Luiza Leocádia Ribeiro da Cunha, baronesa de Maciel (deceased)

public profile

View Luiza Leocádia Ribeiro da Cunha, baronesa de Maciel's complete profile:

  • See if you are related to Luiza Leocádia Ribeiro da Cunha, baronesa de Maciel
  • Request to view Luiza Leocádia Ribeiro da Cunha, baronesa de Maciel's family tree

Share

Related Projects

Death: (Date and location unknown)
Managed by: Nivea Nunes Dias
Last Updated:

About Luiza Leocádia Ribeiro da Cunha, baronesa de Maciel

Família Maciel e a Roseta A família Maciel é originária da França, mas se estabeleceu em Viana do Castelo, Portugal. Um dos troncos da família, formado por João Maciel, chegou ao Brasil pelo litoral paulista (São Vicente), no século XVI. A partir daí, os "maciéis" migraram para várias partes do País. Segundo Valter Cassalho, "Em 02 de fevereiro de 1746, Justo Domingues Maciel I obtém uma sesmaria de uma légua em quadra na paragem chamada Numbuca. Essas terras situavam-se nas proximidades do MORRO DO LOPO...". Morro do Lopo situa-se no Estado de São Paulo, no contraforte leste da Serra da Mantiqueira. Adentrando a serra, os maciéis" tiveram acesso ao sul de Minas, onde Justo Domingues Maciel II casou-se, em Baependi, com Izabel Vieira, em 1777. Muito antiga e originária de uma sesmaria de 1738, a Fazenda da Roseta teve importante papel no desenvolvimento econômico e social na região. Diversas famílias por ali passaram e inúmeras foram as atividades produtivas que ali se desenvolveram ao longo do tempo. Conforme noticiado no antigo jornal carioca "O Paiz", há mais de um século, a Fazenda da Roseta já importava gado leiteiro holandês, além de cachorros dinamarqueses e ovinos da Europa. Antiga morada da família do Barão de Maciel a Fazenda situa-se no Município de Baependi, Estado de Minas Gerais. Nascido em 1837, em Baependi, Justo Domingues Maciel III era também conhecido como o Barão da Roseta, das Águas ou de Contendas. Sabe-se que Justo iniciou suas atividades como tropeiro, levando produtos da Roseta para a corte no Rio de Janeiro e São Paulo. Casado com Luísa Leocádia Ribeiro da Cunha, a baronesa fez parte da comitiva que recepcionou a visita da família imperial à Caxambu em 1868. Segundo consta a família real também esteve na fazenda. Justo Maciel foi Presidente da Câmara e também o primeiro Prefeito de Baependi após a proclamação da República, na época o regime era parlamentarista. Durante sua gestão foi criado o Distrito de Soledade de Minas, hoje já emancipado. Em 1884, acompanhou o Imperador Pedro II na inauguração da ferrovia "The Minas and Rio Railway". Como empresário fundou e presidiu a "Empreza das Águas de Caxambu e Contendas" sendo considerada a primeira empresa constituída de engarrafamento de águas minerais.

Após a morte de Justo e Luíza, a propriedade da Fazenda passou a seus descendentes. Em 1942, a casa-sede da fazenda passou por uma reforma, substituindo parte de suas características coloniais por uma arquitetura neocolonial. Com o declínio das atividades produtivas, o patrimônio sofreu forte desgaste e, a partir de 2005, vem sendo restaurado para atender a novos usos e objetivos.

Nossa Senhora de Lourdes Em 11 de fevereiro de 1858, em uma gruta às margens do rio Gave, na pequena cidade de Lourdes, nos Pirineus, ao sul da França, uma jovem de apenas 14 anos, Bernadete, filha de Francisco e Luíza Soubirous, testemunhou a primeira aparição de Nossa Senhora de Lourdes. Por esse motivo, em homenagem a Nossa Senhora de Lourdes, santa de devoção dos moradores da Fazenda, foi erguida uma gruta de pedra, destinada a atividades religiosas dentre as quais casamentos e batizados. A imagem de Nossa Senhora de Lourdes que se encontra na Fazenda foi trazida da França pelo Coronel Manoel Maciel, filho do Barão de Maciel, e sua introdução na gruta, com procissão e celebração de missa, se deu em 8 de outubro de 1932. Com o passar dos anos, a gruta desabou e, hoje recuperada, passa a receber devotos e a desempenhar o mesmo papel anterior.