Brás Rodrigues de Arzão

Is your surname Rodrigues de Arzão?

Research the Rodrigues de Arzão family

Brás Rodrigues de Arzão's Geni Profile

Share your family tree and photos with the people you know and love

  • Build your family tree online
  • Share photos and videos
  • Smart Matching™ technology
  • Free!

Share

Related Projects

Brás Rodrigues de Arzão

Birthdate:
Death: Died in São Paulo, São Paulo, Brazil
Immediate Family:

Son of Cornelius Arzam and Elvira Rodrigues
Husband of Maria Egipcíaca Domingues
Brother of Maria Rodrigues de Arzão; Manuel Rodrigues de Arzão; Cornélio Rodrigues de Arzão; Ana Rodrigues de Arzão and Suzanna Rodrigues de Arzan

Managed by: Carla Assenheimer (C)
Last Updated:

About Brás Rodrigues de Arzão

Brás Rodrigues de Arzão foi sertanista dos mais notáveis, filho do flamengo Cornélio de Arzão e de Elvira Rodrigues. Casou com Maria Egipcíaca Domingues, filha de Pero Domingues, o Velho. Morreu em São Paulo em 12 de julho de 1692.

Desde 1651 penetrou no extremo Sul, integrando a bandeira escravagista de Domingos Barbosa Calheiros com quem foi à Bahia em 1658, sofrendo grande revés na mãos dos índios paiaiás, regressando destroçada a São Paulo em 1660.

Integrou em 1671 a bandeira ou leva de Estêvão Ribeiro Baião Parente à Bahia.

Em 20 de março de 1675 o Governador Geral do Estado do Brasil incumbiu-o de pesquisas de ouro nas capitanias do sul.

A 24 de junho de 1677 houve novas confusões entre o povo de São Paulo, o capitão-mor Brás Rodrigues de Arzão e os jesuítas, sobre a alforria do gentio. Arzão participou no colégio dos padres «que o povo que o seguia vinha deliberado expulsá-los da capitania se fosse certo que por via dos ditos padres tinha vindo uma ordem do Rio de Janeiro para se se executar a alforria do gentio do Brasil». Tendo o Reitor e mais padres declarado que «em nenhum tempo falaram nem trataram da liberdade do dito gentio, e que se em algum tempo o fizessem, sujeitavam-se ao que o povo quisesse sem mais poder alegar", retirou-se o povo pacificamente.

A 15 de janeiro de 1679 foi mandado com o posto de capitão-mor na leva do mestre de campo Jorge Soares de Macedo para tomar parte nas diligências da fundação da Colônia do Sacramento. Em meados de 1680, Arzão voltou a São Paulo de novo, escapo dos desastres do Sul, exercendo no governo da vila cargos de confiança, inclusve o de administrador das minas e superintendente das aldeias reais de índios. Na mesma data Antônio Afonso Vidal tivera patente do mestre de campo para ir aos sertões do Sul, Rio da Prata e ilha de São Gabriel.

Silva Leme estuda sua descendência e ascendência no volume VII de sua «Genealogia Paulistana», página 337. Seu irmão foi Cornélio Rodrigues Arzão (casado com Catarina Gomes Correia, de Itu) também sertanista.

Sobre ele, diz o grande historiador brasileiro Capistrano de Abreu em sua obra »Capítulos da História Colonial», pp. 60 e 61:

«Em torno do Paraguaçu reuniram-se tribos ousadas e valentes, aparentadas aos Aimorés convertidos no princípio do século, que invadiram o distrito de Capanema, trucidaram os moradores e vaqueiros do Aporá, e avançaram até Itapororocas. Pouco fizeram expedições baianas mandadas contra eles, e houve a idéia de chamar gente de São Paulo. Acudindo ao convite Domingos Barbosa Calheiros embarcou em Santos; na Bahia se dirigiu para Jacobinas, mas deixou-se iludir por Paiaiás domesticados, e nada fez de útil.

Acompanhando-o na jornada mais de 200 homens brancos, raros tornaram do sertão. Com este malogro não admira se repetissem as incursões de Tapuias, a ponto de a 4 de março de 1669 ser-lhes declarada guerra e outra vez convidados paulistas para fazê-la. Em agosto de 71 chegou a gente embarcada, com cuja condução a câmara do Salvador despendeu mais de dez contos de réis. Eram dois os chefes principais, Brás Rodrigues de Arzão e Estêvão Ribeiro Baião Parente. Fizeram de Cachoeira base das operações que duraram anos. Brás Rodrigues retirou-se depois de tomar, na margem esquerda do Paraguaçu, a aldeia do Camisão. Estêvão Ribeiro guerreou sobretudo na margem direita, onde conquistou a aldeia de Massacará. Em paga dos serviços foi-lhe dado o senhorio de uma vila chamada de João Amaro, nome de seu filho. A vila, depois de vendida com as suas terras a um ricaço da Bahia, extinguiu-se; o epônimo ainda é lembrado nos catingais baianos.

A estas expedições marítimas sucederam outras por via terrestre. Talvez a mais antiga fosse a de Domingos de Freitas de Azevedo, de quem apenas consta haver sido derrotado no rio São Francisco. Facilitaram estas entradas a abundância de matas no trecho superior do rio, as suas condições de navegabilidade dentro do planalto, o emprego de canoas. Paulistas houve que fizeram canoas e desceram para vendê-las próximo do trecho encachoeirado, onde a escassez da vegetação tornava preciosa a mercadoria. Das expedições feitas pelo interior conhecemos a de Domingos Jorge Velho, Matias Cardoso de Almeida, Morais Navarro, todos empregados em combater os Paiacus, Janduís, Icós, nas ribeiras do Açu e do Jaguaribe. Domingos Jorge auxiliou a debelação dos Palmares, mocambo de negros localizado nos sertões de Pernambuco e Alagoas, que já existia antes da invasão flamenga e zombara de numerosas e repetidas tropas contra ele mandadas. Ficou assim livre todo o território entre as matas do cabo de Santo Agostinho e Porto Calvo.»

Fonte: WP

view all

Brás Rodrigues de Arzão's Timeline

1692
July 12, 1692
São Paulo, São Paulo, Brazil
????
????