Is your surname Dias?

Research the Dias family

Lopo Dias's Geni Profile

Records for Lopo Dias

1,472,645 Records

Share your family tree and photos with the people you know and love

  • Build your family tree online
  • Share photos and videos
  • Smart Matching™ technology
  • Free!

Share

Lopo Dias

Birthdate:
Birthplace: Portugal
Death: (Date and location unknown)
Immediate Family:

Husband of Beatriz and Beatriz, Índia Tapuia
Father of Susana Dias; Belchior Dias Carneiro; Affonso Dias; Catharina Rodrigues Velho and Izabel Nogueira

Managed by: Lúcia Pilla
Last Updated:

About Lopo Dias

Viera Lopo Dias na esquadra de Martim Affonso de Souza, diz-nos o P. Galanti, no 1.º volume de sua "Historia do Brasil", pagina 90, muito embora affirme, com outros autores, ter sido genro de João Ramalho e não de Tibiriça, como acima ficou apontado. Depois do seu consorcio fixara residencia em S. Paulo, na praça da villa, no dizer de uma acta da Camara.

Em 1594 obteve uma sesmaria de meia legua em quadra nas cabeceiras do rio Guiandu. Ahi fez suas roças e criava o seu gado, formando uma fazenda, que se estendeu com mais uma legua na Biacica, immediações do actual Mogy das Cruzes.

Tres dias após a morte de Tibiriça, foi Lopo Dias eleito almotacel da camara nascente de S. Paulo. Competia ao almotacel executar as posturas, fiscalisar a aferição dos pesos e medidas, o preço dos comestiveis e zelar pelo asseio da povoação.

Donde se vê, era o nosso biographado um dos homens bons do povo. Homens bons eram aquelles que ja haviam exercido a governança, devidamente qualificados pelos corregedores e juizes. Em S. Paulo, devido á liberalidade dos juizes nessas qualificações, só não eram homens bons: os operarios, os mechanicos, os degredados, os judeos e os estrangeiros. Aproveitando-se destas restricções, protestava João Ramalho, quando, em 1560, talvez para acalmar-lhe o espirito irritado com a destruição de sua villa de Santo André, quizeram fazel-o vereador da camara de S. Paulo. Não podia acceitar, era um degredado, preferia estar com os opposicionistas da Parahyba, que ficasse em seu lugar Lopo Dias! Assim foi. A 21 de Fevereiro de 1564, prestou nosso bom Lopo Dias juramento aos santos evangelhos para bem servir de vereador. Muitas outras vezes serviu á governança de S. Paulo, pois sendo poucos os homens capazes disso, quasi sempre era sorteado na abertura dos pelouros, como então se fazia a eleição. Não sahiu de S. Paulo, preferia a vida calma de seus trabalhos agricolas no Guiandú e na Biacica, não descurando tambem de seus deveres religiosos e civicos. Não sentia illusões para as arriscadas aventuras, bastava-lhe a de ter vindo ao Brasil e ter-se installado em S. Paulo para subtronco de uma das mais gloriosas familias paulistas! Do seu consorcio com Beatriz teve os seguintes filhos: Isabel, que se casou com Antonio Nogueira; Belchior Carneiro casara-se com Hilaria Luiz Grou; Andreza Dias, fallecida em 1681, ao que parece solteira; Antonio Dias casara-se com Felicia de Pinha; Isaac Dias Carneiro casou-se com Maria Nunes; Suzana Dias casara-se com Manoel Fernandes Ramos, e Catharina Dias casara-se com Garcia Rodrigues Velho.

Diz o Dr. Taunay que Lopo Dias antes fôra irmão jesuita, obtendo a dispensa dos votos, contrahira então matrimonio. Não encontrei ainda documento nesse sentido. Lê-se no inventario de Belchior Carneiro que, depois de viuvo, fizera-se irmão leigo de Nossa Senhora do Carmo, como a seu tempo demonstraremos. À Ordem Carmelitana legou seus bens por varias doações: a primeira, em 1621, da fazenda Biacica; a segunda, das terras do Guiandú, talvez pouco depois da primeira, como se vê nos "Documentos Interessantes" do archivo do Estado de S. Paulo, vol. XXXI, pag. 168. Donde se conclue a edade avançadissima de nosso heroe, era já centenaria a sua calma existencia! Escolhera o silencio dum convento para terminar seus dias. Seus filhos possuiam bens de fortuna para si e seus descendentes e, mais que isso, a educação christã. Nas horas de meditação quando olhasse para os horisontes longinquos, como Abrahão, deveria pensar que seus descendentes povoariam essas regiões immensas do territorio brasileiro! Suas preces seriam certamente: "Ó meu Creador! Conservae em todos o espirito de fé, dae-lhes força para praticarem a virtude. Ó Senhora do Carmo, salvae meus descendentes; quero vêl-os todos debaixo de vosso manto no céu! Sant'Anna, mãe de minha Senhora do Carmo, engrandecei o Brasil com os feitos magnificos de meus filhos e netos." Cercado de seus irmãos de habito, morreu santamente o grande heróe da Patria e o magnanimo bemfeitor da Religião: Lopo Dias.

Tibiriçá e Lopo Dias são as figuras mais significativas na Historia de S. Paulo primitivo. Em Tibiriçá scintilla a energia indomita e o triumpho certo e glorioso em todas as guerras. Em Lopo Dias transluz a paz, a prudencia e o trabalho operoso e productivo! Ambos transmittiram a seus descendentes estas magnificas virtudes. Dahi o heroismo triumphal dos bandeirantes paulistas e o trabalho intenso e fecundo para despertar o gigante Brasil e conduzil-o, passo a passo, ao pantheon da gloria e da immortalidade.

Informação retirada do livro "Notas para a Historia de Parnahyba" (Publ. 1935) escrito pelo Padre Paulo Florêncio da Silveira Camargo, Vigário de Santana de Parnaíba no começo do século passado.