Inocêncio Preto

Is your surname Preto?

Research the Preto family

Inocêncio Preto's Geni Profile

Records for Inocêncio Preto

35,228 Records

Share your family tree and photos with the people you know and love

  • Build your family tree online
  • Share photos and videos
  • Smart Matching™ technology
  • Free!

Share

Inocêncio Preto

Birthdate:
Birthplace: Portugal
Death: Died in Brasil
Immediate Family:

Son of Antonio Preto and Antonia Gonçalves
Husband of Maria Moreira
Father of Luzia Moreira; Antonio Preto; Pedro Álvares Cabral; Inácio Preto; Maria Antunes and 2 others
Brother of Manuel Preto; José Preto; João Preto; Domingas Antunes and Sebastião Preto

Managed by: Private User
Last Updated:

About Inocêncio Preto

Antônio Preto chegou a São Vicente com seus filhos na segunda metade do século XVI e, segundo Silva Leme na «Genealogia Paulistana» , prestou relevantes serviços nas guerras contra os gentios e corsários. Foram seus seis filhos: João Preto, morto solteiro em 1638; José Preto; Sebastião Preto, objeto deste verbete; Manuel Preto; Inocêncio Preto, ouvidor da capitania de São Vicente, casado com Maria Moreira, filha do Governador Pedro Álvares Cabral e de Susana Moreira, que faleceu testado em 1647; e Domingas Antunes, morta em 1624, casada com Gaspar Fernandes morto em 1600. José Preto foi casado com Catarina Dias, filha de Gaspar Vaz Guedes e de Francisca Cardoso, sendo moradores de Mogi das Cruzes onde ele morreu em 1653.

Atacou em 1612 uma redução jesuítica na província do Guairá prendendo centenas de índios, muitos deles retomados pelo governador de Ciudad Real, Bartolomeu de Torales, que lhe saiu no encalço e o atacou quando no caminho de volta a São Paulo. Em 1615, foi nomeado capitão de infantaria permanente da vila de São Paulo pelo capitão-mor governador Paulo da Rocha de Siqueira. Foi com socorro a Santos e a São Vicente, cujos portos os holandeses bloqueavam.

Em 21 de agosto de 1623 fez testamento e em boa hora, pois morreu no atual baixo Mato Grosso, sertão dos índios então chamados abueus, de flechada.

Casou antes de 1613 com Maria Gonçalves Martins, filha de Francisco Martins Bonilha, de Castela, cunhado do general Diogo Flores de Valdés ou Bardez, companheiro de seu pai na armada e povoador do estreito de Magalhães.

INOCÊNCIO PRETO

SL. 7º, 429, 2-2 Maria Moreira, foi casada com Inocêncio Preto, natural de Portugal, que foi ouvidor da capitania de S. Vicente. Tit. Pretos


S.L. 8º, 283, Cap. 5º; Inocêncio Preto, foi ouvidor da capitania de São Vicente, e C.c. Maria Moreira, f.a do governador Pedro Alvares Cabral e de Suzana Moreira; faleceu com testamento em 1647 e teve:

1-1 Antonio Preto, com 38 anos em 1647 estava no sertão sem dar notícias de si, e não se sabia se era vivo ou morto

1-2 Pedro Alvares Cabral, com 21 anos em 1647.

1-3 Ignacio Preto, casou-se em 1638 em S. Paulo com Catharina d'Horta

1-4 Sebastião Preto Moreira, casou-se com Marianna Bueno

1-5 Maria Antunes, foi casada com José Ortiz de Camargo

1-6 Luzia (Luiza) Moreira, casou-se em 1632 em S. Paulo com Luiz da Costa Cabral


Subsídios à Genealogia Paulistana (Regina Junqueira)


Inocêncio Preto, nascido em São Paulo (e não em Portugal como está na GP) por 1585?. Neste ano seu pai saiu na bandeira de Jerônimo Leitão e desde 1575 fazia parte da governança da terra, com exceção de um pequeno intervalo entre 1580 e 1585.

Em 1633 tinha 48 anos, quase a mesma idade de seu sobrinho Sebastião Fernandes Preto, filho de sua irmã Domingas, que estava com 47 anos. (Inventário de sua sobrinha Domingas Antunes, SAESP vol. 6, neste site).

Era mais novo que Manoel Preto, conforme declaração deste no inventário de Sebastião Preto, (SAESP vol. 3º, neste site.)

Inocêncio já era casado em 1608, ano em que tomou posse como almotacel da vila de São Paulo, como “filho de homem que governou esta terra” (Atas vol 2º, fls 211). Em 1609, no termo de dada de sesmaria a Gaspar Cubas lê-se que neste ano as terras que tinham sido de Antonio Preto já pertenciam a seus herdeiros. (Sesmaria I, 20 neste site) Por estes documentos sabe-se que Antonio Preto já era falecido em 1608 e em 1609 já inventariado.

Em 1618 os irmãos José, Manoel, Inocêncio e Sebastião Preto, nesta ordem, pedem sesmaria “filhos de Antonio Preto que Deus tem dos primeiros povoadores e conquistadores que houvera nesta vila”.

Em 1637 pediu sesmaria no Juqueri,no caminho da fazenda velha que foi de seu irmão Manoel Preto falecido, onde tinha lavouras há 25 anos. (Sesmarias 1, 139, neste site)


Inocêncio Preto faleceu em São Paulo com testamento que recebeu o “cumpra-se “ aos 15-7-1647, deixando a mulher Maria Moreira e os filhos:

1. Antonio Preto nascido por 1609, em 1647 estava no sertão

2. Maria Antunes, em 1647 estava casada com José Portes (sic) de Camargo

3. Luzia (Luiza) Moreira estava casada com. Luiz da Costa

4. Inácio Preto idem com .Catarina Dorta

5. Pedro Alvares, nascido por 1626

6. Sebastião Preto, nascido por 1627


Nota: Inocêncio Preto foi tio de um Inácio Preto que não consta da GP.

É possível que este fosse filho de Manoel Preto, de quem Silva Leme descobriu alguns filhos mas também relacionou outro, João Preto, como irmão e não como filho que foi de Manoel.

Também é possível que Inácio fosse filho de João Sobrinho, filho de Joanienes, e sua mulher, que era filha de Antonio Preto, conforme Américo de Moura descobriu.

Ainda é possível que Antonio Preto tenha tido outros filhos. Comparar com:

- Felipe Preto - Registrou marca de gado em 7-4-1593 na câmara da vila de São Paulo. Sugestivamente Antonio Preto registrou a sua no mesmo dia e lugar. (RGCSP, vol 1, fls 68). Em 13-4-1602 Felipe Preto foi feito meirinho pelo ouvidor Antonio de Proença (Idem, fls 130)

- Francisco Preto – Casado com Raquel Rodrigues. Em 1616 estava no sertão com Francisco de Almeida, Pedro de Araújo e outros, na bandeira de Antonio Pedroso (SAESP 5º, neste site)


INOCÊNCIO PRETO

Inventário e Testamento

Vol 35, 49

Data: Agosto de 1647

Juiz: Dom Simão de Toledo

Avaliadores: Manoel Álvares de Souza e Francisco Preto

Local: Vila de São Paulo


TESTAMENTO


Junho de 1647, escrito pelo padre Domingos Gomes Albernaz

Encomendou a alma, protestando morrer e viver na Santa Fé Católica.

Deixo a minha mulher Maria Moreira e a meu genro Luiz da Costa por meus testamenteiros...

Deixo que meu corpo seja enterrado em o Convento de N. Senhora do Carmo em a minha cova e sepultura que lá tenho.

Pede acompanhamentos e missas.

Declarou que sou casado a face da Igreja com Maria Moreira da qual tivemos em ambos seis filhos, quatro machos e duas fêmeas a saber Antonio Preto que não sei se é vivo ou morto, Pedro Álvares, Inácio Preto casado com Catarina Dorta, Sebastião Preto, Maria Antunes casada com José de Camargo, Luiza Moreira com Luiz da Costa e todos são meus legítimos herdeiros.

Declarou ainda dever a José Ortiz de Camargo seis cadeiras, uma vasquinha e um saio, do dote.

Deu às netas filhas de Luiz da Costa com o consentimento da mulher três peças.

Declarou que Simão Lopes morou em casa de seu sobrinho e tutelado Paulo Preto, e que devia alguma coisa.

Declarou dever ao sobrinho Inácio Preto algumas ferramentas.

Devia ao primo Braz (...)

Idem ao seu sobrinho Antonio Preto, já defunto. Pede que se pague aos herdeiros do dito.

Tive conta com Joam Clemente, que Ds. tem, de fazenda que levava de sua casa, cinco patacas que é pouco mais ou menos que lhe posso dever.

Tenho uma serra de mão em meu poder que foi de meu sobrinho Ant.º Preto mando a dem a seus herdeiros.

Devo a Gaspar Dias Ferreira que Deus tem meia pataca e um homem das pernas inchadas cunhado de Gregório de Guedes quatro vintens que mando se lhe dem.

Devia a Jeronimo de Brito, já defunto, 13 ou 14 patacas de que tem ainda um assinado meu tendo-se lhe pago tudo e ele me tem ainda o dito assinado.

Fui curador “de meus sobrinhos Sebastiam Preto e fazendo lhe o inventário de todos os bens dos órfãos de que fui entregue -----(o termo tem muitas falhas) a dar o tornei outra vez a entregar da mesma maneira a minha cunhada Maria ---- de que lhe não devo nada porquanto não foi nada a praça, somente me lembra que ------------------------------------------- do órfão --------------- que dei a meu sobrinho P.º ---- 18 covados --------------- tantos covados ------------- Fr.co da Guerra todos os papeis acima ------------------- que indo eu para fora dei a dita minha cunhada --------------------- ----------- aluguei umas casas de minha sobrinha mulher de P. Leme ----- dinheiro ---------- não queria ----- que já estava pago.

Devo mais a Manoel Vaz que Deus tem dois mil réis (...)

Aluguei a Gaspar Gomes oito ----- por 4 patacas, desta conta me deu (...) e um alqueire de sal (...) e não sei se me deve a mim ou eu a ele, o que dirá no seu juramento.


Declarou mais algumas dívidas e num termo muito traçado:

“Tive contas com José Ramires ....... uma rapariga de dez ou doze anos......o dito José Ramires quatro mil réis ....e a......mim............... Eu curador de sua mulher ..... e pela sentença que me paresse tenha ............................ na mão de Francisco Jorge meu procurador......”

Assinou : Inocêncio Preto

Declarações feitas após o fechamento do testamento:

Devia à sua sobrinha Clara Parenta, ao genro Luiz da Costa


Cumpra-se: 15-7-1647 – Albernáz


Titulo dos Filhos

Antonio Preto, 38 anos, está no sertão

Maria Antunes, C.c. José Portes (sic) de Camargo

Pedro Alvares, 21 anos

Luzia Moreira C.c. Luiz da Costa

Inácio Preto C.c. Catarina Dorta

Bastião Preto, 20 anos


Segue a avaliação dos bens

8-8-1647: avaliação dos bens na Sitio e Fazenda de Nossa Snra do Ó


Gente forra: 70


Procurador à viúva: Paulo da Fonseca

Procurador ad lidem dos órfãos: Cap. Antonio Caldas Telles


Citados às partilhas:

José Ortiz de Camargo e sua mulher

Luiz da Costa e mulher

Inácio Preto e mulher

Antonio Caldas Telles curador do ausente, como também o era dos dois abaixo

Pedro Alvares Moreira

Sebastião Preto

A viúva Maria Moreira


Fazenda: 68$290

Dívidas: 126$620


E não se fez partilhas dos bens, apenas das peças forras


Carta de terras além do rio Juquiri ficou em poder da viúva.


Seguem quitações, confissões de dívidas, requerimentos, em termos com muitas linhas e palavras faltando, onde só se lêm palavras esparsas. Aparentemente são partes de petições para que o inventário saldasse algumas dívidas, como por exemplo processo movido por Manoel João.