Maria da Grã "Terebé" Tibiriçá (deceased) MP

‹ Back to Tibiriçá surname

Is your surname Tibiriçá?

Research the Tibiriçá family

Maria da Grã "Terebé" Tibiriçá's Geni Profile

Records for Maria da Grã Tibiriçá

321,648 Records

Share your family tree and photos with the people you know and love

  • Build your family tree online
  • Share photos and videos
  • Smart Matching™ technology
  • Free!

Share

Nicknames: "Terebé Tibiriçá", "Maria da Graça", "Maria da Grã", "Maria Da Terebé"
Death: (Date and location unknown)
Managed by: Bruno Ricci Barros de Mattos
Last Updated:

About Maria da Grã "Terebé" Tibiriçá

É também filha de Tebiriça, o Cacique da tribo dos Guaianazes, maioral Inhapurambuçú, que ao ser batizado recebeu o nome de Martim Afonso Tebiriçá, falecido a 12 de Dezembro de 1562; irmã de Bartira, a espôsa de João Ramalho. Entre os religiosos que Martin Afonso de Souza encontrou em Virapuera e que na terra de Santa Cruz ministravam os sacramentos e ensinavam o gentio, estava o frade leigo Pedro Dias. Tebiriçá, que não entendia nada de votos religiosos ou de qualquer dispositivo da lei canônica, achou que Pedro Dias, um homem branco como Ramalho, estava a calhar para o marido de outra de suas filhas, a jovem Terebé, a qual não escondia sua alegria e o desejo de se unir àquele belo moço aburelado. Pedro ou Pero Dias entrara para a companhia de Jesus por vocação religiosa e ao saber de tão ousados desejos, procurou esquivar-se, trazendo isto mal-estar entre os frades que não desejavam se inimizar com os índios, e por outro lado, não podiam aceitar uma coisa impossível para êles! Um frade se casar!?... Pedro Dias que pertencia a uma família ilustre em Portugal, a familia Dias Velho, pensou em fugir ao fascínio de Terebé.Tebiriçá, porém insiste com energia. "LEVADO O FATO AO CONHECIMENTO DO SUPERIOR DA COMPANHIA, NA ÉPOCA, SANTO INÁCIO DE LOYOLA, ÊSTE A BEM DA RELIGIÃO DESLIGOU PEDRO DIAS DOS VOTOS DA ORDEM, PERMITINDO O CASAMENTO, APÓS O BATISMO DA ÍNDIA", que recebeu o nome de Maria da Grã., em homenagem ao Padre Luiz da Grã, então superior do colégio de Piratininga. O casal continuou estabelecido em Viapuera, teve prole numerosa (foram 13 filhos "Os Primeiros Troncos Paulistas"- Alfredo Ellis Junior), que deu origem as famílias fidalgas de Borba Gato, Pontes, Eiró, Leme, Dias, Toledo, Piza, etc. Falecida Maria da Grã, Pedro Dias casou-se novamente com Isabel Afonso,filha de Pedro Gomes e Isabel Gomes, esta também neta de índios, ou com Antonia Gomes da Silva, como afirmou Luis Silva Leme no volume 1 da Genealogia Paulista. (Tirado do livro "A Mulher Paulista na História" - Adalzira Bittencourt - 1954 - Livros de Portugal)

view all

Maria da Grã "Terebé" Tibiriçá's Timeline