Start My Family Tree Welcome to Geni, home of the world's largest family tree.
Join Geni to explore your genealogy and family history in the World's Largest Family Tree.

Notáveis Intelectuais e Escritores Brasileiros / Brazilian Notables Intellectuals and Writers

« Back to Projects Dashboard

view all

Profiles

  • Nicia Maria Valente
    Pseudônimo de Nícia Maria Valente Dantas que nasceu em 21 janeiro de 1930, na cidade de Salvador-Bahia. Filha de Augusto Marques Valente, médico baiano e de Aidil Peixoto Valente. ...
  • Antônio Muniz Sodré de Aragão (1881 - 1940)
    Antonio Muniz Sodré de Aragão (Salvador, 13 de junho de 1881 — Rio de Janeiro, 9 de junho de 1940) foi um jurista, jornalista, professor e político brasileiro, ex-governador...
  • Pedro Luis Pereira de Sousa (1839 - 1884)
    Pedro Luís Pereira de Sousa (Araruama, 13 de dezembro de 1839 — Bananal, 16 de julho de 1884) foi um advogado, jornalista, político, orador e poeta brasileiro. Filho do comendado...
  • Manuel Veloso Paranhos Pederneiras (1832 - 1907)
    Manuel Veloso Paranhos Pederneiras (Porto Alegre, 2 de setembro de 1832 — Rio de Janeiro, 6 de março de 1907) foi um médico, escritor, jornalista e político brasileiro. Fo...
  • Mário Pederneiras (1867 - 1915)
    Mário Veloso Paranhos Pederneiras (Rio de Janeiro, 2 de novembro de 1867 — Rio de Janeiro, 8 de fevereiro de 1915), conhecido com Mário Pederneiras, foi um poeta brasileiro. Filh...

Este projeto visa organizar dados genealógicos sobre os notáveis e proeminentes escritores brasileiros de ficção, poesia e não-ficção, contistas, romancistas, dramaturgos e jornalistas.

  1. Abílio César Borges, 1º barão de Macaúbas (Rio de Contas, 9 de setembro de 1824 — Rio de Janeiro, 17 de janeiro de 1891) foi um médico e educador brasileiro.
  2. Adelmar Tavares (Recife, Pernambuco, 16 de fevereiro de 1888 - Rio de Janeiro, 20 de junho de 1963) considerado o maior trovador do Brasil. Embora tenha sido um sonetista exímio e tivesse escrito belíssimos poemas livres, a trova foi, realmente, o principal ofício do poeta. Adelmar pertenceu à Academia Brasileira de Letras.
  3. Afonso Arinos (Paracatu, 1 de maio de 1868 — Barcelona, 19 de fevereiro de 1916) foi um jornalista, escritor e jurista brasileiro. Ocupou a cadeira 40 da Academia Brasileira de Letras.
  4. Afonso Arinos de Melo Franco (Belo Horizonte, 27 de novembro de 1905 — Rio de Janeiro, 27 de agosto de 1990) foi jurista, político, historiador, professor, ensaísta e crítico brasileiro. Destaca-se pela autoria da Lei Afonso Arinos contra a discriminação racial em 1951. Ocupou a Cadeira nº 25 da Academia Brasileira de Letras, onde foi eleito em 23 de janeiro de 1958.
  5. Afonso Arinos de de Melo Franco Filho (Belo Horizonte, 11 de novembro de 1930) É um diplomata e político brasileiro. Imortal da Academia Brasileira de Letras.
  6. Afonso Celso de Assis Figueiredo, Junior (Ouro Preto, 31 de março de 1860 — Rio de Janeiro, 11 de julho de 1938) foi um professor, poeta, historiador e político brasileiro. É um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras onde ocupou a cadeira 36.
  7. Afonso d'Escragnolle Taunay Afonso d'Escragnolle Taunay ( Florianópolis , Santa Catarina , Brasil , 1876 - São Paulo , São Paulo , Brasil , 1958) foi um escritor brasileiro, político e nobre.
  8. Afrânio Peixoto (Lençóis, 17 de dezembro de 1876 — Rio de Janeiro, 12 de janeiro de 1947) foi um médico, político, professor, crítico literário, ensaísta, romancista e historiador brasileiro. Ocupou a Cadeira nº 7 da Academia Brasileira de Letras, para a qual foi eleito em 7 de maio de 1910, e a Cadeira nº 2 da Academia Brasileira de Filologia, da qual foi fundador.
  9. Agenor Silveira (São Paulo, 7 de abril de 1880 - Brasil, c. 1953) contista, poeta, filólogo, diplomado em direito, jornalista e advogado.
  10. Alarico Silveira (São Paulo, 11 de janeiro de 1878 - São Paulo, c. 1943) Foi advogado, homem público e autor de uma Enciclopédia brasileira. Foi secretário de Estado dos Negócios da Educação, do Estado de São Paulo.
  11. Alberto da Costa e Silva (São Paulo, 12 de maio de 1931) é um diplomata, poeta, ensaísta, memorialista e historiador brasileiro, e membro da Academia Brasileira de Letras.
  12. Alberto de Faria (Campos dos Goytacazes, 5 de agosto de 1865 — Rio de Janeiro, 29 de novembro de 1931) foi um advogado e intelectual brasileiro, membro da Academia Brasileira de Letras.
  13. Alceu Amoroso Lima (Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 1893 — Petrópolis, 14 de agosto de 1983) foi um crítico literário, professor, pensador, escritor e líder católico brasileiro. Adotou o pseudônimo de Tristão de Ataíde.
  14. Alfredo d'Escragnolle Taunay, 1º visconde de Taunay (Rio de Janeiro, 22 de fevereiro de 1843 — Rio de Janeiro, 25 de janeiro de 1899) foi um nobre, escritor, músico, artista plástico, professor, engenheiro militar, político, historiador e sociólogo brasileiro.
  15. Anton Ludwig von Hoonholtz, 1º Barão de Tefé (Itaguaí, 9 de maio de 1837 — Petrópolis, 6 de fevereiro de 1931) foi um nobre, almirante da marinha do Brasil, diplomata, geógrafo e político brasileiro, além de ter sido um conceituado literato no final de sua vida.
  16. Antonio Augusto de Lima (Congonhas de Sabará (atual Nova Lima), Minas Gerais, 5 de abril de 1859 - Rio de Janeiro, 22 de abril de 1934) Foi um jornalista, poeta, magistrado, jurista, professor universitário e político brasileiro. Formou-se em 1882 na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, onde foi colega de seu irmão, Bernardino de Lima.Foi presidente da Academia Brasileira de Letras em 1928.
  17. Antônio Carlos Lafayette de Andrada (Barbacena, 23 de março de 1900 — Rio de Janeiro, 9 de dezembro de 1974) Foi um advogado, jornalista, professor e magistrado brasileiro e ministro do Supremo Tribunal Federal do Brasil.
  18. Antônio Francisco da Costa e Silva (Amarante, 28 de novembro de 1885 — Rio de Janeiro, 29 de junho de 1950) foi um poeta brasileiro.
  19. Antonio Joaquim Macedo Soares (Maricá, Rio de Janeiro, 14 de janeiro de 1838 - Rio de Janeiro, 14 de agosto de 1905) foi um importante intelectual brasileiro da segunda metade do século XIX e do início do século XX no Brasil, tendo sido magistrado, jurista, lexicógrafo, político e escritor.
  20. Antonio Joaquim Pires de Carvalho e Albuquerque (Santo Amaro, 8 de setembro de 1865 – 4 de setembro de 1954) foi um magistrado brasileiro, exercendo atividades notórias no governo. Era filho de Garcia Dias D’Avila Pires de Carvalho e Albuquerque e de Maria C. de Argollo Pires e bacharelou-se em 1886 pela Faculdade de Direito do Recife, em Ciências Jurídicas e Sociais.
  21. Antônio Muniz Sodré de Aragão (Salvador, 13 de junho de 1881 — Rio de Janeiro, 9 de junho de 1940) foi um jurista, jornalista, professor e político brasileiro, ex-governador do estado da Bahia durante a República Velha.
  22. Antonio Vicente da Fontoura Xavier (Cachoeira do Sul, Rio Grande do Sul, 7 de junho de 1856 - Lisboa, Portugal, 1 de abril de 1922) Foi jornalista, tradutor, poeta e diplomata brasileiro. Sua poesia parnasiana foi fortemente influenciada pela obra de Charles Baudelaire.
  23. Augusto Cochrane de Alencar (Rio de Janeiro, c. 1865 - Rio de Janeiro, 30 de junho de 1927) foi um político brasileiro. Filho de José de Alencar.
  24. Aureliano José Lessa (Diamantina, Minas Gerais, 1828 — Conceição do Serro,Minas Gerais, 21 de fevereiro de 1861) foi um poeta brasileiro da chamada segunda geração romântica (Ultra-Romântica, Byroniana ou "Mal-do-século").
  25. Aurélio de Figueiredo (Areia, Paraiba, 3 de agosto de 1856 - 9 de abril de 1916) Francisco Aurélio de Figueiredo e Melo foi um escultor, pintor, desenhista, caricaturista e escritor brasileiro.
  26. Bárbara Heliodora (São João del-Rei, c. 1758 — São Gonçalo do Sapucaí, 24 de maio de 1819) foi uma poetisa brasileira.
  27. Belisa Ribeiro de Oliveira (Rio de Janeiro, 14 de maio de 1954) é uma jornalista brasileira. Atuou na televisão (Rede Globo, Rede Bandeirantes) e em jornais, como o Jornal do Brasil. É mãe do músico Gabriel o Pensador e do músico e cantor Tiago Mocotó.
  28. Bernardino de Lima (Nova Lima, Minas Gerais, ? - Brasil, ?) Foi um jurista, político e professor brasileiro.
  29. Caio Prado Júnior (São Paulo, 11 de fevereiro de 1907 — São Paulo, 23 de novembro de 1990) foi um historiador, geógrafo, escritor, político e editor brasileiro. As suas obras inauguraram, no país, uma tradição historiográfica identificada com o marxismo, buscando uma explicação diferenciada da sociedade colonial brasileira.
  30. Carlos Drummond de Andrade (Itabira, 31 de outubro de 1902 — Rio de Janeiro, 17 de agosto de 1987) foi um poeta brasileiro, também cronista, contista e tradutor. Entre suas obras de maior destaque, Alguma poesia, Sentimento do mundo e A rosa do povo.
  31. Cecília Meireles (Rio de Janeiro, 7 de novembro de 1901 - Rio de Janeiro, 9 de novembro de 1964) foi uma poetisa, pintora, professora e jornalista brasileira. É considerada uma das vozes líricas mais importantes das literaturas de língua portuguesa.
  32. Cecília Moncorvo Bandeira de Melo (Rio de Janeiro, c. 1870 - c. 1948) Escritora Brasileira.
  33. Conselheiro Lafayette Lafayette Rodrigues Pereira, o conselheiro Lafayette (Queluz, Minas Gerais, 28 de março de 1834 — Rio de Janeiro, 29 de janeiro de 1917), foi um jurista, proprietário rural, advogado, jornalista e político brasileiro.
  34. Cora Coralina (Cidade de Goiás, 20 de agosto de 1889 - Goiânia, 10 de abril de 1985) foi uma poetisa e contista brasileira. Considerada uma das principais escritoras brasileiras.
  35. Cruz e Souza (Santa Catarina, 24 de novembro de 1861 — Minas Gerais, 19 de março de 1898) foi um poeta brasileiro. Alcunhado Dante Negro ou Cisne Negro, foi um dos precursores do simbolismo no Brasil. Foi também um ativista contra a escravidão e o preconceito racial.
  36. Danuza Leão (Itaguaçu, Espirito Santo, 26 de julho de 1933) É uma jornalista e escritora brasileira. Irmã da cantora Nara Leão, foi casada com o jornalista Samuel Wainer, fundador do extinto jornal Última Hora.
  37. Dário Moreira de Castro Alves (Fortaleza, Ceará, 14 de dezembro de 1927 - Fortaleza, Ceará, 6 de junho de 2010) Diplomata, Escritor, Conferencista e Jornalista.
  38. Dinah Silveira de Queiróz (São Paulo, 9 de novembro de 1911 - Rio de Janeiro, 27 de novembro de 1982) foi romancista, contista e cronista. Sétima ocupante da Cadeira 7, da Academia Brasileira de Letras, eleita em 10 de julho de 1980, na sucessão de Pontes de Miranda e recebida pelo Acadêmico Raymundo Magalhães Júnior em 7 de abril de 1981.
  39. Domingos Borges de Barros, visconde de Pedra Branca (Salvador, Bahia, 10 de outubro de 1780 - Brasil, 20 de março de 1855) foi um advogado, escritor, diplomata e político brasileiro. Cursou Direito na Universidade de Coimbra. Foi deputado às Cortes de Lisboa em 1821. Foi senador do Brasil Imperial entre 1833 e 1855.
  40. Eduardo Paulo da Silva Prado (São Paulo, 27 de fevereiro de 1860 - São Paulo, 30 de agosto de 1901) Diplomata, jornalista e escritor brasileiro.
  41. Emília Moncorvo de Figueiredo (Rio de Janeiro, 11 de março de 1852 - Rio de Janeiro, 16 de agosto de 1910) Escritora brasileira.
  42. Emiliano David Pernetta (Pinhais, 3 de janeiro de 1866 — Curitiba, 19 de janeiro de 1921) foi um advogado e poeta brasileiro.
  43. Érico Veríssimo (Cruz Alta, 17 de dezembro de 1905 — Porto Alegre, 28 de novembro de 1975) foi um dos escritores brasileiros mais populares do século XX.
  44. Ermelino Agostinho de Leão (Curitiba, Parana, 14 de janeiro de 1871 - Curitiba, Parana, 27 de fevereiro de 1932) Advogado. Jornalista.
  45. Emília Moncorvo de Figueiredo (, Rio de Janeiro, 11 de março de 1852 - Rio de Janeiro, 16 de agosto de 1910) Escritora.
  46. Euclides da Cunha (Cantagalo, 20 de janeiro de 1866 — Rio de Janeiro, 15 de agosto de 1909)2 foi um escritor, sociólogo, repórter jornalístico, historiador, geógrafo, poeta e engenheiro brasileiro.
  47. Félix Xavier da Cunha (Porto Alegre, 16 de setembro de 1833 — Porto Alegre, 21 de fevereiro de 1865) foi um poeta, advogado, jornalista, escritor e político brasileiro.
  48. Franklim Américo de Meneses Dória, barão de Loreto (Ilha dos Frades, Bahia, 12 de julho de 1836 - Rio de Janeiro, 28 de janeiro de 1906) Foi um advogado, político, orador, magistrado e poeta brasileiro, membro fundador da Academia Brasileira de Letras.
  49. Gabriela Frederica de Andrada Dias Mesquita ou Gabriela Andrada (Santos, 11/02/1852 – 21/07/1922). Poetisa, pertenceu a uma família de renome e tradição, os Andrada, o grande tema da poetisa Gabriela, muito comum ao Barroco e ao Romantismo, é a fugacidade da vida.
  50. Genolino Amado (Itaporanga, Paraíba, 3 de agosto de 1902 - Rio de Janeiro, 4 de março 1989). Professor, cronista, ensaísta e teatrólogo. Eleito em 9 de agosto de 1973 para a Cadeira n. 32, sucedendo a Joracy Camargo, foi recebido em 14 de novembro de 1973, pelo acadêmico Hermes Lima.
  51. Gilberto Amado (Estância, Sergipe, 7 de maio de 1887 - Rio de Janeiro, 27 de agosto de 1969). Jornalista, político, diplomata, poeta, ensaísta, cronista, romancista e memorialista, Eleito em 3 de outubro de 1963 para a Cadeira n. 26, na sucessão de Ribeiro Couto, foi recebido em 29 de agosto de 1964, pelo acadêmico Alceu Amoroso Lima.
  52. Godofredo Xavier da Cunha (Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 25 de fevereiro de 1860 - Rio de Janeiro, 2 de agosto de 1936). Dotado de grande ilustração e cultura jurídica, deixou esparsas, nas coleções de revistas jurídicas, cópias de acórdãos, votos vencidos, grande número de sentenças e fundamentações, despachos e outros trabalhos.
  53. Graciliano Ramos (Quebrangulo, 27 de outubro de 1892 — Rio de Janeiro, 20 de março de 1953) foi romancista, cronista, contista, jornalista, político e memorialista brasileiro.
  54. Guilherme de Almeida (Campinas, São Paulo, 24 de julho de 1890 - São Paulo, 11 de julho de 1969) foi um advogado, jornalista, crítico de cinema, poeta, ensaísta e tradutor brasileiro.
  55. Guilherme de Oliveira Figueiredo (Campinas, São Paulo, c. 1915 - Rio de Janeiro, c. 1997) Escritor e autor teatral brasileiro cujas peças teatrais com temas da antiguidade clássica, conseguiram repercussão internacional, a exemplo de A raposa e as uvas (1953).
  56. Helena Silveira (São Paulo, 12 de dezembro de 1912 - São Paulo, 31 de agosto de 1984) Escritora e jornalista, participou de movimentos contra a censura, pela liberdade de informação e pela causa feminista.
  57. Hilda Hilst (Jaú, 21 de abril de 1930 — Campinas, 4 de fevereiro de 2004) foi uma poeta, ficcionista, cronista e dramaturga brasileira. É considerada pela crítica especializada como uma das maiores escritoras em língua portuguesa do século XX.
  58. Hildebrando Pompeu Pinto Accioly (Fortaleza, 25 de junho de 1888 — Rio de Janeiro, 5 de abril de 1962) foi um diplomata de carreira e jurista brasileiro. Em duas ocasiões em 1947 e 1948, foi ministro, interino, das Relações Exteriores, na ausência do Chanceler Raul Fernandes. Jurista especializado em direito internacional público, é autor de diversas obras na área.
  59. Homero Mena Barreto Prates da Silva (São Gabriel, 01 de agosto de 1890 — Rio de Janeiro, 14 de novembro de 1957) foi um escritor, poeta, jurista e magistrado, gaúcho e brasileiro.
  60. Inácio José de Alvarenga Peixoto (Rio de Janeiro, 1 de Fevereiro 1742/1744 — Ambaca, Angola, 27 de Agosto 1792 ou 1 de Janeiro 1793), foi um advogado e poeta brasileiro. Foi detido e julgado por participar da Inconfidência Mineira, tendo sido condenado ao degredo perpétuo na África.
  61. Isabel Lustosa (Sobral, Ceará, 23 de setembro de 1955) é uma historiadora, ensaísta e escritora brasileira, pesquisadora e historiadora da Fundação Casa de Rui Barbosa.
  62. Jacinta Passos (Cruz das Almas, Bahia, 30 de novembro de 1914 - Aracaju, Sergipe, 28 de fevereiro de 1973) Escritora, poetisa, envolvida com movimentos políticos. Seu livro mais importante, Canção da partida, foi ilustrado pelo artista Lasar Segall.
  63. João Cabral de Melo, Neto (Recife, 9 de janeiro de 1920 — Rio de Janeiro, 9 de outubro de 1999) foi um poeta e diplomata brasileiro.
  64. João Cândido Portinari (Rio de Janeiro, 23 de janeiro de 1939) é o fundador e Diretor-Geral do Projeto Portinari. Foi premiado com o Prêmio Jabuti de literatura em 2005 pelo Catálogo Raisonné da obra completa de seu pai e também com o prêmio Prêmio Sérgio Milliet, no mesmo ano. Também escreveu vários livros sobre a vida e a obra de Portinari, sendo destacado o livro Menino de Brodowski.
  65. José Carlos de Macedo Soares (São Paulo, 6 de outubro de 1883 — São Paulo, 29 de janeiro de 1968) foi um jurista, formado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, historiador e político brasileiro. Ocupou a Presidência do Centro Acadêmico XI de Agosto em 1905.
  66. João Carlos Pardal Mallet (Bagé, Rio Grande do Sul, 9 de dezembro de 1864 - Caxambu, Minas Gerais, 24 de novembro de 1894) Foi jornalista e romancista brasileiro, patrono da cadeira número 30 da Academia Brasileira de Letras. Era filho do general João Nepomuceno de Medeiros Mallet e neto do marechal Emílio Mallet, patrono da artilharia do Exército.
  67. João Franzen de Lima (Ouro Preto, Minas Gerais, c.1896 - Belo Horizonte, Minas Gerais, c. 1994) Advogado, jurista civilista e professor de direito da faculdade de Direito da Universidade de Minas Gerais.
  68. João Simões Lopes Neto (Pelotas, 9 de março de 1865 - Pelotas, Rio Grande do Sul, 14 de junho de 1916) Escritor tradicionalista gaúcho.
  69. João Raimundo da Silva, Neto (São Gabriel, Rio Grande do Sul, 29 de julho de 1885 - Cruz Alta, Rio Grande do Sul, 8 de outubro de 1949) Formado em Direito no Rio de Janeiro (1907), advogado e pecuarista em Cruz Alta, dono da Fazenda Retiro. Tio do conhecido escritor Érico Veríssimo, foi ele, aliás, o primeiro homem que Érico viu morrer, num episódio descrito em seu livro “O Solo de Clarineta”. O livro “O Resto é silêncio” é dedicado a este tio e a Catarino.
  70. Joaquim Nabuco (Recife, 19 de agosto de 1849 — Washington, 17 de janeiro de 1910) foi um político, diplomata, historiador, jurista e jornalista brasileiro formado pela Faculdade de Direito do Recife. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras.
  71. Joaquim Osório Duque Estrada (Paty do Alferes, Rio de Janeiro, 29 de abril de 1870 - Rio de Janeiro, 5 de fevereiro de 1927) Publicou 27 livros – poesias, didáticos, peças teatrais, conferências, traduções e libretos de operas – destacando além de Alvéolos, Flora de Maio, A Arte de Fazer Versos e A Abolição, este com prefácio de Rui Barbosa.
  72. Jorge Amado (Itabuna, 10 de agosto de 1912 — Salvador, 6 de agosto de 2001) foi um dos mais famosos e traduzidos escritores brasileiros de todos os tempos.
  73. Jorge Americano (São Paulo, 25 de agosto de 1891 — 6 de fevereiro de 1969) bacharelou-se pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo em 1912, foi professor, advogado, promotor público, deputado estadual em São Paulo no período de 1927 a 1928, e deputado federal à Assembléia Nacional Constituinte em 1933. Em 1945 foi Secretario interino da Educação. Jurista internacional e memorialista da cidade de São Paulo. Pintor.
  74. Jorge Mautner (Rio de Janeiro, 17 de janeiro de 1941) Compositor. Cantor. Instrumentista (violinista, pianista e bandolinista). Poeta. Escritor. Descendente de austríacos, na infância estudou violino com seu pai e, mais tarde, bandolim e piano.
  75. Jorge de Oliveira Jobim (São Gabriel, 23 de abril de 1889 — Rio de Janeiro, 19 de julho de 1935) foi um diplomata, jornalista, poeta e crítico literário brasileiro, conhecido também por ser o pai do músico Antônio Carlos Jobim.
  76. José de Alencar (Messejana, 1 de março de 1829 — Rio de Janeiro, 12 de dezembro de 1877) foi um jornalista, político, advogado, orador, crítico, cronista, polemista, romancista e dramaturgo brasileiro.
  77. José Joaquim de Andrade Neves, Neto (Rio Pardo, 1873 — Santa Maria, 22 de janeiro de 1923) foi um promotor público, advogado, escritor e jornalista brasileiro.
  78. José do Patrocínio (Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, 9 de outubro de 1853 - Rio de Janeiro, 29 de janeiro de 1905) Foi um farmacêutico, jornalista, escritor, orador e ativista político brasileiro. Destacou-se como uma das figuras mais importantes dos movimentos Abolicionista e Republicano no país.
  79. Josué de Castro (Recife, 5 de setembro de 1908 — Paris, 24 de setembro de 1973), foi um influente médico, nutrólogo, professor, geógrafo, cientista social, político, escritor e ativista brasileiro, que dedicou sua vida ao combate à fome.
  80. Lauro Severiano Müller (Itajaí, 8 de novembro de 1863 — Rio de Janeiro, 30 de julho de 1926) foi um político e diplomata brasileiro. Foi membro da Academia Brasileira de Letras. É patrono de uma das quarenta cadeiras da Academia Catarinense de Letras.
  81. Lígia Bojunga (Pelotas, 26 de agosto de 1932) é uma escritora brasileira.
  82. Lindolfo Collor (São Leopoldo, 4 de fevereiro de 1890 — Rio de Janeiro, 21 de setembro de 1942) foi um jornalista e político brasileiro.
  83. Lúcio de Mendonça (Piraí , 10 de março de 1854 — Rio de Janeiro, 23 de novembro de 1909) foi um advogado, jornalista, magistrado e escritor brasileiro, idealizador da Academia Brasileira de Letras.
  84. Luis Fernando Veríssimo (Porto Alegre, 26 de setembro de 1936) é um escritor brasileiro. Mais conhecido por suas crônicas e textos de humor, mais precisamente de sátiras de costumes, publicados diariamente em vários jornais brasileiros, Verissimo é também cartunista e tradutor, além de roteirista de televisão, autor de teatro e romancista bissexto. Já foi publicitário e copy desk de jornal. É ainda músico, tendo tocado saxofone em alguns conjuntos. Com mais de 60 títulos publicados, é um dos mais populares escritores brasileiros contemporâneos. É filho do também escritor Érico Verissimo.
  85. Luís Gastão d'Escragnolle Dória (Rio de Janeiro, 31 de Janeiro de 1869 — Rio de Janeiro, 14 de Janeiro de 1948) foi um professor, arquivista, compositor, libretista, publicista e escritor. Foi membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.
  86. Lustosa da Costa (Cajazeiras, 10 de setembro de 1938 - Brasília, 03 de outubro de 2012) foi um escritor e jornalista brasileiro.
  87. Lygia Fagundes Teles (São Paulo, 19 de abril de 1923), é uma escritora brasileira, galardoada com o Prémio Camões em 2005. É membro da Academia Paulista de Letras desde 1982, da Academia Brasileira de Letras desde 1985 e da Academia das Ciências de Lisboa desde 1987.
  88. Mabel Veloso (Santo Amaro da Purificação, BA, 14 de fevereiro de 1934) é uma educadora, escritora, compositora e cordelista baiana, é mãe da cantora Belô Velloso, irmã da cantora Maria Bethânia e de Caetano Veloso.
  89. Maria Benedita Bormann da Corrêa Lima (Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 25 de novembro de 1852 - Brasil, 23 de julho de 1895) renomada escritora gaúcha.
  90. Mário de Alencar (Rio de Janeiro, 30 de janeiro de 1872 — Rio de Janeiro, 8 de dezembro de 1925) foi um advogado, poeta, jornalista, contista e romancista brasileiro. Foi membro da Academia Brasileira de Letras. Filho de José de Alencar, entretanto existem indícios de que seja, na verdade, fruto de um adultério de sua mãe com Machado de Assis.
  91. Mário de Andrade (São Paulo, 9 de outubro de 1893 - São Paulo, 25 de fevereiro de 1945) foi um poeta, romancista, musicólogo, historiador, crítico de arte e fotógrafo brasileiro. Um dos fundadores do modernismo brasileiro, ele praticamente criou a poesia moderna brasileira com a publicação de seu livro Paulicéia Desvairada em 1922.
  92. Mario Franzen de Lima (Ouro Preto, Minas Gerais, 10 de julho de 1886 - Belo Horizonte, Minas Gerais, c. 1937) Foi um poeta, ensaísta, polemista, jurista e professor brasileiro.
  93. Mário Pedrosa (Timbaúba, Pernambuco, 25 de abril de 1900 - Rio de Janeiro, 5 de novembro de 1981) foi crítico e historiador de arte, um dos fundadores, em 1948, da Associação Internacional de Críticos de Arte, da qual foi vice-presidente. Foi ainda diretor do Museu de Arte Moderna de São Paulo.
  94. Mário Quintana (Alegrete, 30 de julho de 1906 — Porto Alegre, 5 de maio de 1994) foi um poeta, tradutor e jornalista brasileiro.
  95. Marly de Oliveira (Cachoeiro de Itapemirim, Espirito Santo, 11 de junho de 1935 - Rio de Janeiro, 1 de junho de 2007) Poetisa, com o nome Marly de Oliveira. Membro da Academia Brasileira de Letras.
  96. Monteiro Lobato (Taubaté, 18 de abril de 1882 – São Paulo, 4 de julho de 1948) foi um dos mais influentes escritores brasileiros do século XX. Foi um importante editor de livros inéditos e autor de importantes traduções.
  97. Nicia Maria Valente (Salvador, Bahia, 21 de janeiro de 1930) é uma escritora brasileira.
  98. Odorico Mendes (São Luís do Maranhão, 24 de janeiro de 1799 — Londres, 17 de agosto de 1864) foi um político, publicista e humanista brasileiro, autor das primeiras traduções integrais para português das obras de Virgílio e Homero.
  99. Odylo Costa, Filho (São Luís, Maranhão, 14 de dezembro de 1914 - Rio de Janeiro, RJ, 19 de agosto de 1979) jornalista, cronista, novelista e poeta.
  100. Oswald de Andrade (São Paulo, 11 de janeiro de 1890 — São Paulo, 22 de outubro de 1954) foi um escritor, ensaísta e dramaturgo brasileiro, um dos protagonistas da Semana de Arte Moderna de 1922.
  101. Otávio de Faria (Rio de Janeiro, 15 de outubro de 1908 — Rio de Janeiro, 17 de outubro de 1980) foi um jornalista e escritor brasileiro, membro da Academia Brasileira de Letras e filho do também acadêmico Alberto de Faria.
  102. Otto de Oliveira Lara Resende (São João del-Rei, 1 de maio de 1922 — Rio de Janeiro, 28 de dezembro de 1992) foi um jornalista e escritor brasileiro.
  103. Padre Daniel Lima ( Timbaúba, Pernambuco, 2 de maio de 1916 - Recife, Pernambuco, c. 2012) foi um sacerdote católico e poeta brasileiro.
  104. Patrícia "Pagu" Galvão (São João da Boa Vista, 9 de junho de 1910 — Santos, 12 de dezembro de 1962) foi uma escritora e jornalista brasileira. Teve grande destaque no movimento modernista iniciado em 1922, embora não tivesse participado da Semana de Arte Moderna porque, na época, contava apenas com onze anos de idade. Militante comunista, foi a primeira mulher presa no Brasil por motivações políticas.
  105. Paulo Coelho (Rio de Janeiro, 24 de agosto de 1947) Oitavo ocupante da Cadeira nº 21, eleito em 25 de julho de 2002 na sucessão de Roberto Campos e recebido em 28 de outubro de 2002 pelo Acadêmico Arnaldo Niskier. Antes de dedicar-se inteiramente à literatura, trabalhou com diretor e autor de teatro, jornalista e compositor.
  106. Paulo da Silva Prado (São Paulo, 20 de maio de 1869 - Rio de Janeiro, 3 de outubro de 1943) descendente de uma das mais influentes famílias paulistas, filho primogênito do conselheiro Antônio Prado, foi como seus antepassados e parentes, cafeicultor, investidor em negócios (bancos, industrias, imobiliárias) e também mecenas e escritor.
  107. Pedro Américo (Areia, Pernambuco, 29 de abril de 1843 - Itália, 7 de outubro de 1905) foi um pintor, romancista e poeta brasileiro.
  108. Pedro Augusto Carneiro Lessa (Serro, 25 de setembro de 1859 — Rio de Janeiro, 25 de julho de 1921) foi um jurista, magistrado, político e professor brasileiro.
  109. Pedro Calmon Moniz de Bittencourt (Amargosa, 23 de dezembro de 1902 — Rio de Janeiro, 16 de junho de 1985) foi um professor, político, historiador, biógrafo, ensaísta e orador brasileiro.
  110. Raquel de Queiroz (Fortaleza, 17 de novembro de 1910 — Rio de Janeiro, 4 de novembro de 2003) foi tradutora, romancista, escritora, jornalista e importante dramaturga brasileira.
  111. Renato Machado (Rio de Janeiro, 21 de março de 1943) É um renomado jornalista da televisão brasileira.
  112. Roberto Cochrane Simonsen (Santos, São Paulo, 18 de fevereiro de 1889 - Rio de Janeiro, 25 de maio de 1948) foi um engenheiro, empresário, político e historiador brasileiro.
  113. Rubem Fonseca (Juiz de Fora, 11 de maio de 1925) é um escritor e roteirista de cinema brasileiro. Em 2003, venceu o Prémio Camões, o mais prestigiado galardão literário para a língua portuguesa.
  114. Salvador de Mendonça (Itaboraí, 21 de julho de 1841 — Rio de Janeiro, 5 de dezembro de 1913) foi um advogado, jornalista, diplomata e escritor brasileiro, um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras e um dos idealizadores do Movimento Republicano no país.
  115. Samuel Wainer (Falesti, Moldovia, 19 de dezembro de 1910 - São Paulo, 2 de setembro de 1980) Foi fundador, editor-chefe e diretor do jornal Última Hora.
  116. Sérgio Buarque de Hollanda (São Paulo, 11 de julho de 1902 — São Paulo, 24 de abril de 1982) foi um dos mais importantes historiadores brasileiros. Foi também crítico literário e jornalista.
  117. Teófilo Odorico Dias de Mesquita (Caxias, Maranhão, 8 de novembro de 1854 - Sao Paulo, 29 de março de 1889). Foi advogado e poeta. Patrono da cadeira nº 36 da Academia Brasileira de Letras.
  118. Tomás Antonio Gonzaga (1744 – 1810) é um poeta de muito mérito, um pré-romântico com uma vida acidentada que se desenrolou entre Portugal, Brasil e Moçambique.
  119. Tomás Antônio de Paula Pessoa (Sobral, Ceará, 31 de outubro de 1834 - Fortaleza, Ceará, 6 de janeiro de 1901) foi bacharel em direito, magistrado, escritor e agricultor brasileiro.
  120. Tomás Pompeu de Sousa Brasil Filho (Fortaleza, 30 de junho de 1852 — 6 de abril de 1929) foi um advogado, político e escritor brasileiro.
  121. Valdomiro Silveira (Cachoeira Paulista, São Paulo, 11 de novembro de 1873 - Santos, São Paulo, 3 de abril de 1941) Escritor e político, Deputado Estadual e Secretário de Educação e Justiça de São Paulo.
  122. Vinícius de Moraes (Rio de Janeiro, 19 de outubro de 1913 — Rio de Janeiro, 9 de julho de 1980) foi um diplomata, dramaturgo, jornalista, poeta e compositor brasileiro.
  123. Zélia Gattai (São Paulo, 2 de julho de 1916 — Salvador, 17 de maio de 2008) foi uma escritora, fotógrafa e memorialista (como ela mesma preferia denominar-se) brasileira, tendo também sido expoente da militância política nacional durante quase toda a sua longa vida, da qual partilhou cinquenta e seis anos casada com o também escritor Jorge Amado, até a morte deste.
  124. Zélio Alves Pinto (Caratinga, 20 de fevereiro de 1938) é um pintor, jornalista, artista gráfico, escritor, caricaturista e ilustrador brasileiro. É um dos fundadores do jornal O Pasquim, do Salão Internacional de Humor de Piracicaba (SP, 1974), do Salão Internacional de Humor Gráfico das Cataratas do Iguaçu (PR, 2003), e irmão do cartunista e escritor Ziraldo.
  125. Ziraldo (Caratinga, 24 de outubro de 1932) é um cartunista, chargista, pintor, dramaturgo, caricaturista, escritor, cronista, desenhista, humorista, colunista e jornalista brasileiro. É o criador de personagens famosos, como o Menino Maluquinho, e é, atualmente, um dos mais conhecidos e aclamados escritores infantis do Brasil.
  126. Zózimo Barroso do Amaral (Rio de Janeiro, 28 de maio de 1941 - Miami, FL, USA) Foi um dos mais prestigiados jornalistas do Brasil, na segunda metade do século XX.