Start My Family Tree Welcome to Geni, home of the world's largest family tree.
Join Geni to explore your genealogy and family history in the World's Largest Family Tree.
view all

Profiles

  • Martim Afonso Charneca, Bispo de Coimbra, Arcebispo de Braga (c.1360 - 1416)
    Solar da Quinta dos Lagares d'El-Rei. O Morgado dos Lagares, ou Senhorio dos Lagares d'El-Rei, com Solar particular na freguesia de Alvalade (Lisboa), em Portugal, proveio de uma doação de D. João I, a...
  • D. Teotónio de Bragança, arcebispo de Évora (1530 - 1602)
    D. Teotónio de Bragança, S.J. (Coimbra, 2 de Agosto de 1530 - Valladolid, 24 de julho de 1602) era o quinto filho do 4.º Duque de Bragança Jaime I de Bragança e da sua segunda esposa Joana de Mendonça,...
  • Egas Fafes, Bispo de Coimbra (b. - 1268)
    Egas Fafes. Bispo de Coimbra entre 1248 e 1267. Teve uma relação amorosa com Maria Viegas de Regalados, de quem deixou descendência..D. Egas Fafes (1248.12.15-1267.12.18) - Era Arcediago da Sé de Braga...
  • João Anaia, 2.° Sr. de Góis e 6.° Bispo de Coimbra (b. - c.1161)
    D. João Anaia era filho de D. Anaia Vestrariz da Estrada, 1.° Senhor de Góis, e de sua mulher Ermesenda.Foi 2.° Senhor de Góis e 6.° Bispo de Coimbr a desde 1148, tendo sido deposto em 1154 ou 1155. ão...
  • D. Maurício Burdino, Bispo de Coimbra (1099 - c.1137)
    O Antipapa Gregório VIII (Limousin, ? - Salerno, Agosto de 1137) foi antipapa durante um breve período de tempo na primeira metade do século XII, de 10 de Março de 1118 a 22 de Abril de 1121. De seu no...

Sumula e resumo dos Bispos de Coimbra:

Fonte I : https://pt.wikipedia.org/wiki/Diocese_de_Coimbra

Outras Fontes:

A Catedral de Coimbra Dividida, Sé Velha de Coimbra

http://sevelha-coimbra.org/index.php?view=article&id=120%3Aa-catedr...

http://www.gcatholic.org/dioceses/diocese/coim1.htm

http://www.diocesedecoimbra.pt/diocese/historia/bispos

«Diocese de Coimbra: História - Bispos». diocesedecoimbra.pt. 2011. Consultado em 2 de junho de 2011

MORUJÃO, Maria do Rosário Barbosa - “La famille d’Ébrard et le clergé de Coïmbra aux XIIIe et XIVe siècles”. In A Igreja e o clero português no contexto europeu. Lisboa: CEHR/UCP, 2005, p. 77-91.

MORUJÃO, Maria do Rosário Barbosa - “famille d’Ébrard et le clergé de Coïmbra aux XIIIe et XIVe siècles”..., p. 77-91.

MORUJÃO, Maria do Rosário Barbosa - “Bispos em tempos de guerra: os prelados de Coimbra na segunda metade do século XIV”. In A guerra e a sociedade na Idade Média. Vol. 1. [Torres Novas]: SPEM, 2009, p. 539-550.

Ligações externas:

Commons O Commons possui imagens e outras mídias sobre Diocese de Coimbra

Site oficial (em português)

Diocese de Coimbra - gcatholic.org (em inglês)

Diocese de Coimbra - Catholic Hierarchy (em inglês)

Diocese de Coimbra - Catholic Encyclopedia (em inglês)

MORUJÃO, Maria do Rosário Barbosa - A Sé de Coimbra: a instituição e a chancelaria (1080-1325). Lisboa, FCT/FCG, 2010.

MORUJÃO, Maria do Rosário Barbosa - “La famille d’Ébrard et le clergé de Coïmbra aux XIIIe et XIVe siècles”. In A Igreja e o clero português no contexto europeu. Lisboa: CEHR/UCP, 2005, p. 77-91.

MORUJÃO, Maria do Rosário Barbosa - “Bispos em tempos de guerra: os prelados de Coimbra na segunda metade do século XIV”. In A guerra e a sociedade na Idade Média. Vol. 1. [Torres Novas]: SPEM, 2009, p. 539-550.

PAIVA, José Pedro - Os bispos de Portugal e do Império. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2006.

Coimbra chamava-se outrora Emínio e em 569 era uma florescente paróquia da Diocese de Conímbriga. No último quartel do século VI, o bispo de Conímbriga (Condeixa-a-Velha) veio fixar-se em Emínio e com ele vieram a população e a Cúria Episcopal e o nome de Coimbra substituiu para sempre o nome de Emínio.

Os Árabes tomaram Coimbra em 712 e assenhorearam-se dela, com uma pequena interrupção, até 1064. Em Julho deste ano foi conquistada aos mouros por Fernando Magno de Leão.

Foi seu primeiro bispo, depois desta reconquista, D. Paterno que, em Abril de 1086, criou a primeira escola catedralícia. Por esta altura, D. Sesnando, alvasil de Coimbra, dava aos Bispos para a habitação o Forum Romano que, ampliado e embelezado pelos Prelados subsequentes, foi Paço Episcopal até 1911.

Pela acção de D. Miguel Salomão e com dinheiro régio foi construída, entre os anos 1140-1180, a Catedral (Sé Velha), que se tornou centro da vida citadina.

Situada no centro do País, a jurisdição do seu Bispo estendeu-se, depois da reconquista cristã, até Viseu e Lamego no século XII. Leiria e Aveiro pertenceram à diocese de Coimbra até 1545 e 1774 respectivamente. Criadas dioceses naquelas datas, foram extintas e incorporadas em Coimbra em 1882. Leiria foi, porém, restaurada em 1918 e Aveiro em 1938.

Durante o tempo do rei D. José e do governo do Marquês de Pombal o bispo desta diocese, D. Miguel da Anunciação, da famigerada família Távora, foi encerrado na prisão sem acusação nem julgamento durante 9 anos e a Catedral de Coimbra foi reduzida a capela e dada à Santa Casa da Misericórdia, depois de ter sido esvaziada do seu rico património e deitado por terra o claustro e dependências anexas. Assim como, na sequência da expulsão dos jesuítas o Cabido mudou da sua Sé Velha para a Sé Nova, igreja do colégio da Companhia de Jesus. A perseguição só acabou com a morte do monarca e a demissão do segundo.

Actualmente a Diocese de Coimbra estende-se por uma superfície de 5300 km² compreendendo todo o distrito de Coimbra, à excepção da freguesia de S. Gião, de Oliveira do Hospital; o concelho da Mealhada, do distrito de Aveiro; Mortágua, do distrito de Viseu; Alvaiázere, Ansião, Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos, Pedrógão Grande e parte de Pombal, do distrito de Leiria; Ferreira do Zêzere, do distrito de Santarém.

A sua população é de 545.000 habitantes, distribuídos por 268 freguesias e reitorias, 24 Arciprestados e 4 Regiões Pastorais.

Bispos de Coimbra

Sé Velha de Coimbra, Século XII. Segue-se uma lista dos bispos de Coimbra (Conímbriga/Emínio/Colímbria)

A partir de Dom João Galvão (1460-1481), por Decreto de 25 de Setembro de 1472 de D. Afonso V de Portugal, passaram os Bispos de Coimbra a ostentar o título de Condes de Arganil (donde resulta serem chamados bispos-condes).

Bispos de Emínio

01 Lucêncio (561, 572), O primeiro Bispo que se conhece no centro do país e cuja sede episcopal era em Conimbriga (Condeixa-a-Velha). Era abade do convento de Lorvão. Assistiu ao primeiro concílio provincial de Braga (561) presidido por Lucrécio, e ao segundo (572), efectuado sob a presidência de São Martinho de Dume. Faleceu em 10.4.580.

02 Possidónio (589). Assistiu ao terceiro concílio de Toledo (589) e assinou as Actas do concílio., como Bispo de Emínio, o que deve entender-se como residindo já em Emínio, a actual Coimbra. De facto, com a vinda do Bispo, da Cúria episcopal e da população de Conimbriga para Emínio, esta recebeu o nome de Coimbra.

03 Hermulfo ou Ermulfo (633). Era monge do mosteiro de Lorvão e foi eleito pelo Clero e povo da cidade como sucessor de Possidónio. Convidado a assistir ao quarto concílio de Toledo (633), fez-se representar pelo Arcipreste da Sé conimbricense, o presbítero Renato.

04 Renovato ou Renato (638).Sucessor de Ermulfo, tomou parte, no sexto concílio de Toledo em 638.

05 Sisiberto (653). Assistiu ao oitavo e décimo concílios de Toledo, respectivamente em 653 e 656.

06 Cantaber ou Cantâbro (666). Era descendente da mais ilustre família de Conímbriga: a família Cântaber. Tomou parte no segundo concílio metropolitano de Mérida em 666 e assinou as Actas como Bispo de Coimbra. Segundo o cânon 10 deste concílio, deve ter instituído na Catedral as Dignidades de Arcediago e Primicério (Primiclerus).

07 Gomiro ou Miro (683, 688). (ou Gomiro) Sucessor na Sé de Coimbra de Cântabro, assistiu aos concílios décimo terceiro e décimo quinto de Toledo, celebrados, respectivamente, em 683 e 688.

08 Emila ou Esnila (693). Assistiu ao décimo sexto concílio de Toledo em 693. Foi o último Bispo de Coimbra no tempo dos Godos.

09 Nausto (867-†912). Foi o primeiro Bispo, depois da primeira reconquista cristã de Coimbra. Assistiu à dedicação da igreja de S. Tiago de Compostela (900) e ao concílio de Oviedo em 901. Resignou a 11 de Janeiro de 906. Faleceu a 21 de Novembro de 912. (Depois da resignação Nausto governou a Diocese (906-912)

10 Froarengo (905-†915).Froarengo, Bispo e administrador apostólico. Pio Bonifácio Gams, 1. c., diz explicitamente que Gonsalo Osorio e Gomaldo não foram Bispos de Coimbra.)Certamente durante o período árabe houve Bispos em Coimbra, embora só conheçamos o nome de Servando que em 760 encontramos a assinar uma doação ao mosteiro de Lorvão

11 Diogo (912-922/24). Encontra-se a sua assinatura nos privilégios que o rei Ordonho concedeu em 913 ao mosteiro de São Martinho de Compostela.

12 Pelágio (928-931)

13 Gondesindo (937-950/55). A sua assinatura aparece num documento em que o rei Ranemino, em 942, fez doação das aldeias de Alvalat e Pedrulha, ao mosteiro de Lorvão.

14 Guilherme (961?)

15 Viliulfo (974-982). A assinatura deste Bispo é explícita numa doação feita por Muna (968) ao mosteiro de Lorvão.

16 Pelágio (986). Pelágio aparece assinando uma doação de Vermudo II, rei de Leão, ao mosteiro de Cela Nova, na Galiza. foi o último Bispo de Coimbra de que há memória, antes da conquista de Coimbra por Almansor.

Bispos de Coimbra

D. Paterno (1080 - †1087). D. Paterno (1080-1087.05) - Tinha sido Bispo de Tortosa (Espanha) donde foi transferido para Coimbra a convite de Sisenando, governador do distrito de Coimbra, e do rei de Leão, D. Fernando. Reorganizou o Clero da Catedral em forma de Corporação a que deu um "Proposto" e fundou a Escola da Catedral. Faleceu em Maio de 1087.

D. Crescónio (1092 - †1098)

D. Maurício Burdino (1099 - 1108), depois arcebispo de Braga (1109-1117), antipapa de 1118-1121, † depois de Ago. 1137.

D. Martinho Simões (1088-1091) Bispo eleito - Era Deão do Cabido da Sé de Coimbra. Foi designado sucessor de D. Paterno pelo Governador de Coimbra, Sisenando. O povo e o Clero da cidade não o aceitaram e Martinho Simões nunca recebeu a sagração. Durante quatro anos usou o título de Bispo eleito. Nesta qualidade assistiu ao concílio de Fuzellos (23.3.1088). Morreu Deão do Cabido em 1127

1092-1098 - D. CRESCÓNIO. Crescónio (1092.04.12-1098.06.22) - Era monge e abade do mosteiro beneditino de S. Bartolomeu de Tui. Foi eleito Bispo de Coimbra no concílio de Hussillos (1092) e confirmado pelo Arcebispo de Toledo, D. Bernardo. Por doações particulares e condais começou por adquirir para a Sé um património que lhe permitisse fazer face ? s despesas com a escola da Catedral. Faleceu a 22.6.1098.

D. Maurício (18.3.1099-23.1.1109) Era monge beneditino da abadia de Limoges (França) e veio para Espanha em 1095. Foi designado Bispo de Coimbra e sagrado em 1099. Foi um Bispo zeloso e trabalhou muito pela elevação espiritual do Clero e fiéis da Diocese. No seu tempo foi substituído, por completo, o rito hispânico pela Liturgia Romana, introduzida pelo seu antecessor. Visitou os Lugares Santos levando com ele o Arcediago D. Telo. Pela bula Apostolicae sedis, de 23 de Março de 1102, foi encarregado pelo Papa Pascoal II do governo dos Bispados de Lamego e Viseu. Foi transferido para Arcebispo de Braga a 23 de Janeiro de 1109.

D. Gonçalo Pais (1109 - †1127). D. Gonçalo (1109-17.4.1125) - Em 1111 já era Bispo de Coimbra, D. Gonçalo, "homem de sincera e exemplar virtude". Dada a pobreza da Sé, o conde D. Henrique e D. Tereza doaram - lhe o mosteiro de Lorvão e as terras e castelos de Coja e Arganil. No pontificado de D. Gonçalo, em 1117, Coimbra sofreu uma investida dos sarracenos. Faleceu em 17 de Abril de 1125.

D. Bernardo (1128 - †1146). D. Bernardo (1128.09.03-1147.01.27) - Era monge beneditino, arcediago de Braga, quando em 3 de Setembro de 1128, patrocinado por D. Afonso Henriques, foi eleito Bispo de Coimbra. No seu pontificado, em 28 de Junho de 1131 foi fundado o mosteiro de Santa Cruz. Em 1140, depois da paz de Zamora, foi reconhecido o título de rei a D. Afonso Henriques. Em 1144, o Papa Lúcio II aceitou a vassalagem do reino ? Santa Sé. Foi integérrimo defensor dos direitos diocesanos contra os Cónegos Regrantes de Santa Cruz, o Arcebispo D. João Peculiar e D. Hugo, bispo do Porto. Faleceu em Coimbra em 27 de Janeiro de 1147.

D. João Anaia (1148 - 1154/1155), deposto; † 1161. D. João Anaia ou Cirita (1147-1155) - Muito generoso para com a Sé, doou ao Tesouro muitas peças de prata e alfaias para o culto. Tomou parte no concílio provincial de Braga em 1148. Teve graves desavenças com o metropolita D. João Peculiar, que o depôs em 1155 e o obrigou a exilar-se para Zamora (Espanha) onde faleceu em 21 de Fevereiro de 1159. Os seus restos mortais foram sepultados cm Coimbra.

D. Miguel Salomão (1162 - 1176), resignou e † 1180. D. Miguel Paes Salomão (1158-1176) - Foi Deão da Sé e um dos fundadores do mosteiro de Santa Cruz. Durante o seu pontificado as obras da Sé receberam grande incremento. Concedeu aos religiosos de Santa Cruz grandes privilégios, isentando da jurisdição episcopal todos os habitantes do mosteiro e suas terras, originando assim o "Isento de S. Cruz". Em 18 de Fevereiro de 1163 celebrou-se em Santa Cruz um concílio provincial, presidido pelo Arcebispo D. João Peculiar, onde foi canonizado S. Teotónio. Em 1176 renunciou à Mitra de Coimbra e recolheu-se ao mosteiro de Santa Cruz, onde faleceu a 5 de Agosto de 1180.

D. Bermudo (1178 - †1182). D. Vermudo ou Bermudo (1177-1182.09.05) - Adquiriu para a Sé várias propriedades, aumentando-lhe assim o património. Doou a Albergaria da Serra de Carvalho, na freguesia do mesmo nome, a terceira parte das rendas da igreja de Carvalho, no ano de 1178. Faleceu em 5.9.1182

D. Pedro - Segundo deste nome. Bispo eleito em 1182.

D. Martinho Gonçalves (1183 - †1191). D. Martim Gonçalves (1183.05-1193.09.04) - No seu pontificado celebrou-se a composição entre a Sé de Compostela e a Sé de Coimbra sobre a igreja de S. Tiago na praça de S. Bartolomeu em Coimbra. Foi D. Martim Gonçalves que coroou na Catedral, em 9 de Dezembro de 1185, o rei D. Sancho I e a rainha D. Dulce. Faleceu em 4 de Setembro de 1193.

D. Pedro Soares (1192 - 1232), destituído, †1233. D. Pedro Soeiro ou Soares (1193-1232.05.25) - Durante o seu pontificado, em 1217, a infanta D. Sancha fundou o mosteiro de Celas ou de Santa Maria de Vimarães; também neste ano os Franciscanos da Província da Soledade se instalaram em S. António dos Olivais; em 1227, a Rainha de Castela, D. Branca, fundou o mosteiro dos Dominicanos; em Janeiro de 1220 foram martirizados, em Marrocos, cinco mártires franciscanos que tinham estado em Coimbra e as suas relíquias foram trasladadas para a igreja de Santa Cruz. Em 1205, por interferência deste Prelado, o rei D. Sancho obteve do Papa Inocêncio III a cedência do mosteiro beneditino de Lorvão para as religiosas cistercienses. A Diocese de Coimbra recebeu em 1228 a visita do Legado Papal, Cardeal João Abavila, que pôs termo a muitas questões entre os Clérigos da Sé. D. Pedro Soares resignou em 25.5.1232 e faleceu a 22 de Junho de 1233.

D. Tibúrcio (1234 - †1246). D. Tibúrcio (1234.05.27-1246.11.22) - Era Cónego tesoureiro da Sé de Falência (Espanha) quando foi nomeado Bispo de Coimbra pelo Papa Gregório IX. Devido às discórdias que grassavam no Reino, no tempo de D. Sancho II e entre os Cónegos da Sé, retardou a sua vinda para Coimbra por três anos e foi necessário que o Papa lha impusesse por obediência. Tomou parte no concílio de Lião em 1245 e foi portador para Portugal da bula do Papa Inocêncio IV que depôs D. Sancho II. Faleceu a 22 de Novembro de 1246.

D. Domingos (†1247). D. Domingos ou Mestre Domingos (1246-1247) - Na morte de D. Tibúrcio, os Cónegos reuniram-se em Montemor-o-Velho e elegeram para Bispo de Coimbra Mestre Domingos, sacerdote de grande ilustração. Em 1247 foi fundado o convento franciscano entre pontes, que em 1602, devido ao assoreamento do rio, foi transferido para o monte da Esperança. Nove meses depois de ter sido eleito, faleceu em 1247 sem que fizesse a sua entrada na Catedral e cidade de Coimbra.

D. Egas Fafes (1247/1248-1267), arcebispo de Compostela (1267 - †1268). D. Egas Fafes (1248.12.15-1267.12.18) - Era Arcediago da Sé de Braga quando, em 1247, o Cabido da Sé de Coimbra o elegeu para seu Bispo. Foi confirmado pelo Papa Inocêncio IV, em 15 de Dezembro de 1248. Assistiu em 1252 à sagração da igreja de Alcobaça. Em Maio de 1261 tomou parte no concílio nacional de Braga. Foi a Roma com o Bispo de Lisboa, em 1265, pedir ao Papa Urbano IV dispensa para o casamento canónico de D. Afonso III com D. Beatriz e a legitimação dos filhos já havidos. Quando estava em Roma, o Papa nomeou-o Arcebispo de Compostela (18.12.1267). Não chegou a tomar posse da sua Arquidiocese, pois faleceu em Montpellier, em 9 de Março de 1268, quando regressava a Portugal. Os seus restos mortais foram trasladados para Coimbra.

D. Durando Pais (1267-1267) - Nomeado em 1267, foi transferido para Évora ainda nesse ano de 1267.

D. Mateus Martins (1268-1279), regressa a Viseu. D. Mateus (1268-1279) - Foi Bispo de Viseu (1245-1268). Nesta data foi transferido pelo Papa Urbano IV para Bispo de Coimbra. Nunca chegou a entrar na Diocese, vivendo na Cúria papal. Entretanto, governou a Diocese pelos Vigários Gerais: Raimundo (1272-1274), Fernando (1275-Agosto-1276), Estêvão (1276-1277). Em 1279 renunciou aos seus direitos ? Diocese de Coimbra, em favor de D. Aymeric Ebrard. Foi reconduzido para a Diocese de Viseu (1279-1287) pelo Papa Nicolau III.

D. Aimerico d'Ébrard (1279 - †1295). D. Aymeric ou Américo Ebrard (1279.02.09-1296.12.04 - Era natural de Caiarc na Aquitânia, onde nasceu cerca do ano 1220. Era Arcediago de Palência (Espanha) quando o Papa Nicolau III o nomeou Bispo de Coimbra, em 9 de Fevereiro de 1279. No tempo deste Prelado (12.2.1289) assinou a Santa Sé com el-Rei, D. Dinis, a concordata dos Quarenta Pontos. Instituiu a festa do Corpo-de-Deus. Faleceu em 4 de Dezembro de 1296, no mosteiro de Vale de Paraíso, Epanhac (França).

D. Pedro Martins (1296 - †1301). D. Pedro Martins (1297.04.09-1301.11.03) - Foi chanceler de D. Dinis e Bispo de Évora. Instituiu na Sé a festa de São Geraldo, a 13 de Outubro. Faleceu em 3 de Novembro de 1301.

D. Fernando (1302 - †1303). D. Fernando (1302.08.27-1303.08.08) - Exerceu o governo da Diocese apenas um ano. Foi sepultado em frente do altar-mor da Sé.

D. Estêvão Eanes Brochardo (1303 - †1318). D. Estêvão Annes Brochardo (1304.03.08 - 1318.11.09) - No tempo deste Prelado foi extinta a Ordem dos Templários, sendo, em Portugal, os bens da Ordem adscritos ? Ordem de Cristo, fundada por el-Rei D. Dinis. Faleceu em 9 de Novembro de 1318.

D. Raimundo Ébrard I (1319 - †1324) D. Raimundo Ebrard (1319.11.10-1324.07.15) - Era sobrinho do Bispo D. Ayméric, Cónego de Caors e depois Cónego, Tesoureiro e Deão da Sé de Coimbra. Instituiu, pela primeira vez em Portugal, a festa da Imaculada Conceição de Maria, a pedido da Rainha Santa Isabel, por Portaria, assinada na Vacariça, em 17 de Outubro de 1320 e ordenou que ela se celebrasse a 8 de Dezembro. Faleceu em Linhares, a 15 de Julho de 1324.

D. Pedro Martins (1297.04.09-1301.11.03) - Foi chanceler de D. Dinis e Bispo de Évora. Instituiu na Sé a festa de São Geraldo, a 13 de Outubro. Faleceu em 3 de Novembro de 1301.

D. Fernando (1302.08.27-1303.08.08) - Exerceu o governo da Diocese apenas um ano. Foi sepultado em frente do altar-mor da Sé.

D. Raimundo Ébrard II (1325 - †1333) . D. Raimundo Ebrard II (1325.04.26-1333.07.17) - Foi Cónego e Deão da Sé de Coimbra. Sagrou a igreja de Santa Clara-a-Velha, em 8 de Julho de 1330. Com os três Bispos da família Ebrard na Sé de Coimbra, entraram no Cabido muitos Cónegos de origem francesa.

D. João des Prez (1333-1338). D. João des Prez (1334.07.23-1337) - No seu pontificado recebeu a Sé várias dotações. Devem salientar-se as feitas por D. Betaça, de nobre família grega e dama da Rainha Santa Isabel e que, falecida a 21 de Abril de 1336, foi sepultada na Sé. Nunca veio a Coimbra. Dispensado de residência, viveu sempre em Avinhão, na Cúria papal. Governou a Diocese pelo seu Vigário Geral, Arnaud.

D. Jorge (1338-07.03-1357.02.20) - Este Prelado, por Carta de 17 de Abril de 1344, mandou aplicar cento e vinte libras da sua Mesa Episcopal para pontes e calçadas. Mandou ainda que o Cabido, os Arcediagos, os Capelães da Sé, as Colegiadas e os mosteiros contribuíssem, generosamente, para a obra que o concelho de Coimbra fazia e era serviço de Deus. Faleceu a 20 de Fevereiro de 1357

D. Lourenço (1358.05.23-1358) - Governou a Diocese apenas alguns meses.

D. Pedro Gomes Barroso (1358.08.25-1364) - Era natural de Toledo, onde foi Cónego da Sé. Veio transferido de Segovia (1358). Era grande letrado, mui virtuoso e de mui santa vida. Como tomasse a defesa da Rainha D. Branca, D. Pedro de Castela perseguiu-o e prendeu-o. Libertado por intervenção do Cardeal de Bolonha, retirou-se para Portugal. Foi transferido para a Sé de Lisboa em 1364 e para Sevilha em 1379. Morreu em 1390.

D. Vasco Fernandes (1364.07.23-1371.03.07) Administrador apostólico - Foi Bispo de Palência e Arcebispo de Toledo. Vítima do ódio de D. Pedro, o Cruel de Castela, foi desterrado para Portugal e veio residir para Coimbra, no convento aos Dominicanos. Faleceu em 7.3.1371.

D. Pedro Tenório (1371.06.10-1376). Nasceu em Tavira em 1325. Era de família nobre e ascendência espanhola. Estudou em França e na Itália (Bolonha), sendo muito bom letrado e muito amigo de ter em sua companhia doutos. Foi sagrado Bispo de Coimbra em 1371. Foi enviado a Castela para negociar um dos projectados casamentos da princesa D. Beatriz, filha de el-Rei D. Fernando. Esteve desterrado em Ruão e portanto afastado do governo da Diocese. O Papa Gregório X transferiu-o para Arcebispo de Toledo em 1376. Faleceu em 1399.

D. João Cabeça de Vaca (1379.03-1386) - Este Prelado pouco residiu na Diocese, em virtude das guerras de Portugal com Castela. No seu tempo começou o Cisma do Ocidente (1378-1417), pela eleição de Clemente VII, em Abril de 1378, em oposição a Urbano VI. Aderiu ao Papa Clemente V.

D. Ângelo (1383.01.28) - O Papa Clemente VII de Avinhão nomeou Bispo de Coimbra, pela bula Romani Pontificis, D. Ângelo, na suposição que D. João Cabeça de Vaca tivesse morrido. D. João estava ausente em Londres e D. Ângelo não tomou posse da Diocese.

D. Martinho (1386-1395) - Foi nomeado pelo Papa Urbano VI de Roma.

D. Martinho Pires da Charneca (1396-1397) - Vítima da perseguição de D. Pedro-o-Cruel de Castela, refugiou-se junto de D. João I de Portugal, que o acolheu benevolamente. Muito reconhecido e afeiçoado ao Rei, acompanhou-o na batalha de Aljubarrota. Foi transferido para Arcebispo de Braga, em 1397.

D. João Esteves de Azambuja (1398.02.25-1402.05.29) - Nasceu na vila de Azambuja. Foi eleito Bispo de Silves em 1389; transferido para a Sé do Porto em 1390 e para Coimbra em 1398. Governou esta Diocese quatro anos. Foi enviado por D. João I a Castela para fazer as pazes com este reino. Foi transferido para a Sé Patriarcal de Lisboa, em 1402.

D. João Garcia Manrique (1402.06.02-1407) Administrador Apostólico - Era descendente da ilustre família dos Manriques de Castela. Era pequeno de corpo mas mui grande de entendimento e mui inteiro na justiça. Foi Bispo de Orense (1368), de Segóvia (1376), Arcebispo de Toledo e de Compostela (1386). Por desinteligências com o rei de Castela desnaturou-se de Castela e se veio a este reino (Portugal). Foi transferido para Arcebispo de Braga em 1407.

D. Gil Alma (1408.04.05-1415.08.04) - Veio transferido do Porto (1408). No seu tempo (1414) houve várias reduções nas prebendas do Cabido.

D. Fernando Coutinho (1420-1429) - Assistiu ao concilio provincial de Braga em 1426. Faleceu em 1429.

D. Álvaro Ferreira (1431.05.06-1444).

D. Luís Pereira Coutinho (1444.04.01-1452) - Veio transferido de Viseu (1444) e era mui bom letrado, mui amigo do Cabido e tratou-o com muita cortezia. Acompanhou o Infante D. Pedro na batalha de Alfarrobeira e acompanhou também na Itália, a princesa D. Leonor, que ia casar com o Imperador da Alemanha Frederico III. Foi transferido para Lisboa, em 1452.

D. Afonso Nogueira (1453.11.15-1459.09.17 - Foi nomeado Bispo de Coimbra pelo Papa Nicolau V, pela bula Hodie ecdesiae Conimbricensis de 15 de Novembro de 1452. Em 17.9.1459 foi transferido para Arcebispo de Lisboa.

D. João Duarte Galvão (1459.09.17-1482.01.27) - Era irmão do cronista-mor, Duarte Galvão. Foi Prior-mor de Santa Cruz em 1459, Bispo de Ceuta e transferido para Coimbra em 1459. Acompanhou D. Afonso V na expedição a Arzila e Tânger e foi nomeado., por Carta Régia de 25 de Setembro de 1472, Conde de Arganil; título que passaria para os seus sucessores na Mitra de Coimbra. Em 27.1.1482, D. João II apresentou-o para Arcebispo de Braga; mas esta transferência não foi aceite pelo Papa Xisto IV, que nunca enviou as bulas de confirmação Bispos de Coimbra:

D. Jorge de Almeida (1483.06.23-1543.07.25) - Era irmão do primeiro Vice-Rei da Índia e tomou posse do Bispado de Coimbra em 23 de Junho de 1483. Foi sagrado somente cinco anos depois (1488). Foi nomeado Inquisidor do Reino por Paulo III de 1536-1541. Dotou a Sé de grandes obras: O retábulo gótico de talha dourada (1503-1508), a Porta Especiosa, o revestimento de azulejos mudjares (1508), o altar de S. Pedro, etc. Lançou a primeira pedra para o Colégio de Jesus em 14 de Abril de 1547, em 1500 fundou a Misericórdia. D. Jorge de Almeida publicou as primeiras Constituições do Bispado. Faleceu a 25 de Julho de 1543, com sessenta anos de episcopado.

D. Frei João Soares (1545.05.22-1572.11.26) - Era eremita de S. Agostinho e professou em Salamanca, em 11 de Abril de 1532. Foi nomeado Bispo de Coimbra em 22.5.1545. Em 15 de Abril de 1548 publicou novas Constituições do Bispado. Tomou parte no concílio de Trento desde 1561 a 1563, onde se fez notar pela liberdade com que falava das reformas eclesiásticas. Faleceu em 26 de Novembro de 1572.

D. Manuel de Menezes (1573.12.16-1578.04.16) - Era um fidalgo de mui ilustre e antiga geração deste reino e de muitos merecimentos e de grande exemplar de virtudes. Foi transferido da Sé de Lamego para a Mitra de Coimbra em 16.12.1573, que administrou apenas durante cinco anos. Acompanhou D. Sebastião a África como enfermeiro-mor do exército. Morreu na batalha de Alcácer Kibir em 4 de Agosto de 1578.

D. Frei Gaspar do Casal (1579.12.01-1584.08.09) - Era eremita de S. Agostinho, Foi transferido da Mitra de Leiria para a de Coimbra em 1 de Dezembro de 1579 pelo Papa Gregório VIII. Morreu em Coimbra em 9 de Agosto de 1584.

D. Afonso de Castelo Branco (1585.08.25-1615.12.25) - Foi transferido da Sé do Algarve para a Sé de Coimbra em 25.8.1585. Reedificou e ampliou o Paço Episcopal; mandou edificar o convento de S. Ana; lançou a primeira pedra para a igreja do Colégio dos Jesuítas em 1598; patrocinou a fundação do Colégio dos Marianos, em 1606; benzeu a primeira pedra para o Colégio de S. Agostinho, em 1593; mandou fazer grandes obras no convento de Celas, incluindo o Coro da igreja em 1594-1620; reuniu um sínodo diocesano em 1591 para aprovar as Constituições do Bispado, elaboradas por ele depois do concílio de Trento; foi Vice-Rei de Portugal desde 22 de Agosto de 1603 a 26 de Dezembro de 1604. Foi um Bispo muito esmoler e deixou vários legados ao Hospital, à Misericórdia e à Câmara Municipal. Morreu em Coimbra a 12 de Maio de 1615.

D. Afonso Furtado de Mendonça (1615.12.05-1618.11.12) - Foi Transferido em 5 de Dezembro de 1615 da Mitra da Guarda para Bispo de Coimbra. A Universidade, onde tinha sido Reitor, e o Cabido fizeram-lhe uma faustosa recepção. Em 12 de Novembro de 1618 foi transferido para Arcebispo de Braga.

D. Martim Afonso Mexia (1619.12.02-1623.08.30) - Estudou em Salamanca onde foi professor. Foi Bispo de Leiria e de Lamego donde foi transferido para a Sé de Coimbra, em 1619. Foi no seu pontificado, em 1621, que o Cabido obteve o Breve de "Limpeza de sangue". Faleceu em Lisboa a 30 de Agosto de 1623.

D. João Manuel (1625.05.25-1632) - Era Bispo de Viseu e foi transferido desta Sé para a Mitra de Coimbra em 25.5.1625. No seu pontificado, a 7 de Agosto de 1628, lançou-se a primeira pedra para o convento dos Carmelitas Descalços, na serra do Buçaco, nas Matas da Mitra, cedidas pelo Bispo Conde autorizado pelo Papa Urbano VIII. Foi transferido para Lisboa, em 1632.

D. Jorge de Melo (1634.06.09-1636.02.02) - Foi transferido da Sé de Miranda para a Mitra de Coimbra pelo Papa Urbano VIII, em 9 de Junho de 1634. Tomou posse da Diocese, mas não chegou a entrar nela por ter falecido em 2 de Fevereiro de 1636.

D. João Mendes de Távora (1638.03.22-1646.07.01) - Era Bispo de Portalegre quando em 22.3.1638 foi transferido para Bispo de Coimbra. Era um Bispo faustoso, rigoroso na pragmática, não dispensava a etiqueta. Reuniu um sínodo diocesano a 8 de Maio de 1639, onde o Clero jurou defender a Imaculada Conceição. Faleceu em Coimbra em 1 de Julho de 1646. Foi sepultado na Sé Velha. Por sentença de 12 de Janeiro de 1759, foram-lhe picadas as armas no epitáfio da sepultura porque pertencia à família dos Távoras.

D. Manuel de Noronha (1668.12.15-1671.11.15). Depois de uma vacância de vinte e dois anos, devido à interrupção das relações de Portugal com a Santa Sé, o Papa Clemente X nomeou Bispo de Coimbra, D. Manuel de Noronha, que fora Bispo eleito de S. Tomé e residencial de Viseu. Faleceu em 11 de Maio de 1671 (Durante a vacância foramapresentados vários Bispos: Sebastião Cesar de Menezes (1649), Manuel Saldanha (1655), Odaly (1662), mas a Santa Sé não confirmou nenhum dos apresentados ).

D. Frei Álvaro de S. Boaventura (1672.08.16-1683.01.19) - O seu nome era Álvaro da Silva, que mudou para Álvaro de S. Boaventura quando, em 28 de Maio de 1631, professou na Ordem Franciscana. Em 16 de Agosto de 1672 foi transferido da Mitra da Guarda para a Diocese de Coimbra. Em Carta de 3 de Junho de 1675 justificava perante os Cardeais da Cúria Romana a não existência de um Seminário Diocesano em Coimbra. Foi ele que sagrou a Sé Velha em 31 de Agosto de 1681. No seu pontificado, as Religiosas Clarissas trasladaram-se do convento velho de Santa Clara, em 29 de Outubro de 1677, para o convento novo no alto do monte da Esperança. Faleceu em 19 de Janeiro de 1683.

D. João de Melo (1684.04.24-1704.06.28) - Foi transferido em 24.4.1684 da Sé de Viseu para a Sé de Coimbra de que tomou posse a 4 de Julho de 1684. Fundou, sob a invocação de Santa Maria Madalena, o Recolhimento do Paço do Conde. Demoliu a igreja românica de S. João de Almedina, reedificando-a depois com a orientação que hoje tem. Faleceu em 28.6.1704.

D. António de Vasconcelos e Sousa (1706.04.06-1717.12.23) - Foi transferido da Sé de Lamego para a Sé de Coimbra em 6.4.1706. Foi um Bispo esmoler para as Ordens Religiosas, para os fiéis através dos Párocos e para os estudantes, que pessoal e ocultamente se dirigiam ao Paço. Inaugurou o convento do Louriçal, em 8 de Maio de 1709; lançou a primeira pedra para a actual igreja de Santa Justa, em 24 de Agosto de 1710; presidiu em Aveiro, a 25 de Outubro de 1711, a trasladação das relíquias da Princesa Santa Joana para novo túmulo; presidiu também a trasladação das relíquias das princesas D. Teresa e D. Sancha, "as santas de Lorvão", para novos túmulos em Lorvão; lançou a primeira pedra para o Colégio dos Franciscanos Capuchos, de Santo António da Estrela. Em 9 de Janeiro de 1717, a Universidade e os colégios universitários fizeram pública adesão à bula "Unigenitus". Faleceu a 23 de Dezembro de 1717.

D. Miguel da Anunciação (1741.04.09-1779.08.29) - De seu nome completo Miguel Carlos da Cunha, foi apresentado Bispo de Coimbra em 1739 e sagrado a 9.4.1741. No seu pontificado, as Carmelitas Descalças, que viviam desde 14 de Fevereiro de 1739 na Arregaça, entraram a 23 de Julho de 1744, no seu convento do Casal do Chantre, no Penedo da Saudade. A 16 de Julho de 1748 foi lançada a primeira pedra para o Seminário (Casa Velha). Pela bula Gloria Domini do Papa Bento XIV, de 22 de Junho de 1747, fundou a Academia Litúrgica de Santa Cruz. A 8 de Novembro de 1768 publicou uma Pastoral em que condenava algumas obras eivadas de regalismo. Foi preso a 9 de Dezembro de 1768 e passou mais de oito anos na prisão de Pedrouços. Restituído à liberdade por el-Rei D. José, o Venerando Prelado saiu da prisão a 25 de Fevereiro de 1777 e, depois de uma viagem triunfal, entrou na Sé de Coimbra e assumiu o seu governo, em 22 de Agosto desse ano. Faleceu em 29 de Agosto de 1779, em Semide. (Desde 1717 a 1741 houve também uma vacância na Sé de Coimbra de vinte e três anos, por motivo da interrupção das relações com Roma).

D. Francisco de Lemos de Faria Pereira Coutinho (1779.09.12-1822.04.16) - Era natural do Brasil e ordenou-se de Presbítero em Coimbra em 13 de Junho de 1760. Quando D. Miguel da Anunciação foi preso, D. Francisco de Lemos foi nomeado Vigário Capitular. Foi apresentado Bispo Coadjutor de Coimbra por Carta Régia de 28 de Setembro de 1773 e confirmada pelo Papa Clemente XIV em 13 de Abril de 1774. Depois da libertação de D. Miguel e até ? morte deste, D. Francisco de Lemos esteve em Lisboa tratando dos assuntos da Universidade de que era Reitor Reformador. A 12 de Setembro de 1779, depois da morte de D. Miguel da Anunciação, tomou posse da Diocese de Coimbra. Em 1808 fez parte da deputação que foi a Bordéus cumprimentar o Imperador Napoleão. Em 1821 foi eleito deputado ? s Constituintes pela província do Rio de Janeiro. Por Provisão de 14 de Outubro de 1772, o Marquês de Pombal cedeu a igreja dos Jesuítas para Catedral. D. Francisco de Lemos faleceu em Coimbra em 16 de Abril de 1822.

D. Frei Francisco de S. Luís Saraiva (1822.09.1823.09.15) - Era monge professo da Ordem de S. Bento, tendo professado em Tibães, a 29 de Janeiro de 1782. Foi nomeado sucessor de D. Francisco de Lemos como Bispo de Coimbra e Reitor Reformador da Universidade, a 19 de Julho de 1821. A Santa Sé retardou as bulas da confirmação e só foi sagrado a 15 de Setembro de 1822. Deixou-se absorver pelos cuidados e deveres de Reitor da Universidade, descurando os deveres de Bispo residencial, de que se penitenciava com amargura. Pediu exoneração de Reitor da Universidade e renunciou ? Mitra de Coimbra em Setembro de 1823.

D. Frei Joaquim de Nossa Senhora da Nazaré (1824.05.03-1851.08.31) - Nasceu em 12 de Maio de 1770 na vila da Nazaré e professou no convento franciscano da Arrábida. Foi Prelado de Moçambique em 17 de Dezembro de 1811 e confirmado Bispo do Maranhão (Brasil) em 23 de Agosto de 1819. Transferido para Coimbra, foi confirmado Bispo desta Diocese, em 3 de Maio de 1824 pelo Papa Leão XII. Retirou-se de Coimbra em 7 de Maio de 1834, deixando a governar a Diocese o Vigário Geral, Cónego Miguel Ribeiro de Vasconcelos. Depois da derrota do Príncipe D. Miguel e da assinatura da convenção de ??vora Monte, o Bispo de Coimbra esteve em Lisboa preso e escondido e finalmente pôde escapar para o Brasil. O Governo não reconheceu a autoridade do Vigário Geral e fez nomear Vigários Capitulares para o Bispado. Começou então o cisma na Diocese que foi até 1842, em que a Santa Sé nomeou, directamente, um Vigário Geral para a Diocese, que a governou em nome do Bispo ausente até 1851, ano em que faleceu D. Frei Joaquim de Nossa Senhora da Nazaré.

D. Manuel Bento Rodrigues (1852.03.15-1858.03.18) - Era professo da Congregação dos Cónegos de S. João Evangelista (Loios). Foi confirmado Arcebispo de Mitilene e Auxiliar do Patriarcado pelo Papa Gregório XIV, em 2 de Dezembro de 1845. Foi confirmado Bispo de Coimbra pelo Papa Pio IX em 15 de Março de 1852. Tendo encontrado a Diocese num caos disciplinar, pois desde 1834 não tinha Bispo residencial, acrescendo ainda um cisma de 1834 a 1842, D. Manuel Bento Rodrigues soube pelo seu tacto diplomático levantar a Diocese religiosa e disciplinarmente, apaziguando discórdias e ressentimentos. Restabeleceu o Curso Teológico no Seminário, interrompido desde 1834, chamando para leccionar nele os Professores da Faculdade de Teologia. No seu tempo foram as freguesias da cidade reduzidas a quatro: Sé Nova, Sé Velha, Santa Cruz e S. Bartolomeu segundo o Decreto de 20 de Novembro de 1854. Por sentença de 29 de Março de 1854 procedeu ? extinção das Colegiadas da cidade e da Diocese. Foi apresentado Arcebispo de Lisboa em 10.3.1858.

D. José Manuel de Lemos (1858.09.27-1870.03.26) - Transferido da Diocese de Viseu, em 27.9.1858, entrou na Diocese de Coimbra em 22 de Novembro de 1858. Publicou em 28.8.1863 uma Pastoral denunciando os erros do Protestantismo. Por Decreto de 29 de Setembro de 1865 terminou no Seminário com o internato ou residência para estudantes universitários. Faleceu em Coimbra em 26 de Março de 1870.

D. Manuel Correia de Bastos Pina (1872.05.19-1913.11.19) - Foi sagrado Bispo de Coimbra a 19 de Maio de 1872. Renovou o edifício central do Seminário (Casa Velha), construiu de raiz os dois edifícios laterais: Casa Nova, em 1873, a Novíssima em 1880, e regularizou os terrenos adjacentes. Fundou no Seminário uma Cadeira para o ensino da Filosofia Tomista e uma Academia para o mesmo fim. Exonerou os Professores da Faculdade de Teologia da Universidade do ensino no Seminário (26.1.1886). Restaurou a Sé Velha (1892), fundou o Museu de Arte Sacra reunindo objectos desde 1881. Mandou construir o Bairro Operário, aplicando nele o dinheiro que lhe ofertaram por ocasião do vigésimo aniversário da sagração episcopal (19.5.1892). Em 1901 fundou-se o C.A.D.C. que ficou definitivamente constituído em 1903. Tomou parte nas grandes manifestações da Igreja em Portugal: Congresso Católico de Braga (1891), Congresso Católico Internacional de Lisboa (1895), a Peregrinação ao Sameiro de 1895, etc. Foi um grande protector dos conventos, que estavam a extinguir-se: Santa Clara, Semide, Vila Pouca, Louriçal, etc. Faleceu em 19 de Novembro de 1913.

D. Manuel Luís Coelho da Silva (1914.12.31-1936.03.19) - Foi nomeado Bispo de Coimbra em 31 de Dezembro de 1914 e fez a entrada na Sé de Coimbra em 15 de Abril de 1915. A acção primeira de D. Manuel foi o Seminário, fazendo aumentar a sua população e defendendo a posse dos seus edifícios. Reuniu um Sínodo em 30-31 de Julho de 1923. Organizou e publicou umas Constituições do Bispado em 1929. Cuidadoso do bem do Clero, instituiu em 1917 a Obra de S. José para auxiliar o Clero velho e doente. Deu toda a protecção ? fundação do Refúgio da Rainha Santa, hoje Casa da Formação da Rapariga, ao Patronato para auxílio dos Pobres; ao Recolhimento do Paço do Conde e ? Cozinha Económica. Durante o seu pontificado fundou-se o Escutismo (1927), o Noelismo (1925), a União Operária Católica (1925), o Correio de Coimbra (1922), o Amigo do Povo (1916); e lançaram-se as Bases da Acção Católica em 1933. Faleceu em 19 de Março de 1936.

D. António Antunes (1936.03.19-1948.07.20) - Foi nomeado Bispo Auxiliar de Coimbra em 12 de Outubro de 1919, Coadjutor com futura sucessão, em 1922, e Bispo residencial em 1936. No seu pontificado foi inaugurada a Casa dos Retiros (1937); a sede do C.A.D.C. reconstruída (1939); os três edifícios do Seminário foram remodelados com a substituição dos telhados e consolidação das paredes (1942-1943). Em Outubro de 1936 abriu o Seminário Menor da Figueira da Foz. Faleceu em Coimbra a 20 de Julho de 1948.

D. Ernesto Sena de Oliveira (1948.10.28-1967.08.12) - Foi transferido em 28 de Outubro de 1948, da Diocese de Lamego para a Mitra de Coimbra, e fez a sua entrada na Diocese em 13 de Março de 1949. Continuou a remodelação dos três edifícios do Seminário, quartos, soalhos, corredores, mobiliário e aformoseamento do átrio norte do Seminário. Em 1958 celebrou-se o segundo centenário do Seminário e foi inaugurado um busto do fundador. Deu grande impulso ? Acção Católica, construiu de raiz o novo Paço Episcopal na Rua do Brasil para onde se mudou em 1961; em 1962 fez construir o Colégio São Teotónio; adquiriu para a Diocese a Casa e Quinta de S. António em Penacova. Resignou em 12.8.1967 e faleceu em 15 de Outubro de 1972.

D. Frei Francisco Rendeiro (1967.08.12-1971.05.19) - Em 15 de Julho de 1965 foi nomeado Coadjutor de D. Ernesto Sena de Oliveira, e pela resignação deste, em 12 de Agosto de 1967, entrou no governo do Bispado. Instituiu o Conselho Presbiteral por Decreto de 23 de Outubro de 1967, que teve a primeira reunião a 18 de Dezembro seguinte. Para conhecer os seus diocesanos e incutir-lhes novo elã espiritual, D. Francisco Rendeiro reuniu-se durante dias em Lisboa com os emigrantes da Diocese de Coimbra. Com a mesma finalidade esteve em Paris, onde contactou durante vários dias com os núcleos de emigrantes da Diocese de Coimbra. Assistiu ao segundo Simpósio dos Bispos Europeus em Julho de 1969 e em Maio de 1970 foi à ilha de Malta à reunião dos delegados das Conferências Episcopais. Faleceu a 19 de Maio de 1971.

D. João António da Silva Saraiva (1972.07.01-1976.04.03) - Foi transferido em 1 de Julho de 1972 da Sé do Funchal para a Diocese de Coimbra e tomou posse em 10 de Setembro de 1972. Foi um Bispo acolhedor e defensor do Clero nas dificuldades que, esporadicamente, surgiram, nomeadamente depois de 25 de Abril de 1974. Mandou que os sacerdotes se inscrevessem na Caixa de Previdência que antecedeu o Centro Regional de Segurança Social. Criou o Secretariado dos Jovens para fomentar a sua formação; nomeou um Vigário Episcopal para o apostolado dos Leigos, acompanhou de muito perto a acção da "Caritaa", dando-lhe o rés-do-chão da Casa Nova e os "Baixos" da Novíssima para armazéns. Faleceu no Seminário da Figueira da Foz, no dia 3 de Abril de 1976.

D. João Alves (1976.09.06 - 2001). Era Bispo Auxiliar de Coimbra, desde 30 de Novembro de 1975. Foi nomeado Bispo residencial em 6 de Setembro de 1976 e tomou posse a 10 do mês seguinte. A acção constante e permanente do Venerando Prelado tem sido a reciclagem do Povo de Deus (Clero e Fiéis) por meio de Cursos, Semanas e Dias de estudo. Dividiu a Diocese, por Decreto de 5 de Outubro de 1977, em quatro zonas pastorais, colocando ? frente de cada uma um Vigário Episcopal. A situação material do Clero mereceu a melhor intervenção do Prelado, especialmente pelo Decreto de 17 de Maio de 1977 em que criou o Fundo de Auxílio ao Clero Inválido e Aposentado que tem vindo a suprir, generosamente, o que falta ? aposentação da Caixa de Previdência para que os sacerdotes inválidos ou aposentados possam viver honestamente. Deu novos estatutos aos Arciprestes, em 12 de Maio de 1981. Criou na Cúria Diocesana novos serviços e estruturas de apoio que tornam mais pronta e eficaz a acção dos vários organismos especialmente a Catequese e "Movimentos". Aprovou (25.5.1981) o Estatuto-Base do Conselho Pastoral Paroquial que será seguido nos conselhos paroquiais da Diocese, deu novos Estatutos ao Conselho Presbiteral (9.2.1982) e criou, em l de Março de 1984, o Fundo de Ajuda Fraterna. Publicou no Pentecostes de 1981, o decreto de aprovação do Plano Base da Pastoral Universitária. Foi membro da Sagrada Congregação dos Religiosos e Institutos Seculares (7.2.1984) e Vice-presidente da Assembleia Plenária da Conferência Episcopal. Foi Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa nos triénios de 1993-1995 e 1996-1999. Resignou a 24.03.2001. Faleceu, em Coimbra, a 28 de junho de 2013.

D. Albino Mamede Cleto (2001-2011). Frequentou os Seminários do Patriarcado de Lisboa onde foi ordenado Presbítero em 15 de Agosto de 1959. Em 6 de Dezembro de 1982 foi nomeado Bispo Auxiliar de Lisboa com o título de Illiberi (Elvira), tendo recebido a ordenação episcopal em 22 de Janeiro de 1983, na Igreja dos Jerónimos. Cursou a faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa onde obteve a licenciatura em Românicas. Como membro do Presbitério do Patriarcado desempenhou diversas funções, desde Prefeito de Estudos e Vice-Reitor do Seminário de Almada a Presidente da Comissão Administrativa do Santuário de Cristo Rei, Pároco da Estrela e Vice-Presidente da Comissão Diocesana de Arte Sacra. Em 1982 foi nomeado Bispo Auxiliar do então Senhor Cardeal Patriarca de Lisboa, Dom António Ribeiro. Foi presidente da Comissão Episcopal dos Bens Culturais da Igreja, Secretário e Porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa desempenhando diversas tarefas como Presidente das Comissões Episcopais de Liturgia e Educação Cristã e de Coordenador das Comemorações dos Cinco Séculos e Encontro de Culturas. A Santa Sé nomeou o Senhor D. Albino Mamede Cleto Bispo Coadjutor de Coimbra no dia 29 de Outubro de 1997, tendo tomado posse no dia 11 de Janeiro de 1998. Com a resignação do bispo D. João Alves, tomou posse da diocese de Coimbra em 24 de Março de 2001. Foi membro do Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa, no mandato 2008-2011 e vogal da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais da Igreja e Comunicações Sociais. D. Albino Mamede Cleto nasceu em 3 de Março de 1935, na freguesia de São Pedro, concelho de Manteigas, distrito da Guarda. A 28 de Abril de 2011, por nomeação de D. Virgílio Antunes para Coimbra, passou a ser administrador apostólico da diocese, tendo ficado bispo emérito a 10 de Julho de 2011. Faleceu a 15 de junho de 2012, Solenidade do Sagrado Coração de Jesus, nos Hospitais da Universidade de Coimbra.

D. Virgílio do Nascimento Antunes (2011 - ad muitos annos).

Nasceu em São Mamede (Batalha), diocese de Leiria-Fátima, a 22 de Setembro de 1961. Frequentou o Seminário Menor de Leiria e fez o Curso Filosófico-Teológico no Instituto Superior de Estudos Teológicos de Coimbra. Depois da ordenação sacerdotal, em 29 de Setembro de 1985, colaborou pastoralmente nas paróquias da Barreira e das Cortes, até 1992. De 1985 a 1992 foi formador no Seminário Diocesano de Leiria e membro do Secretariado Diocesano da Pastoral Vocacional. Durante estes anos leccionou as disciplinas de Religião, Português e História, do ensino secundário. Em 1988 deu início ao Pré-Seminário, tendo sido o seu primeiro responsável. De 1992 a 1996 realizou estudos de especialização em ciências bíblicas, no Instituto Bíblico de Roma e na Escola Bíblica de Jerusalém, tendo obtido o mestrado e licenciatura canónica em Exegese bíblica. A sua investigação de especialização foi sobre o Evangelho de São Lucas. Tendo regressado à Diocese de Leiria-Fátima, em 1996, foi nomeado Reitor do Seminário Diocesano de Leiria, funções que desempenhou até 2005. Durante estes anos implementou e desenvolveu o "Ano Propedêutico" para candidatos ao sacerdócio de diversas dioceses do País. Assumiu diversas tarefas no campo da formação de seminaristas em várias dioceses, através de cursos, conferências e retiros. Durante os anos em que foi Reitor do Seminário liderou o projecto para planificar a remodelação do edifício do Seminário, cujas obras recentemente se concluíram. De 2000 a 2005 foi Director do jornal semanário "O Mensageiro", onde publicava uma coluna semanal de opinião. De 2005 a 2008 foi Delegado Episcopal para o Diaconado Permanente. De 2000 a 2008 foi Juiz do Tribunal Eclesiástico. Esteve ao Serviço do Santuário de Fátima, desde Setembro de 2005, onde, durante três anos foi capelão, exercendo também as funções de Director do Serviço de Peregrinos e Director do Serviço de Alojamentos. Foi membro do Serviço de Ambiente e Construções, membro do Conselho de Administração e membro do Conselho de Gestão Financeira.

Foi Reitor do Santuário de Fátima de 25 de Setembro de 2008 a 10 de Junho de 2011. Foi também membro do Colégio de Consultores (desde 2001) e membro do Conselho Presbiteral. Foi Director do jornal "A Voz da Fátima", órgão oficial do Santuário de Fátima. Ao longo dos anos do seu ministério sacerdotal acompanhou continuamente equipas de casais e orientou retiros para casais, integrou o Conselho Pastoral Diocesano, o Conselho Económico, a Comissão para a Formação Permanente do Clero e foi Secretário do Conselho Presbiteral. No campo académico tem sido docente de diversas disciplinas na área da teologia bíblica, de língua grega e de língua e cultura hebraica. Foi professor, desde 1996, no Instituto Superior de Estudos Teológicos de Coimbra, onde integra a Direcção. Foi também docente no Centro de Formação e Cultura de Leiria, no Seminário Diocesano de Leiria e ocasionalmente na Universidade Católica Portuguesa. Tem proferido diversas conferências, na área da sua especialidade, em cursos, seminários e jornadas. Colaborou numa nova edição da Bíblia ("Bíblia dos Capuchinhos"), com a tradução do original grego e comentário da Carta aos Hebreus. Publicou alguns artigos de especialidade: "Jesus e o dom do Espírito" (Revista Communio), "A Criação na Bíblia" (Revista Dabar), "O Inferno na Mensagem de Fátima" (Publicações do CFC), "Seminário, casa e escola de comunhão" (Actas do Simpósio do Clero). Durante alguns anos elaborou os temas de estudo para o "Boletim da Mensagem de Fátima".

Enquanto Reitor do Santuário de Fátima, tem proferido numerosas conferências, em Portugal e no estrangeiro. Na sequência dos novos estatutos do Santuário de Fátima, elaborou e pôs em prática o novo regulamento dos serviços internos do Santuário, liderou diversos projectos para remodelação de infra-estruturas, promoveu por diversos meios a divulgação da mensagem de Fátima, implementou diversos projectos de reflexão teológica sobre Fátima, coordenou a visita do Papa Bento XVI ao Santuário de Fátima, deu início às celebrações do centenário das aparições de Nossa Senhora de Fátima.

Foi nomeado Bispo de Coimbra, pelo Papa Bento XVI, no dia 28 de Abril de 2011. A sua ordenação episcopal ocorreu na Igreja da Santíssima Trindade do Santuário de Fátima, no dia 3 de Julho de 2011, em cerimónia presidida pelo bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto, sendo consagrantes o bispo D. Albino Cleto, Administrador Apostólico da diocese de Coimbra, e D. Anacleto Oliveira,bispo de Viana do Castelo.

Entrou solenemente na Diocese de Coimbra, com celebração na Sé Nova, no dia 10 de Julho de 2011.

01 D. Paterno (1080 - †1087)

02 D. Crescónio (1092 - †1098)

03 D. Maurício Burdino (1099 - 1108), depois arcebispo de Braga (1109-1117), antipapa de 1118-1121, † depois de Ago. 1137.

04 D. Gonçalo Pais (1109 - †1127)

05 D. Bernardo (1128 - †1146)

06 D. João Anaia (1148 - 1154/1155), deposto; † 1161

07 D. Miguel Salomão (1162 - 1176), resignou e † 1180

08 D. Bermudo (1178 - †1182)

09 D. Martinho Gonçalves (1183 - †1191)

10 D. Pedro Soares (1192 - 1232), destituído, †1233

11 D. Tibúrcio (1234 - †1246)

12 D. Domingos (†1247)

13 D. Egas Fafes (1247/1248-1267), arcebispo de Compostela (1267 - †1268).

14 D. Mateus Martins (1268-1279), regressa a Viseu.

15 D. Aimerico d'Ébrard (1279 - †1295)

16 D. Pedro Martins (1296 - †1301)

17 D. Fernando (1302 - †1303)

18 D. Estêvão Eanes Brochardo (1303 - †1318)

19 D. Raimundo Ébrard I (1319 - †1324) [3]

20 D. Raimundo Ébrard II (1325 - †1333) [4]

21 D. João des Prez (1333-1338)

22. D. Jorge Eanes (1338 - †1356)

23. D. Lourenço Rodrigues (1356 - 1358), antes bispo da Guarda e depois bispo de Lisboa

24 D. Pedro Gomes Barroso, o Jovem (1358 - 1364), depois bispo de Lisboa

25 D. Vasco Rodrigues (1364 - 1371), depois bispo de Lisboa (1371), eleito de Braga (†1371).

26 D. Pedro Tenorio (1371 - 1377), depois arcebispo de Toledo (1377 - †1399).[5]

27 D. João Cabeça de Vaca (1377 - 1383)

28 D. Martinho Afonso de Miranda ou Martinho Afonso da Charneca (1385-1398), depois arcebispo de Braga (1398 - †1416).

29 D. João Afonso de Azambuja (1398 - 1402), depois arcebispo de Lisboa (1402 - †1415).

30 D. João Garcia Manrique (1403-1407)

31 D. Gil Alma (1408-1415)

32 D. Fernando Coutinho (1419-1429)

33 D. Álvaro Ferreira (1431/1432-1444)

34 D. Luís Coutinho (1444-1452), antes bispo de Viseu e depois arcebispo de Lisboa

35 D. Afonso Nogueira (1453-1459), depois arcebispo de Lisboa

A partir daqui existem em https://geneall.net/pt/titulo/4482/bispos-de-coimbra/

36 D. João Galvão, 1º conde de Arganil, 36º bispo de Coimbra

37 D. Jorge de Almeida, 2º conde de Arganil, 37º bispo de Coimbra * 1458

38 D. Frei João Soares, 3º conde de Arganil, 38º bispo de Coimbra

39 D. Manuel de Menezes, 4º conde de Arganil, 39º bispo de Coimbra

40 D. Frei Gaspar do Casal, 5º conde de Arganil, 40º bispo de Coimbra

41 D. Afonso de Castelo-Branco, 6º conde de Arganil, 41º bispo de Coimbra * 1522

42 D. Afonso Furtado de Mendonça, 42º bispo de Coimbra * 1561

43 D. Martim Afonso Mexia, 8º conde de Arganil, 43º bispo de Coimbra

44 D. João Manoel, 9º conde de Arganil, 44º bispo de Coimbra * c. 1570

45 D. Jorge de Melo, 10º conde de Arganil, 45º bispo de Coimbra * c. 1570

46 D. Joane Mendes de Tavora, 11º conde de Arganil, 46º bispo de Coimbra

47 D. Manuel de Noronha, 12º conde de Arganil, 47º bispo de Coimbra * 1594

48 D. Frei Álvaro de São Boaventura, 13º conde de Arganil, 48º bispo de Coimbra * c. 1628

49 D. João de Melo, 14º conde de Arganil, 49º bispo de Coimbra * c. 1650

50 António de Vasconcelos e Sousa, bispo de Lamego e Coimbra * 1645

52 D. Francisco Lemos de Faria Pereira Coutinho, 17º conde de Arganil, 52º bispo de Coimbra * 1735

D. frei Francisco de São Luis, 8º cardeal-patriarca de Lisboa

53 D. frei Francisco de São Luis, 8º cardeal-patriarca de Lisboa * 1766

54 D. frei Joaquim de Nossa Senhora da Nazaré, 19º conde de Arganil, 54º bispo de Coimbra * 1776

55 D. Manuel Bento Rodrigues da Silva, 10º cardeal-patriarca de Lisboa * 1800

56 D. José Manuel de Lemos, 21º conde de Arganil, 56º bispo de Coimbra

57 D. Manuel Correia de Bastos Pina, 22º conde de Arganil, 57º bispo de Coimbra * 1830

58 D. Manuel Luis Coelho da Silva, 23º conde de Arganil, 58º bispo de Coimbra * 1859

59 D. António Antunes, 24º conde de Arganil, 59º bispo de Coimbra * 1867

60 D. Ernesto Sena de Oliveira, 25º conde de Arganil, 60º bispo de Coimbra * 1892

61 D. Francisco Rendeiro, 61º bispo de Coimbra * 1915

62 D. João António da Silva Saraiva, 62º bispo de Coimbra * 1923

63 D. João Alves, 63º bispo de Coimbra * 1925

64 D. Albino Mamede Cleto, 64º bispo de Coimbra * 1935

D. Afonso Nogueira, bispo de Coimbra e arcebispo de Lisboa

D. Álvaro Coutinho, bispo de Coimbra

D. Álvaro Ferreira

D. Fernando Coutinho, bispo de Coimbra

D. João Esteves da Azambuja, arcebispo de Lisboa

D. Sebastião César de Menezes, bispo do Porto e de Coimbra * c. 1600

Gregorius VIII, 26.ºAnti-Papas, B.Aquitaine, Limosin - † Salerno, 1137. 77.º Arcebispos de Braga,(1109-1118), Bispos de Coimbra