Francisco Jê Acaiaba de Montezuma, visconde de Jequitinhonha

Is your surname Gomes Brandão?

Research the Gomes Brandão family

Francisco Jê Acaiaba de Montezuma, visconde de Jequitinhonha's Geni Profile

Records for Francisco Gomes Brandão

1,696 Records

Share your family tree and photos with the people you know and love

  • Build your family tree online
  • Share photos and videos
  • Smart Matching™ technology
  • Free!

Share

Francisco Gomes Brandão, 1º visconde de Jequitinhonha

Also Known As: "Francisco Jê Acaiaba de Montezuma"
Birthdate: (75)
Birthplace: Salvador, Bahia, Brazil
Death: Died in Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
Immediate Family:

Son of Manuel Gomes Brandão and Narcisa Teresa de Jesus Barreto
Husband of Mariana Angélica de Toledo Marcondes and Francisca Maria de Jesus Leite, viscondessa de Jequitinhonha
Partner of Ângela Rosa da Conceição
Father of Leônidas Marcondes de Montezuma; Harmódio de Toledo Marcondes de Montezuma; Mariana Angélica Marcondes de Montezuma; Narciso Marcondes de Montezuma; Artur Marcondes de Montezuma and 1 other

Occupation: Advogado
Managed by: Lúcia Pilla
Last Updated:

About Francisco Jê Acaiaba de Montezuma, visconde de Jequitinhonha

Francisco Jê Acaiaba de Montezuma, primeiro e único visconde de Jequitinhonha, (Salvador, 23 de março de 1794 — Rio de Janeiro, 15 de fevereiro de 1870), foi um advogado, jurista e político brasileiro.

Biografia

Seu nome de batismo era Francisco Gomes Brandão. Filho do comerciante português Manuel Gomes Brandão e da mestiça Narcisa Teresa de Jesus Barreto. Família mestiça, após a união de um português com uma brasileira, mas dotada de boa renda. Era desejo do pai fazê-lo padre, de forma que ingressou no seminário franciscano, em 1808.

A despeito desta vontade paterna, ruma em 1816 para Portugal, ingressando na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, onde se forma em 1821.

Retornando para a Bahia, torna-se ardoroso defensor da sua independência. Ao lado do editor baiano Francisco Corte Real, depois Corte Imperial, funda o jornal "O Constitucional", que passa a ser o porta-voz dos interesses dos baianos face ao partido dito "português". Quando a situação na capital torna-se insustentável para os brasileiros, toma parte activa nas lutas pela Independência da Bahia - grande orador que era - junto ao Governo Provisório que então se formara na vila de Cachoeira. Um novo país, um novo nome[editar]

Proclamada a Independência, abandona o nome de batismo, passando a chamar-se Francisco Gê Acayaba de Montezuma – incorporando assim ao nome todos os elementos que formam a nação brasileira, e uma homenagem ao imperador asteca Montezuma (Gê, atualmente grafado com "J", designa os índios brasileiros do tronco linguístico não-tupi-guarani; Acayaba, atualmente grafado com "I", palavra de origem africana).

Como prêmio por sua participação nas lutas, o Imperador D. Pedro I concede-lhe o título de barão de Cachoeira, recusando este, porém aceitando ser agraciado comendador da Imperial Ordem do Cruzeiro.

Exílio e política

Montezuma logo ingressa na política, e em 1823 elege-se deputado, indo para a corte. Ali, exerce com seu verbo inflamado e talento reconhecido na oratória, ferrenha oposição ao Ministro da Guerra. Preso, é exilado na França - onde permanece por oito anos.

De volta ao Brasil, é eleito para a Assembléia Geral Constituinte de 1831, onde ocupa lugar de destaque. Ali, torna-se o primeiro deputado da história brasileira a lutar contra o tráfico negreiro, sendo portanto um dos pioneiros do movimento abolicionista - ideia que defendia com ardor, mesmo que isto então fosse considerado ilegal.

Em 1837 é feito Ministro da Justiça e dos Estrangeiros (5º Gabinete - Regência Feijó), elegendo-se também deputado pela Bahia. Ocupou, ainda, o cargo de "ministro plenipotenciário" (diplomata) junto ao Império Britânico. Em 1850, foi nomeado Conselheiro de Estado.

Em 1851 Montezuma elege-se Senador por seu estado natal.

Advocacia

Foi o fundador e primeiro Presidente do Instituto dos Advogados do Brasil, tendo ainda, em 1850, pugnado pela criação da Ordem dos Advogados do Brasil, sem sucesso, justamente na Câmara dos Deputados, onde tinha assento.

Títulos e honrarias

Se havia recusado o baronato, aceitou, entretanto, o título de Visconde com Grandeza (Grande do Império). Assim, fez-se nobre com o decreto imperial de 2 de Dezembro de 1854.

Além da comenda já citada, Montezuma foi ainda comendador da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa e condecorado com a medalha da Guerra da Independência.

Atividade intelectuaL

Montezuma foi um dos membros-fundadores do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil. Deixou uma relativamente farta obra publicada, versando sobre economia, história, política e, claro, direito.

Atividades maçônicas

Francisco Jê Acaiaba de Montezuma, teve lugar de destaque na história da Maçonaria do Brasil. Em 12 de março de 1829, então no exílio, recebe do Supremo Conselho dos Países Baixos, hoje Bélgica, uma carta de autorização para instalar um Supremo Conselho do Rito Escocês Antigo e Aceito no Brasil. De volta ao Brasil, Montezuma instala o Supremo Conselho, usando a autorização do Supremo Conselho da Bélgica em 12 de novembro de 1832, recebendo o título de 1º Soberano Grande Comendador brasileiro.

Casamentos e descendência

Em 7 de outubro de 1823, casa-se, no Rio de Janeiro, com Mariana Angélica de Toledo Marcondes, falecida em 1836, de quem deixou descendência.

Casa-se novamente, em segundas núpcias, com Francisca Maria de Jesus , a Viscondessa de Jequitinhonha, em 4 de junho de 1842, na chácara de João Ribeiro, bairro do Rio Comprido, Rio de Janeiro, viúva do político e grossista fluminense Marcolino Antônio Leite. Deste casamento não registra-se descendência.

Descendentes

  • Harmódio Marcondes de Montezuma, nascido aos 11 de maio de 1833, no Rio de Janeiro;
  • Leônidas Marcondes de Montezuma, nascido em cerca de 1825, que depois de estudar por sete anos, fazer seus exames e ser aprovado com grande louvor, enquanto aspirante da marinha inglesa, foi uma das vítimas de uma epidemia instaurada a bordo e ficou cego. Casado com Luísa Goddard, anglo-descendente, com geração na Inglaterra;
  • Mariana Angélica Marcondes de Montezuma, nascida aos 5 de abril de 1836, no Rio de Janeiro. Casada aos 5 de setembro de 1859, no Rio de Janeiro (Candelária), com o doutor Júlio Henrique de Melo e Alvim, irmão do barão de Iguatemi, filhos de Miguel de Sousa Melo Alvim, ministros de Estado do Imperador do Brasil, e de Maurícia Elisa de Meneses, com geração;
  • Artur Marcondes de Montezuma, aspirante da marinha inglesa, falecido durante naufrágio do brigue a vapor inglês Avenger,
  • Narciso Marcondes de Montezuma, nascido aos 16 de outubro de 1834 (?), no Rio de Janeiro,
  • Tomás Francisco de Montezuma, nascido aos 22 de maio de 1837 (?), no Rio de Janeiro, filho natural com Ângela Rosa da Conceição, gerado entre seu primeiro e seu segundo casamento.

Depoimentos sobre Montezuma

Por volta de 1860, S. A. Sisson, em referência ao contexto familiar e pessoal de Montezuma, especialmente a propósito das tragédias que acometeram dois de seus filhos ao final dos anos 1850, logo seguidos de sua segunda viuvez, em 1860, escreveu na Galeria dos Brasileiros Ilustres, ressaltando ainda algumas características marcantes do Visconde de Jequitinhonha:

"O visconde de Jequitinhonha conta 66 anos de idade, e apesar das grandes provações por que tem passado, correndo todos os perigos das crises as mais extraordinárias do país, nas quais figurou principalmente; apesar dos profundos golpes que seu coração de pai e de esposo tem suportado, perdendo um filho no fundo do mar, vítima de horrível naufrágio, e recordando-se todos os dias da desgraça daquele para quem a luz não existe, apesar da luta de gigante que teve necessidade de sustentar contra seus adversários políticos, em que mais de uma vez foi acometido pelas costas e nas trevas; apesar de seus porfiados combates oratórios, ainda tem esta robustez de espírito e generosidade do coração, que fazem invejar os mais novéis. Dotado de memória pronta, de argumentação lógica sem asperidade, de palavra altiva e dominadora; preparado para todas as questões, pois sem quebra do merecimento alheio se pode dizer que é a mais vasta inteligência que orna o Senado brasileiro: razão clara, força de vontade capaz de conceber e de executar, e com um nome ilustre, porque está escrito nos livros das vitórias da liberdade brasileira; parece que a Providência, conservando-lhe a vida, depois de haver chamado aos destinos de além-túmulo a maior parte de seus companheiros da independência, o reserva para novas, se não mais gloriosas épocas." Polêmico e contraditório, Montezuma foi figura central durante o segundo reinado. Dele consignou o memorialista Américo Jacobina Lacombe:

“misto de estadista e politiqueiro; de jurista e de chicanista; de cabotino e de homem de honra; de mestiço e de fidalgo; combatendo a aristocracia e pleiteando para seus filhos um lugar na nobreza; contradição viva, enfim, que deixou em seus contemporâneos uma impressão de versatilidade, de ceticismo, e de sarcasmo, curiosamente contrabalançados por uma vaidade surpreendente.”

Desde 2008 a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), possui o Prêmio Francisco Montezuma de Jornalismo Laboratorial que anualmente premia as melhores produções jornalísticas dos alunos. http://premiofranciscomontezuma.blogspot.com/

Fonte: ep

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Por decreto imperial de 2 de Dezembro de 1854, o novo casal foi agraciado com o título de viscondes de Jequitinhonha.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Esta é a versão em html do arquivo http://www.cbg.org.br/novo/wp-content/uploads/2012/07/inst-da-ordem-dos-advogados.pdf. G o o g l e cria automaticamente versões em texto de documentos à medida que vasculha a web.

A Primeira Administração do Instituto da Ordem dos Advogados (1843) Com base em nota recebida do amigo, confrade, e grande genealogista Ricardo Pinto de Oliveira Neto referente aos festejos dos 165 anos do Instituto dos Advogados, na qual consta a relação dos integrantes da primeira administração daquela Instituição, apresentamos biografia e genealogia (resumida), daqueles administradores, nos mesmos moldes do que vem sendo desenvolvido em outros tópicos nesta página. Carlos Eduardo de Almeida Barata Agosto 2008

“Há 165 anos, no dia 21 de agosto de 1843, foi eleita a primeira administração do Instituto dos Advogados, composta do Dr. Francisco Gê Acayaba de Montezuma, presidente; Dr. Josino do Nascimento Silva, secretário, e Dr. Nicoláo Rodrigues dos Santos França Leite, tesoureiro, - ficando o Conselho Diretor constituído dos Drs. Luiz Fortunato de Brito Abreu e Souza Menezes, Francisco Ignacio de Carvalho Moreira, Francisco Thomaz de Figueiredo Neves, José Maria Frederico de Souza Pinto, Augusto Teixeira de Freitas, Caetano Alberto Soares, José de Siqueira Queiroz, Dias da Motta, Luiz Antonio da Silva Nazareth e Fausto Augusto de Aguiar. Foi designado o dia 7 de setembro para a instalação solene do Instituto - sendo conferido o título de presidente honorário ao conselheiro Francisco Alberto Teixeira de Aragão, o inspirador e principal fundador do mesmo Instituto.” www.migalhas.com.br Apontamentos Biográfico-Genealógicos 1. Dr. Francisco Gê Acayaba de Montezuma, presidente: Francisco Gomes Brandão, nascido a 23.03.1794, na Bahia, e falecido a 15.02.1870, no Rio de Janeiro, RJ. Filho de Manuel Gomes Brandão e de Narcisa Teresa de Jesus Barreto. Político, grande orador e advogado brasileiro, que, após 1822, passou a assinar-se Francisco Gê Acaiaba de Montezuma, ressaltando o seu sabor indianista: Acaiaba, o seu sabor africano: Gê, e sua afirmação americanista: Montezuma. Seguiu para Portugal para concluir seus estudos. Matriculou-se na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, a 22.02.1817, com o nome Francisco Gomes Brandão Montezuma. Matriculado no curso de Filosofia, em 31.10.1817. Bacharel em Leis a 05.06.1820. Formado em Direito pela Universidade de Coimbra a 13.06.1821. Fundou, na Bahia, a sociedade secreta Jardineiros, de cunho constitucionalista. Combateu o tráfico africano [1831]. Deputado à primeira Constituinte, e quando da dissolução, foi juntamente com os Andradas, deportado. Regressando ao Brasil, foi eleito novamente Deputado (1831), quando propôs a criação do Banco do Brasil e a abolição da escravatura. Ministro dos Estrangeiros e da Justiça. Sócio fundador do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro [1838]. Fundador e 1.º Presidente do Instituto da Ordem dos Advogados [1843]

Senador do Império. Conselheiro de Estado [1830]. Conselheiro do Imperador. Diplomata: Enviado Extraordinário e Ministro Plenipotenciário do Brasil na Grã- Bretanha a 16.09.1840. Foi agraciado, por Decreto de 2 de Dezembro de 1854, com o título de Visconde de Jequitinhonha. Casou duas vezes: a primeira, a 07.10.1823, no Rio de Janeiro, com Mariana Angélica de Toledo Marcondes, nascida cerca de 1798, e falecida a 24.05.1836, no Rio de Janeiro, antes da concessão do título. Filha de Antônio Marcondes de Oliveira Amaral, membro da importante e antiga família Marcondes, de São Paulo, e de Maria Francisca Teixeira; neta paterna do capitão Antonio Marcondes do Amaral, natural da Ilha de São Miguel, e de Ana Joaquina de Sá; neta materna de Antonio José da Mota e de Mariana de Toledo. Casou em segundas núpcias, a 04.06.1842, no Rio de Janeiro, na chácara de João ... Ribeiro, no Rio Comprido, com Francisca Maria de Jesus, nasc. em 1792, na freg. da Exaltaçao da Santa Cruz (Ubatuba), bispado de São Paulo, e falecida a 19.02.1860, em Niterói – RJ, viúva de Marcolino Antonio Leite, filha de Francisco Manuel e de Maria Leonor. Montezuma deixou ainda uma filha natural. Pais de (1.º matrimônio): I.1. Harmódio Marcondes de Montezuma, nasc. a 11.05.1833, no Rio de Janeiro (São José) I.2. Leônidas Marcondes de Montezuma, nasc. cerca de 1825. Casado com Luiza Goddard, inglesa Com geração na Inglaterra. I.3. Mariana Angélica Marcondes de Montezuma, nasc. a 05.04.1836, no Rio de Janeiro. Casada a 05.09.1859, no Rio de Janeiro (Candelária), com o doutor Júlio Henrique de Souza Melo Alvim, irmão do Barão de Iguatemi, filhos de Manuel de Souza Melo Alvim, Ministros de Estado do Imperador do Brasil, e de Maurícia Elisa de Menezes. Com geração. I.4. Artur Marcondes de Montezuma I.5. Narciso Marcondes de Montezuma, nasc. a 16.10.1834, no Rio de Janeiro. (filho natural com Angela Rosa da Conceição): I.6. Tomaz Francisco de Montezuma, nasc. a 22.05.1837, no Rio de Janeiro. 2. Dr. Josino do Nascimento e Silva, secretário. Nascido a 31.07.1811, em Campos (freg. São Salvador) - Rio de Janeiro, e fal. a 06.06.1886, no Rio de Janeiro, na rua do Riachuelo, 192, sepultado no cemitério do Carmo. Filho de Manuel do Nascimento e Silva e de Margarida Rosa de São José. Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de São Paulo, na turma de 1834. Promotor Público e Juiz Municipal da Corte [RJ]. Procurador dos Feitos da

A Primeira Administração do Instituto da Ordem dos Advogados (1843) Com base em nota recebida do amigo, confrade, e grande genealogista Ricardo Pinto de Oliveira Neto referente aos festejos dos 165 anos do Instituto dos Advogados, na qual consta a relação dos integrantes da primeira administração daquela Instituição, apresentamos biografia e genealogia (resumida), daqueles administradores, nos mesmos moldes do que vem sendo desenvolvido em outros tópicos nesta página. Carlos Eduardo de Almeida Barata Agosto 2008 “Há 165 anos, no dia 21 de agosto de 1843, foi eleita a primeira administração do Instituto dos Advogados, composta do Dr. Francisco Gê Acayaba de Montezuma, presidente; Dr. Josino do Nascimento Silva, secretário, e Dr. Nicoláo Rodrigues dos Santos França Leite, tesoureiro, - ficando o Conselho Diretor constituído dos Drs. Luiz Fortunato de Brito Abreu e Souza Menezes, Francisco Ignacio de Carvalho Moreira, Francisco Thomaz de Figueiredo Neves, José Maria Frederico de Souza Pinto, Augusto Teixeira de Freitas, Caetano Alberto Soares, José de Siqueira Queiroz, Dias da Motta, Luiz Antonio da Silva Nazareth e Fausto Augusto de Aguiar. Foi designado o dia 7 de setembro para a instalação solene do Instituto - sendo conferido o título de presidente honorário ao conselheiro Francisco Alberto Teixeira de Aragão, o inspirador e principal fundador do mesmo Instituto.” www.migalhas.com.br Apontamentos Biográfico-Genealógicos 1. Dr. Francisco Gê Acayaba de Montezuma, presidente: Francisco Gomes Brandão, nascido a 23.03.1794, na Bahia, e falecido a 15.02.1870, no Rio de Janeiro, RJ. Filho de Manuel Gomes Brandão e de Narcisa Teresa de Jesus Barreto. Político, grande orador e advogado brasileiro, que, após 1822, passou a assinar-se Francisco Gê Acaiaba de Montezuma, ressaltando o seu sabor indianista: Acaiaba, o seu sabor africano: Gê, e sua afirmação americanista: Montezuma. Seguiu para Portugal para concluir seus estudos. Matriculou-se na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, a 22.02.1817, com o nome Francisco Gomes Brandão Montezuma. Matriculado no curso de Filosofia, em 31.10.1817. Bacharel em Leis a 05.06.1820. Formado em Direito pela Universidade de Coimbra a 13.06.1821. Fundou, na Bahia, a sociedade secreta Jardineiros, de cunho constitucionalista. Combateu o tráfico africano [1831]. Deputado à primeira Constituinte, e quando da dissolução, foi juntamente com os Andradas, deportado. Regressando ao Brasil, foi eleito novamente Deputado (1831), quando propôs a criação do Banco do Brasil e a abolição da escravatura. Ministro dos Estrangeiros e da Justiça. Sócio fundador do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro [1838]. Fundador e 1.º Presidente do Instituto da Ordem dos Advogados [1843].

Senador do Império. Conselheiro de Estado [1830]. Conselheiro do Imperador. Diplomata: Enviado Extraordinário e Ministro Plenipotenciário do Brasil na Grã- Bretanha a 16.09.1840. Foi agraciado, por Decreto de 2 de Dezembro de 1854, com o título de Visconde de Jequitinhonha. Casou duas vezes: a primeira, a 07.10.1823, no Rio de Janeiro, com Mariana Angélica de Toledo Marcondes, nascida cerca de 1798, e falecida a 24.05.1836, no Rio de Janeiro, antes da concessão do título. Filha de Antônio Marcondes de Oliveira Amaral, membro da importante e antiga família Marcondes, de São Paulo, e de Maria Francisca Teixeira; neta paterna do capitão Antonio Marcondes do Amaral, natural da Ilha de São Miguel, e de Ana Joaquina de Sá; neta materna de Antonio José da Mota e de Mariana de Toledo. Casou em segundas núpcias, a 04.06.1842, no Rio de Janeiro, na chácara de João ... Ribeiro, no Rio Comprido, com Francisca Maria de Jesus, nasc. em 1792, na freg. da Exaltaçao da Santa Cruz (Ubatuba), bispado de São Paulo, e falecida a 19.02.1860, em Niterói – RJ, viúva de Marcolino Antonio Leite, filha de Francisco Manuel e de Maria Leonor. Montezuma deixou ainda uma filha natural. Pais de (1.º matrimônio): I.1. Harmódio Marcondes de Montezuma, nasc. a 11.05.1833, no Rio de Janeiro (São José) I.2. Leônidas Marcondes de Montezuma, nasc. cerca de 1825. Casado com Luiza Goddard, inglesa Com geração na Inglaterra. I.3. Mariana Angélica Marcondes de Montezuma, nasc. a 05.04.1836, no Rio de Janeiro. Casada a 05.09.1859, no Rio de Janeiro (Candelária), com o doutor Júlio Henrique de Souza Melo Alvim, irmão do Barão de Iguatemi, filhos de Manuel de Souza Melo Alvim, Ministros de Estado do Imperador do Brasil, e de Maurícia Elisa de Menezes. Com geração. I.4. Artur Marcondes de Montezuma I.5. Narciso Marcondes de Montezuma, nasc. a 16.10.1834, no Rio de Janeiro. (filho natural com Angela Rosa da Conceição): I.6. Tomaz Francisco de Montezuma, nasc. a 22.05.1837, no Rio de Janeiro.

view all

Francisco Jê Acaiaba de Montezuma, visconde de Jequitinhonha's Timeline

1794
March 23, 1794
Salvador, Bahia, Brazil
1825
1825
Age 30
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
1833
May 11, 1833
Age 39
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
1834
October 16, 1834
Age 40
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
1836
April 5, 1836
Age 42
1837
May 22, 1837
Age 43
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
1870
February 15, 1870
Age 75
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
????