Ваша фамилия Holland Baptista?

Исследование фамилии Holland Baptista

Поделитесь своим генеалогическим древом и фотографиями с людьми, которых вы знаете и любите

  • Стройте своё генеалогическое древо онлайн
  • Обменивайтесь фотографиями и видео
  • Технология Smart Matching™
  • Бесплатно!

Dalton Holland Baptista

Место жительства:: Piracicaba, Piracicaba, São Paulo, Brazil
Дата рождения:
Место рождения: São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brazil
Ближайшие родственники:

Сын Private и Private
Брат Private; Private и Private User

Последнее обновление:
показать все

Ближайшие родственники

    • Private
      parent
    • Private
      parent
    • Private
      sibling
    • Private
      sibling
    • Private User
      sibling

About Dalton Holland Baptista

Pesquisando os descendentes de Antonio da Silveira Gularte. ______________________________________________________________________________

GENEALOGIA GERAL PARA DESVANECER A OPINIÃO DOS SENHORES PURITANOS

Disse Alexandre de Gusmão (fal. 1750), Conselheiro Real da Fazenda de Ultramar e da Consulta Del-Rei D. João V:

"É necessário saber que cada hum de nós na sua Árvore de Costado, até quartos Avós, tem trinta e dois quartos Avós: cada hum dêstes tem outros trinta e dois quartos Avós na sua Árvore de Costado, que ficam sendo nossos oitavos: e neste grau montão para qualquer de nós, mil e vinte quatro Avós.

Cada hum dêstes em quarto grau, tem outros trinta e dois quartos Avós, que nos ficão em duodécimo sexto grau, e somão, neste número, trinta e hum mil e sessenta e oito Avós.

Cada hum dêstes em quarto grau, tem outros trinta e dois quartos Avós, que para nós são décimos sextos Avós, e somão nêste grau, hum milhão dezasseis mil quinhentos e setenta e seis Avós.

Cada hum dêstes em quarto grau, tem outros trinta e dois quartos Avós, que para nós ficão em vigéssimo grau, em que somão trinta e dois milhões, quinhentos trinta mil, quatro centos e trinta e dois Avós, que cada hum de nós tem em vigéssimo grau por todos os lados, todos existentes ou ao menos contemporâneos.

À vista do que, queria que me dissessem os Senhores Puritanos se tem notícia que todos fôssem Familiares do Santo Officio?

E porque não o havia nêsse tempo se a tem ao menos de que elles todos fôssem puros?

É certo também que o vigéssimo grau para nós, ainda não dando a cada geração mais do que trinta, e hum, ou trinta e dois anos, que hé bem pouco, deita isto ao princípio de Portugal; e quisera que me dissessem se nêsse tempo havia em Portugal êsse número de pessoas, não havendo mais, além da piquena parte da Galiza, que as Provincias d'Entre Douro e Minho, Beira athé o Mondego, que para baxo tudo era de Mouros?

Eu posso asseverar que ainda hoje não haverá nelle êste número de pessoas; e naquelles tempos apenas se contavão setenta ou oitenta mil pessoas d'ambos os sexos, e de tôdas as idades.

Isto nos confirma o número dos Escritos daquelle tempo; e não pode haver dúvida por aquella conta de que havemos precizam.te descender de quantos naquelle tempo havião em Portugal, e de m.tos estrangeiros; agora se todos elles erão puros tem m.ta razão os Puritanos; mas como naquelle tempo não havia S. Officio nem Meza de Consciência, não sei quem nos hade passar essas certidoens.

O certo hé que no princípio do nosso Reino havia nelle Mouros convertidos, havia Cristãos, e havia Judeos, e que certam.te não fazião o número de cem mil pessoas.

A conta hé certa; as premissas estão provadas; a consequência hé trabalhoza.

Já houve quem respondeo a êsse argum.to dizendo não haver dúvida na conta, nem também em que no dito grau são necessários aquelle grande número de Avós existentes, ou contemporâneos; mas que cada um delles existentes podia ser mil vezes o nosso Vigéssimo Avô, como tronco commum de muitos descendentes.

Consenti na resposta, dei-lhe para êstes descontos os trinta e dois milhões; e fiquei só com os quinhentos, trinta mil, quatro centos e trinta e dois, que era o que bastava para absorver tôdas as Famílias que poderião haver nessa primeira edade do nosso Reino nas trez Províncias, e parte de Galiza.

De mais, no anno de 1492 forão expulsos todos os Judeos de Castella, e a maior parte delles passou a Portugal, onde também os havia, vivendo todos no êrro de sua crença.

No anno de 1497 os obrigou El-Rei D. Manuel a que se batizassem ou sahissem do Reino. Muitos se batizarão de que teve princípio a diferença de - Cristão Novo - e como os que se espulsavão eram em grande número temeu El-Rei lhe fizessem grande falta em Reino tam piqueno, e para remediar de algum modo, mandou que tôdas as crianças que não passassem de sete anos se lhe arrebatassem, para que instruídas na nossa Santa Fé, e batizadas remediassem para o futuro a falta de gente.

Consta das nossas Histórias que o número dêstes meninos chegou a doze mil que todos se derão a criar por êste têrmo de Lisboa com vários Privilégios, que convidarão os povos a quer'los e busca'los.

Estimára que me dissessem os Senhores Puritanos que foi feito dessa gente? se morrerão todos?

Ora demos-lhe que morresse a metade, que foi feito de seis mil? que separação tiverão? por onde se ficavão conhecendo? O certo hé que todos ficarão pello mesmo têrmo, ali se criarão, cazarão, e tiverão infinitos descendentes.

Porém consolemo-nos que todos forão batizados, e que athé aos annos de 1540 pouco mais ou menos ainda não havia o contágio de se continuar o sangue Hebreo com a mácula da sua Religião para os seos descendentes, que abraçassem a Catholica.

Oh quem podera dizer o que sente! Deixo outras notícias; pois que para derrobar a preocupação Puritana sobre o que fica dito."