Lodewijk Govaert, alias Luís Goulart

Is your surname Govaert?

Research the Govaert family

Lodewijk Govaert, alias Luís Goulart's Geni Profile

Share your family tree and photos with the people you know and love

  • Build your family tree online
  • Share photos and videos
  • Smart Matching™ technology
  • Free!

Lodewijk Govaert

Portuguese: Luis Goulart
Also Known As: "Louis Govaert", "Ludovicus Govaert"
Birthdate:
Birthplace: Brugge, West Flanders, Flemish Region, Belgium
Death: Azores, Portugal
Immediate Family:

Father of NN

Managed by: George J. Homs
Last Updated:
view all

Immediate Family

About Lodewijk Govaert, alias Luís Goulart

Texto sobre Luis Gularte encontrado em As Saudades da Terra, de Gaspar Frutuoso, escrito entre 1586 e 1590:

E este Guilherme da Silveira foi o primeiro homem que fez pastel nestas ilhas e o semeou, porque trouxe, quando veio, a semente de Frandes, donde se fazia, e ainda agora se faz; e, antre outros homens que sabiam o negócio do pastel, que com ele vieram, foram um que havia nome Pero Pasteleiro, e seu irmão, e outro homem casado, framengo, chamado Govarte Luís, ao qual Govarte Luís Guilherme da Silveira teve em sua casa certos anos, com sua mulher e filhos, porque lhe semeavam e beneficiavam o pastel.

Este Govarte Luís teve na ilha do Faial muitos filhos e filhas, e daí a anos, como se veio a semear pastel por estoutras ilhas, e nesta de São Miguel, e por ser coisa rica e de muito proveito, lançou el-rei de Portugal mão disso pera que se viesse a fazer quantidade dele, pera o que se consertou daí a alguns anos com os moradores desta ilha de São Miguel, onde se fazia mais, e das outras ilhas dos Açores, que lhe daria a semente necessária pera semearem e casas de engenhos, moentes e correntes pera o moerem e o beneficiarem, com condição que lhe haviam de pagar os lavradores, que o fizessem, dízimo e vintena, sc., de cada dez um, e, depois, de cada vinte um em bolos, que vem a ser a catorze e meio por cento. Os moradores foram contentes e pagaram sempre estes direitos, como até hoje pagam, mas el-rei não cumpriu o que com eles assentou, senão nos primeiros princípios e anos, de que os lavradores foram causa por se resfriarem de o moer nos engenhos de el-rei; porque, com a muita azafima (sic) que havia e poucos engenhos de el-rei e mau aviamento, se lhe perdia o pastel, pelo que queria antes cada um fazer engenho próprio, em que moesse o seu, o qual foro de moer se ficou até agora; e, quanto à semente, tão pouco a dá el-rei, de modo que tudo ficou às costas dos lavradores e el-rei recebe todos os seus direitos por enchêo. Como pouco tempo há que um Bastião Coelho, morador que foi nestas ilhas, informando a el-rei, fez que se não tomassem, como dantes, dos lavradores e mercadores direitos em pastel, senão que lhos hão-de pagar os que o carregam a dinheiro, e indo Bartolomeu Nogueira por provedor da ilha de São Miguel, trouxe provisões de el-rei que se pagasse somente o dízimo da saída do pastel a dinheiro.

Por ser Govarte Luís tão entendido nos negócios do pastel, como tenho dito, vivendo ele na ilha do Faial, o mandou el-rei vir a esta de São Miguel com cargo de visitar todos pastéis que nela se faziam, e por sobrerrolda dos lealdadores, com o qual cargo e ofício de lealdador-mor viveu depois nesta ilha muitos anos, até que aqui faleceu.

Antre os filhos que teve Govarte Luís, foi um, chamado Bastião Luís, o qual, sendo moço, se foi pera Lisboa, onde serviu a um homem honrado que el-rei mandou por seu feitor a Frandes, e depois de estar lá alguns anos, acabando o tempo de sua feitoria, veio a Lisboa dar sua conta, como é costume, em que o alcançou el-rei em dívida de muita soma de dinheiro, de modo que não tinha com que lhe pagar tanta quantidade e andava mui agastado, dizendo que ele não gastara a fazenda de el-rei, nem lha tomara, e que sempre fizera seu ofício inteiramente, com muita verdade, e não sabia aquele erro onde estava. Andando assi agastado, sem ter remédio, nem se saber determinar, ia à casa dos contos, onde dava sua conta, e com ele Bastião Luís, seu criado, que, como era moço esperto e de bom juízo, vendo as contas que os contadores tomavam a seu amo, disse que não iam certas e, se ele quisesse deixar-lhas fazer com os contadores, esperava em Deus de o livrar, que nada ficasse devendo; porfiando o amo com ele como podia fazer aquilo, pois ele mesmo e outros lhe não podiam dar cabo, como o poderia ele dar, sendo moço? Todavia lhe deixou fazer as contas, com as quais se houve tão bem Bastião Luís e teve tanta habilidade, que as veio acabar sem seu amo ficar devendo coisa alguma a el-rei, com que o amo ficou muito honrado e galardoado com mercês que Sua Alteza lhe fez. E, por el-rei ver a habilidade de Bastião Luís, lhe deu uma feitoria pera a cidade de Goa, onde o serviu muitos anos, na Índia, e, depois que veio ao reino dar suas contas, foram tais e tão boas, que o tornou el-rei a mandar à Índia com cargo de contador-mor, onde esteve muito tempo, até que lá faleceu mui honrado e rico, deixando sua fazenda a parentes seus, a que também em vida fazia bem, por não ser casado.

àcerca (Português (Portugal))

breve historia dos goulart

Desde a imprecisa data do seu descobrimento pelos portugueses, por volta de 1430, o arquipélago dos Açores sofreu, em épocas específicas, deficiências materiais e humanas que marcaram sua existência. Porém, apesar das iniciais dificuldades de desbravamento e ocupação do espaço ilhéu, pela distância e isolamento, suas terras férteis foram um atractivo à colonização portuguesa e depois estrangeira. Pouco a pouco as nove ilhas receberam à medida que foram descobertas gente do continente português, e de locais aonde Portugal mantinha relações político-económicas, como Flandres, principalmente. Isabel de Portugal, filha de D. João I, casada com o Duque de Borgonha, Felipe o Bom, e mãe de Carlos, o Temerário, foi incentivadora ao estabelecimento de uma colónia flamenga nos Açores, quando as lutas desastrosas de seu filho provocaram crises políticas de sobrevivência a gente fidalga e mercadores de Flandres. Assim foi que por volta de 1470 chegaram ao Faial os primeiros flamengos. Depois de uma primeira malograda experiência à procura de metais, Joss van Huetere, flamengo de Bruges, através de manobras políticas, conseguiu casamento com uma dama da Corte portuguesa, Beatriz de Macedo (que servia à mulher do Infante D. Fernando), e a donatária da Ilha do Faial. Segundo o historiador açoriano, Frei Diogo das Chagas, tempos passados, já casado, o flamengo tornou ao Faial, desta vez com um grupo maior de gente preparada para colonizar o território ilhéu. Chegaram artífices, obreiros, marceneiros, e pasteleiros. No grupo de Guilherme da Silveira (Willem van der Haghe), que aportou no último quartel do século XV, vieram um individuo de alcunha Pedro “pasteleiro”, e GOVAERT LODEWIJIK (Goulart Luis), naturais de Flandres, indivíduos que poderíamos hoje dizer, especializados na cultura e produção do pastel. O pastel, planta tintureira que na fermentação de suas folhas dava uma tinta azul muito apreciada e valorizada nas tinturarias de Flandres, foi trazido e plantado na ilha do Faial com grande proveito por Goulart Luis e companheiros. Em pouco tempo, o cultivo se espalhou pelas demais ilhas, principalmente São Miguel, a ponto de se tornar um produto de exportação tão importante economicamente para as ilhas e reino, que o rei passou a estimular a construção de engenhos para moagem e beneficiamento da planta. Tão destacado se tornou Goulart Luis nessa arte tintureira (produção de bolas de pastel) que o rei o mandou para a ilha de São Miguel, onde havia grande cultivo, para exercer o cargo de lealdador-mor (indivíduo que controlava a produção e qualidade das “bolas” de pastel). Goulart Luis deixou então o Faial e fixou definitivamente moradia em São Miguel, até o final de seus dias. Segundo Marcelino Lima (“Goularts”- Monografia Histórico-Genealógica, p. 167), o nome próprio Govaert é que deu origem nos Açores ao apelido Govarte- Gouarte-Gularte. Dos finais do século XV até o século XVIII, essa foi a ortografia usada pelos Goulart açorianos e por aqueles que emigraram para as possessões portuguesas. Mas segundo ainda o historiador, foi o padre açoriano que se transferiu em 1796 para o Brasil, Francisco Vieira Goulart, bacharel em Filosofia, clérigo, poeta e cientista, que por motivo não sabido afrancesou o sobrenome.


Os Goulart se uniram a várias outras famílias dando origem aos Goulart Telles, Garcia Goulart, Goulart da Silveira, Nunes Goulart, Rodrigues Goulart, Medeiros Goulart,...


Segundo conta a história, não se sabe com quem casou, mas sabe-se que teve larga descendência que se espalhou pelas ilhas açorianas e pelas possessões portuguesas.



Notas e referencias bibliográficas:

Genealogias das Quatro Ilhas (Jorge Forjaz e Antonio Ornelas Mendes)

Famílias faialenses (Marcelino Lima)

Anais do Município da Horta (Marcelino Lima)

História dos Açores Vol. I (do descobrimento ao século XX) direcção científica de Artur Teodoro de Matos, Avelino de Freitas de Meneses e José Guilherme Reis Leite.

view all

Lodewijk Govaert, alias Luís Goulart's Timeline

1440
1440
Brugge, West Flanders, Flemish Region, Belgium
1449
1449
????
Azores, Portugal