Is your surname Severo da Costa?

Research the Severo da Costa family

Marieta Severo's Geni Profile

Share your family tree and photos with the people you know and love

  • Build your family tree online
  • Share photos and videos
  • Smart Matching™ technology
  • Free!

Share

Marieta da Paixão Severo da Costa

Birthdate: (67)
Birthplace: Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Immediate Family:

Daughter of <private> da Costa and <private> Paixão
Wife of Aderbal Freire, Filho
Ex-wife of <private> Vergara and Chico Buarque
Mother of Sílvia Buarque; Helena Buarque de Hollanda and <private> Buarque de Hollanda

Occupation: Atriz brasileira
Managed by: Lúcia Pilla
Last Updated:
view all

Immediate Family

About Marieta da Paixão Severo da Costa

Marieta Severo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Marieta_Severo

Marieta da Costa Severo (Rio de Janeiro, 2 de novembro de 1946) é uma atriz brasileira. Foi casada com o compositor Chico Buarque, com quem teve três filhas (Sílvia, Helena e Luísa). Uma delas, Sílvia, seguiu a mesma carreira da mãe.

Sonhava em ser bailarina e por isso estudou balé clássico durante muitos anos. Mudou de idéia aos 16, quando conheceu o curso de teatro do Tablado e a professora Maria Clara Machado. Então, decidiu investir na carreira de atriz.

Em 1965, foi acompanhar uma amiga em um teste para uma peça e acabou sendo convidada pelo diretor Luiz Carlos Maciel para um papel no filme Society em Baby Doll. Na mesma época, estreou também no teatro com a peça Feitiços de Salém.

Filha de um desembargador, não demorou muito para dar as caras na televisão. Em 1966, aos 19 anos, foi chamada para integrar o elenco da novela O Sheik de Agadir, da recém-inaugurada TV Globo, na pele da princesa árabe Éden. No decorrer da história, misteriosos assassinatos vão acontecendo. A identidade do criminoso, conhecido pelo nome Rato, só foi revelada no final da trama. Para surpresa do público, o Rato era a princesa Éden, sua personagem. No ano seguinte, participou da novela O Homem Proibido e atuou no filme Todas as Mulheres do Mundo. Em 1968, estrelou o musical Roda Viva, que criticava abertamente o regime militar, e entrou na mira dos agentes da segurança nacional. A montagem da peça é de autoria de Chico Buarque, com quem foi casada por 30 anos.

À época dos anos de chumbo, acompanhando o marido no lançamento de um álbum em Roma, e grávida de Sílvia, Marieta recebeu notícias de como andava a situação no Brasil e foi aconselhada a não retornar. Passou alguns anos deste "auto-exílio" em Roma. Uma curiosidade, é que somente Sílvia, sua 1ª filha, tem outra nacionalidade, já que todas as outras filhas são brasileiras e Sílvia é italiana.

No final de 1970, voltou ao Brasil e retomou a carreira de atriz, participando da novela E Nós, Aonde Vamos?, exibida pela extinta Rede Tupi. Depois desse trabalho, afastou-se da televisão para se dedicar às três filhas, Silvia, Helena e Luiza, e também aos projetos de teatro e cinema. Em 1978, atuou no filme Chuvas de Verão e na peça Ópera do Malandro, e em 1979, esteve em cartaz com o longa Bye Bye Brasil.

Em 1983, após 18 anos, voltou à TV Globo e trabalhou em duas produções da emissora: a minissérie Bandidos da Falange e a novela Champagne. Demorou a se firmar como intérprete de televisão. Após a estréia em 1966, só se consagraria no meio, a partir dos anos 1980, vivendo personagens marcantes como a perigosa e ambiciosa Catarina de Vereda Tropical, em 1984.

Em 1985, interpretou Suzana, a ex mulher do costureiro Ariclenes, de Luis Gustavo, com quem vivia uma relação de amor e ódio, rendendo cenas hilárias à novela Ti Ti Ti. Em 1986, foi homenageada no Festival de Gramado, pela sua atuação nos filmes O Homem da Capa Preta, Com licença, eu vou à luta e Sonho sem Fim. Em 1988, integrou o elenco do seriado Tarcísio & Glória, protagonizado por Tarcísio Meira e Glória Menezes. Depois, em 1989, encarnou a nobre Madeleine de Que Rei Sou Eu?.

Em 1992, mais uma vez desponta como a antagonista principal de uma novela ao dar vida a perversa Elvira de Deus nos Acuda. Entre 1995 e 1997, participou de alguns episódios da série A Comédida da Vida Privada, exibida dentro do dominical Fantástico. Também em 1995, foi protagonista do filme Carlota Joaquina, Princesa do Brazil, um marco da retomada do cinema nacional de qualidade. Posteriormente, em 2000, voltou as novelas como a simpática e sofisticada Alma, de Laços de Família, que lhe rendeu o prêmio de Melhor Atriz pela Associação Paulista de Críticos de Arte.

De 2001 até os dias atuais, trabalha no seriado A Grande Família, exibido às quintas-feiras pela Rede Globo, no qual interpreta brilhantemente a dona-de-casa Dona Nenê, ao lado de Marco Nanini.

No filme As Três Marias, de 2002, faz uma mulher forte que tem seu marido e dois filhos brutalmente assassinados. Ela convoca então as três filhas para cada uma delas procurar um matador e vingar o pai. Foi nesse ano, que a atriz recebeu o prêmio Oscarito, pelos 37 anos de carreira dedicados ao cinema brasileiro; são mais de 30 filmes em seu currículo. Em seguida, no ano de 2004, filmou Cazuza - O Tempo Não Pára, onde interpretou Lucinha Araújo, mãe do cantor Cazuza. Também em 2004, protagonizou o longa A Dona da História, baseado na peça de João Falcão, que Marieta já havia encenado no teatro com muito sucesso, dividindo o palco com Andréa Beltrão, tendo viajado por várias cidades brasileiras.

Em 2005, ao lado da amiga Andréa Beltrão, inaugurou o Teatro Poeira, em Botafogo, Rio de Janeiro. O empreendimento era um sonho antigo das atrizes, que ficaram mais de dois anos envolvidas diretamente nas obras do antigo casarão que abriga o teatro. Em 2007, as duas estrearam o espetáculo As Centenárias e, no mesmo ano, estavam na versão cinematográfica de A Grande Família.

No teatro, com mais de 40 anos de palco, foi premiada duas vezes com os prêmios Mambembe e Molière, e uma vez com o Prêmio Shell.

Marieta é reconhecida pela crítica como uma das mais competentes atrizes em todos os segmentos de atuação: o palco, o cinema e a TV.