Luis da Silva Telo de Menezes, 2° conde de Aveiras

Is your surname da Silva Telo de Menezes?

Research the da Silva Telo de Menezes family

Luis da Silva Telo de Menezes, 2° conde de Aveiras's Geni Profile

Records for Luis da Silva Telo de Menezes

117 Records

Share your family tree and photos with the people you know and love

  • Build your family tree online
  • Share photos and videos
  • Smart Matching™ technology
  • Free!

Share

About Luis da Silva Telo de Menezes, 2° conde de Aveiras

Casa de Aveiras e Vagos < Arquivos de Famíla < Arquivos Pessoais, Familiares e Empresariais Tipo: Fundo Dimensão: 28 ex.; 1 pacote (77 mç.) Datas: 1344-1921 História: Foi 1° conde de Aveiras D. João da Silva Telo e Meneses, senhor de Vagos, alcaide-mor de Lagos, capitão-general do Algarve, dos Conselhos de Estado e da Guerra, comendador das Ordens de Cristo e de Santiago, governador de Mazagão e vice-rei da Índia.

O título foi-lhe concedido de juro e herdade. O 2° conde de Aveiras, D. Luís da Silva Telo de Meneses, foi regedor das Justiças e presidente da Mesa da Consciência e Ordens (nomeação em 16 de Setembro de 1669). D. João da Silva Telo e Meneses, 3° conde de Aveiras, foi presidente do Senado da Câmara de Lisboa, regedor da Casa da Suplicação e pertenceu aos Conselhos de Estado e da Guerra.

Ao 6° Conde de Aveiras, D. Francisco da Silva Telo e Meneses (1723-1808) foi concedido o título de Marquês de Vagos. O 1° Marquês de Vagos foi governador de Évora, encarregado do governo das Armas da Corte e Província da Estremadura, no impedimento do Duque de Lafões, conselheiro da Guerra, mordomo-mor da princesa D. Maria Francisca Benedita, grã-cruz da Ordem de Cristo.

Foi 2° Marquês de Vagos e 7° Conde de Aveiras D. Nuno da Silva Telo e Meneses (1745-1813), gentil-homem da câmara de D. Maria I, no Brasil, governador das Armas da Corte e Província do Rio de Janeiro, membro do Supremo Conselho de Justiça Militar, deputado da Junta dos Três Estados, grã-cruz das Ordens de Cristo, Torre e Espada e Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa.

Os Marqueses de Vagos e Condes de Aveiras incorporaram as Casas de Valadares e de Povolide: a casa de Povolide foi reunida à de Valadares pelo casamento de D. Maria Helena da Cunha, irmã do 4° e último Conde de Povolide (D. Luís José da Cunha Grã de Ataíde e Melo que faleceu sem geração, em 1833) com D. Pedro António de Noronha, 8° Conde de Valadares, gentil-homem da rainha D. Maria, chefe de divisão da Armada Real, comendador da Ordem de Cristo; o 5° Marquês de Vagos e 11° Conde de Aveiras, D. José da Silva Telo e Meneses Corte-Real (1838-1907), neto dos 8°' Condes de Valadares, herdou as Casas dos Condes de Povolide e de Valadares.

É actual representante das Casas de Aveiras (15ª), Vagos (8ª"), Valadares (10ª) e Povolide (6ª) D. Maria Mafalda da Silva de Noronha Wagner.

História custodial e arquivística: Documentação comprada pelo IPPC - Departamento de Bibliotecas e Arquivos - a José Maria da Silva Telo de Noronha, 5° conde de Povolide, seu proprietário, conforme acordo celebrado em 3 de Janeiro de 1983, e entregue por aquela entidade ao ANTT no dia 20 de Junho do mesmo ano. Descrição: O fundo das Casas de Aveiras e Vagos é constituído por documentação comprovativa de mercês recebidas, da posse e aquisição de direitos e respectiva administração (mercês, alvarás, certidões, patentes, procurações, livros de rendas, relações de dívidas, de décimas e contribuições, de contas várias, dotes e contratos de casamento, testamentos, inventários e partilhas, requerimentos, etc. De referir certidões e requerimentos relacionados com o Brasil - 1811-1814).

A documentação reporta-se aos diferentes morgados (Ilhas - Terceira e S. Jorge -, Corte Real, Palma), a propriedades (Lisboa, Santarém, Vagos, Aveiras, Moita, Monforte, Malveira, Benavente, Corroios, Asseiceira, Golegã), a comendas, a alcaidarias-mores, a saboarias, bem como a questões diversas, entre as quais heranças: Conde dos Arcos (1828-1900), Conde da Ribeira (1748-1822), Marquês de Marialva (1800-1896).

Inclui ainda relações de jóias, de pratas e de mobiliário (1816-1905), para além de correspondência recebida da "Secretaria de Estado" (1669-1726) e de "pessoas ilustres" (1566-1853). in, http://www.aatt.org/site/index.php?op=Nucleo&id=1059