Start My Family Tree Welcome to Geni, home of the world's largest family tree.
Join Geni to explore your genealogy and family history in the World's Largest Family Tree.

Os Conjurados da Restauração da Independência de Portugal

« Back to Projects Dashboard

view all

Profiles

A Restauração da Independência é a designação dada ao golpe de Estado ocorrido em 1 de dezembro de 1640, chefiado por um grupo designado de Os Quarenta Conjurados e que se alastrou por todo o Reino, pela revolta dos portugueses contra a tentativa da anulação da independência do Reino de Portugal pela governação da Dinastia filipina castelhana, e que vem a culminar com a instauração da 4.ª Dinastia Portuguesa - a casa de Bragança - com a aclamação de D. João IV.

Os Conjurados foram um grupo nacionalista e patriótico português nascido clandestinamente na parte final do domínio espanhol sobre Portugal. Era constituído por cerca de cinquenta homens, 40 da nobreza, e os restantes do clero e militares, daí também serem conhecidos por Os Quarenta Conjurados, por estarem envolvidos quarenta brasões. O objectivo - logrado com sucesso - era a destituição dos Habsburgos e proclamar um rei português.

Aquele que ficou reconhecido como tendo sido o grande impulsionador da conspiração foi João Pinto Ribeiro, bacharel em direito canónico cuja jurisprudência anulou o juramento de Tomar por incumprimento de obrigações por parte dos Habsburgos espanhóis. No entanto, pode ter havido um papel e alguma influência dos jesuítas da província portuguesa, duma forma mais velada, nomeadamente pelo comportamento do Padre António Vieira e pela convivência familiar com o padre André de Almada, seu tio, especialmente sobre determinados fidalgos e que se encontram entre os quarenta. Aqueles nobres portugueses que tinham ficados presos e destituídos de quase tudo no desastre de Alcácer Quibir, mais precisamente seus filhos ou netos órfãos", que nada puderam fazer e lutar contra um diferente destino de Portugal, anos antes, durante a crise dinástica cuja sorte tinha imposto o domínio de um rei castelhano sobre os destinos do Reino de Portugal.

Depois de se ter dado uma última reunião no palácio de Antão de Almada, hoje conhecido como Palácio da Independência por essa razão, a 1 de Dezembro de 1640, Os Conjurados invadiram o paço da ribeira onde se encontrava a vice-rainha de Portugal, Margarida de Saboia, a duquesa de Mântua e o seu secretário-geral Miguel de Vasconcelos. Perante a invasão, a Duquesa de Mântua escondeu-se num armário e Miguel de Vasconcelos foi "defenestrado" (atirado pela janela) o que lhe causou a morte, e proclamaram rei D. João IV, Duque de Bragança descendente de D. João I, aos gritos de "Liberdade". Assim, Filipe III de Portugal e IV de Espanha, que se encontrava já a braços com uma revolução na Catalunha, não teve como retomar de imediato o poder em Portugal.

Lista dos Conjurados

  1. Afonso de Menezes, Mestre de Sala d’el Rei D. João IV;
  2. Aires de Saldanha de Albuquerque, comendador de Sabacheira e alcaide-mór de Soure
  3. Álvaro Coutinho (ou de Abranches) da Câmara, general do Minho, do Conselho de Guerra
  4. Antão de Almada, 7º conde de Avranches, 10º senhor dos Lagares d´El-Rei, 5º senhor de Pombalinho e governador da Cidade
  5. António de Alcáçovas Carneiro, senhor do morgado de Alcáçovas, alcaide-mór de Campo Maior e Ouguela
  6. António Álvares da Cunha, 17º senhor de Tábua
  7. António da Costa, Comendador na Ordem de Cristo, Senhor do Morgado da Mustela;
  8. António Luís de Menezes, 3º conde de Cantanhede, 1º marquês de Marialva
  9. António Mascarenhas, comendador de Castelo Novo na Ordem de Cristo
  10. António de Melo e Castro, capitão de Sofala, governador da Índia
  11. António de Saldanha, alcaide-mór de Vila Real
  12. António Teles de Meneses, 1º e último conde de Vila Pouca de Aguiar
  13. António Telo, Capitão-mor das Naus da Índia;
  14. Carlos de Noronha, Comendador de Marvão, presidente da mesa da Consciência e Ordens;
  15. Estevão da Cunha, Prior de S. Jorge em Lisboa, Cónego da Sé do Algarve, Bispo eleito de Miranda;
  16. Fernão Teles da Silva, 1º Conde de Vilar Maior, Governador das armas da província da Beira;
  17. Francisco Coutinho, filho de Dona Filipa de Vilhena que o armou Cavaleiro e a seu irmão;
  18. Fernando Telles de Faro, Senhor de Damião de Azere, de Santa Maria de Nide de Carvalho;
  19. Francisco de Melo, Monteiro-mor;
  20. Francisco de Melo e Torres, 1º Conde da Ponte, Marquês de Sande, General de Artilharia;
  21. Francisco de Noronha, irmão do 3º Conde dos Arcos;
  22. Francisco de São Payo;.
  23. Francisco de Sousa, 1º Marquês de Minas, 3º Conde do Prado;
  24. Gastão Coutinho, Governador do Minho;
  25. Gaspar de Brito Freire, Senhor do Morgado de Santo Estevão de Nossa Senhora de Jesus na Baía, Brasil;
  26. Gomes Freire de Andrade, Capitão de Cavalos;
  27. Gonçalo Tavares de Távora, Capitão de Cavalos;
  28. Jerónimo de Ataíde, 6º Conde de Atouguia;
  29. João da Costa, 1º Conde de Soure;
  30. João Rodrigues de Sá e Menezes, 3º Conde de Penaguião;
  31. João de Saldanha da Gama, Capitão de Cavalaria;
  32. João de Saldanha e Sousa;
  33. João Pereira, Prior de S. Nicolau, Deputado do Santo Ofício.
  34. João Pinto Ribeiro, Bacharel em Direito Canónico, Juiz de Fora de Pinhel e de Ponte de Lima;
  35. João Sanches de Baena, do Conselho de Sua Majestade, Desembargador do Paço, Doutor em Cânones;
  36. Jorge de Melo, General das galés, do Conselho de Guerra;
  37. Luís de Almada, filho de Antão de Almada
  38. Luis Álvares da Cunha, Senhor do Morgado dos Olivais;
  39. Luís da Cunha de Ataíde;
  40. Luís de Mello, Porteiro-mor;
  41. Manuel Child Rolim;
  42. Martim Afonso de Melo, 2º Conde de São Lourenço, Alcaide-mor de Elvas;
  43. Miguel Maldonado, Escrivão da Chancelaria-Mor do Reino;
  44. Miguel de Almeida 4.º conde de Abrantes;
  45. Nuno da Cunha de Ataíde, 1º Conde de Pontével;
  46. Paulo da Gama, Senhor do Morgado da Boavista;
  47. Pedro de Mendonça Furtado, Alcaide-mor de Mourão;
  48. Rodrigo da Cunha, Arcebispo de Lisboa;
  49. Rodrigo de Figueiredo de Alarcão, Senhor de Ota;
  50. Sancho Dias de Saldanha, Capitão de Cavalos;
  51. Tomas de Noronha, 3º Conde dos Arcos;
  52. Tomé de Sousa, Védor da casa real, Trinchante-mor;
  53. Tristão da Cunha de Ataíde, Senhor de Povolide, Comendador de São Cosme de Gondomar;
  54. Tristão de Mendonça.

(http://pt.wikipedia.org/wiki/Os_Conjurados)