Jeronimo de Albuquerque, o Torto

Is your surname de Albuquerque?

Research the de Albuquerque family

Jeronimo de Albuquerque, o Torto's Geni Profile

Share your family tree and photos with the people you know and love

  • Build your family tree online
  • Share photos and videos
  • Smart Matching™ technology
  • Free!

Share

About Jeronimo de Albuquerque, o Torto

Jerônimo de Albuquerque (Lisboa, ca. 1510 — Olinda, 25 de dezembro de 1584) foi um administrador colonial português.


Filho de Lopo de Albuquerque e de Joana de Bulhões, viajou para a Capitania de Pernambuco com o primeiro donatário, Duarte Coelho, e sua mulher, Brites de Albuquerque, de quem Jerónimo era irmão.


Recém-chegado, numa das lutas que teve que enfrentar contra os índios tabajaras, levou um flechada e perdeu um dos olhos. Após esse incidente, ficou conhecido pelo apelido de o Torto. Ferido, prisioneiro e condenado à morte, foi salvo pela intervenção da filha do cacique de Uirá Ubi (Arco Verde), Tindarena ou Tabira, que se apaixonou por ele e o quis como marido. O casamento selou a paz entre os tabajaras e os colonizadores portugueses.


Batizada, posteriormente, Tabira recebeu o nome de Maria do Espírito Santo Arco Verde, em homenagem à festa de Pentecostes que se celebrava no dia do batismo.


Da união de Jerônimo de Albuquerque e Tabira nasceram oito filhos: Jerônimo de Albuquerque Maranhão, que anos mais tarde lutaria contra a invasão francesa no Maranhão, tendo sido também um dos fundadores da cidade de Natal, no Rio Grande do Norte; Manuel, André, Catarina, que se casou com o fidalgo florentino Filipe Cavalcanti, Isabel, Joana, Antônio e Brites. Jerônimo de Albuquerque teve ainda mais cinco filhos de outras mulheres brancas e índias, todos por ele reconhecidos.


Em 1562, em obediência a uma carta-intimação de D. Catarina de Áustria, rainha de Portugal, casou-se com Felipa de Mello, filha de Dom Cristóvão de Mello. Segundo D. Catarina, sendo ele o sobrinho de D. Afonso de Albuquerque, descendente de reis, não deveria seguir a "lei de Moisés", isto é, manter "trezentas concubinas".


Do casamento com Felipa nasceram mais onze filhos: João, Afonso, Cristóvão, Duarte, Jerônimo, Cosme, Felipe, Isabel, Maria, além de dois que morreram logo após o nascimento. Assim, Jerônimo de Albuquerque teve 24 filhos, entre legítimos e legitimados, o que lhe valeu o apelido entre os historiadores brasileiros de "Adão Pernambucano".


Em suas terras, nas proximidades de Olinda, fundou o primeiro engenho de açúcar de Pernambuco, o engenho Nossa Senhora da Ajuda, depois denominado de Forno da Cal.

Fonte: (http://pt.wikipedia.org/wiki/Jer%C3%B4nimo_de_Albuquerque) --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Jerónimo de Albuquerque (* c. 1500 + Brasil, Pernambuco, Olinda 25.02.1583)

Pai: Lopo de Albuquerque, o Bode, comendador de Penamacor * 1460

Mãe: Joana de Bulhão * c. 1470

Casamento: Filipa de Melo Sampaio (* c. 1510)

Filhos do casamento:

  1. João de Albuquerque que casou-se com Filipa de Sá e Lima
  2. Afonso de Albuquerque que casou-se com Isabel Tavares
  3. Cristóvão de Albuquerque de Melo que casou-se com Inês Falcão
  4. Duarte de Albuquerque que casou-se com Ana de Sousa e com Helena Coutinho
  5. Jerónimo de Albuquerque
  6. Cosma de Albuquerque
  7. Filipa de Melo e Albuquerque que casou-se com Diogo Álvares Pessoa
  8. Isabel de Albuquerque
  9. Maria de Albuquerque
  10. Jorge de Albuquerque
  11. Luísa de Albuquerque

Filhos com Maria do Espírito Santo Arcoverde (* c. 1510):

  1. Manuel de Albuquerque que casou-se com Maria de Melo
  2. André de Albuquerque que casou-se com Catarina de Melo e com Isabel de Vasconcelos
  3. Jerónimo de Albuquerque, o Maranhão (* 1548) que casou-se com Catarina Pinheiro Feio
  4. Catarina de Albuquerque (* c. 1544) que casou-se com Filipe Cavalcanti
  5. Isabel de Albuquerque
  6. Antónia de Albuquerque
  7. Joana de Albuquerque
  8. Brites de Albuquerque

Fonte: (http://www.geneall.net/P/per_page.php?id=44252) --------------------

 
 Imprimer     Page précédente    Accueil   

    
    JERONIMO DE ALBUQUERQUE  
  État civil 

•Décédé en décembre 1584

•Inhumé en 1584 - na capela do seu engenho Nossa Senhora da Ajuda

   Parents 

•LOPO DE ALBUQUERQUE

•JOANA DE BULHÃO

  Mariage(s) et enfant(s) 

•Marié avec Maria do Espírito Santo (Tindarena ou Tabira ARCOVERDE, dont

■Catarina ALBUQUERQUE

■Jerônimo de (FILHO) o Maranhão ALBUQUERQUE

◦MANUEL ALBUQUERQUE

■ANDRÉ ALBUQUERQUE

◦JOANA ALBUQUERQUE

◦ANTONIO ALBUQUERQUE

■BRITES ALBUQUERQUE

•Marié avec Filipa de Melo e SAMPAIO, dont

•João de (i) ALBUQUERQUE

•Afonso de (I) ALBUQUERQUE

■Cristóvão de Albuquerque de MELO

•Duarte de ALBUQUERQUE

◦Jerônimo de ii ALBUQUERQUE

•MARIA DE ALBUQUERQUE

◦Isabel ALBUQUERQUE

■Felipa de Melo e ALBUQUERQUE

◦Cosma de ALBUQUERQUE

◦NATI-MORTO 1 NO NAME

◦NATI-MORTO 2 NO NAME

◦Jorge de ALBUQUERQUE

◦Luisa de ii ALBUQUERQUE

  Notes 

JERÔNIMO DE ALBUQUERQUE

Jerônimo de Albuquerque nasceu em Portugal, no início do século XVI, filho de Lopo de Albuquerque e de Joana de Bulhões. Viajou para Pernambuco junto com o primeiro donatário da capitania, Duarte Coelho e sua mulher Brites de Albuquerque, de quem era irmão. Logo ao chegar, numa das lutas que teve que enfrentar contra os índios, levou um flechada e perdeu um olho, ficando desde então conhecido pelo apelido de o Torto. Ferido, prisioneiro e condenado à morte, foi salvo pela intervenção de Tindarena ou Tabira, a filha do cacique Uirá Ubi (Arco Verde), chefe dos índios Tabajaras, que se apaixonou por ele e o queria como marido. Cedendo ao pedido da filha, o cacique além de conceder a liberdade a Jerônimo de Albuquerque, ainda selou a paz e se aliou aos portugueses. Batizada, posteriormente, Tindarena ou Tabira recebeu o nome de Maria do Espírito Santo Arco Verde, em homenagem à festa de Pentecostes que se celebrava no dia do batismo. Da união de Jerônimo e Maria do Espírito Santo nasceram oito filhos: Jerônimo de Albuquerque, que seria conhecido como o heróico restaurador do Maranhão e um dos fundadores da cidade de Natal, no Rio Grande do Norte, Manuel, André, Catarina, que se casou com o fidalgo italiano Felipe Cavalcanti, Isabel, Joana, Antônio e Brites. Jerônimo de Albuquerque teve ainda mais cinco filhos de outras mulheres brancas e índias, todos por ele reconhecidos. Em 1562, casou com Felipa de Mello, filha de Dom Cristóvão de Mello, em obediência à rainha de Portugal, D. Catarina, que na sua carta de intimação recomendou a união legítima, para evitar que continuasse o sobrinho de Afonso de Albuquerque, o descendente de reis, a seguir a lei de Moisés, mantendo trezentas concubinas. Do casamento nasceram onze filhos: João, Afonso, Cristóvão, Duarte, Jerônimo, Cosme, Felipe, Isabel, Maria e mais dois que morreram logo após o nascimento. Assim, Jerônimo de Albuquerque teve 24 filhos, entre legítimos e legitimados, o que lhe valeu o apelido entre os historiadores brasileiros de Adão Pernambucano. Em terras de sua propriedade fundou o engenho Nossa Senhora da Ajuda, depois denominado de Forno da Cal, o primeiro engenho de açúcar de Pernambuco, localizado nas proximidades de Olinda. Sendo um homem valente e inteligente, deu uma grande contribuição à administração da capitania do seu cunhado Duarte Coelho. Auxiliou sua irmã Brites de Albuquerque a governar Pernambuco nos anos de 1540, 1550 e 1553, durante as viagens do donatário a Portugal. Com a morte de Duarte Coelho, em 1554, Jerônimo continuou prestando relevantes serviços a Pernambuco, ajudando sua irmã a administrar a capitania até a maioridade dos herdeiros, Duarte e Jorge de Albuquerque Coelho, segundo e terceiro donatários, que a assumiram, em 1561 e 1573, respectivamente. Em 1576, com o retorno desse último a Portugal, Pernambuco voltou a ficar sob a direção de Jerônimo de Albuquerque e da irmã Brites de Albuquerque. Ele viveu e dedicou-se à capitania de Pernambuco durante 58 anos. Segundo o historiador Borges da Fonseca, que se baseou no seu testamento, Jerônimo de Albuquerque, o Torto, morreu no mês de dezembro de 1584, sendo sepultado na capela do seu engenho Nossa Senhora da Ajuda. Recife,4 de outubro de 2005. FONTES CONSULTADAS: COSTA, Francisco Augusto Pereira da. Capitães-móres governadores loco-tenentes dos donatários de Pernambuco. Revista do Instituto Archeológico e Geographico Pernambucano, Recife, n. 50, p. 61-63, 1897. SILVA, Jorge Fernandes da. Vidas que não morrem. Recife: Secretaria de Educação de Pernambuco, Departamento de Cultura, 1982.

Sources:

- personne, famille 1: http://www.fundaj.gov.br/notitia/servlet/newstorm.ns.presentation.NavigationServlet?publicationCode=16&pageCode=307&textCode=5343&date=currentDate






            
view all 26

Jeronimo de Albuquerque, o Torto's Timeline

1500
1500
Lisbon, Lisbon, Portugal
1544
1544
Age 44
Olinda, PE, Brasil
1546
1546
Age 46
1547
1547
Age 47
Recife, Recife, Pernambuco, Brazil
1548
April 22, 1548
Age 48
Olinda, Pernambuco, Brazil
1550
1550
Age 50
Olinda, Olinda, Pernambuco, Brazil
1552
1552
Age 52
Lisbon, Portugal
1553
1553
Age 53
Olinda, Olinda, Pernambuco, Brazil
1554
1554
Age 54
Olinda, Olinda, Pernambuco, Brazil
1568
1568
Age 68