Chamoa (Flâmula) Gomes de Pombeiro, Senhora da Maia

public profile

Is your surname de Pombeiro?

Research the de Pombeiro family

Chamoa (Flâmula) Gomes de Pombeiro, Senhora da Maia's Geni Profile

Share your family tree and photos with the people you know and love

  • Build your family tree online
  • Share photos and videos
  • Smart Matching™ technology
  • Free!

About Chamoa (Flâmula) Gomes de Pombeiro, Senhora da Maia

Châmoa Gomes de Pombeiro (por vezes designada Flâmula) (m. 1145) foi uma importante senhora de origem galega, que veio a adquirir protagonismo em Portugal, pela relação que terá mantido com o primeiro rei de Portugal, Afonso Henriques


Châmoa era filha do conde Gomes Nunes de Pombeiro, filho do também conde Nuno de Celanova, e da sua esposa Elvira Peres de Trava[1], filha de Pedro Froilaz de Trava, e irmã dos célebres magnates Bermudo Peres de Trava e Fernão Peres de Trava[1].

O pai, Gomes Nunes, fora bastante relevante nas várias querelas que então dividiam os reinos de Portugal e Leão, sendo um apoiante leal quer de Afonso VII quer Afonso Henriquesː a dupla aliança não é de admirar, dado que, em 1138, governava Tui, localidade fronteiriça, onde era chamado comes Tudensis (Conde de Tui) em documentos contemporâneos de Afonso VII, apesar de o seu título ser apenas jurisdicional, e não se saber quanto tempo governou aí[2]. Exerceu ainda várias tenências entre a Galiza e Portugal, e exercera ainda o cargo de mordomo-mor neste último reino.

Gomes apoiou a invasão portuguesa da Galiza em 1141, tendo por castigo o exílio forçado em Cluny[3].O Rei de Portugal também o expulsaria por ter provocado a discórdia entre ele e o Imperador.

Senhora da Maia

Châmoa desposou, decerto muito jovem, por volta de 1120, Paio Soares da Maia[1], importante magnate da corte portucalense. O casamento não pareceu durar muito, até pela morte precoce do marido, em 1129. Gerou, no entanto, o herdeiro da casa, Pedro Pais da Maia, que se veria desde muito cedo na sua representação.

Provavelmente devido à ligação da sua família a terras fronteiriças galegas, pode ter sido sob sua influência que a sua filha Ximena Pais desposou o senhor de Toronho, Gonçalo Pais.

Os Travas em Portugal e o enfraquecimento político da condessa-rainha

Châmoa era, por via materna, sobrinha de dois importantes magnates galegos que se mantiveram junto da condessa-rainha Teresa de Leão, mãe de Afonso Henriques, de diferentes maneirasː se Bermudo Peres optou por desposar uma das infantas, Urraca Henriques, já Fernão parece ter optado por manter uma proximidade maior com a condessa, de quem teve inclusive descendência.

Ambos pareciam ser interventores dos dirigentes galegos Pedro Froilaz de Trava (pai dos dois magnates) e Diego Gelmírez, Arcebispo de Santiago, interessados em travar a marcha da libertação portuguesa pela qual a rainha, que até então se batera ferozmente, se deixava enredar neste ardil[5]. A influência que passaram a exercer na rainha de Portugal foi de facto forte o suficiente para afastar magnates de confiança de então, como Egas Moniz, o Aio, dos seus cargos, afastamento provado pelo facto de Egas Moniz, importante homem de confiança de Teresa e do seu então falecido esposo, o conde Henrique de Borgonha, passara a estar submetido em termos governativos, a Fernão Peres, que o substituíra na tenência de Coimbra, e o mesmo com Bermudo Peres, que assumira as de Viseu e Seia[5].

É desta forma compreensível que grande parte da aristocracia começasse a não ver com bons olhos os dois galegos e muito menos o mau governo que Teresa começava a protagonizar: Fernão Peres de Trava chegava inclusive a surgir na documentação como príncipe consorte (o que não era). Assim, como um dos principais lesados das más decisões que a rainha começava a tomar, terá sido o responsável pelas primeiras agitações tumultuosas da nobreza.

De pia clausura a barregã régia[editar

É por volta do culminar desta revolta aristocrática, que teve à cabeça o jovem Afonso Henriques, na Batalha de São Mamede (1128), que Châmoa enviúva, recluindo-se nesta altura, no mosteiro de Vairão[4].

Segundo os Livros de Linhagens, terá sido aqui que Châmoa conheceu o magnate Mem Rodrigues de Tougues, provavelmente beneficiário do mosteiro. Sabe-se que foi esta relação que causou a sua saída do Mosteiro. Não é certo se casou ou não com este nobre, mas dele teve descendência.

Casada ou não, em data indeterminada, Châmoa, à semelhança dos seus tios, inicia também uma relação com um indivíduo de sangue realː nada menos que Afonso Henriques, filho de Teresa, vítima dos tios de Châmoa.

Conta a tradição que terá sido o monarca que se terá apaixonado pela dona, e quer teria inclusive tentado casar com ela[6] A importância de D. Châmoa Gomes na vida de D. Afonso Henriques. Embora não tão "perigosa" a nível político, Châmoa foi de facto a principal companheira do monarca provavelmente durante o resto da sua vida, até porque é só depois da sua morte, em 1145, que o rei de Portugal começará a procurar esposa, acabando eventualmente por desposar, no ano seguinte, Mafalda de Saboia.

Morte

Châmoa Gomes veio a falecer por volta de 1145, desconhecendo-se no entanto o seu local exato de sepultura. Infelizmente, não viveu para ver o seu filho, Pedro Pais, a desempenhar, a partir de 1147, o importante cargo de Alferes-mor. O seu filho com o rei de Portugal, Fernando Afonso, viria a suceder a este meio-irmão, quando Pedro se refugiou na Galiza após o fracasso do Cerco de Badajoz.

Matrimónio e descendência

Châmoa desposou, por volta de 1120, Paio Soares da Maia, filho do importante magnate portucalense Soeiro Mendes da Maia[1], de quem teve:

Pedro Pais da Maia[1] (morto ca. 1186) o Alferes, casado com Elvira Viegas de Ribadouro, filha de Egas Moniz, o Aio e de Teresa Afonso.

Paio Pais Sapata[1](morto em 1163), sem descendência, enterrado no Mosteiro de Santo Tirso.[8][7]

Ximena Pais da Maia[1], casou com Gonçalo Pais Curvo,[7] filho de Paio Curvo de Toronho.

Da sua relação, desenvolvida ou não em casamento, com Mem Rodrigues de Tougues, provável irmão de Gonçalo Rodrigues da Palmeira[1], teveː

Soeiro Mendes Facha de Tougues[1], desposou Elvira Gonçalves de Sousa, filha do magnate Gonçalo Mendes de Sousa. Châmoa ainda teve um relacionamento com o primeiro rei de Portugal, Afonso Henriques, ainda solteiro:

D. Afonso de Portugal (c. 1140[12]-1207). De acordo com pesquisas recentes, é o mesmo que também aparece chamado Fernando Afonso, que foi alferes-mor de El-Rei e 12º Grão-Mestre da Ordem dos Hospitalários.

A sua presença regista-se pela primeira vez em 1159 e em 1169 sucedeu no cargo de alferes-mor a seu meio-irmão irmão, Pedro Pais da Maia, filho do casamento legítimo de sua mãe e com Paio Soares da Maia.[12]}}[13]

Manuel de Abranches de Soveral considera Afonso, grão-mestre do Hospital, e Fernando Afonso, alferes-mor do Reino, como dois filhos diferentes.

D. Teresa Afonso (ca. 1135-?) em alguns genealogias aparece como filha de Elvira Guálter[14] e em outras como filha de Châmoa Gomes.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Châmoa_Gomes_de_Pombeiro ————————————————————————————————————————————————


Doña Chamoa Gomez, (lo mifmo que Flamula) cafada con Don Payo Suarez de Amaya, llamado Zapata, hijo mayor de Don Suero Mendez de Amaya llamado el Bueno, y de fu primera muger Doña Gontrode, ó Urraca Monis, (hermana de madre de la Reyna Doña Terefa de Portugal) hija del Conde Don Moniño de Amaya. Notefe aque que hay mucha diferencia entre hermana de madre y hermana de la madre, y de efte modo dice Don Pedro de Brito que habla el Conde Don Pedro en el tit. 21 diciendo que el Conde Don Suero Mendez de Amaya el Bueno cafó con la Condefa Doña Gontroda ó Urraca Nuñez, hija del Conde D. Nuño de Amaya, y que era hermana de la madre de la Reyna Doña Terfa, la qual es notorio que fue Doña Ximena Nuñez de Guzman hermana del Conde Don Rodrigo Nuñez de Guzman, y afsi dice que fe lee en el original que eftá en la torre de Tombo, y que la copia Fr. Leon de Santo Tomás en la Benedictina Lufitana imprefa año de 1644. Aunque en las imprefiones de Roma y Madrid del Nobiliario del Conde fe ponga del primer modo que arriba fe pufo, y es punto de que dependa la certeza del origen de los Guzmanes, que es de los Condes antiguos de Amaya, como la deduce el mifmo Don Pedro de Brito en el tratado efpecial de efta Cafa, sí bien no tiene razon en citar la Benedictina, porque en el 2 tom. ó 2 part. de aquel libro, pag. 27 fe dice todo lo contrario. Fue Don Payo Suarez uno de los veinte y nueve compañeros de fu tio Don Gonzalo Mendez de Amaya el Lidiador, y murió año de 1163, trece años antes que fu padre, cmo confta de fu epitafio, que copia la Benedictina. Historia de la Muy Ilustre Casa de Sousa Capitulo VIII. Descendencia de Don Egas Gomez de Sousa en diverfas Cafas por fu hija Doña Sancha Gomez, puefta en el num. 159. Duques de Osuna. Págs 67 y 68


Filha de Gomes Nunes de Pombeiro e de Elvira Perez de Trava

Parentes Relação Nome

Father Gomez Nuñez De Pombeiro

Spouse Paio Soares Da Maia

Spouse Afonso I Of Portugal

Child Fernando Afonso Of Portugal

Child Pedro Pais Da Maia

Child Ximena Pais Da Maia

Châmoa Gomes de Pombeiro (por vezes designada Flâmula) (m. 1145) foi uma importante senhora de origem galega, que veio a adquirir protagonismo em Portugal, pela relação que terá mantido com o primeiro rei de Portugal, Afonso Henriques


Ascendência familiar e contexto político

Châmoa era filha do conde Gomes Nunes de Pombeiro, filho do também conde Nuno de Celanova, e da sua esposa Elvira Peres de Trava[1], filha de Pedro Froilaz de Trava, e irmã dos célebres magnates Bermudo Peres de Trava e Fernão Peres de Trava[1].

O pai, Gomes Nunes, fora bastante relevante nas várias querelas que então dividiam os reinos de Portugal e Leão, sendo um apoiante leal quer de Afonso VII quer Afonso Henriquesː a dupla aliança não é de admirar, dado que, em 1138, governava Tui, localidade fronteiriça, onde era chamado comes Tudensis (Conde de Tui) em documentos contemporâneos de Afonso VII, apesar de o seu título ser apenas jurisdicional, e não se saber quanto tempo governou aí[2]. Exerceu ainda várias tenências entre a Galiza e Portugal, e exercera ainda o cargo de mordomo-mor neste último reino.

Gomes apoiou a invasão portuguesa da Galiza em 1141, tendo por castigo o exílio forçado em Cluny[3].O Rei de Portugal também o expulsaria por ter provocado a discórdia entre ele e o Imperador.

Senhora da Maia:

Châmoa desposou, decerto muito jovem, por volta de 1120, Paio Soares da Maia[1], importante magnate da corte portucalense.

O casamento não pareceu durar muito, até pela morte precoce do marido, em 1129.

Gerou, no entanto, o herdeiro da casa, Pedro Pais da Maia, que se veria desde muito cedo na sua representação[1]. Provavelmente devido à ligação da sua família a terras fronteiriças galegas, pode ter sido sob sua influência que a sua filha Ximena Pais desposou o senhor de Toronho, Gonçalo Pais.

Os Travas em Portugal e o enfraquecimento político da condessa-rainha:

Châmoa era, por via materna, sobrinha de dois importantes magnates galegos que se mantiveram junto da condessa-rainha Teresa de Leão, mãe de Afonso Henriques, de diferentes maneirasː se Bermudo Peres optou por desposar uma das infantas, Urraca Henriques, já Fernão parece ter optado por manter uma proximidade maior com a condessa, de quem teve inclusive descendência[4].

Ambos pareciam ser interventores dos dirigentes galegos Pedro Froilaz de Trava (pai dos dois magnates) e Diego Gelmírez, Arcebispo de Santiago, interessados em travar a marcha da libertação portuguesa pela qual a rainha, que até então se batera ferozmente, se deixava enredar neste ardil[5].

A influência que passaram a exercer na rainha de Portugal foi de facto forte o suficiente para afastar magnates de confiança de então, como Egas Moniz, o Aio, dos seus cargos, afastamento provado pelo facto de Egas Moniz, importante homem de confiança de Teresa e do seu então falecido esposo, o conde Henrique de Borgonha, passara a estar submetido em termos governativos, a Fernão Peres, que o substituíra na tenência de Coimbra, e o mesmo com Bermudo Peres, que assumira as de Viseu e Seia[5].

É desta forma compreensível que grande parte da aristocracia começasse a não ver com bons olhos os dois galegos e muito menos o mau governo que Teresa começava a protagonizar: Fernão Peres de Trava chegava inclusive a surgir na documentação como príncipe consorte (o que não era). Assim, como um dos principais lesados das más decisões que a rainha começava a tomar, terá sido o responsável pelas primeiras agitações tumultuosas da nobreza[5].

De pia clausura a barregã régia:

É por volta do culminar desta revolta aristocrática, que teve à cabeça o jovem Afonso Henriques, na Batalha de São Mamede (1128), que Châmoa enviúva, recluindo-se nesta altura, no mosteiro de Vairão[4].

Segundo os Livros de Linhagens, terá sido aqui que Châmoa conheceu o magnate Mem Rodrigues de Tougues, provavelmente beneficiário do mosteiro.

Sabe-se que foi esta relação que causou a sua saída do Mosteiro. Não é certo se casou ou não com este nobre, mas dele teve descendência[4].

Casada ou não, em data indeterminada, Châmoa, à semelhança dos seus tios, inicia também uma relação com um indivíduo de sangue realː nada menos que Afonso Henriques, filho de Teresa, vítima dos tios de Châmoa.

Conta a tradição que terá sido o monarca que se terá apaixonado pela dona, e quer teria inclusive tentado casar com ela[6]. Embora não tão "perigosa" a nível político, Châmoa foi de facto a principal companheira do monarca provavelmente durante o resto da sua vida, até porque é só depois da sua morte, em 1145, que o rei de Portugal começará a procurar esposa[4], acabando eventualmente por desposar, no ano seguinte, Mafalda de Saboia.

Morte e posteridade:

Châmoa Gomes veio a falecer por volta de 1145, desconhecendo-se no entanto o seu local exato de sepultura. Infelizmente, não viveu para ver o seu filho, Pedro Pais, a desempenhar, a partir de 1147, o importante cargo de Alferes-mor.

O seu filho com o rei de Portugal, Fernando Afonso, viria a suceder a este meio-irmão, quando Pedro se refugiou na Galiza após o fracasso do Cerco de Badajoz.

Matrimónio e descendência:

Châmoa desposou, por volta de 1120, Paio Soares da Maia, filho do importante magnate portucalense Soeiro Mendes da Maia[1], de quem teve:

Pedro Pais da Maia[1] (morto ca. 1186) o Alferes, casado com Elvira Viegas de Ribadouro, filha de Egas Moniz, o Aio e de Teresa Afonso.[7][8]

Paio Pais Sapata[1](morto em 1163), sem descendência, enterrado no Mosteiro de Santo Tirso.[8][7]

Ximena Pais da Maia[1], casou com Gonçalo Pais Curvo,[7] filho de Paio Curvo de Toronho.

Da sua relação, desenvolvida ou não em casamento, com Mem Rodrigues de Tougues, provável irmão de Gonçalo Rodrigues da Palmeira[1], teveː

Soeiro Mendes Facha de Tougues[1], desposou Elvira Gonçalves de Sousa, filha do magnate Gonçalo Mendes de Sousa.

Châmoa ainda teve um relacionamento com o primeiro rei de Portugal, Afonso Henriques, ainda solteiro:[9][10][11]

D. Afonso de Portugal (c. 1140[12]-1207). De acordo com pesquisas recentes, é o mesmo que também aparece chamado Fernando Afonso, que foi alferes-mor de el-Rei e 12º Grão-Mestre da Ordem dos Hospitalários.

A sua presença regista-se pela primeira vez em 1159 e em 1169 sucedeu no cargo de alferes-mor a seu meio-irmão irmão, Pedro Pais da Maia, filho do casamento legítimo de sua mãe e com Paio Soares da Maia.[12]}}[13]

Manuel de Abranches de Soveral considera Afonso, grão-mestre do Hospital, e Fernando Afonso, alferes-mor do Reino, como dois filhos diferentes.

D. Teresa Afonso (ca. 1135-?) em alguns genealogías aparece como filha de Elvira Guálter[14] e em outras como filha de Châmoa Gomes.[15]

Referências ↑ Ir para: a b c d e f g h i j Sottomayor-Pizarro 1997. ↑ Barton 1997, p. 256. ↑ O seu exílio está registado nas muito próximas Chronica Adefonsi imperatoris e o trecentista Livro de Linhagens do Deão, cf. BARTON (1997), 256. O seu co-conspirador, Rodrigo Peres foi perdoado, cf. BARTON (1997), 117. O testemunho original em latim na Chronica está citado em BISHKO (1965), 331 n102, reproduzido abaixo: et rex abiecit a se comitem Rodericum et comitem Gomez Nunnii, pro eo quod ipsi inmiserant discordiam inter imperatorem et regem. Comes Gomez Nunii, ut cognovit se esse reum, verecundatus est, et transiens fugiendo montes Pirineos, vellet nollet, quia non erat ei locus ad habitandum, fecit se monachus in monasterio Cluniacensi

↑ Ir para: a b c d Mattoso 1981. ↑ Ir para: a b c GEPB 1935-57, vol.17, p. 624-629. ↑ A importância de D. Châmoa Gomes na vida de D. Afonso Henriques (I) ↑ Ir para: a b c Mattoso 1981, p. 216. ↑ Ir para: a b Carvalho Correia 2008, p. 153. ↑ Calderón Medina 2008, pp. 42, n. 11. ↑ Mattoso 2014, pp. 98, 228 e 320. ↑ Rodrigues Oliveira 2010, p. 69. ↑ Ir para: a b Mattoso 2014, p. 228. ↑ Calderón Medina 2008, pp. 42-43 e notas. ↑ Caetano de Souza 1735, pp. 28, 63. ↑ O conde D. Pedro diz que D. Afonso Henriques teve esta filha D. Tereza Afonso em D. Elvira Guálter e que, portanto, era irmã inteira de D. Urraca Afonso, casada com D. Pedro Afonso de Lumiares. Mas esta D. Urraca é bem mais tardia, ainda se documentando casada em 1212. D. Tereza Afonso foi certamente a primeira das filhas naturais de D. Afonso Henriques e seria irmã inteira de D. Afonso, nascido em 1135, que foi grão-mestre da Ordem de S. João de Jerusalém (1203-6). Bibliografia[editar | editar código-fonte] Barros, José D'Assunção. Um livro manuscrito e seu sistema de micropoderes - os Livros de Linhagens da Idade Média Portuguesa // Revista Em Questão, V.12, № 2. Porto Alegre: UFRGS, 2006. p. 273-296. Barros, José D'Assunção. Aspectos do Imaginário Cavalheiresco nos Livros de Linhagens da Idade Média Portuguesa // Anuário de Literatura, V.15, № 1, Florianópolis: UFSC, 2010. p.123-153. Barton, Simon (1997), The Aristocracy in Twelfth-century León and Castile (Cambridge: Cambridge University Press). Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira - 50 vols. , Vários, Editorial Enciclopédia, Lisboa. vol. 16-pg. 887. Mattoso, José (1981). A nobreza medieval portuguesa: a família e o poder. Lisboa: Editorial Estampa. OCLC 8242615 Mattoso, José (2014). D. Afonso Henriques. Lisboa: Temas e Debates. ISBN 978-972-759-911-0 Oliveira, Ana Rodrigues (2010). Rainhas medievais de Portugal. Dezassete mulheres, duas dinastias, quatro séculos de História. Lisboa: A esfera dos livros. ISBN 978-989-626-261-7 Sottomayor-Pizarro, José Augusto (1997). Linhagens Medievais Portuguesas: Genealogias e Estratégias (1279-1325). I. Porto: Tese de Doutoramento, Edicão do Autor Ligações externas[editar | editar código-fonte] Livros de Linhagens no Projecto Vercial

https://pt.wikipedia.org/wiki/Châmoa_Gomes_de_Pombeiro

view all 12

Chamoa (Flâmula) Gomes de Pombeiro, Senhora da Maia's Timeline