Start My Family Tree Welcome to Geni, home of the world's largest family tree.
Join Geni to explore your genealogy and family history in the World's Largest Family Tree.

Project Tags

view all

Profiles

  • Maj.-Gen. Reginald William Sartorius, VC, CMG (1841 - 1907)
    Major General Reginald William Sartorius VC CMG (4 May 1841 – 8 August 1907) was a recipient of the Victoria Cross, the highest and most prestigious award for gallantry in the face of the enemy that ...
  • Pierre Sartre (c.1664 - bef.1730)
    Sources Birth, death, burial: Acte décès ni marital ni filiatif [archives en ligne - 5MI10605_001 - page 256] Spouse: Acte mariage non filiatif [archives en ligne - 5MI10601_002 - page 180]
  • Bishop Johannes Sartoris de Tremonia (Velmecker) (bef.1480 - aft.1518)
    19 Apr 1507 Appointed Auxiliary Bishop of Paderborn, Germany 19 Apr 1507 Appointed Auxiliary Bishop of Minden, Germany 19 Apr 1507 Appointed Titular Bishop of Tiflis 1516¹ Appointed Auxiliary B...

The Sartori

Sartori is a surname of wide international diffusion, documented historically in the variants Sartorius, Sartoris, Sarto, Sartorio, Sartorelli, Sartoro, Sartore, Sartre, Sartor, Sartory, Sarturi and others. Its earliest records are from the 12th century, found in Italy. The surname produced many branches, of very questionable consanguinity, since it has possibly multiple origins, deriving from the Latin sartorius tailor, in a time in which Latin was the lingua franca of Europe. Anyway, many personalities bearing the surname stood out in various areas, such as politics, arts and science, and various branches were ennobled. The Sartori variant predominates in Italy, concentrated until now in the regions of Veneto and Lombardy, but found almost in all its regions, in smaller numbers.

Origins and diffusion

According to Patrizio Rigoni, based on archaeological evidence, the northern Sartori come from a single stem, originating in the vicentino plateau, specifically in the region of Asiago and surroundings. According to the author, these would have a remote origin among the Cimbros, people who supposedly descended from Jutland (Denmark) before the Christian era on plundering expeditions, arrived in the Northern Italy and were attacked by the Romans, perishing in large numbers. The survivors dispersed, some settled in the area of Vicenza around the eleventh century, then migrated to Asiago, and there the name appeared.

One of the main characters in the sixteenth century is probably Nicolò Sartori, coming from Valstagna, a rich merchant, linked by marriage and economic reasons to the Camoli family, and active in the region between Trento and Venice. In Valstagna the Sartori were active at least from 1551, the year in which there are mayors of three municipalities between the fifteenth and sixteenth centuries. Among these, Nicolò Sartori, who held the position between 1609 and 1610. According to Occhi, their structure was divided between the coal trade, the wool, the wood and the earth, as well as functioning with credit. In 1581 the family was given the title of patrician in Vicenza and in 1592 in Bassano del Grappa(Municipality of Vicenza). Since 1599 they have been certified by the Maggior Consiglio di Bassano. In the seventeenth century Antonio Sartori was quoted in Valstagna as a "very rich man", and then moved to Bassano, where he held a private army, where he was part of the Grand Council of Venice.

Giovanni Leonardo Sartori (1500-1556) descends from wealthy North-Italian landowners and well-educated notaries. He gained large properties, eg. the castle of Castelguelfo in Chieri, as a notary and treasurer for Carlo II of Savoy and his wife Beatrice of Portugal. Then he became a religious reformer, and started to preach his own original reformistic version of religion. Later Calvin accepted his thoughts, when they met. His family settled permanently in Geneva, Switzerland. Geneva defended the family, but he and his son Niccolo took risk and continued preaching in Italy. Giovanni died in pretrial detention in his home town Chieri, and Niccolo in Aosta at the stake by inquisition. Giovanni's family members, who used the name Sartoris, became wealthy merchants and influecial figures in Genova, and later also elsewhere.

Recent times

In the nineteenth century, the situation is very different: great dignitaries decline and begin to emerge rapidly and are attested Sartoris without indication nobility in different places of the Veneto and other parts of Italy and beyond. Italy at that time suffered great tribulations, wars, political changes, hunger, devastation and general famine, suffered a great wave of emigration to America. From this period there are many Sartori in Argentina, Brazil and the United States.

Notable family members

recent additions

  • Luigi Sartori, pianista e compositore
  • Luigi Sartori, Cavaliere professore, professore, pioniere dell’apicoltura
  • Federico Sartori, painter
  • Amleto Sartori, sculptor and poet, with his son Donato famous for their theater masks
  • Salvador Sartori, a large and wealthy family descends from Italian-Brazilian Salvador
  • Franz Sartori, from whom descend in Lybeck and Kiel priests, academics and a wealthy ship owner
  • Giovanni Leonardo Sartori (1500-1556) descends from wealthy North-Italian landowners and well-educated notaries. He gained large properties, eg. the castle of Castelguelfo in Chieri, as a notary and treasurer for Carlo II of Savoy and his wife Beatrice of Portugal. Then he became a religious reformer, and started to preach his own original reformistic version of religion. Later Calvin accepted his thoughts, when they met. His family settled permanently in Geneva, Switzerland. Geneva defended the family, but he and his son Niccolo took risk and continued preaching in Italy. Giovanni died in pretrial detention in his home town Chieri, and Niccolo in Aosta at the stake by inquisition. Giovanni's family members, who used the name Sartoris, became wealthy merchants and influecial figures in Genova, and later also elsewhere.

Sartori

Sartori è cognome di diffusione internazionale, storicamente documentata nelle varianti Sartorius, Sarto, Sarti, Sartorio, Sartorelli, Sartorato, Sartoro, Sartore, Sartre, Sartor, Sartory, Sarturi fin dal XII secolo.

Sono documentati anche molti personaggi che portano il cognome si sono distinti in vari settori come la politica, le arti e le scienze, e diversi rami sono stati nobilitati. La variante Sartori predomina in Italia, concentrata oggi nelle regioni del Veneto, della Lombardia e dell'Emilia Romagna, ma si trova in quasi tutte le regioni, in numero minore.

Origine e diffusione

Come in molti casi, i cognomi con radice sarto hanno una probabile origine etimologica professionale, molto comune nelle composizioni di nomi durante il periodo medievale.

In questo caso, ci riferiamo ai artigiani che realizzano abiti, ai giorni nostri, spesso chiamati anche "stilisti". L'equivalente inglese sarebbe "Tailor”, mentre in tedesco "Schneider".

Secondo Patrizio Rigoni, sulla base di testimonianze archeologiche, il ramo dei Sartori del nord provengono da un unico tronco, originario dell'altipiano vicentino, in particolare nel Asiago e nella regione circostante. Secondo l'autore, questi hanno una origine remota dei Cimbri discendono da presumibilmente Jutland (Danimarca) prima dell'era cristiana nel saccheggio spedizioni, ha raggiunto il nord italiano e si sono scontrati con i romani. Tra i sopravvissuti alcuni si sono insediati nella zona di Vicenza intorno all'XI secolo, dopo la migrazione di Asiago.

Il personaggio principale nel XVI secolo è probabilmente Nicolò Sartori, proveniente dalla Valstagna, ricco mercante, collegate per matrimonio e motivi economici alla famiglia Camoli, e attivo nella regione tra Trento e Venezia. In Valstagna la Sartori furono attivi al meno a partire dal 1551, anno in cui si attestano sindaci di tre comuni tra il XV e XVI secolo. Tra questi, Nicolò Sartori, che ha tenuto l'incarico tra il 1609 e il 1610. Secondo Occhi, la loro struttura è stata ripartita tra il commercio del carbone, la lana, il legno e la terra, oltre al funzionamento con il credito. Nel 1581 la famiglia è stata insignita del titolo di patrizia a Vicenza e nel 1592 a Bassano del Grappa (Comune di Vicenza). Dal 1599 sono attestati al Maggior Consiglio di Bassano. Nel XVII secolo Antonio Sartori è citato a Valstagna come "uomo ricchissimo", per poi trasferirsi a Bassano, dove teneva un esercito privato, dove a far parte del Gran Consiglio di Venezia.

Giovanni Leonardo Sartori (1500-1556) discende dai ricchi proprietari terrieri del Nord Italia e da notai ben istruiti. Ha acquisito grandi proprietà, ad es. il castello di Castelguelfo a Chieri, come notaio e tesoriere per Carlo II di Savoia e sua moglie Beatrice del Portogallo. Poi divenne un riformatore religioso e iniziò a predicare la sua versione riformista originale della religione. Più tardi Calvin accettò i suoi pensieri, quando si incontrarono. La sua famiglia si è insediata per centinaia di anni a Ginevra, in Svizzera. Ginevra difese la famiglia, ma lui e il suo figlio Niccolò presero il rischio e continuarono a predicare in Italia. Giovanni è morto in detenzione prima del processo nella sua città natale Chieri, e Niccolò in Aosta al rogo per inquisizione. I membri della famiglia di Giovanni, che usavano il nome Sartoris, divennero ricchi mercanti e figure influenti a Genova, e più tardi anche altrove.

Tempi recenti

Nel XIX secolo, la situazione è molto diversa: grandi dignitari declino e cominciano ad emergere rapidamente e sono attestati Sartoris senza indicazione nobiltà in diversi luoghi del Veneto e in altre parti d'Italia e non solo. l'Italia in quel momento ha subito grandi tribolazioni, teatro di guerre, cambiamenti politici, la fame, devastazioni e carestie generale, subì una grande ondata di emigrazione in America. A partire da questo periodo si attestano molti Sartori, in Argentina, Brasile e gli Stati Uniti.

Membri della famiglia notabili

Sartori

Sartori é sobrenome de ampla difusão internacional, documentado historicamente nas variantes Sartorius, Sarto, Sartorio, Sartorelli, Sartoro, Sartore, Sartre, Sartor, Sartory, Sarturi e outras. Seus registros mais antigos são do século XII, encontrados na Itália. O sobrenome produziu muitos ramos, de consanguinidade muito questionável, já que tem origens possivelmente múltiplas, derivando do latim sartorius, alfaiate, em um tempo em que o latim era a língua franca da Europa. De qualquer maneira, muitas personalidades que levam o sobrenome se destacaram em várias áreas, como na política, nas artes e na ciência, e vários ramos foram enobrecidos. A variante Sartori predomina na Itália, concentrada até hoje nas regiões do Vêneto e Lombardia, mas encontrada quase em todas as suas regiões, em menores números.

Origens e difusão

Segundo Patrizio Rigoni, fundamentado em evidências arqueológicas, os Sartori do norte provêm de um tronco único, originário do altiplano vicentino, especificamente na região de Asiago e entorno. Segundo o autor, esses teriam uma origem remota entre os cimbros, povo que supostamente desceu da Jutlândia (Dinamarca) antes da era cristã em expedições de pilhagem, chegou ao norte italiano e entrou em choque com os romanos, perecendo em grandes números. Os sobreviventes se dispersaram, alguns se radicaram na área de Vicenza em torno do século XI, depois migrando para Asiago, e ali teria surgido o nome. Mais tarde, a partir desta base, já com o patronímico estabelecido, seus descendentes novamente se dispersariam por todo o norte da península.

Porém, esta visão não é consensual e a documentação disponível mostra que o nome teve origens múltiplas. Entre as citações mais antigas está a de Petrus Sartor, que em 1156 estabeleceu uma sociedade com Guglielmo Burone em Gênova. Depois rapidamente aparecem outros em vários pontos do norte italiano, como Veneza (1186, 1181, 1191, 1197, 1207), Monselice (1212), Pádua e Melara (1213), em geral com personagens ocupados em ações de pouca importância. Entre os primeiros a se destacar estão Patavino, filho de Giovanni, filho de Pietro, registrado como notário em Pádua em 1235; Giovanni, em 1239 procurador de Walficherio, filho do juiz Eppone, Boninsegna, senhor de Castel Rubino, que em 1283 teve sua fortaleza requisitada pela República de Veneza, e o frade Bartolomeo, que em 1297 é procurador de Santa Maria della Misericordia. Em Bardolino, Nogarole, Rimini, Veneza e Bobbio aparecem vários outros entre os séculos XIII e XIV, em geral negociando terras.

Na região de Trento viriam a adquirir reputação e posses. Matteo é citado em Pergine, em 1377, entre vários gastaldi e delegados de comunas presentes em uma assembleia, recebendo ordem de recolher os impostos devidos ao príncipe-bispo de Trento. Em 1438 Martino, filho do patrício Pietro, foi investido pelo bispo Alessandro no priorado de Santa Margherita. Em Comezzadura estavam presentes desde 1492, quando Ognibene Sartori, filho de Giovanni, adquiriu o feudo do Monte de la Costa. Em 1602 são patrícios de Piano (Comezzadura), com Odorico, filho de Giacomo, citado na Carta de Regras da comuna. Em 1681 Donato comprou o feudo de Bel Veder de Lodrono, em Croviana, e deu origem a uma distinguida linhagem de notários.

O principal personagem no século XVI é provavelmente Nicolò, oriundo de Valstagna, riquíssimo mercador, ligado por casamento e por negócios à distinguida família Camoli, e ativo na região entre Trento e Veneza. Em Valstagna os Sartori foram patrícos, atestados desde pelo menos 1551, dando três sindaci comunais (prefeitos) entre os séculos XV e XVI, incluindo Nicolò, que ocupou o cargo em 1609-1610. Segundo Occhi, os seus negócios estavam divididos entre o comércio de carvão, da lã, da lenha e de terra, além de operar com crédito. Seu patrimônio incluía terras, bens e privilégios em Borgo, Cinte Tesino, Grigno, Pieve Tesino, Primiero, Scurelle, Telve, Angarano, Bassano del Grappa, Campolongo, Enego, Foza, Fonzaso, Gallio, Marostica, Oliero, Tezze sul Brenta e Vallonara, entre outras localidades. Em 1581 a família foi admitida no patriciado de Vicenza e em 1592 no de Bassano del Grappa (comuna de Vicenza), depois de terem se ligado por matrimônio a distintas famílias locais. A partir de 1599 estavam no Maggior Consiglio de Bassano. No século XVII Antonio é citado em Valstagna como "homem riquíssimo", depois mudou-se para Bassano, onde mantinha um exército privado, ingressou no Maggior Consiglio e foi senhor de grandes posses e fortalezas.

Giovanni Leonardo Sartori (1500-1556) descende dos ricos latifundiários do norte da Itália e notários bem educados. Ele adquiriu grandes propriedades, por exemplo o castelo de Castelguelfo em Chieri, como notário e tesoureiro de Carlos II de Saboia e sua esposa Beatriz de Portugal. Ele então se tornou um reformador religioso e começou a pregar sua versão reformista original da religião. Mais tarde, Calvin aceitou seus pensamentos quando eles se encontraram. Sua família se estabeleceu por centenas de anos em Genebra, na Suíça. Genebra defendeu sua família, mas ele e seu filho Niccolò assumiram o risco e continuaram a pregar na Itália. Giovanni morreu em detenção antes do julgamento em sua cidade natal, Chieri, e Niccolò em Aosta na fogueira para a inquisição. Os membros da família de Giovanni, que usavam o nome Sartoris, tornaram-se mercadores ricos e figuras influentes em Gênova e, e mais tarde, também em outro lugar.

Os vicentinos foram assimilados à nobreza da República de Veneza em 1726, ganhando o título de nobili (nobres), reconfirmados em 1799 e 1821. No seu auge Veneza chegou a dominar boa parte do norte italiano, da Ístria à Lombardia, e muitos membros de seu patriciado foram ocupar cargos oficiais nas cidades dominadas, lançando ramos familiares provincianos. Em Mestre, ao lado de Veneza, em 1672 Zuan Batista aparece chamado de dominus, uma dignidade reservada à nobreza, e no século seguinte o signor Pietro é "riquíssimo mercador". Giuseppe foi senador e secretário de Estado do governo veneziano no século XVIII. No fim do século XIX Giuseppe foi feito cavaleiro hereditário em Veneza.

A área ao redor de Veneza está cheia de outros núcleos de Sartoris com título de nobili, presentes também em Belluno, Fagagna, Teolo, Borgoricco, Rovigo, Pádua e até Bolonha. Na Cárnia foram chamados signori chiarissimi (senhores ilustríssimos). Muitas villas em posse atual ou antiga de Sartoris se espalham pelo Vêneto, mostrando sua riqueza e influência e suas relações matrimoniais com muitas outras famílias da elite. Em Pádua adquiriram uma famosa villa histórica no início do século XIX, a Villa Selvatico Sartori.

Destacaram-se em Treviso no século XIX o bispo Giovanni Battista, benemérito local e meio-irmão do famoso escultor Antonio Canova; Luigi, prodígio do piano morto precocemente, aluno de Liszt; e o abade Luigi Sartorio, famoso literato, bibliotecário e personagem da história da Igreja. Também na cidade e província de Treviso possuíram várias villas, entre elas a grande Villa Cavarzerani, de estilo clássico e um exemplo típico da villa vêneta, ainda em posse de Sartoris.

Seu estatuto de nobreza foi reconhecido por vários Estados. Possuíam vários brasões e chegaram a ter barões e condes na Itália, Alemanha e Espanha. Diversos membros se tornaram artistas, políticos, militares, cientistas, literatos e outras personalidades renomadas. Tullio de’ Sartori-Montecroce foi tratadista em leis; Antonio Giuseppe Sartori foi notado arquiteto; Franz Sartori foi escultor ativo na região germânica; o cavaleiro Giuseppe Federico foi conselheiro privado da duquesa reinante de Lucca, e o padre Raffaello se tornou beato. Membros da família se associaram por casamento aos condes de Ragogna e de Silvestro, e entre os títulos dos vários ramos podem ser citados os de podestà de Castel Goffredo, nobres e barões do Sacro Império, condes de Sehwanenfeld e barões de Waltershausen. O ramo espanhol deu os viscondes de Priego e os condes de San Luis; nesta Casa nasceu don Luis José Sartorius, ministro de Estado e Grande de Espanha. No ramo inglês apareceu sir George Sartorius, almirante que lutou na Batalha de Trafalgar e na Guerra Peninsular.

Tempos recentes

No entanto, no século XIX a situação se torna bastante diversificada, os grandes dignitários declinam e começam a surgir rapidamente vários registros de Sartoris sem indicação de nobreza em diversos lugares no Vêneto e em outras partes da Itália e além, em grande difusão, ocupando ofícios diversificados, alguns bem comuns, como operários, artesãos e camponeses, outros são políticos, artistas, cientistas, juristas e doutores, A Itália naquele período sofreu grandes atribulações, sendo palco de guerras, mudanças políticas, fome, devastações e carestias gerais, que foram as causas principais para o desencadeamento de uma grande onda emigratória para a América, havendo registro de muitos Sartoris se deslocando para a Argentina, Brasil e Estados Unidos, em variável situação financeira. Muitos estavam empobrecidos.

Um ramo que se fixou nos Estados Unidos adquiriu reputação, riqueza e influência no século XIX, descendendo de Carlo, joalheiro de Pio VI. Seu titular, Giovanni Battista, foi grande industrial, benemérito da sociedade e cônsul dos Estados Unidos em Roma. No Brasil estiveram entre os fundadores de Caxias do Sul, onde apareceram vários membros ilustres. Salvatore Sartori, político e comerciante, foi membro da junta governativa quando a colônia foi elevada a vila, e depois conselheiro municipal. Seu neto Luís Victor, filho de Alberto, fez brilhante carreira na Igreja, com muitas realizações, sendo bispo em Montes Claros e depois em Santa Maria. Também se destaca José Ivo, deputado, prefeito de Caxias por dois mandatos e governador do estado do Rio Grande do Sul eleito para o periodo 2015-2018.

Na Itália a família continuou a dar figuras notáveis no século XX, como Giovanni, famoso cientista político e ganhador do Prêmio Príncipe de Astúrias, Claudio, musicólogo, Alessio, campeão olímpico e comendador da Ordem do Mérito da República Italiana. e Giovanni Maria, arcebispo de Trento.

Membros notáveis da família