João Propício de Figueiredo Mena Barreto, 2° Visconde de São Gabriel (1808 - 1867)

public profile

View João Propício de Figueiredo Mena Barreto, 2° Visconde de São Gabriel's complete profile:

  • See if you are related to João Propício de Figueiredo Mena Barreto, 2° Visconde de São Gabriel
  • Request to view João Propício de Figueiredo Mena Barreto, 2° Visconde de São Gabriel's family tree

Share

Birthdate:
Birthplace: Rio Pardo, Rio Grande do Sul, Brazil
Death: Died in São Gabriel, Rio Grande do Sul, Brazil
Cause of death: Tuberculose
Managed by: João Simões Lopes Filho
Last Updated:

About João Propício de Figueiredo Mena Barreto, 2° Visconde de São Gabriel

Foi um militar brasileiro.


É um dos ascendentes duma tradicional família brasileira do Rio Grande do Sul: os Mena Barreto. Filho de João de Deus Mena Barreto, primeiro barão e visconde de São Gabriel.


Combateu em todas as guerras do sul do Brasil entre 1825 e 1865: guerra da Cisplatina (1825-1828), revolução Farroupilha (1835-1845) (ao lado do Império), guerra contra Oribe e Rosas (1851-1852) até a guerra contra Aguirre (1864), quando como comandante do Comando Militar do Sul do Brasil, conquistou Paiçandu, ocupou Montevidéu e concorreu para a deposição de Atanasio Aguirre, após o que solicitou dispensa por grave doença, sendo agraciado com o título nobiliárquico de barão em 18 de fevereiro de 1865. Concluída a guerra contra Aguirre, retornou à São Gabriel, onde faleceu pouco depois.


Na Revolução Farroupilha (1835-1845), em Rincão Bonito, em 1841, como coronel do exército brasileiro, provoca 120 mortes, faz 182 prisioneiros e toma 800 cavalos dos revoltosos.

Fonte:(http://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Prop%C3%ADcio_Mena_Barreto)

Natural do Rio Pardo, João Propício de Figueiredo Menna Barreto nasceu aos 5 de agosto de 1808. Era filho do marechal João de Deus Menna Barreto (Iº Barão de S. Gabriel - e depois, Visconde de S. Gabriel) e de D. Rita Bernarda Cortês de Figueiredo Menna.


Em 27 de junho de 1820, com apenas 12 anos de idade, assentou praça como 1º Cadete, no Regimento de Dragões, do Rio Pardo (RS). Em 1º de março de 1826, com 18 anos chegava a Montevideu, onde apresentou-se no 5º Regimento de Cavalaria; participou da célebre “Batalha do Rosário” (Ituzaingó), em 20-02-1827. Aos 12 de outubro de 1828, foi promovido ao posto de alferes; mas, a 1º de maio de 1832, pediu exclusão do Exército, para tratar de interesses particulares, tornando-se “estancieiro” nos campos do Batoví, no município de S. Gabriel (RS).

Impelido pelo seu espírito guerreiro, o tenente Propício Menna Barreto não vacilou um só momento para empunhar as armas, enganjando nas tropas imperiais, incorporadas à Brigada do Gen. Bento Manoel Ribeiro, tomando parte ativa na Revolução Farroupilha de 1835, combateu a favor da legalidade, sem o menor recuo, durante os dez anos de luta encarniçada; venceu ao Cel. Agostinho José de Mello, no combate no passo do Piquirí (Cachoeira), em 25 de novembro de 1841. Em 1846, foi promovido ao posto de coronel e em 1851, foi com as nossas forças até a República Argentina, a fim de derrotar a tirania de Rosas, voltando com a consciência de haver cumprido o seu dever. Em 14 de março de 1854, foi promovido a Brigadeiro (General de Brigada); aos 15 de março de 1858, foi nomeado Vice-presidente do Rio Grande do Sul e aos 10 de abril daquele ano, agraciado com a Ordem do Cruzeiro do Sul, no grau de dignatário. Aos 17 de abril de 1863, foi feito Comendador da Ordem da Rosa.


Em 1864, nomeado comandante em chefe do exército, invadiu o Estado Oriental do Uruguai, para esmagar o poderio de Aguirre que deixou enxovalhar a nossa bandeira, quando o populacho desenfreado, arrastou-se pelas ruas de Montevideu. Quando o Gen. João Propício teve ordem de marchar o quanto antes para a república vizinha, o seu estado de saúde era muito delicado. A 2 de março de 1864 foi elevado ao posto de Marechal-de-campo, assumindo o comando das Armas da Província do Rio Grande do Sul; logo, recebe ordens para marchar contra os vizinhos “orientales”; nessa marcha penosa, os seus incômodos se agravaram, mas Mena Barreto seguia sempre para a frente, com o peito e as costas cobertos de cáusticos, com uma resignação que admirava a todos que o cercavam, na sua barraca e assim, neste deplorável estado, quase um moribundo, assistiu entre dores cruéis, ao ataque de Paissandú em 31 de dezembro de 1864 e pouco depois à tomada de Montevideu, a 20 de fevereiro de 1865. Um outro teria abandonado logo o seu posto de honra, ele, entretanto, não quis fazê-lo porque acima de tudo colocava sempre o cumprimento do dever.


Concluída a guerra com a vitória das nossas armas, voltou para S. Gabriel, a terra adotada pelo Marechal João Propício Menna Barreto. Em atenção aos seus valiosos serviços, o Imperador lhe deu o título, que já tinha sido de seu pai, de Barão de São Gabriel. Sua Majestade, o Imperador D. Pedro II, ao passar por S. Gabriel em viagem para Uruguaiana, a fim de assistir a rendição da força expedicionária paraguaia (ao mando do Tenente-coronel Antônio de La Cruz Estigarriba, já cercado pelas tropas brasileiras), aproveitou para visitar o Barão de São Gabriel, assim descrito por seu genro, o Conde d’Eu:


“Dia 31 de agosto de 1865. De tarde, foi o Imperador visitar o Barão de São Gabriel, Marechal-de-campo João Propício Menna Barreto. É o General que no princípio da atual guerra comandou a invasão do Estado Oriental e tomou Paissandú, cooperando com Venâncio Flores e com o Visconde de Tamandaré.

Mas, o infeliz militar na campanha adquiriu a “tísica” (tuberculose), que o vai lentamente consumindo; já não pode erguer-se do leito, junto do qual vimos a baronesa, duas irmãs desta, cinco filhos, o mais velho dos quais ainda não tem cinco anos.”


Foi um dos generais mais ilustres que teve o nosso exército. Nenhum outro o excedeu em valor, em audácia e em bravura. Era um soldado completo; nada lhe faltava.Em todos os combates em que tomou parte sempre se pôs em relevo pelos seus rasgos de coragem.

Faleceu na tarde de 9 de fevereiro de 1867, na sua estância da Boa Vista, bem próxima do legendário Cerro do Batoví, sendo sepultado na cidade de S. Gabriel.

É o Patrono do “9º Regimento de Cavalaria Blindada” sediado na “terra dos Marechais (S. Gabriel).”

Fonte: (http://sanguepalmeiro.blogspot.com.br/2011/05/capitulo-iv-maria-candida-da-fontoura.html)

view all 12

João Propício de Figueiredo Mena Barreto, 2° Visconde de São Gabriel's Timeline

1808
August 5, 1808
Rio Pardo, Rio Grande do Sul, Brazil
1850
1850
Age 41
São Gabriel, Rio Grande do Sul, Brazil
1855
September 23, 1855
Age 47
São Gabriel, Rio Grande do Sul, Brazil
1859
1859
Age 50
São Gabriel, Rio Grande do Sul, Brazil
1860
April 28, 1860
Age 51
São Gabriel, Rio Grande do Sul, Brazil
1861
1861
Age 52
São Gabriel, Rio Grande do Sul, Brazil
1862
1862
Age 53
São Gabriel, Rio Grande do Sul, Brazil
1863
December 4, 1863
Age 55
São Gabriel, Rio Grande do Sul, Brazil
1866
September 9, 1866
Age 58
São Gabriel, Rio Grande do Sul, Brazil
1867
February 9, 1867
Age 58
São Gabriel, Rio Grande do Sul, Brazil