Start My Family Tree Welcome to Geni, home of the world's largest family tree.
Join Geni to explore your genealogy and family history in the World's Largest Family Tree.

Imigrantes Neerlandeses ao Brasil / Dutch Emigrants to Brazil

« Back to Projects Dashboard

view all

Profiles

Imigração neerlandesa no Brasil foi o movimento migratório ocorrido nos séculos XIX e XX de neerlandeses para várias regiões do Brasil. Apesar da imigração neerlandesa ter sido menos expressiva do que a de outros grupos de imigrantes, os imigrantes neerlandeses formaram cooperativas e empresas agrícolas em todas as regiões onde se estabeleceram colaborando assim com o desenvolvimento da economia brasileira.

Neerlando-brasileiro (popularmente denominado holando-brasileiro) é um brasileiro que possui ascendentes neerlandeses. Também são consideradas neerlando-brasileiros as pessoas nascidas nos Países Baixos mas radicadas no Brasil. A maioria dos neerlando-brasileiros residem em São Paulo,Pernambuco e Rio de Janeiro , mas também encontram-se pequenos grupos em Goiás,Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e na Paraíba. Rio Grande do Norte,Ceará (onde inclusive foi fundado o forte de Schoonenborch, dando origem à capital Fortaleza) e, estado dominado por holandeses durante décadas, e teve Mauricéia (atual cidade do Recife) como a capital holandesa no Brasil.

Antecedentes

Invasão neerlandesa ao Brasil

Não necessariamente em um movimento migratório consentido e natural, mas não menos importante do ponto de vista histórico-cultural e até genético, durante o século XVII, por cerca de um pouco mais de duas décadas, em torno de oitenta mil holandeses invadiram e colonizaram a Capitania de Pernambuco,4 que compreendia os territórios dos atuais estados de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Alagoas e a porção ocidental da Bahia, e posteriormente invadiram a capitania do Maranhão, atuais estados do Maranhão e do Piauí.

Após a invasão militar, muitos holandeses imigram incentivados pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais para o novo território conquistado, para se dedicar a atividade de comerciantes e de senhores de engenho. A ausência de mulheres holandesas estimulou a união e mesmo o casamento de oficiais militares e colonos holandeses com filhas de abastados senhores de engenho luso-brasileiros, e mais informalmente, dos praças militares holandeses com índias, negras, caboclas e mulatas locais, segundo o historiador Eduardo Fonseca, estas uniões teriam gerado na atualidade, cerca de um milhão de brasileiros nordestinos com ascendência holandesa, e que esta origem teria inclusive influenciado parte da cultura nordestina, acredita-se que em suas manifestações culturais, o violino holandês teria sido incorporado, lá sendo chamado de rabeca.

Esses imigrantes invasores eram divididos em dois grupos: os Dienaaren ("servidores", sobretudo militares a serviço da Coroa Holandesa) e os Vrijburghers ("homens livres", os colonos que vieram exercer a função de comerciantes).

Destaca-se que após a derrota para os brasileiros, uma estratégia de sobrevivência dos holandeses também influenciou a ser muito sutil a presença de descendentes de holandeses nas capitais nordestinas, com a vitória brasileira, a maior parte das tropas e colonos holandeses fugiu de volta à Holanda, mas um grande contingente de holandeses não conseguiu ou não quis retornar a Europa, principalmente comerciantes e numerosos soldados desertores do Exército Holandês,6 muitos destes já estava há mais de vinte anos no Brasil, totalmente adaptados, falavam português, uniram-se com brasileiras e tinham filhos nascidos no Brasil, e seus negócios eram no Brasil. Com isso, muitos holandeses e suas famílias fugiram para o interior, o mais longe possível das capitais e grandes centros urbanos, principalmente para cidades litorâneas,7 do interior do chamado nordeste setentrional, principalmente em Pernambuco, Rio Grande do Norte e Ceará, onde ocultavam ou "aportuguesavam" seus nomes de origem holandesa, para fugir das tropas brasileiras e também da Inquisição católica, que também os perseguia por serem em maioria calvinistas ou judeus.

Segunda Guerra Mundial

Com a abolição da escravatura no Brasil, o governo brasileiro passou a procurar substitutos para a mão-de-obra escrava na Europa com o objetivo de desenvolver o interior do país. As causas para a imigração neerlandesa ao Brasil encontram-se na miséria, no desemprego e na devastação causada pela Segunda Guerra Mundial nos Países Baixos.

A posse rural e a possibilidade de formar núcleos agrícolas foram os principais fatores que atraíram os imigrantes neerlandeses ao Brasil.

Imigração

A imigração neerlandesa no Brasil teve início em 1858 com a chegada dos primeiros imigrantes neerlandeses ao Brasil, oriundos da província Zelândia, que fundaram em 1860 a colônia Holanda no Espírito Santo. Os imigrantes formaram uma companhia com o objetivo de vender os bens produzidos. Porém os bens produzidos só foram utilizados para o auto-consumo devido às dificuldades encontradas pelos imigrantes, impedindo a expansão da colônia.

Auge

O auge da imigração neerlandesa ocorreu entre 1899 e 1940, quando cerca de 8.200 neerlandeses imigraram ao Brasil. O governo brasileiro iniciou um projeto de colonização para a instalação de imigrantes europeus. Em 1908, imigrantes neerlandeses, vindos da província Holanda do Sul, estabeleceram a colônia Gonçalves Júnior em Irati no Paraná. Os imigrantes neerlandeses encontraram diversas dificuldades como matas densas, endemias, pragas de gafanhotos, porcos-do-mato e ratos, que resultaram na dispersão da colônia.

Em 1911, um grupo de 450 imigrantes neerlandeses da província Holanda do Sul, entre eles colonos de Gonçalves Júnior em Irati, estabeleceram-se em Castro, onde fundaram a colônia Carambeí, atualmente um município emancipado. Os imigrantes neerlandeses fundaram em 1925 a Sociedade Cooperativa Hollandeza de Laticínios Batavo, a primeira cooperativa de laticínios do Brasil, nacionalmente conhecida como Batavo desde 1941 e considerada uma cooperativa exemplar. A Cooperativa Batavo, junto à Cooperativa Castrolanda e à Cooperativa Agropecuária Arapoti, formaram a Cooperativa Central de Laticínios do Paraná, também localizada em Carambeí e responsável por uma das maiores bacias leiteiras do Brasil.

Segunda fase

A segunda fase da imigração neerlandesa ocorreu de 1946 a 1976, quando 6.098 neerlandeses imigraram ao Brasil.

A devastação causada pela Segunda Guerra Mundial fez com que o governo neerlandês estimulasse a emigração de neerlandeses para a Austrália, Brasil, Canada e França. Estes imigrantes trouxeram consigo tratores, máquinas agrícolas e cabeças de gado.

Um grupo de aproximadamente 500 imigrantes neerlandeses, oriundos da província Brabante do Norte, imigram para o Brasil e fixam-se na antiga fazenda Ribeirão em São Paulo. Lá os imigrantes neerlandeses fundam em 14 de julho de 1948 a colônia Holambra I e a Cooperativa Agro Pecuária Holambra. Em 1951 inicia-se o cultivo de flores, expandido entre 1958 e 1965.15 Em 1989 é instalado o Veiling Holambra, o maior centro de comercialização de plantas e flores do Brasil.16 Holambra, nacionalmente denominada "a cidade das flores", é o maior produtor e exportador florícola do Brasil.

Um grupo de imigrantes neerlandeses fixam-se em 1949 na fazenda Monte Alegre (Telêmaco Borba), no Paraná, adquirida pela empresa Klabin em 1934. A empresa põe a fazenda à disposição dos imigrantes para estes fornecerem laticínios aos seus funcionários. O término do contrato com a Klabin na década de 1970 resulta na dispersão da colônia e no retorno de muitos colonos aos Países Baixos.

Em 1949, imigrantes neerlandeses estabelecem-se em Não-Me-Toque no Rio Grande do Sul. Os neerlandeses foram o último grupo de imigrantes, depois dos portugueses, alemães e italianos, a fixarem-se em Não-Me-Toque. Eles adquirem as terras desgastadas e rejeitadas pelos imigrantes alemães, estabelecendo modernas empresas agrícolas. Os neerlandeses iniciam o plantio de batata e milho, posteriormente tornando-se grandes produtores de soja e trigo.

Um grupo de imigrantes neerlandeses, oriundos das províncias Drente e Overijssel, junto aos filhos dos colonos de Carambeí estabeleceram em 1951 a colônia Castrolanda, no Paraná.20 No mesmo ano fundaram a Sociedade Cooperativa Castrolanda, considerada a mais produtiva e avançada bacia leiteira do país e responsável por uma considerável produção de grãos.

Em 1960, um novo grupo de imigrantes neerlandeses junto à colonos de Castrolanda e Carambeí estabeleceram-se em Arapoti, no Paraná. Lá, fundaram a Cooperativa Agropecuária Arapoti (Capal), cuja principal atividade econômica é a suinocultura.

Imigrantes neerlandeses, oriundos da província Brabante do Norte, junto à descendentes dos colonos de Holambra fundam em 1960 a colônia Holambra II em Paranapanema, São Paulo. Os imigrantes fundaram a Cooperativa Agro-Industrial Holambra, cuja principais atividades econômicas incluem a produção de flores e de frutas que são comercializadas através de um leilão.

Declínio

A imigração neerlandesa para o Brasil continua, mas com menos vigor que antes, quando era estimulada e apoiada pelo Governo.

A situação econômica do Brasil entre a década de 1980 e o início da década de 2000 também contribuiu para o declínio da imigração neerlandesa para o Brasil.

Fonte: WP

Imigrantes neerlandeses no Geni

  1. Antonio Von Helden (Holanda, 12 de junho de 1903 - Passo Fundo, Rio Grande do Sul, 17 de novembro de 1980) casado com Olga Von Helden.
  2. Arnaud de Holanda (Utrecht, ? -- Pernambuco, 24/6/1614) casado com Brites Mendes de Vasconcelos.
  3. Guilhermina (Wilhelmina) van Helden Gerlach (Dussen, Netherlands, 27/03/1903 - Iraí, Rio Grande do Sul, ?) casado em Iraí, Rio Grande do Sul com Rodolfh Gerlach (? - ?).
  4. Hendrik Weijer Harten (South Pesisir, West Sumatra, Indonesia, 15 de abril de 1882 - Recife, Pernambuco, c. 1943) casado com Maria Souza Jardim.
  5. Hendrika van Helden (Wijk, Netherlands, 29/12/1893 - ?).
  6. Henrique (Hendrikus) van Helden (Almkerk, Netherlands, 23/11/1898 - Ajuricaba, Rio Grande do Sul, ?), casado em Ajuricaba, Rio Grande do Sul, 12/06/1920, com Juliana Frederica (Stahl) van Helden (Ajuricaba, Rio Grande do Sul, 16/02/1896 - Santo Angelo, Rio Grande do Sul, ?).
  7. Herberdina (Huiberdina) van Helden Nuglisch (Almkerk, Netherlands, 19/08/1897 - Iraí, Rio Grande do Sul, ?) casada em 28/09/1918, em Ajuricaba, Rio Grande do Sul, com Wilhelm Nuglisch (Alemanha, ? - ?).
  8. Hilka (Heiltje) van Helden (Wijk, Netherlands, 01/12/1892 - Ijui, Rio Grande do Sul, 14/12/1957) casada em 07/03/1914, em Ajuricaba, Rio Grande do Sul, com Josef Turczinski (? - Ajuricaba, Rio Grande do Sul, 07/02/1935).
  9. Jacob (Jakobus) van Helden (Wijk, Netherlands, 22/08/1864 - Ajuricaba, Rio Grande do Sul, 27/10/1938) casado em 02/06/1892 em Wijk, Netherlands com Joanna (Janna) Gerdina Millenaar (Wijk, Aalburg, Netherlands, 02/06/1872 - Ajuricaba, Rio Grande do Sul, 17/01/1934), chegaram ao Brasil em 1909, acompanhados de seus filhos.
  10. Jacobus van Helden (Dussen, Netherlands, 20/05/1904 - ?).
  11. Jan van Helden (Dussen, North Brabant, The Netherlands, 22/12/1901 - ?)
  12. Jean Joseph L. Spiritus (Sint Joost, Echt-Susteren, Limburg, The Netherlands, 28 de junho de 1883 - São Paulo, 29 de dezembro de 1972] casado com Maria Elisa Ferreira Tinoco.
  13. Joana (Janneke) van Helden (Wijk, Netherlands, 19/02/1895 - ?).
  14. Maikee van Helden (Almkerk, North Brabant, The Netherlands, 28/05/1900 - Ajuricaba, Rio Grande do Sul, 12/12/1914).
  15. Maria van Helden (Wijk, Netherlands, 30/05/1896 - Toledo, Paraná, ?) casada em 09/04/1919, em Ajuricaba, Rio Grande do Sul, com Ludowigo Kukovitsch (Áustria, ? - Rio Grande do Sul, ?).
  16. Piter Cornelis von Söhsten nasceu na Holanda em 1815 e veio para Pernambuco em 1841, onde se casou com Emília Marques da Costa Soares.
  17. Rokus van Helden (Dussen, Netherlands, 20/11/1906 - ?).
  18. Tenius van Helden (Dussen, Netherlands, 22/05/1905 - ?).