Israel Pinheiro da Silva (1896 - 1973)

public profile

1

Matches

0 0 1
Adds sibling(s).

View Israel Pinheiro da Silva's complete profile:

  • See if you are related to Israel Pinheiro da Silva
  • Request to view Israel Pinheiro da Silva's family tree

Share

Birthdate:
Birthplace: Caeté, MG, Brazil
Death: Died in Caeté, MG, Brazil
Managed by: Gustavo Jacob
Last Updated:
view all

Immediate Family

About Israel Pinheiro da Silva

Israel Pinheiro (Caeté, 4 de janeiro de 1896 — Caeté, 6 de julho de 1973) foi um político brasileiro, autoridade responsável pela construção da cidade de Brasília e seu primeiro administrador.


Foi um dos pioneiros da siderurgia no Brasil e diretor da Cia. Cerâmica João Pinheiro. Apoiou a Revolução de 1930 e o Estado Novo de 1937.


Começou na política quando ainda era jovem. Elegeu-se vereador de Caeté e agente executivo - o prefeito da época - quando tinha somente 26 anos. Logo depois, o governador Benedito Valadares o convidou para ser secretário de Agricultura, Obras Públicas, Indústria e Viação e depois superintendente da Vale do Rio Doce, tornando-se o primeiro presidente da companhia após a sua instituição como empresa.

Escolarização


Israel Pinheiro começou com suas primeiras letras com a preceptora francesa Marie Haulzhuns Melle, que lhe ensinou também francês. Ele teve também outra preceptora, a alemã Marie Lippelt. Apesar de seu pai, João Pinheiro, ter formação positivista, despediu a preceptora por motivos religiosos.


Com a morte de João Pinheiro, Helena Pinheiro (sua mãe) foi deixada momentaneamente em sérias dificuldades financeiras, pois a cerâmica que era pertencente à família estava em dívidas. A educação dos filhos foi feita com sacrifício, principalmente na área que incluia a escolarização. Israel que estava com 12 anos e estava pronto para cursar o secundário (segunda série), foi chamado para estudar gratuitamente no Colégio Santa Rosa, mas para seus estudos acabou aceitando a ajuda de Luiz de Vasconcelos, que custeou todos os seus estudos, e também, o ensino superior. Assim, matriculou-se como aluno interno no Colégio Preparatório Santo Estanislau, atual Colégio Anchieta. Ele matriculou-se em tal colégio no dia 13 de março de 1901.


Em 1912 passa no exame para a Escola de Minas de Ouro Preto, na qual realiza seus estudos superiores. Em 1920 forma-se em Engenharia de Minas, Metalurgia e Civil e viaja à Europa como prêmio de melhor aluno do curso.


Casamento


Casou-se em 2 de fevereiro de 1924, Belo Horizonte, com Coracy Uchôa. Coracy era companheira dele nas viagens e encontros políticos, pouco palpitando em seus assuntos particulares e políticos.


Filhos


Junto com Coracy Uchôa teve nove filhos:

  • Coracy Uchôa Pinheiro
  • Israel Pinheiro Filho
  • Helena Uchôa Pinheiro
  • Maria Amélia Pinheiro
  • João Virgílio Pinheiro
  • Maria Eliza Pinheiro
  • Maria Inês Uchôa
  • Maria Regina Uchôa
  • Otávio Uchôa Pinheiro

Formação política


Em 1945, tornou-se deputado constituinte por Minas Gerais, elaborando a Constituição de 1946, mantendo-se na câmara, reelegendo-se em 1950 e 1954. Apoiou Juscelino Kubitschek ao governo de Minas Gerais em 1950, e para presidente em 1955. Tornou-se o presidente da Novacap, a empresa pública que construiu Brasília, tendo sido, após a inauguração oficial em 1960, seu primeiro prefeito, durante os últimos meses do governo JK.


Em 1965, após o golpe de 1964, candidatou-se ao governo de Minas Gerais, logrando êxito. A sua vitória, junto com a de Negrão de Lima na Guanabara, fez com que o governo militar editasse o AI-2, acabando com o multipartidarismo.


Apesar de ser oposição ao governo, que durante o seu mandato editou o AI-5, manteve razoáveis relações com o governo, completando o mandato. Acabou seu mandato em 1971, falecendo dois anos depois, sendo enterrado na sua terra natal.


Atuação parlamentar


A trajetória de Israel Pinheiro na Câmara dos Deputados vai da Constituinte de 1946 até a renúncia do mandato, convocado pelo então presidente Juscelino Kubitschek, assumindo a direção da Novacap.


Não sendo um parlamentar de plenário, nem sendo um político voltado para as questões específicas de sua região eleitoral., sua intervenção nos debates se deu através do trabalho nas comissões técnicas, onde tratava das questões do desenvolvimento econômico do país, ao qual procurou dar base estrutural.Basta citarmos um de seus projetos, o da criação do Ministério da Economia, apresentado, com exposição de motivos ao Presidente do Brasil, Dutra, em 1947.


Ingressando na política em 1922, quando foi eleito vereador em Caeté, presidente da Câmara Municipal, e conseqüentemente agente executivo, não podia deixar de ser um homem envolvido com sua época, participando ativamente do debate que se tratava, principalmente depois da Revolução de 1930, entre as correntes agralista e industrialista, que predominavam os debates parlamentares, sem falta.


Herdeiro e seguidor de um dos pensamentos mais férteis da política mineira, o de seu pai João Pinheiro, não se filiou a nenhuma das correntes, adotando um próprio discurso liberal, com tentativa de encontrar uma solução viável para o desenvolvimento econônico, que aliasse as duas posições.


A atuação de Israel na Câmara dos Deputados, entre 1946 e 1956, foi marcada por suas intervenções nos debates sobre problemas econômicos, mas muito mais que nos debates eminentemente políticos que se tratavam em plenário.


Mais voltado para os trabalhos nas comissões, sua presença estava sempre ligada às discussões em temas sobre os problemas econônicos e falhas no sistema de economia do país que marcavam o período, como, por exemplo, a criação da Petrobras, a mudança na capital federal e a aprovação dos planos de desenvolvimento no país.


Iniciando sua carreira parlamentar na Constituinte de 1946, teve papel de destaque quando na discussão do capítulo da Ordem Econômica, ao qual apresentou emendas que iriam delinear seu pensamento, que em relação ao modelo de desenvolvimento, pretendia ver implantando, além de marcar sua posição como presidente da influente Comissão de Finanças.


Quando se iniciou a discussão sobre o anteprojeto constitucional, já se sabia que iria ser aprovado uma Constituição que fosse a imagem do PSD, partido pelo qual fora eleito marechal Dutra. A tentativa de se elaborar uma constituição mais avançada ficaria por conta dos parlamentares do PCB, da Esquerda Democrática, de uma ala do PTB e de alguns deputados e senadores da UDN.


Períodos políticos


A vida política de Israel Pinheiro pode ser divida em cinco períodos; eles vão de 1922 a 1970, cada período contando sua evolução na política.


Primeiro período


O início de sua carreira política, quando ainda era jovem, mas já prefeito e vereador de sua cidade natal, Caeté (v. parág. introdutório).


No fim dos anos 60 o senador Benedito Valadares relatou em seu governo de ter escolhido Israel Pinheiro para secretário por ser ele filho de João Pinheiro, ajudando-o na interventoria que se instalava. Mais tarde a secretaria foi dividida em duas: Agricultura, Indústria, Comércio e Trabalho e a Viação e Obras Públicas


Percebendo a importância da agricultura no processo de desenvolvimento econômico, foi cogitado para o Ministério da Agricultura no governo de Gaspar Dutra. Preterido, ficou frustrado.


No projeto de Juscelino Kubitschek para retornar em 1965, convenceu-o de que a grande a meta seria a agricultura. JK já o encarregara do planejamento do setor, apesar de Israel tê-lo criticado pela inoportunidade do movimento JK-65.


Segundo período


Secretário de Obras e posteriormente da Agricultura, incorporador e primeiro presidente da Companhia Vale do Rio Doce, foi a fase dinâmica de sua vida. Anos de imensa atividade, predominantemente executiva. A Companhia Vale do Rio Doce era um desafio. Sonhava com o Ruhr brasileiro. Confessou à imprensa que era a mais impressionante batalha de sua vida.


Tragédia da Gameleira


Israel Pinheiro era o governador de Minas Gerais à época do desabamento do Pavilhão de Exposições da Gameleira, em Belo Horizonte, tido como o maior acidente da história da construção civil brasileira, em fevereiro de 1971. Centenas de operários trabalhavam em ritmo acelerado para concluir a obra, projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer. Israel tinha pressa, segundo testemunho de sobreviventes e jornalistas, pois pretendia entregar a obra antes do término de seu mandato, em 15 de março daquele ano. Ignorando a opinião de operários, que alertaram os engenheiros sobre fissuras e estalos nos alicerces, foi dada a ordem para a retirada das vigas de sustentação. A estrutura desabou. Foram contados 69 homens mortos e mais de 50 mutilados. Há ainda a suspeita de que muitos outros ficaram soterrados e seus corpos nunca foram encontrados.


O governo e a empresa responsável pela obra, Serviços Gerais de Engenharia S.A. (Sergen), se eximiram da responsabilidade pela tragédia, que causou grande comoção popular. Israel Pinheiro esteve no local da obra no dia anterior. Apesar de ter criado um órgão especialmente para acompanhar a construção, o Estado não cumpriu o seu papel de fiscalização. O pedido de indenização para vítimas e familiares só foi ajuizado em 1984 e até hoje corre na Justiça.


Morte


No dia 4 de julho de 1973, durante um almoço no Palácio da Liberdade com o ex-embaixador japonês no Brasil Fumio Miura, Israel passou mal. Foi levado para o Hospital das Clínicas de Belo Horizonte, onde foi asssistido por médicos. Depois de fazer exames, permaneceu internado por um dia, em observação médica. Os exames estavam normais, exceto por uma hérnia diafragmática antiga, que parecia estrangulada, projetando uma massa na parte alta do abdômen. A compressão da massa causava vários problemas respiratórios, inclusive angor pectoris.


No dia seguinte, à noite, Israel reclamou com seu médico que a dor estava terrível. No dia 6 de julho de 1973, ele morreu de fulminante angina pectoris.


"Humanismo"


Israel Pinheiro se considerava um humanista, com pensamento positivo e adotou estes rótulos para construir sua imagem política. Um exemplo desta sua postura está na construção de Brasília. Lúcio Costa não havia incluído em seu projeto urbanístico as cidades-satélites.


Os operários que estavam trabalhando na construção da nova capital necessitavam de um local para moradia imediatamente pois, assim que se concluíssem as obras do Plano Piloto, não haveria condições dos operários comprarem casa ou apartamento, surgindo assim as periferias na cidade.


Então, Israel Pinheiro se responsabilizou a construir as cidades-satélites, se comprometendo a criar toda a infra-estrutura viária e sanitária, além de toda a estrutura educacional e de saúde, o que era a sua obrigação. No entanto, a administração de Israel Pinheiro priorizou a facilitação da compra de lotes, deixando para segundo plano o planejamento urbano e social.


Hoje, as cidades-satélites de Brasília formam um grande bolsão de pobreza, com forte carência de recursos básicos e altos índices de criminalidade. Em entrevista a um jornal de grande circulação nacional, o arquiteto Oscar Niemeyer lamentou a situação destas cidades: "Os que moram em Brasília moram confortavelmente, em apartamentos bons, com bons serviços. Mas os que moram nas cidades-satélites estão completamente abandonados. É horrível, uma grande favela."


JK (minissérie)


Israel Pinheiro foi um dos personagens retratados na minissérie JK, escrita por Maria Adelaide Amaral e Alcides Nogueira, exibida pela Rede Globo de janeiro a março de 2006. Na trama, foi interpretado por Paulo Goulart.

Fonte: Wikipédia

view all 12

Israel Pinheiro da Silva's Timeline

1896
January 4, 1896
Caeté, MG, Brazil
1924
February 2, 1924
Age 28
1928
August 26, 1928
Age 32
1973
July 6, 1973
Age 77
Caeté, MG, Brazil