Start My Family Tree Welcome to Geni, home of the world's largest family tree.
Join Geni to explore your genealogy and family history in the World's Largest Family Tree.

Faculdade de Direito do Largo de São Francisco - Docentes e Discentes (Law School, University of São Paulo)

« Back to Projects Dashboard

view all 164

Profiles

  • Francisco de Assis Peixoto Gomide Filho (1849 - 1906)
    GOMIDE, Peixoto pres. SP 1896, 1897-1898. Francisco de Assis Peixoto Gomide Júnior nasceu na cidade de São Paulo a 24 de março de 1849, filho de Francisco de Assis Peixoto Gomide e de Clara Bue...
  • Manuel Alves Alvim, Filho (1804 - 1874)
    Manuel Alves Alvim. — Paulista, da gema, a saber paulistano, nascido em 1804; filho de outro de egual nome. Alto, magro, tez clara, corada, cabellos pretos, pouca barba, que, mesmo assim, trazia rapada...
  • Francisco Antonio Dutra Rodrigues (1844 - 1888)
    Francisco Antônio Dutra Rodrigues (Rio de Janeiro, 1844 — São Paulo, 29 de setembro de 1888) foi um advogado, professor e político brasileiro. Bacharelou-se pela Faculdade de Direito de São Paulo em ...
  • Adolfo Afonso da Silva Gordo (1858 - 1929)
    GORDO, Adolfo gov. RN 1889-1890; const. 1891; dep. fed. SP 1891-1902 e 1906-1913; sen. SP 1913- 1929. Adolfo Afonso da Silva Gordo nasceu em Piracicaba (SP) a 12 de agosto de 1858, filho de Ant...
  • Prudente de Morais, 3º Presidente do Brasil (1841 - 1902)
    Prudente José de Morais e Barros (Itu, 4 de outubro de 1841 — Piracicaba, 13 de dezembro de 1902) foi um advogado e político brasileiro, primeiro governador do estado de São Paulo (1889-1890), senador,...

The Law School, University of São Paulo (in Portuguese: Faculdade de Direito da Universidade São Paulo, also known as Faculdade de Direito do Largo de São Francisco) is an institution of higher education and research in the field of Law located in São Paulo, Brazil. It joined the University of São Paulo (USP) in 1934, when the latter was established.

One of the oldest establishments of higher education in Brazil, and the oldest law school, the São Francisco Law School (in Portuguese: "Faculdade de Direito do Largo de São Francisco"), as it is also known, was founded together with the Olinda Law School (later moved and renamed Recife Law School), by Brazilian regent Dom Pedro I on August 11, 1827, but its classes began earlier than Olinda's. As it was founded a few years after the proclamation of the Independence of Brazil, it was essential for the administration of the Brazilian Empire, having formed most of those who would later be part of the Brazilian government.

The school was first installed in a monastery building from the Franciscan order, which was later rebuilt many times, one of them after a fire. The most recent construction dates from 1934. A number of Brazilian politicians and famous writers have studied at Largo de São Francisco since its foundation, such as Castro Alves, Álvares de Azevedo, Fagundes Varela, Rui Barbosa, Monteiro Lobato.

Students come from all over the country to study at São Francisco and contribute with bohemian and cultural lifestyle to the Brazilian most cosmopolitan city of São Paulo.

There is a gravestone in its patio, where Julius Frank, a German professor dear to students, was buried in 1841. Because Frank was a Protestant, he could not be buried in any of the Catholic graveyards in São Paulo, so the students chose to bury him inside the school as homage.

Consistently ranked as the best[1] Law School in Brazil, São Francisco Law School has been the alma mater to 12 Brazilian presidents and many outstanding public officers, diplomats, scholars, writers, politicians and businessmen. Each year São Francisco Law School admits 460 new students in its undegraduate (LL.B.) program, from roughly 10,000 to 15,000 applicants.[2] Graduate programs (MSc and PhD) are also available.

WP

"Não posso dissimular a emoção que experimento ao achar-me após tão longa ausência no recinto desta Faculdade que foi minha alma mater, o lugar em que verdadeiramente aprendi as regras do Direito e do Dever" (Barão do Rio Branco).

-Em 1827, poucos anos após a proclamação da Independência do Brasil, foi criada a Academia de Direito de São Paulo, como instituição-chave para o desenvolvimento da Nação. Era pilar fundamental do Império, pois se destinava a formar governantes e administradores públicos capazes de estruturar e conduzir o país recém-emancipado. Tais desígnios não demoraram a se realizar e a presença dos bacharéis logo se fez sentir em todos os níveis da vida pública nacional, tanto nos quadros judiciários e legislativos como nos executivos.

-Da Faculdade de Direito, de seus estudantes ou de seus egressos, partiram os principais movimentos políticos da História do Brasil, desde o Abolicionismo de Joaquim Nabuco, Pimenta Bueno e Perdigão Malheiro e do Movimento Republicano de Prudente de Moraes, Campos Salles e Bernardino de Campos até a campanha das Diretas Já de Ulysses Guimarães e Franco Montoro. Ao longo do tempo, dela emergiram nove Presidentes da República, vários governadores, prefeitos e outras incontáveis figuras de proa.

-Na fervilhante vida cultural que a Faculdade de Direito introduziu na pequena São Paulo do Século XIX, foi também gestado um sem-número de periódicos, peças teatrais, obras literárias e poéticas, que representam fundamentos da vida intelectual nacional, condensados nas figuras de Álvares de Azevedo, Castro Alves e Fagundes Varella, poetas românticos cujos nomes, gravados em placas de mármore, há mais de um século encimam o portal de entrada da Faculdade.

Desde o início, a Academia de Direito instalou-se no Largo de São Francisco, no velho convento, que datava do século XVI e cujas respectivas igrejas ainda existem. Sem nunca deixar esse lugar pleno de significados, foi na década de 1930 que para ela se construiu um novo edifício, amplo e monumental. O projeto, de autoria de Ricardo Severo, sucessor de Ramos de Azevedo, representou a própria criação do estilo neocolonial, que agregava à moderna arquitetura, elementos do barroco luso-brasileiro, evocando a tradição cultural do país e do velho convento que, naquele mesmo lugar e por mais de cem anos, acolhera a Academia.

O edifício, hoje tombado como patrimônio histórico do Estado de São Paulo, abriga importante acervo cultural: nele próprio encontram-se agregados elementos dignos de nota, tais como os vitrais da escadaria, produzidos pela Casa Conrado Sorgenicht, e o mobiliário do Salão Nobre e da Sala da Congregação, confeccionado no Liceu de artes e Ofícios de São Paulo. Pinturas e esculturas de artistas renomados distribuem-se pela Faculdade homenageando velhos e inspiradores Mestres.

Especial destaque merece a Biblioteca, que, em 1825, já com acervo reunido de longa data pelos frades franciscanos, tornou-se a primeira biblioteca pública de São Paulo, antes mesmo da inauguração da Faculdade.

A Faculdade de Direito, além disso, foi a primeira instituição a integrar a Universidade de São Paulo no momento de sua criação, em 1934. O primeiro Reitor, Professor Reynaldo Porchat, era docente da Faculdade de Direito e nela sediou-se a Reitoria naqueles primeiros tempos.

Desde sempre destinada a confundir-se com a História de São Paulo e do Brasil, a Velha e Sempre Nova Academia de Direito, hoje, continua a cumprir sua missão, formando não apenas novos bacharéis, mas grandes juristas e homens públicos, capacitados para defender e preservar o desenvolvimento do país no Estado de Direito.