Amador Bueno da Veiga

public profile

Is your surname Bueno da Veiga?

Research the Bueno da Veiga family

Amador Bueno da Veiga's Geni Profile

Share your family tree and photos with the people you know and love

  • Build your family tree online
  • Share photos and videos
  • Smart Matching™ technology
  • Free!

Share

About Amador Bueno da Veiga

Amador Bueno da Veiga (São Paulo, c. 1650 — Casa Branca, 1719) foi um bandeirante e sertanista brasileiro. Era bisneto de Amador Bueno, o "Aclamado". Silva Leme o estuda no volume III, página 203 de seu livro Genealogia Paulistana. Como não assinou a famosa representação de 16 de abril de 1700 dos paulistas ao governador da Repartição do Sul, Artur de Sá e Meneses, estaria talvez no sertão. Segundo conta Antonil, Amador extraiu oito arrobas de ouro «do rio do Ouro Preto, do Ribeirão e de outras partes». Tinha em São Paulo sítio na margem direita do Anhembi, «na paragem chamada Maquerubi». Era Nossa Senhora da Conceição, atual Guarulhos, tendo por vizinho o lendário padre Guilherme Pompeu, doutor em teologia formado em Roma. Nela, grandes plantações e comércios e gado vacum e cavalgadura. Em 23 de setembro de 1704 Amador propusera abrir um novo caminho de São Paulo para as Minas, conforme a Regente informou nesta data ao Governador do Rio de Janeiro. Pedia prazo de um ano e oferecia ser caminho capaz de por ele andarem cavalgaduras carregadas, gente e condução de gados. O aberto pelo Capitão Garcia Rodrigues Pais, dizia, é incapaz de cavalgaduras carregadas nem gados por ser muito prolongado de três meses de viagens por matos e estéril de mantimentos, ainda dos que o mato cria. Pedia em troca «os campos beira mato da Serra da Boa Vista té a Graça pelo cumprimento e rumo direito do Caminho das Minas e a mata da borda do campo té o cume das serras e cordoaria do mar por uma e outra parte; as quais terras sendo Vossa Majestade servido, assim confrontadas da Serra da Boa Vista até a Graça cortando pelos travessões para a parte do mar até o cume das serras e tudo o que dos ditos rumos ficar para centro, dar-lhas de sesmaria e mercê para ele e seus descendentes com a do hábito de Cristo e foro de fidalgo da Casa.» Era a segunda proposta de refazer o Caminho Novo. A terceira viria em 1705 de Félix de Gusmão - por ela descobrimos que Garcia Rodrigues Pais estava acabando o seu caminho até a Paraiba, já estava com a estrada larga e duas roças feitas.» Participou da Guerra dos Emboabas entre 1707 e 1709 e como recompensa obteve sesmarias no interior do que é hoje o estado de São Paulo. Em carta ao Rei escrita em 20 de Janeiro de 1708 Antônio Luís Peleja, Ouvidor Geral de São Paulo, fala dele: «natural e morador de São Paulo, insolente, régulo, o mais fascinoroso homicida de muitas vidas», que se tinha feito atribuir, no momento das repartições, o mais precioso do ribeiro de Bento Rodrigues, em Ouro Preto. Habitou a região de Minas «muitos anos com muito gentio e roças em tempos que davam os maiores lucros, trazendo grande número de arrobas de ouro e tinha tido, durante meses, ourives trabalhando para ele para fundir o ouro em lingotes, cunhá-lo ou fazer jóias e objetos preciosos. Diz Antonil que tirara das minas oito arrobas, ou 128 quilos. Descendente de bandeirantes, foi por sua vez, ascendente de figuras importantes de São Paulo e do Brasil, como a poetisa Bárbara Heliodora

view all 11

Amador Bueno da Veiga's Timeline