Start My Family Tree Welcome to Geni, home of the world's largest family tree.
Join Geni to explore your genealogy and family history in the World's Largest Family Tree.
view all

Profiles

  • Andrzej Bączyński (1851 - 1918)
    GEDCOM Note Segundo Certidão de Nascimento de João Bonczynski, Andre teria casado na Polônia GEDCOM Note Chegou ao Brasil no Navio Stuttgart em 1889 AU (nr 112) - AS (nr 327) -
  • Maria Clara Becker (1840 - 1921)
    Reference: FamilySearch Family Tree - SmartCopy : Aug 12 2021, 21:33:06 UTC
  • Phillip Becker (1878 - 1965)
    Reference: FamilySearch Family Tree - SmartCopy : Aug 12 2021, 21:31:53 UTC
  • Mathilde Becker (1882 - 1946)
    Reference: FamilySearch Family Tree - SmartCopy : Aug 12 2021, 21:30:44 UTC
  • Frederico Guilherme Krahn (1860 - 1945)
    Óbito: Reference: FamilySearch Family Tree - SmartCopy : Aug 12 2021, 21:30:44 UTC

Imigração Polonesa

Os imigrantes poloneses no Brasil não formam um número expressivo como os italianos e portugueses. Porém, um grande número de imigrantes estabeleceu-se no país entre 1841 e 1971. Calcula-se que em um século [1869-1970] entraram 130.292 imigrantes poloneses no Brasil, dos quais 50% estão radicados ou deixaram descendentes no Paraná, 38% no Rio Grande do Sul, 5% em Santa Catarina, e o restante em outros estados 1 . A primeira grande leva de imigrantes chegou ao Espírito Santo, em 1841, com cerca de 300 famílias (segundo Jan Piton).

No Paraná, se estabeleceram em áreas próximas a Curitiba, exemplo: as cidades da Lapa, Araucária e Contenda, a zona rural e totalmente formada por descendência Eslava (Poloneses e Ucranianos). No interior do Estado, ajudaram a fundar cidades como Mallet, Castro, Ponta Grossa, Cruz Machado, São Mateus do Sul, Irati, Apucarana e União da Vitória. Depois os poloneses rumaram para o oeste, atraídos pela fertilidade de suas terras e hoje são o maior grupo étnico de Campo Mourão, que recebeu imigrantes vindos da cidade de Pitanga. Em Pitanga está uma das maiores colônias polonesas. Teve também casos de imigrantes em Cascavel, Toledo, Telêmaco Borba, dentre outros municípios.

Entre 1841 e 1971 eram pequenos fazendeiros do interior do Paraná. Depois, alguns poloneses também foram trabalhar em fazendas de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

Em 1928, o então governo do Estado do Espírito Santo, representado pelo Sr. Aristeu Borges de Aguiar, juntamente com Dr. Walery Korszarowski, celebraram um contrato de colonização Towarzystwo Kolonizacyjne com a Polônia. Este contrato previa a introdução de poloneses no norte do Espírito Santo. Ai que grande parte da Família Zimberknopf veio para o Brasil e assim, mais tarde, se dissipando para outras regiões do país.

No ano 1929, famílias polonesas que desembarcaram no Brasil decidiram criar um novo vilarejo no estado do Espírito Santo. Nascia naquele ano o município de Águia Branca, cujo nome foi inspirado no símbolo da nação Polonesa que se estende desde a Idade Média.

Na década de 1920, vários imigrantes poloneses judeus estabeleceram-se na cidade de São Paulo, fugiam da deterioração da economia polonesa,ainda com poucas indústrias, e consequentemente do aumento do desemprego. Em São Paulo, tornaram-se comerciantes, a maioria no pequeno comércio, apesar de alguns, cerca de 20%, ingressar na indústria como operários, principalmente aqueles que vinham da Polônia sem empregos.

Cultura Polonesa no Brasil

O estado do Paraná é o estado com maiores influências da cultura polonesa no Brasil. Muitos descendentes falam o idioma polonês como língua materna. Dom Feliciano é a cidade com maior influencia Polonesa no Rio Grande do Sul, tendo 90% da população descente de poloneses. Curitiba é a segunda cidade fora da Polônia com o maior número de habitantes de origem polaca, superada apenas por Chicago, nos Estados Unidos.2 3 É a única cidade brasileira a possuir grafia em idioma polonês: Kurytyba.2 A música e a culinária polonesas são marcas profundas no estado.

Religião

A maioria dos imigrantes poloneses se consideravam católicos, expressando suas crenças em igrejas da própria comunidade onde se reuniam.

Fonte: WP

Imigrantes poloneses no Geni

  • Hertha Spier (Bielsko-Biała, Silesian Voivodeship, 1918 -- ), nascida Hertha Gruber, é uma sobrevivente do holocausto que, depois da guerra, veio para o Brasil e foi acolhida por amigos. Até hoje leva no braço seu número de prisioneira,”A21646″, tatuado quando esteve confinada em Auschwitz.

Imigração Polonesa

Os imigrantes poloneses no Brasil não formam um número expressivo como os italianos e portugueses. Porém, um grande número de imigrantes estabeleceu-se no país entre 1841 e 1971. Calcula-se que em um século [1869-1970] entraram 130.292 imigrantes poloneses no Brasil, dos quais 50% estão radicados ou deixaram descendentes no Paraná, 38% no Rio Grande do Sul, 5% em Santa Catarina, e o restante em outros estados 1 . A primeira grande leva de imigrantes chegou ao Espírito Santo, em 1841, com cerca de 300 famílias (segundo Jan Piton).

No Paraná, se estabeleceram em áreas próximas a Curitiba, exemplo: as cidades da Lapa, Araucária e Contenda, a zona rural e totalmente formada por descendência Eslava (Poloneses e Ucranianos). No interior do Estado, ajudaram a fundar cidades como Mallet, Castro, Ponta Grossa, Cruz Machado, São Mateus do Sul, Irati, Apucarana e União da Vitória. Depois os poloneses rumaram para o oeste, atraídos pela fertilidade de suas terras e hoje são o maior grupo étnico de Campo Mourão, que recebeu imigrantes vindos da cidade de Pitanga. Em Pitanga está uma das maiores colônias polonesas. Teve também casos de imigrantes em Cascavel, Toledo, Telêmaco Borba, dentre outros municípios.

Entre 1841 e 1971 eram pequenos fazendeiros do interior do Paraná. Depois, alguns poloneses também foram trabalhar em fazendas de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

Em 1928, o então governo do Estado do Espírito Santo, representado pelo Sr. Aristeu Borges de Aguiar, juntamente com Dr. Walery Korszarowski, celebraram um contrato de colonização Towarzystwo Kolonizacyjne com a Polônia. Este contrato previa a introdução de poloneses no norte do Espírito Santo. Ai que grande parte da Família Zimberknopf veio para o Brasil e assim, mais tarde, se dissipando para outras regiões do país.

No ano 1929, famílias polonesas que desembarcaram no Brasil decidiram criar um novo vilarejo no estado do Espírito Santo. Nascia naquele ano o município de Águia Branca, cujo nome foi inspirado no símbolo da nação Polonesa que se estende desde a Idade Média.

Na década de 1920, vários imigrantes poloneses judeus estabeleceram-se na cidade de São Paulo, fugiam da deterioração da economia polonesa,ainda com poucas indústrias, e consequentemente do aumento do desemprego. Em São Paulo, tornaram-se comerciantes, a maioria no pequeno comércio, apesar de alguns, cerca de 20%, ingressar na indústria como operários, principalmente aqueles que vinham da Polônia sem empregos.

Cultura Polonesa no Brasil

O estado do Paraná é o estado com maiores influências da cultura polonesa no Brasil. Muitos descendentes falam o idioma polonês como língua materna. Dom Feliciano é a cidade com maior influencia Polonesa no Rio Grande do Sul, tendo 90% da população descente de poloneses. Curitiba é a segunda cidade fora da Polônia com o maior número de habitantes de origem polaca, superada apenas por Chicago, nos Estados Unidos.2 3 É a única cidade brasileira a possuir grafia em idioma polonês: Kurytyba.2 A música e a culinária polonesas são marcas profundas no estado.

Religião

A maioria dos imigrantes poloneses se consideravam católicos, expressando suas crenças em igrejas da própria comunidade onde se reuniam.

Fonte: WP

Imigrantes poloneses no Geni

  • Hertha Spier (Bielsko-Biała, Silesian Voivodeship, 1918 -- ), nascida Hertha Gruber, é uma sobrevivente do holocausto que, depois da guerra, veio para o Brasil e foi acolhida por amigos. Até hoje leva no braço seu número de prisioneira,”A21646″, tatuado quando esteve confinada em Auschwitz.