Diogo Garcia de Figueiredo (1821 - 1910)

public profile

View Diogo Garcia de Figueiredo's complete profile:

  • See if you are related to Diogo Garcia de Figueiredo
  • Request to view Diogo Garcia de Figueiredo's family tree

Share

Birthdate:
Birthplace: Nepomuceno, Minas Gerais, Brazil
Death: Died in Mococa, São Paulo, Brazil
Managed by: Antônio João CALDAS
Last Updated:

About Diogo Garcia de Figueiredo

SL 7-2
web: http://geocities.yahoo.com.br/projetocompartilhar

e-mail: projetocompartilhar@yahoo.com.br

Coordenação: Bartyra Sette e Regina Moraes Junqueira


Ver, neste site, estudo “Os Barbosa Lima” I- Cap. 4º.



MATEUS LUIS GARCIA, capitão

Inventário



 


CENTRO DE MEMORIA DO SUL DE MINAS – CEMEC – Campanha-MG

Inventários de Lavras – cx 13

Inventariado – Capitão Mateus Luis Garcia

Inventariante – João Luis Garcia - filho

Local – Fazenda Margem do Rio Grande, São João Nepomuceno, Freguesia de Lavras, Termo de São João Del Rei, Comarca do Rio das Mortes.

Data – 18 de abril de 1825 -inicio

Transcrição – Moacyr Villela - 2006



 


Ele era viúvo de Dona Francisca Maria de Jesus.

Declarou que seu pai havia falecido sem testamento a 2 de setembro de 1824 deixando filhos herdeiros:

Herdeiros:

01- Capitão Diogo Garcia da Cruz;

02- Mariana, viúva;

03- Jose Luis Garcia, casado;

04- Francisco Luis Garcia, casado,

05- Maria foi casada com Manoel Gomes Lima, ambos falecidos e deixam os filhos:

a- Jose Gomes Lima;

b- Joaquim Gomes Lima;

06- Alferes Mateus Luis Garcia, casado;

07- Genoveva, casada com o Alferes Inácio Moreira de Alvarenga;

08- Antonio Carlos Garcia, casado;

09- Julia Maria da Caridade, solteira, 37 anos;

10- Manoel Tomas Garcia, casado;

11- Joaquim Jose Garcia, solteiro, 35 anos, louco;

12- Domingos Jose Garcia, casado;

13- João Luis Garcia, casado.


Louvados – João Jose de Paiva e Jose Bazilio Villas Boas.


BENS

13 escravos


Em terras de cultura desta Fazenda da Margem do Rio Grande que partem com terras de João (Cardoso) de Mello, do Capitão Diogo Garcia da Cruz, com Jose Pinto da Fonseca, com João Ferreira Rocha, com Joaquim Antonio Pereira, Antonio Ferreira Rocha, João Dias de Gouveia., Jose da Silva Coelho, herdeiros de Manoel Gomes Lima e com o Rio Grande, o que tocou a meação do inventariado, no inventario amigável feito por morte da mãe dele inventariante – 2:426$613

Morada de casas de vivenda nesta Fazenda, com engenho de cana – 400$000;

Casas no arraial de São João Nepomuceno- 60$000;


MEIOS DOTES

Mariana Luiza do Espírito Santo viúva de Jose da Silva ( Coelho) – 300$000;

Maria Luiza do Espírito Santo e seu marido Manoel Gomes de Lima – 141$000;

Genoveva Inacia, casada com Inácio Moreira de Alvarenga – 125$000;

Capitão Diogo Garcia da Cruz – 68$000;

Alferes Mateus Luis Garcia – 15$000;

Jose Luis Garcia – 15$000;

Francisco Luis Garcia – 60$000;

Antonio Carlos Garcia – 65$000;

Manoel Tomas Garcia – 68$000

João Luis Garcia – 200$000


Os herdeiros Mariana Luiza e Diogo Garcia não querem entrar na colação com seus dotes e desistem de suas partes na herança.

Dizem os abaixo assinados Capitão Diogo Garcia da Cruz e sua mulher Inocência Constança de Figueiredo que se acham pagos e satisfeitos no inventario de nosso pai e sogro. Assina na Fazenda do Congonhal em 9 de agosto de 1825;


Devem ser acrescidos 100$000 reis da terras da Fazenda do Rio Grande que tinham sido dados pela falecida Mãe do inventariante a Ana Luiza, filha de Manoel Gomes Lima e neta do inventariado e porque aquela legatária morreu solteira....


MONTE MOR – 5:340$083


1827- Diz o Capitão Diogo Garcia da Cruz, morador em sua Fazenda chamada o Paraíso da Freguesia de Lavras...que nesta casal há dois filhos dementes e assim conhecidos por desassisados à anos, um dos quais é Joaquim Jose Garcia de quem é tutor o Alferes Inácio Moreira de Alvarenga, cujo tutor é morador no Jacaré do Termo da Vila de São Jose e que tem sua mulher Dona Genoveva de tal que também é demente há anos...pede que seja nomeado outro tutor para Joaquim e para Antonio Carlos Garcia...os dementes tem andado dormindo pelos matos, expostos a fome e frio e o tutor mora muito distante para cuidar deles.


1837 – Antonio Carlos Garcia, por ter recobrado o seu perfeito juízo pede exame por peritos para assumir a administração de seus bens – Aprovado.


1845-Tendo falecido o capitão Diogo Garcia antes de Joaquim é nomeado novo tutor – Domingos


 


 

MATEUS LUIS GARCIA, capitão

Inventário



 


Museu Regional de São João Del Rei – Livro de Tutelas numero 4 fl 51

Inventariado: Capitão Mateus Luis Garcia

Inventariante: João Luis Garcia - filho

Data do registro do Inventario: 18 de abril de 1825

Transcrito e disponibilizado por: Moacyr Villela

Data da Transcrição: 2005

Objetivo: Dados Genealógicos.



 


DADOS DO INVENTARIO 

“Inventario dos bens do Capitão Mateus Luis Garcia, viúvo de Dona Francisca Maria de Jesus de que é inventariante seu filho João Luis Garcia


FILHOS HERDEIROS:


1- Capitão DIOGO LUIS GARCIA, casado;

2- MARIANA LUIZA DO ESPIRITO SANTO, viúva;

3- JOSE LUIS GARCIA, casado;

4- FRANCISCO LUIS GARCIA, casado;

5- Dona MARIA LUIZA casada com MANOEL GOMES LIMA, ambos falecidos, com filhos;

6- Alferes MATEUS LUIS GARCIA, casado;

7- Dona GENOVEVA INACIA, casada com INACIO MOREIRA DE ALVARENGA;

8- ANTONIO CARLOS GARCIA, casado;

9- Dona JULIA MARIA DA CONCEIÇÃO, solteira , 37 anos;

10- MANOEL TOMAS GARCIA, casado;

11- JOAQUIM JOSE GARCIA, solteiro, 34 anos, demente;

12- DOMINGOS JOSE GARCIA, casado;

13- JOÃO LUIS GARCIA, casado


Netos, filhos de Maria Luiza:

JOSE GOMES LIMA, casado;

JOAQUIM GOMES LIMA, solteiro, 20 anos;


Monte – 5:340$083

Custas E Dividas – 2:078$324

Meios Dotes – 742$000

Partivel – 4:003$759

Cada Herdeiro – 363$978


Juramento do Tutor Diogo Garcia da Cruz, dos dementes: Joaquim Jose Garcia e Antonio Carlos Garcia em 1827



Filhos de Diogo, citados em “As Três Ilhoas”, dos quais encontramos documentos:


1- Ana Garcia da Assunção, nasceu por 1762. Aos 17-04-1780 casou com o Licenciado José da Silva Cintra, filho de Domingos da Silva Cintra e Antonia Maria da Cruz.

B7: Matriz de Nossa Senhora do Pilar SJDR e capelas filiadas, aos 17-04-1780 Cap. Madre de Deus, o Licenciado Jose da Silva Cintra, f.l. de Domingos da Silva Cintra e Antonia Maria da Cruz, n/b na freguesia de Santo Ant---- da Itatiaia comarca da vila Rica; = cc. Ana Garcia da Açumpção, f.l. de Diogo Garcia e de Antonia Domingas da Reçurreição, n/b na Capela da Madre de Deus desta.


José recebeu sesmaria em 20/07/1785 (neste site), na “Paragem chamada Córrego da Prata, o qual deságua no ribeirão das Pitangueiras” cujas terras ocupava ha mais de 20 anos (confrontando com Diogo “Pereira”-sic).

         Ana Garcia faleceu em 1841 e seu marido aproximadamente em 1825 conforme se deduz de requerimento anexo ao inventário dele, feito somente em 1841(inventários neste site) “Requerimento que fazem a viúva e seus filhos em 21 de abril de 1836-Diz Ana Garcia de Assunção, viúva do Capitão Jose da Silva Cintra, falecido há onze anos e não tendo passado a segundo casamento, acha-se impossibilitada por suas enfermidades e avançada idade de 75 anos a bem administrar seus bens.”

Censo de Serranos . 1831, Quarteirão 2, fogo 8

Ana Garcia de Assunção, preta, livre, 69 anos, viúva, lavradora

30 escravos


         Era moradora na Fazenda do “Xavier” e se apresentaram nos inventários os filhos:

1-1 Ana da Silva Cintra, nascida por 1782, em 1834 estava casada com Francisco Rodrigues de Souza, falecido entre 1834 e 1836

Entre seus filhos:

1-1-1 José de Mattos Loires, (assina pela mãe no inventário de Ana Garcia de Assunção), casado com Ana Nicesia Silva Cintra (1-2-2)

1-2 João da Silva Cintra, falecido com testamento aos 24-11-1834 e inventariado em 1835 (inventário neste site), casado com Ana Esméria de Jesus.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG ; matriz - aos 24 novembro 1834, maior de 40 anos, c/test. João da Silva Cintra cc. Anna Esmeria.

F. l. do falecido cap. Jose da Silva Cintra e D. Anna Garcia da Assumpção, n. e b. na freg. de Aiuruoca.

Testamenteiros: 1-m/mulher; 2- m/filho João da Silva; 3/m/genro Jose de Mattos Loures.

Sou cc. Anna Esmeria e tenho 3 filhos: João, Maria cc Antonio Joaquim Pinheiro e Anna cc. Jose de Mattos

25 fev 1834 Registrado 25 novembro 1834.


Censo Serranos, 1831, quarteirão 2, fogo 12

João da Silva Cintra. Preto , livre, 48 anos, casado, lavrador;

Ana Esmeria, preta livre, 36 anos, casada;

João da Silva Cintra, preto, livre, 21 anos, solteiro;

Maria Esmeria, preta, livre, 14 anos, solteira;

27 escravos


     Declarou em testamento os três filhos:

1-2-1 João da Silva Cintra, nascido por 1810

1-2-2 Ana Nicesia Silva Cintra, nascida por 1815, casada com Jose de Mattos Loires.

Censo Favacho 1840, fogo 22

Jose de Matos Loires, branco, 37 anos, casado;lavoura

Ana Cintra, branca, 25 anos, casada

18 escravos

1-2-3 Maria Esméria de Jesus, nascida por 1817, casou com Antonio Joaquim Pinheiro.


1-3 Domingos da Silva Cintra, nasceu por 1789, casou com Iria (Moreira) Garcia do Espírito Santo.

Censo São Vicente 1831, fogo 116

Domingos da Silva Cintra, branco, 41 anos, casado, lavrador,

Iria Moreira Garcia, branca, 33 anos, costureira;

Ana, branca, 10 anos,

Iria, branca, 9 anos;

Jose, 7 anos;

Pedro, 5 anos;

Teresa, branca, 1 ano

23 escravos


Censo São Vicente 1838, quarteirão 5, fogo 13;

Domingos Silva Cintra, 50 anos, Fazendeiro;

Iria Maria Garcia, 40 anos;

Pedro de Alcântara, 8 anos;

Domingos Silva Junior, 5 anos;

Teresa da Silva, 6 anos;

Maria Umbelina, 4 anos;

Francisca da Silva, 3 anos

29 escravos


         Entre seus filhos:

1-3-1 Ana Teresa Silva Cintra, nascida por 1818, casou em 19-09-1838 com Lucindo Silva Braga, filho natural de Luzia Moreira. Ana Tereza foi afilhada de Tereza Romana da Silva e recebeu desta doações por escritura pública. (testamento de Tereza Romana)


Censo São Vicente 1838, quarteirão 5, fogo 14

Lucindo Silva Braga, branco, 30 anos, casado, ferreiro

Ana Teresa, branca, 20 anos, casada, costureira.

2escravos


(digitação e revisão de Sergio Lane de Mello disponib. por Marcos Paulo Souza Miranda) Igreja Matriz de Nossa Senhora do Porto - Andrelândia MG, Lv. 1º de Casamentos, fls 39 A 19 de 7br.o 1838 em Caza de Dom.os da S.a Cintra as tres horas da tarde, preced.as as formalid.es legais, e em prezença das Testem.as Domingos Theodoro d'Azevedo, e Fran.co Joze Guim~ recebi em Matr.o os Contrahentes Lucinda da S.a Braga, f.o n.al de Luzia Mor.a, natural do Rio das mortes, freg.a do Cajurú: com Anna Thereza da S.a Cintra, f.a leg.a de Dom.os da S.a Cintra, e Iría Garcia do Sp.to S.to de q~ p.a constar fis este assento.

O Vig. Fran.co J.e de Sz.a Montr.o


1-3-2 Iria Silva Cintra, nascida por 1822, casou em 19-09-1838 com João Evangelista da Silva Cintra.(1-6-7 abaixo). Ali a geração.


1-3-3 Domingos, batizado aos 16-05-1829

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG -- batismos - aos 16 maio 1829 oratorio Boa Vista, DOMINGOS, f.l. de Domingos da Silva Cintra e Iria Maria Garcia, padr.: João Garcia do Espirito Sancto e Theresa Romana da Silva.


1-4 Teresa Maria de Jesus, nasceu por 1787. Casou com Antonio Joaquim Pereira, Casou com Antonio Joaquim Pereira, filho do Alferes Bento José Pereira e Teresa Umbelina de Jesus. Estudo “Bento José Pereira” 1.

         Antonio faleceu em 23-09-1822 com testamento e foi sepultado em Aiuroca, sem geração:

B7: Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG, matriz - aos 23 setembro 1822, c/test., quadragenario, Antonio Joaquim Pereira cc. Theresa Maria de Jesus.

F. leg. de Bento Jose Pereira e The--- Umbelina de Jesus, n. e bat. na freg. da Conceição de Prados. Cc. Theresa Maria de Jesus, f.leg. do cap. Jose da Silva Cintra e Anna Garcia da Assunção; não temos filhos.

testamenteiros: 1- m/mulher Theresa Maria de Jesus; 2- meu sogro, dito cap. Jose da Silva Cintra; 3-m/irmão Luis Jose Pereira.


         Em 1831 morava em Serranos com seu segundo marido João Pedro da Costa Guimarães, já com dois filhos. Teresa foi inventariada em 1856 no Engenho da Prata por seu viúvo deixando entre seus bens terras na Fazenda Xavier e do Paiol (inventário neste site).

Censo Serranos 1831. quarteirão 2, fogo 10

João Pedro da Costa Guimarães, branco, 37 anos, lavrador;

Teresa Maria. Preta, livre, 43 anos, casada;

Jose, preto livre, 5 anos;

João, preto livre, 2 anos;

Ana, preta livre, 23, viúva;

Francisca, preta livre, 50 anos, viúva

26 escravos


         Filhos que se apresentaram:

1-4-1 Jose Miguel, casado com Belizandra Ambrozina de Guimarães; (comparar com 1-5-3 abaixo).

1-4-2 João Pedro, batizado em maio de 1829. Casado com Bárbara Virginia da Silva Cintra. No testamento de Teresa Romana da Silva Miranda, de quem foi legatário, comparece como João Pedro Celestino da Costa.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG -- batismos fls. 433 aos --- maio 1829 oratorio da Boa Vista, JOÃO, f.l. de João Pedro da Costa Guimarães e Theresa Maria de Jesus, bat. em perigo por Francisco Jose de Guimarães o qual assistiu como padrinho e Anna Garcia da Assumpção.


1-5 Antonia Maria do Carmo, nascida por 1791, casou com Francisco José Guimarães;

Censo Serranos 1831 quarteirão 2, fogo 7

Francisco Jose Guimarães, branco, 40 anos, casado, lavrador;

Antonia Maria do Carmo, preta livre, 40 anos, casada, costureira;

Jose Francisco, preto livre, 21 anos, solteiro, tropeiro;

Ana Francisca, preta livre, 18 anos, solteira;

Maria, preta livre, 6 anos;

15 escravos

Entre seus filhos:

1-5-1 Ana, batizada aos 07-02-1815 na Capela do Favaxo.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos - aos 07 fev 1815 cap. Favacho, f. Baependi, Anna, f.l. de Francisco Jose Guimarães e de Antonia Maria do Carmo, padr.: Joze Antonio Dinis Junqueira e Michela Emerenciana, o padrinho da freg. de Carrancas e os mais desta.

1-5-2 Cândida, batizada aos 07-09-1822

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - fls. 197v., aos 07 set 1822 oratorio do Bom Fim da Boa Vista, desta freguesia, Candida, f.l. de Francisco Jose Guimarães e Antonia Maria do Carmo; padar.: cap. Jose da Silva Cintra e s/m Anna Garcia da Assumpção.

1-5-3 Belizandra, aos 08-01-1832

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG -- batismos -. aos 8-1-1832 BELIZANDRA, f.l. de Francisco Jose Guimarães e d. antonia Maria do Carmo, padr.: João Pedro Denis Junqueira e d Helena Constança Junqueira.


1-6 Antonio da Silva Cintra, nascido por 1797, falecido em 1861, com testamento redigido aos 27-04-1861 na Fazenda Cafundó. Casou com Maria Jacinta do Nascimento falecida com testamento redigido na mesma fazenda aos 21-9-1859 e inventariada em 1861 (inventário neste site). Em seu testamento Antonio declarou ter tido diversos filhos com diferentes mulheres, aos quais legou sua terça, no caso de serem excluídos da herança.

Censo Serranos, 1831, quarteirão 2, fogo 9

209-Antonio da Silva Cintra, preto, livre, 34 anos, solteiro, lavrador

18 escravos


Maria Jacinta do Nascimento, nascida e bat em Baependi, filha natural de Jacinto Mª já falecido, hoje c.c. Antonio da Silva Cintra.

1 filho legitimado pelo casamento.

Meu corpo será sepultado na Capela do favaxo.

Deixo á minha neta Maria filha de meu filho João Evangelista...

Ao meu neto Antonio...

Fazenda Cafundó, 21-9-1859


Antonio da Silva Cintra, natural de São Vicente Ferrer.

Fui c.c. Maria Jacinta do Nascimento, já falecida. Com um filho, João Evangelista da Silva, legitimado pelo matrimonio subsequante.

Deixou 500$000 ao irmão Domingos da Silva Cintra.

Testamenteiros pela ordem:

Francisco Gonçalves Penha

Casemiro Villela de Andrade

O filho João Evangelista da Silva

“Declaro que no estado de solteiro e antes do meo casamento, tive alguns filhos e de mulheres solteiras os quais entraram em herança com meo herdeiro ... se o Direito os excluir os nomeio herdeiros de minha terça que são:

-Isméria Fortunata m--- (canto dobrado da folha, deve ser mulher) de Joaquim Antº de Almeida e filha de Joana de Tal

- Porcina e Gabriel, irmãos, filhos de Venancia Garcia, aquela c.c. Francisco Braga e este com Cândida de Tal

- José Joaquim c.c. Paula de tal e filho de Joana Felipa

- Alexandre Antonio da Sª c.c. Maximiniana de tal e filho de Felipa

- Honório Antonio da Silva c.c. Leonarda Deolinda da Sª.

Cafundó, 27-04-1861


Filhos de Antonio segundo seu testamento:

1-6-1 Isméria Fortunata (mulher) de Joaquim Antonio de Almeida

1-6-2 Porcina (ou Policena?), filha de Venância Garcia, casada com Francisco Antonio Braga, filho natural de Ana Garcia

A vinte oito de novbr.o 1835 na Capela do Sp.to S.to de Carr.as recebi em Matr.o as duas e meia horas da tarde, e abençoei os Contrahentes Fran.co An.to Braga f.o n.al de Anna Garcia da Freg.a do Cajurú, e Policena Maria Garcia, filha n.al de Venancia Maria desta Freguesia, em prez.ca das Testem.as Joze Garcia do Sp.to S.to, e Miguel Garcia Duarte, do Cajurú, cujo casam.to foi celebrado p.r palavras de prezente.


Francisco Antonio Braga faleceu em 1865 na Fazenda do Cafundão, foi inventariante a viúva. Compareceram em seu inventário (neste site) nove filhos.

1-6-2-1 Francisco Braga do Espírito Santo, casado e morador no termo.

1-6-2-2 José Braga da Silva, solteiro com 24 anos, no Termo.

1-6-2-3 Antonio Gabriel Braga, casado, no termo.

1-6-2-4 Cândido da Silva Braga, solteiro, com 17 anos; Em 1867 estava casado.

1-6-2-5 Carolina ...(?)... da Silva, solteira com 22 anos em 1871.

1-6-2-6 Maria Venância da Silva, casada com Jose Joaquim de Almeida, no termo.

1-6-2-7 Demetildes Purcina da Silva, solteira, com 18 anos em 1871.

1-6-2-8 Pedro, com 11 anos em 1871.

1-6-2-9 José, com 9 anos em 1871.


1-6-3 Gabriel Silva Cintra, casado com Candida de Tal, também filho de Venância.

1-6-4 José Joaquim da Silva Cintra, casado com Paula de Tal, filho de Joana Felipa.

1-6-5 Alexandre Antonio (ou Alexandre José da Silva como aparece em declaração no inventario de Francisco Correa Nunes), casado com Maximiniana de Tal, filho de Felipa.

1-6-6 Honório Antonio da Silva, casado com Leonarda Deolinda da Silva.

1-6-7 João Evangelista da Silva Cintra, nascido em São Vicente Ferrer, filho natural de Antonio e Maria Jacinta, legitimado mais tarde pelo casamento dos pais. Casou-se aos 19-09-1838 com Iria da Silva Cintra (1-3-2 acima),

(digitação e revisão de Sergio Lane de Mello disponib. por Marcos Paulo Souza Miranda) Igreja Matriz de Nossa Senhora do Porto - Andrelândia MG, Lv. 1º de Casamentos, fls 39 A 19 de 7br.o 1838 em Caza de Domingos Cintra as tres horas da tarde, e em prezença das Testemunhas Fran.co Machado de Azevedo da Freg.a de Carr.as, e Fran.co Joze Guim~ da de Aiuruoca, preced.as as formalid.es legais, recebi em Matr.o os Contrah.es João Evangelino da S.a Cintra, filho natural de Maria Jacinta, e Iria da S.a Cintra, f.a leg.a de Dom.os da S.a Cintra, e Iria Garcia do Spirito Sancto, e lhes dei as bençãos de que para constar fis este assento.

O Vig. Fran.co J.e de Sz.a Montr.o


        João Evangelista faleceu aos 21-02-1878 com testamento redigido em maio de 1878, onde declarou seis filhos, sendo três já falecidos: Maria, Pedro e José e vivos os três abaixo (inventário neste site)

1-6-7-1 Maria Jacinta da Silva, falecida antes da abertura do inventário paterno, foi casada com João Fernandes Costa (ou da Silva), deixou o filho José, com 7 anos em 1878.

1-6-7-2 Ilidia Evangelina da Silva, (Iidia da Silva Cintra) casou com Pedro de Alcântara da Silva Cintra. Tiveram pelo menos a filha Hermengarda, legatária do avô materno.

1-6-7-3 Antonio Canuto da Silva.


Outro filho citado em “As Três Ilhoas”:


2- João Garcia do Espírito Santo. Recebeu sesmaria em 20 de julho de 1785, nas “Cabeceiras do Córrego da Prata” confrontando com Luis Alves Esteves, Jerônimo de Andrade Brito e Domingos Carvalho da Cunha (cencessão da sesmaria neste site).

         Casou com Teresa Romana da Silva, filha de Luiza da Silva Miranda. Teresa Romana, falecida em 26-06-1864 com Testamento redigido na Fazenda do Paiol aos 04-05-1852 (neste site) onde declara não ter tido filhos deste casamento e faz legados a sobrinhos e afilhados:

Lucindo da Silva Braga, casado com Ana Teresa (afilhada) 1-3-1 supra.

João Pedro Celestino da Costa casado com Bárbara Eugenia da Silva Cintra 1-4-2 supra

Pedro de Alcântara Silva Cintra, casado com Elidia da Silva Cintra 1-6-1-4 supra.

Maria Joaquina da Silva (sobrinha), casada com João Garcia.

Eleuteria Silva Cintra,( sobrinha) casada com Bernardo José Pereira.

Fortunata e Bárbara (afilhadas) e filhas de “meu irmão Antonio da Silva Cintra”.

Censo São Vicente 1831, fogo 121

Teresa Romana da Silva, branca, 50 anos, viúva, lavoura;

Ana Garcia, branca, 34 anos, solteira

17 escravos


 

 
view all

Diogo Garcia de Figueiredo's Timeline

1821
September 20, 1821
Nepomuceno, Minas Gerais, Brazil
1910
October 2, 1910
Age 89
Mococa, São Paulo, Brazil
????
????