no ataque do Rosário, aos 17 de março de 1836. Passou a Furriel aos 15 de dezembro do mesmo e a 2º Sargento em 1º de novembro de 1837. Em 1839, foi promovido a Alferes e, em 1841, já era Capitão da Guarda Nacional.

Em 1851, quando o Império do Brasil declarou guerra ao ditador Rosas, de Buenos Aires, o então Conde de Caxias (conhecedor dos altos méritos de Astrogildo Pereira da Costa), promoveu-o a Major e neste posto seguiu para o teatro das operações; terminada a Campanha, recebeu os galões de Tenente-coronel, por merecimento, em agosto de 1856.

Em 1864, na guerra contra o Estado Oriental do Uruguai, comandou o 27º Corpo da Guarda Nacional do Rio Grande, com o qual se juntou ao 4º Regimento e ao 3º Batalhão de Infantaria, formando a Brigada comandada pelo General José Luís Mena Barreto. Na tomada do Cerro Largo, viu morrer a seu lado um irmão - o valente Capitão Justino Pereira da Costa.

Distinguindo-se extraordinariamente na Batalha de Paissandú, atacando com rara intrepidez o Forte de Lucas Pires, que era posição de primeira ordem, para o inimigo. Quando o Imperial Exército seguiu para Montevidéu, grave doença o acometeu, obrigando-o a retornar à terra natal, para procurar alívio aos males que o afligiam. Ainda não estava restabelecido, quando soube que o solo pátrio estava sendo pisado pelo exército paraguaio, que devastava nossas fazendas e destruíam nossas casas. Apoiado em seu grande prestígio, imediatamente reuniu cento e cinqüenta e seis patriotas, filhos das principais famílias do Herval e parentes seus, marchando para Uruguaiana (RS), onde se apresentou ao então Barão de Porto Alegre, Comandante do 2º Corpo do Exército. Tomou parte nos combates de 16 e 18 de julho e no ataque a Curuzú, no qual foi o primeiro que escalou as fortificações inimigas.

Após o combate, foi felicitado por todo o Estado Maior, por sua brilhantíssima atuação; nesse mesmo ano foi promovido a Coronel.

Em Curupaiti, praticou atos de inexcedível bravura. Em 1868, alquebrado pelas moléstias adquiridas em Campanha, teve necessidade de se retirar ao Rio Grande do Sul, a conselho médico; antes de partir recebeu de Osório uma rara demonstração de apreço em que era tido: O futuro Marquês do Herval presenteou-o com objetos do seu uso nas campanhas - o binóculo, a lança (com cuja ponta escrevera a epopeia da Campanha do Paraguai) e o seu próprio cavalo “gateado”. De retorno à Província , não descansou; ao contrário, sempre permaneceu ao serviço da Pátria.

Por Decreto Imperial de 22 de Dezembro de 1888, foi agraciado por S. M. I. com o título de Barão de Aceguá.

Do seu casamento com Josefa Bittencourt, natural do Herval (RS), deixou os seguintes filhos: Eulália, Astrogildo Jr., Ubelina Emília, Brasilina Blandina, Severina Cândida e Maria Josefa.

Faleceu aos 19 de janeiro de 1892, em Jaguarão (RS), cujas guarnição e fronteira comandava.

Fonte: http://maragatoassessoramento.blogspot.com.br/2009/09/gauchos-ilustres_14.html

view all

Astrogildo Pereira da Costa, Barão de Aceguá's Timeline

1815
August 4, 1815
Piratini, Rio Grande do Sul, Brazil
1844
December 16, 1844
Age 29
Pelotas, Rio Grande do Sul, Brazil
1846
January 9, 1846
Age 30
Pelotas, Rio Grande do Sul, Brazil
1848
May 18, 1848
Age 32
Pelotas, Rio Grande do Sul, Brazil
1853
1853
Age 37
Herval, Rio Grande do Sul, Brazil
1855
1855
Age 39
Herval, Rio Grande do Sul, Brazil
1857
1857
Age 41
Herval, Rio Grande do Sul, Brazil
1859
1859
Age 43
Herval, Rio Grande do Sul, Brazil
1892
January 19, 1892
Age 76
Jaguarão, Rio Grande do Sul, Brazil
????