Franklin Americo de Meneses Dória, barão de Loreto

Is your surname de Menezes Dória?

Research the de Menezes Dória family

Franklin Americo de Meneses Dória, barão de Loreto's Geni Profile

Records for Franklin Américo de Menezes Dória

136 Records

Share your family tree and photos with the people you know and love

  • Build your family tree online
  • Share photos and videos
  • Smart Matching™ technology
  • Free!

Share

Franklin Américo de Menezes Dória, barão de Loreto

Birthdate:
Birthplace: Ilha dos Frades, Bahia, Brasil
Death: Died in Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
Immediate Family:

Son of José Inácio de Meneses Dória and Águeda Clementina de Menezes Doria
Husband of Maria Amanda Lustosa Paranaguá, Baronesa de Loreto
Father of Júlio Lustosa da Cunha Paranaguá
Brother of Clementina de Meneses Dória

Managed by: Carla Assenheimer (C)
Last Updated:

About Franklin Americo de Meneses Dória, barão de Loreto

Foi um advogado, político, orador, magistrado e poeta brasileiro, membro fundador da Academia Brasileira de Letras. Casou com Maria Amanda Lustosa Paranaguá, filha de João Lustosa da Cunha Paranaguá, o 2° marquês de Paranaguá.

Política


Foi eleito deputado provincial na Bahia em 1863. Foi nomeado presidente de três diferentes províncias. Em 1864, nomeado presidente da província do Piauí, de 28 de maio de 1864 a 3 de agosto de 1866, em 1866, presidente da província do Maranhão, e em 1880, presidente da província de Pernambuco. Em 1872, foi eleito para a Câmara dos Deputados, sendo reeleito, em mandatos alternados, até 1885. Foi presidente da câmara.


Foi ministro da Guerra no gabinete de José Antônio Saraiva (1881), quando fundou a Biblioteca do Exército, que perdura até hoje, ministro interino das Relações Exteriores, de 3 de novembro de 1881 a ?, e ministro do Império no último gabinete da monarquia, do visconde de Ouro Preto (1889). Conselheiro do Império, recebeu o título de barão de Loreto em 1888.

Literatura


No mesmo ano de sua formatura, em 1859, publicou Enlevos, seu único volume de poesia, impregnado de lirismo, ao reproduzir estados de alma, e de caráter objetivo, nas descrições do cenário das belezas naturais da "ilha encantada" do poeta. Quase todas as poesias subordinam-se a esse caráter e ao estilo descritivo. Cedo abandonou o verso. E desde o aparecimento do seu primeiro livro só publicou, em poesia, um trabalho a tradução de Evangelina, de Longfellow, lido na presença do Imperador D. Pedro II.


Vida


Era muito ligado à Família Imperial Brasileira, acompanhando-a no exílio. De volta ao Brasil, dedicou-se à advocacia e à literatura. Foi professor de literatura por concurso no Colégio Pedro II e trabalhou no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.


Academia Brasileira de Letras


Eleito em 28 de janeiro de 1897 pelos trinta membros que compareceram à sessão de instalação da ABL para completar o quadro da Academia, Franklin Dória é o fundador da cadeira 25, que tem como patrono o poeta Junqueira Freire.


Condecorações

  • Grã-cruz da Ordem da Águia Vermelha - Condecoração recebida por sua atuação como ministro interino das Relações Exteriores

Fonte: Wikipédia

----------------------------------------------------------------

ABL Fundador, cadeira 25

Franklin Dória (Franklin Américo de Meneses Dória, Barão de Loreto), político e poeta, nasceu na ilha dos Frades, Itaparica, BA, em 12 de julho de 1836, dois outros acadêmicos nasceram na ilha de Itaparica: Xavier Marques e João Ubaldo Ribeiro e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 28 de outubro de 1906. Eleito pelos trinta membros que compareceram à sessão de instalação, em 28 de janeiro de 1897, para completar o quadro de acadêmicos, Franklin Dória é o fundador da cadeira nº. 25, que tem como patrono o poeta Junqueira Freire, seu amigo de juventude.

Era filho de José Inácio de Meneses Dória e de Águeda Clementina de Meneses Dória. Formou-se em Direito na Faculdade de Recife em 1859, tendo como colegas, entre outros Aristides Lobo, Gusmão Lobo e Joaquim Medeiros e Albuquerque, pai de Medeiros e Albuquerque. No mesmo ano de sua formatura, aos 23 anos, publicou Enlevos, seu único volume de poesia, impregnado de lirismo nas descrições do cenário das belezas naturais da “ilha encantada” do poeta. Cedo abandonou o verso. E desde o aparecimento do seu primeiro livro só publicou, em poesia, a tradução de Evangelina, de Longfellow, lida na presença do Imperador. Longfellow elogiou a tradução.

Dedicou-se à advocacia e à política. Como advogado, fez a defesa de causas importantes, como, por exemplo, a do desembargador Pontes Visgueiro, autor de famoso crime no Maranhão. Exerceu as funções de promotor, delegado e juiz. Em 1863, foi eleito deputado provincial na Bahia. Em 1864, nomeado presidente da Província do Piauí; em 1866, governador do Maranhão, e em 1880, governador de Pernambuco. Em 1872, foi eleito para a Câmara Federal, sendo reeleito, em mandatos alternados, até 1885. Algumas de suas campanhas no Parlamento do Império a campanha pela instrução pública e a campanha pela eleição direta revelaram-no um grande parlamentar, e ocupou a presidência da Câmara em 1888.

Foi Ministro da Guerra no gabinete Saraiva (1881), quando, entre outras iniciativas, fundou a Biblioteca do Exército, e Ministro do Império no último gabinete da Monarquia, do Visconde de Ouro Preto (1889). Conselheiro do Império, recebeu o título de Barão de Loreto em 1888. Era ligado à Família Imperial, acompanhando-a no exílio. De volta ao Brasil, dedicou-se à advocacia e à literatura. Foi professor de literatura por concurso no Colégio Pedro II, com a tese Da Poesia, caracteres essenciais; diferença da prosa; qualidade de poeta. Demitido com a República, foi reintegrado por sentença judicial. Pertenceu ao Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. http://www.academia.org.br/academicos/franklin-doria-barao-de-loreto/biografia

view all

Franklin Americo de Meneses Dória, barão de Loreto's Timeline

1836
July 12, 1836
Ilha dos Frades, Bahia, Brasil
1861
1861
Age 24
BA, Brasil
1906
January 28, 1906
Age 69
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil