Vasco Fernandes Coutinho, 1º conde de Marialva

Is your surname Fernandes Coutinho?

Research the Fernandes Coutinho family

Vasco Fernandes Coutinho, 1º conde de Marialva's Geni Profile

Records for Vasco Fernandes Coutinho

5,628 Records

Share your family tree and photos with the people you know and love

  • Build your family tree online
  • Share photos and videos
  • Smart Matching™ technology
  • Free!

Vasco Fernandes Coutinho, 1º conde de Marialva

Birthdate: (79)
Birthplace: Portugal
Death: circa 1464 (71-87)
Tanger, Tangier-Assilah, Tangier-Tetouan, Morocco
Immediate Family:

Son of Gonçalo Vaz Coutinho, 2.º marechal de Portugal and Leonor Gonçalves de Azevedo
Husband of Maria de Sousa
Father of Leonor Fernandes Coutinho; Gonçalo Coutinho, 2º conde de Marialva and Fernando Coutinho, 4º marechal de Portugal
Brother of Álvaro Gonçalves Coutinho, o Magriço; Heitor Álvaro Coutinho; Francisca Vasques Coutinho and Filipa Coutinho
Half brother of Fernão Coutinho; Isabel Coutinho; Luis Coutinho, bispo de Viseu; Lopo de Sousa Coutinho; Luísa Coutinho and 2 others

Occupation: 1º conde de Marialva
Managed by: Private User
Last Updated:

About Vasco Fernandes Coutinho, 1º conde de Marialva

Vasco Fernandes Coutinho de alcunha o Ramiro (NFP, Gayo, COUTINHOS § 2 N 6).

O título nobiliárquico de “Conde de Marialva” foi atribuído por el-Rei de Portugal, D. Afonso V, a

Dom Vasco Fernandes Coutinho

, em 1440, sendo Regente do Reino D. Pedro Infante de Portugal, por aquele ilustre guerreiro se ter destacado, com bravura e valentia, nas campanhas militares no Norte de África. Dom Vasco, nascido 1385, recebeu não apenas o título de 1º Conde de Marialva, mas ainda o de 3º Marechal do Reino de Sua Majestade, Senhor da Vila de Marialva e Alcaide-mor de Trancoso. Descendia de uma linhagem nobre, sendo seu pai Dom Gonçalo Vasques Coutinho, 2º Marechal de Portugal e Senhor do Couto de Leomil.

Dom Vasco Fernandes Coutinho casou, em 1412, com Dona Maria de Sousa, filha legitimada de Dom Lopo Dias de Sousa, mestre da Ordem de Cristo. O seu filho primogénito, D. Gonçalo Coutinho, por morte do pai e porque filho primogénito, herdou o título de 2º Conde de Marialva, assim como os títulos que o seu progenitor possuía e todos os bens de família. Além disso, D. Gonçalo Coutinho pertenceu ao Conselho de El-Rei e foi Meirinho-Mor de Sua Majestade. Casou com Dona Brites de Melo, filha de Afonso de Melo, senhor de Barbacena, alcaide-mor de Évora, Olivença, Campo-Maior e Castelo de Vide e guarda-mor de El-rei D. João I, sendo sua mãe Dona Briolanja de Sousa. Dom Gonçalo, a exemplo de seu pai, também combateu nas campanhas do Norte de África, perdendo a vida na tomada de Tanger em 1464. Foi 3º Conde de Marialva, o seu filho João Coutinho que, a exemplo do pai e do avô, continuou a participar nas lutas no Norte de África, vindo também a falecer, ainda novo e solteiro, na tomada de Arzila, em 1471. Sucedeu-lhe seu irmão Francisco Coutinho que foi o 4º conde de Marialva, o único dos Marialvas que optou por não se envolver nas campanhas africanas. Casou, em primeiras núpcias, com Dona Isabel Ichoa, sendo designado por El-Rei, Senhor de Castelo Rodrigo. Por falecimento de Dona Isabel, casou com a 2ª condessa de Loulé, Dona Beatriz de Menezes. Como não tiveram filho varão, El-Rei Dom Manuel concedeu-lhes autorização para que sua filha, Dona Guiomar Coutinho, herdasse o título de 5ª condessa de Marialva e 3ª de Loulé. Dona Guiomar, no entanto, casou com o D. Fernando duque da Guarda, mas os seus filhos faleceram todos em criança, extinguindo-se assim a nobilíssima casa dos Condes de Marialva, que, no entanto, anos mais tarde, passou a marquesado, por mercê de D. Afonso VI que, em 1675, atribuiu o título de Marquês de Marialva a D. António Luís de Meneses, pelo papel importante e decisivo que teve na Revolução de 1640.

No entanto Vasco Fernandes Coutinho, 1º Conde de Marialva, teve mais dois filhos, para além de D. Gonçalo: D Fernando Coutinho, que foi o 4º marechal de Portugal e que casou em D. Joana de Castro Catarina de Albuquerque e D. Leonor Fernandes Coutinho que casou com Jorge Gonçalves Coutinho, filho Álvaro Gonçalves Coutinho, mais conhecido por “O Magriço”, e que se notabilizou como nobre, honrado e valente guerreiro, sendo um dos “Doze de Inglaterra”, episódio contado numa história narrada por Camões, no canto VI do Lusíadas, que terá acontecido no reinado de D. João I de Portugal e de Eduardo III de Inglaterra e que demonstra a típica conduta da honra e comportamento de acordo com o ideal da Idade Média

Entre os 15 navegadores portugueses, homens de bem, honrados, trabalhadores e valorosos guerreiros que acompanharam o flamengo Joss van Hurtere na sua primeira expedição à ilha do Faial havia um português de nome Alexandre Coutinho, filho de D. Jorge Gonçalves Coutinho e de Dona Leonor Fernandes Coutinho, e que, por ser neto do Conde de Marialva, passou a ser alcunhado por “O Marialva”. Joss van Hurtere, a fim de motivar aquele grupo de homens a acompanhá-lo em tão desconhecida e arrojada aventura, havia-lhes dado a entender e prometido, que os faria ricos, caso o acompanhassem na sua viagem às ilhas do Atlântico, pois a ilha que demandavam era rica em prata e estanho. Joss van Hurtere e seus companheiros desembarcaram pela primeira vez na ilha registada nos portulanos com o nome de ilha de São Luís, no areal da enseada a oeste, onde hoje está situada a Praia do Almoxarife, mas permaneceram na ilha, apenas durante um ano, altura em que, esgotando-se os mantimentos que tinham trazido, decidiram abandonar a ilha. Revoltados por não encontrarem nada do que lhes fora prometido, alguns dos companheiros de Joss van Hurtere, decidiram matá-lo. Valeu-lhe a lealdade do Marialva que o salvou, permitindo que regressasse à Flandres. Como recompensa, Hurtere levou-o consigo, no seu regresso à Flandres

Por volta de 1467, Hurtere regressou à ilha do Faial, numa nova expedição, organizada sob o patrocínio da Duquesa da Borgonha. Novamente trouxe consigo o seu fiel e leal amigo “Marialva”, juntamente com muitos outros homens e mulheres de todas as classes, origens e condições e bem assim alguns frades e tudo quanto convinha e era necessário para que se instaurasse o culto religioso na ilha. Deslocaram-se em vários navios carregados de víveres, de utensílios domésticos e de utensílios necessários à cultura das terras e à construção de casas.

Não satisfeito com o local onde desembarcara a quando da primeira chegada à ilha, Hurtere decidiu, nesta segunda vinda, contornar a Ponta da Espalamaca e desembarcar na baía de Porto Pim. Foi próximo do local de desembarque que, algum tempo depois, mandou erguer a Ermida de Santa Cruz. Para o compensar da sua lealdade, Hurtere doou ao Marialva terras e concedeu-lhe vários benefícios que fizeram dele um dos mais prósperos, ricos e importantes senhores de quantos habitavam a ilha. Quando Joss van Hurtere regressou a Lisboa para se casar com D. Beatriz de Macedo, foi ao Marialva que, provisoriamemte, entregou o governo e o domínio do Faial.

http://picodavigia2.blogs.sapo.pt/o-marialva-465023

view all

Vasco Fernandes Coutinho, 1º conde de Marialva's Timeline

1385
1385
Portugal
1410
1410
Age 25
1419
1419
Age 34
1420
1420
Age 35
Portugal
1464
1464
Age 79
Tanger, Tangier-Assilah, Tangier-Tetouan, Morocco