Júlio Cesar de Noronha, Almirante (1845 - 1923)

public profile

2

Matches

0 0 2
Adds more complete birth place, additional photo(s), occupation and spouse(s).

View Júlio Cesar de Noronha, Almirante's complete profile:

  • See if you are related to Júlio Cesar de Noronha, Almirante
  • Request to view Júlio Cesar de Noronha, Almirante's family tree

Share

Related Projects

Birthdate:
Birthplace: Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
Death: Died in Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
Managed by: Carla Assenheimer (C)
Last Updated:

About Júlio Cesar de Noronha, Almirante

Nasceu na Freguesia de Santana no Rio de Janeiro (RJ), na Rua Princesa dos Cajueiros (Barão de São Feliz, desde 06/10/1877), nº 10.

Batizado em 17/07/1845 na Igreja Matriz da Paróquia de Santana do Campo, situada no local onde se ergue o edifício da Estação Pedro II (Estrada de Ferro Central do Brasil), oficiando na Cerimônia o Vigário encomendando Fernando Pinto de Almeida.

Padrinhos de Batismo: negociante Luiz José Fernandes Braga e D.Maria Carlota Fabregas Braga, representada por seu procurador, o Alferes do 1º Regimento de Cavalaria Ligeira Francisco Henrique Cesar de Vasconcelos Câmara de Noronha(tio).

A 07/03/1860 ingressou na Escola de Marinha.

Guarda-Marinha com dezessete anos de idade.

Ministro da Marinha do Brasil de 1902 a 1906.

Possuía as seguintes condecorações: Hábito da Imperial Ordem da Rosa, Medalha de Prata de Paissandu e Medalha pela Ação em Riachuelo, 1865; Cavaleiro da Ordem de Cristo, 1866; Cavaleiro da Ordem de S. Bento de Aviz, 1876; Medalha de Mérito, três passadores por atos de bravura na Campanha do Paraguai, 1888 e Medalha Militar de Ouro, 1902.

Fonte: (http://pagfam.geneall.net/2762/pessoas.php?id=1073913)

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O Almirante Julio César de Noronha, era filho do Sr. José Joaquim de Noronha e de dona Carlota Joaquina de Noronha, nasceu no Rio de Janeiro, em 26 de janeiro de 1845.

Foi Aspirante a Guarda-Marinha em 1862. Aos 17 anos recebeu o galão de Guarda-Marinha.

Logo como 2º Tenente recebe seu batismo de tomando parte nas Campanhas do Uruguai e Paraguai. Distinguiu-se, sempre, pela sua excepcional conduta em combate. Ferido no combate de 6 de dezembro de 1864. A bordo da Fragata a Vapor Amazonas tomou parte na Batalha do Riachuelo, e no forçamento das passagens de Mercedes e Cuevas, destacando-se também nos combates de Paysandu, Riachuelo e Angustura, tendo recebido a Imperial Ordem da Rosa por sua conduta perante o inimigo.

Em 1873, como Capitão-Tenente, publicou no Rio de Janeiro o Compêndio de Hidrografia.

A Viagem de circunavegação que empreendeu, no comando da Corveta Vital de Oliveira, com a turma de Guardas-Marinha de 1879, tornou-se modelo de instrução.

Em 1896, já como Contra-Almirante, comandou a divisão composta do Encouraçado Aquidabã, do Cruzadores República e Tiradentes, com a qual o Brasil se fez representar na grande Revista Naval passada pelo Presidente Cleveland às esquadras estrangeiras, por ocasião da Exposição Internacional de Chicago.

Entre as numerosas missões desempenhadas em terra pelo Almirante Júlio de Noronha, destacam-se a de Vice-Diretor do Colégio Naval; Vice-Diretor da Escola de Marinha; Capitão dos Portos da Corte e da Província do Rio de Janeiro; Membro Efetivo do Conselho Naval; Inspetor do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro; Conselheiro de S. Majestade o Imperador; Chefe do Comissariado-Geral da Armada e Chefe de Estado-Maior General da Armada (por duas vezes), onde nunca deixou de revelar suas qualidades de homem estudioso e marinheiro irrepreensível; Diretor da Escola Naval; Consultor do Conselho do Almirantado e Ministro do Supremo Tribunal Militar.

Ministro de Estado dos Negócios da Marinha (15 de Novembro de 1902 a 15 de novembro de 1906).

A sua administração na pasta da Marinha foi fecunda e construtora “numa fase sem dúvida precária da vida nacional, atenuada pela ação previdente do governo de 1899-1902. assim preparatória da ação e do grande sucesso do governo de 1902-1906, cujos passos foram firmes, constantes e decisivos, além de incontestavelmente patrióticos”.

Coube ao Almirante Júlio de Noronha dar à Marinha vida e expressão, depois de um período de lutas amargas e desalentada expectativa.

O depauperamento da Marinha era evidente. Apenas dois Guardas-Costas, um Cruzador Protegido e três Cruzadores-Torpedeiros eram eficientes, no gênero. Dois Encouraçados e um Cruzador já antiquados, podiam ser utilizados como força de reserva, além do belo Navio-Escola Benjamim Constant. Os demais não tinham valor militar.

Tomou a si o encargo de elevar o nosso poder naval ao lugar que lhe competira no passado: primaz da América do Sul! E, no dizer do próprio Almirante Júlio de Noronha, “o preparo pata a guerra é o melhor meio de torná-la improvável”.

A verdade é que o Brasil não podia fazer numerosas construções. A idéia, porem, do Almirante Noronha era a de dotar o país de tipos de navios homogêneos por classes, superiores, quanto possível, aos congêneres de outras marinhas.

A reconstituição da Marinha era obra demorada. Pareceu-lhe todavia azada a ocasião para a concessão de um credito, triênio de 1904 a 1906. Poder-se-iam encetar algumas construções no começo de 1904. No decurso de um decênio, ponderou o Almirante, não nos seria difícil nem altamente gravosa e reconstituição do nosso poder naval, desde que houvesse perseverança na orientação dada.

Reorganizou inicialmente todos os corpos, estabelecimentos e repartições. O ensino naval mereceu de sua parte desveladas atenções.

Estabeleceu a seguir, o famoso Programa Naval de 1904 que consistia na aquisição de três Encouraçados de 12.500 a 13.000 toneladas de deslocamento; três Cruzadores-Encouraçados de 9.200 a 9.700 toneladas; seis Caça-Torpedeiros de 400 toneladas; seis Torpedeiras de 150 toneladas; seis Torpedeiras de 50 toneladas; três Submarinos e um Vapor-Carvoeiro capaz de carregar 6.000 toneladas de combustível. O tempo necessário à concretização dessa obra seria de seis a oito anos. Em substanciosa exposição do Almirante Noronha, o eminente Chefe do Executivo Federal remeteu o plano ao Poder Legislativo, em duas mensagens seguidas, salientando a necessidade de reconstituição de nosso material flutuante, segundo um programa previamente delineado.

Apresentado o projeto na Câmara dos Deputados pelo ilustre Deputado fluminense Laurindo Pitta, cujo nome figurou mais tarde nos flancos de um barco da Armada, foi o mesmo convertido em lei pelo Decreto n.º 1.296 de 14 de dezembro de 1904.

O Decreto que autorizava o governo a adquirir novos navios foi o clímax da carreira do Almirante Júlio de Noronha.

Ferido, inexoravelmente, pelo destino que fê-lo testemunhar o lamentável soçobro do Aquidabã, capitânia da 1ª Divisão Naval, em águas da baía de Jacuacanga. Motivara a catástrofe a explosão pela combustão espontânea da cordite.

Morreram no sinistro quatro Almirantes, muitos Oficiais, Guardas-Marinha e pessoal subalterno. Entre os que pereceram figuravam o Guarda-Marinha Mário de Noronha, filho do Almirante e um seu primo Capitão-de-Corveta Luis Henrique de Noronha.

“Confrangeu-se-lhe o coração mas não se lhe dobrou o espírito. Erguido, sereno e digno, tomou as providências devidas e volveu amargurado ao Rio de Janeiro”.

Com o fim do Governo Rodrigues Alves, foi nomeado Ministro do Supremo Tribunal Militar, onde permaneceu de 1913 a 1919, quando, com 74 anos de idade, dos quais 57 integralmente dedicados à Marinha, sentindo-se cansado para continuar no Serviço Ativo, requereu dispensa da função.

O Almirante Júlio César de Noronha possuía as seguintes condecorações: Hábito da Imperial Ordem da Rosa, Medalha de Prata de Paissandu e Medalha pela Ação em Riachuelo, 1865; Cavaleiro da Ordem de Cristo, 1866; Cavaleiro da Ordem de S. Bento de Aviz, 1876; Medalha de Mérito, três passadores por atos de bravura na Campanha do Paraguai, 1888 e Medalha Militar de Ouro, 1902. Comandou o Monitor Rio Grande, Canhoneiras Araguari e Pedro Afonso, Vapor Ipiranga, Transporte José Bonifácio, Corvetas Belmonte e Vital de Oliveira e os Encouraçados Bahia, Lima Barros e Aquidabã.

Após prolongada enfermidade veio a falecer, no Rio de Janeiro, em 11 de setembro de 1923.

==O BRASÃO==

Num pentágono formado de cabos de ouro e encimado pela coroa naval, alude à participação do então Tenente Júlio César de Noronha na Guerra do Paraguai, através do campo verde e da faixa ondada que simbolizam as férteis planícies onde se localizam os rios por onde singraram os vitoriosos navios brasileiros.

O Pavilhão do Ministro da Marinha lembra a investidura no cargo do Almirante Júlio César de Noronha, e representa o ápice de sua carreira naval. A borda- dura é peça do Brasão da ilustre família Noronha.

-------------------------------------------------------------------------------

- Andréa, Júlio. A Marinha Brasileira: florões de glórias e de epopéias memoráveis. Rio de Janeiro, SDGM, 1955.

- Corveta Júlio de Noronha - V 32 - www.v32.mar.mil.br

- NOMAR - Notícias da Marinha, Rio de Janeiro, SRPM, n.º 594, dez. 1992; n.º 607, nov. 1993

Fonte: http://naviosbrasileiros.com.br/ngb/J/J042/J042-NB.htm)

view all

Júlio Cesar de Noronha, Almirante's Timeline

1845
January 26, 1845
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
1874
September 26, 1874
Age 29
Montevideo, Montevideo Dept, Uruguay
1875
1875
Age 29
1876
October 10, 1876
Age 31
1881
November 11, 1881
Age 36
1884
May 11, 1884
Age 39
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
1888
May 1, 1888
Age 43
1895
November 5, 1895
Age 50
1923
September 11, 1923
Age 78
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil