Moacir Werneck de Castro (c.1915 - c.2010) MP

public profile

Is your surname Werneck de Castro?

Research the Werneck de Castro family

Moacir Werneck de Castro's Geni Profile

Records for Moacir Werneck de Castro

45,761 Records

Share your family tree and photos with the people you know and love

  • Build your family tree online
  • Share photos and videos
  • Smart Matching™ technology
  • Free!

Share

Birthplace: Barra Mansa, Barra Mansa, Rio de Janeiro, Brazil
Death: Died in Rio, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
Managed by: Carla Assenheimer (C)
Last Updated:

About Moacir Werneck de Castro

Moacir Werneck de Castro (Barra Mansa, 1915 -- Rio de Janeiro, 25 de novembro de 2010) foi um jornalista, escritor e tradutor brasileiro.

Neto, por parte de pai, do Visconde de Arcozelo, Joaquim Teixeira de Castro, e bisneto, por parte de mãe, do Barão de Pati do Alferes, Francisco Peixoto de Lacerda Werneck, que fizeram fortunas no tempo do Império, Moacir viveu na infância a experiência da decadência da lavoura do café e da autocrítica do passado faustoso da família, construído à custa da escravidão. Temporão entre cinco filhos, era dez anos mais velho do que a irmã Maria e 22 anos do que o primogênito, Luís. Foi criado em Blumenau, Santa Catarina, onde o pai, educado na Alemanha, faleceu em 1926.

No Rio, nos anos seguintes, aproximou-se do primo, Carlos Frederico Werneck de Lacerda, um ano mais velho, filho de sua tia, Olga Caminhoá Werneck, e de Maurício de Lacerda; juntos cursaram a Faculdade de Direito da Universidade do Rio de Janeiro, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro (entre 1937 e 1965, Universidade do Brasil), participaram do movimento socialista e trabalharam, em 1938. no jornal Diretrizes, fundado por Samuel Wainer. O afastamento dos dois começou em 1940, quando Carlos Lacerda iniciou a virada ideológica que o tornaria figura importante como líder da oposição conservadora, a partir do segundo governo de Getúlio Vargas (1951-1954). O antagonismo político tornar-se-ia radical.

Em outubro de 1934, Moacir Werneck foi preso pela primeira vez quando, aos 19 anos, acompanhava para o Jornal do Povo, de Aparício Torelly, uma assembleia sindical de trabalhadores; só o libertaram por interferência de Herbert Moses, presidente da Associação Brasileira de Imprensa, acionado pelo irmão Luís. Dias depois, esse jornal, de circulação efêmera mas que teve grande repercussão, foi empastelado por oficiais de Marinha, como reação a reportagens de Adão Pereira Nunes sobre o episódio da Revolta da Chibata, em que marinheiros de apossaram da esquadra, em 1910. Solto, Torelly pregou na porta da redação um cartaz com os dizeres “Entre sem bater”, mas não teve condições de manter a publicação no clima agitado que precedeu a tentativa de golpe da Aliança Nacional Libertadora, em 1935.

Foi também em 1935 que Moacir participou em Paris do Encontro Mundial da Juventude contra a Guerra e o Fascismo e, em seguida, viajou para Berlim, onde seu pai estudara. Lá foi agredido por um grupo de militantes da juventude nazista e só escapou por causa de seu passaporte brasileiro e do pouco de alemão que aprendera na infância, em Blumenau.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Moacir trabalhou como redator de notícias na Agência Interamericana de Publicidade e, de 1945 a 1953, nos jornais Tribuna Popular e Imprensa Popular, do Partido Comunista Brasileiro, a que se filiou em 1947 e que abandonaria em 1956, após o traumático XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética, no qual Nikita Kruschev denunciou atrocidades cometidas durante o governo de Josef Stalin. 6 Ainda no PCB, fundou , com Jorge Amado e Oscar Niemeyer, a revista Paratodos – Quinzenário da Cultura Brasileira, que circulou entre 1955 e 1957.

Em 1957, Moacir Werneck de Castro assumiu o cargo de redator-chefe de Ultima Hora, jornal (fundado em 1951) que apoiou os governos trabalhistas de Getúlio Vargas e João Goulart e resistiu à pressão dos governos militares até que o título foi vendido à Folha da Manhã S.A., de São Paulo, em 1971. De 1972 a 1987, foi assessor editoral da Encyclopedia Britannica, participou da elaboração da Enciclopédia Mirador Internacional. Junto com Antônio Houaiss, fez a revisão crítica dos originais do Dicionário de Ciências Sociais da Unesco, publicado no Brasil pela Fundação Getúlio Vargas, em 1986. Colaborou, por muitos anos, a partir de 1975, com artigos semanais no Jornal do Brasil. Mais articulista do que repórter, viajou ao Uruguai, em 1979, para contar a situação do país, então sob ditadura militar, e, em 1982, foi ao Oriente Médio, entrevistar Yasser Arafat, líder da Organização para Libertação da Palestina (OLP). Em 1974, casou-se com a tradutora e jornalista uruguaia Glória Rodrigues, 17 anos mais nova do que ele. Conheceram-se na década anterior, quando ela trabalhava no consulado uruguaio no Rio de Janeiro.

Entre os livros que escreveu, nenhum de ficção, destacam-se (a) os biográficos O Libertador – A vida de Simon Bolívar (1973); O Sábio e a Floresta (1992), sobre o eminente naturalista Fritz Muller, que viveu em Santa Catarina no Século XIX; e Missão na Selva (1994), sobre o engenheiro Emil Odebrechet, também pioneiro na colonização alemã do Sul do Brasil; (b) os autobiográficos Europa 1935 – Uma Aventura de Juventude (2000; Mário de Andrade – Exílio no Rio (1989), contando o período em que conviveu com o autor de Macunaima, entre 1938 e 1941; No tempo dos barões (1992), com a irmã, Maria Werneck de Castro; e A Ultima Hora do Tempo de Samuel Wainer (1993); . Publicou ainda A máscara do Tempo – Visões da Era Global (1996); A ponte dos suspiros, coletânea de artigos (1990); Dois caminhos da revolução africana (2003); e, como organizador, Natureza viva: memória, carreira e vida de uma pioneira do desenho científico no Brasil(2004). Traduziu, sempre das línguas originais, Entre outros, O general em seu labirinto e O amor e outros demônios, de Gabriel García Márquez; O jogador, O eterno marido e Notas do subterrâneo, de Fiodor Dostoievsk; Os campos de honra, de Jean Rouad; Geração Perdida, de Aldous Huxley; e Thèrese Raquin, de Émile Zola.

Testemunha e participante ativo da vida política e cultural em seu tempo, dele disse Otto Lara Resende: '"É um exemplo. eloquente e completo do que tem sido o intelectual brasileiro de sua geração”.

Fonte: WP

view all

Moacir Werneck de Castro's Timeline

1915
1915
Barra Mansa, Barra Mansa, Rio de Janeiro, Brazil
2010
2010
Age 95
Rio, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil