João Simões Lopes Neto (1865 - 1916)

public profile

Is your surname Simões Lopes Neto?

Research the Simões Lopes Neto family

João Simões Lopes Neto's Geni Profile

Share your family tree and photos with the people you know and love

  • Build your family tree online
  • Share photos and videos
  • Smart Matching™ technology
  • Free!

Share

Birthplace: Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil
Death: Died in Pelotas, RS, Brazil
Managed by: João Simões Lopes Filho
Last Updated:
view all

Immediate Family

About João Simões Lopes Neto

João Simões Lopes Neto, descendente de nobre estirpe liderada por seu avô, João Simões Lopes Filho, o Visconde da Graça, nasceu na estancia da Graça, situada nos arredores de Pelotas, em 1885. Embora tenha nascido no campo, muito cedo, aos doze anos vamos encontrá-lo no núcleo urbano de Pelotas, a Atenas Riograndense, já em sua época muito avançada, devido à exploração do charque, e por uma industria nascente. Simões Lopes completou sua formação escolar no Rio de Janeiro, onde esteve matriculado a partir de 1878, no famoso Colégio Abílio, dirigido pelo Barão de Macaúbas, mais tarde retratado por Raul Pompéia como o Aristarco de "O Ateneu". Com exceção do breve período que passou fora, poucas vezes afastou-se da cidade natal. Aí então sua carreira foi em parte comercial e em parte na imprensa jornalística. Sua passagem pelo ramo dos negócios pode ser traduzida por uma sequencia de inúmeros desastres que o fizeram morrer extremamente pobre. A luta pela sobrevivência seria travada nas redações dos jornais provincianos. Entre 1895 e 1913, mantém a coluna Balas d'Estalo, no Diário Popular; em 1913 a 1914, sob o pseudonimo de João do Sul, assina as crônicas de Inquéritos em Contraste, nas páginas da Opinião Pública; de 1914 a 1915, ocupa a direção do Correio Mercantil; e finalmente, em1916, ano de sua morte, volta para A Opinião Publica, com a coluna Temas Gastos. Como caracteristicas principais de Simões Lopes Neto, é que ele foi um homem de cidade, urbano e polido, nada tendo a ver com o protótipo do homem rude acostumado as lides do campo, como alguns imaginariam mais tarde. A estancia e seus habitantes faziam tão somente parte da memória de sua infancia, e por isso se tranformaram na matéria prima de sua imaginação prodigiosa. Infelizmente não conheceu a glória literária em vida, embora seus "Contos Gauchescos", publicados em 1912, e as "Lendas do Sul", no ano seguinte, só lhe restavam tres anos de vida. A fama lhe foi póstuma. Sua obra é um legado para o futuro. Além do conjunto formado por contos e lendas, ele reuniu em 1910, o acervo sul-riograndense na compilação do "Cancioneiro Guasca". Também são publicações póstumas os "Casos do Romualdo", descobertos em 1952, no arquivo do Correio Mercantil, e o ensaio "Terra Gaúcha", aparecido em 1955. Sua literatura teatral, quase toda dedicada ao genero cômico, teve produção circunstancial, embora se saiba, tenha tido boa acolhida pelo povo naquela época. Alguns livros anunciados por Simões não foram publicados e os originais permanecem ainda hoje desconhecidos: Peona e Dona e Jango Jorge, romances regionais, Prata do Taió, notas de uma comitiva exploradora, e Palavras Viajantes, conferências. Apesar de tudo isso, sua presença literária só fez crescer até os nossos dias. Nos vemos diante de um caso muito comum na história literária, em que a força irradiadora da obra ultrapassa o destino absolutamente opaco do autor que a produziu. Monarca das letras pampeanas que o Rio Grande conheceu, tropeiro de prosa e verso, repontou seu universo na querencia onde viveu. Cevou a memória crioula no porongo do passado, e bombeando esta vivencia em sorvo longo e espaçado, eternizou a querência. Deus lhe deu como virtude a divina inspiração, com prosaica versitude, transformou-se no gaúcho de pena e papel na mão. Quem boitatá procurar fica até sem enxergar, Salamanca do Jarau, com a fumaça a brotar no causo do velho Blau, e la fora a vaga lembrança do boi barroso a pastar, procurado na distãncia da verde e imensa pampa, sem nunca ninguém achar. E subindo para as nuvens da terra que o viu nascer, Sepé vendeu caro a sorte, morreu crente em sua fé, virou santo após a morte. Do pastoreio o negrinho numa procura caudilha de vela acesa na mão, recolutou a tropilha a camperear no rincão. João Simões Lopes Neto faz parte da tradição, Seu nome gravado a parte, eternizou sua arte, pelo gaúcho rincão. (Poesia de Jonas Plinio do Nascimento Júnior, criada em 1985)

view all

João Simões Lopes Neto's Timeline

1865
March 9, 1865
Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil
1873
May 5, 1873
Age 8
1916
June 14, 1916
Age 51
Pelotas, RS, Brazil
June 15, 1916
Age 51
Pelotas, RS, Brazil
1998
May 20, 1998
Age 51
Pelotas, Rio Grande do Sul, Brazil

Estudo em Pastel feito para retrato do escritor, patrono da União Gaucha , Pelotas.
Autor: Jonas P.do Nascimento Jr.