Start your family tree now Is your surname Almeida?
There are already 1,160 users and over 5,000 genealogy profiles with the Almeida surname on Geni. Explore Almeida genealogy and family history in the World's Largest Family Tree.

Almeida Genealogy and Almeida Family History Information

‹ Back to Surnames Index

Create your Family Tree.
Discover your Family History.

  • Build your family tree online
  • Share photos and videos
  • Smart Matching™ technology
  • Free!
view all

Profiles

About the Almeida surname

'1.ª Hipótese'

BRASÃO dos ALMEIDA = concedido a 1/3/1494

Felgueiras Gayo em seu Nobiliário de Famílias de Portugal, dá a origem dos ALMEIDAS, em Payo Paes Guterres, fundador do Morgado de Tibães, Rico Homem do Conde Henrique da Borgonha, (1035-1114), c.c. Teresa, (fal. 1130), filha de Afonso VI, Rei de Leão e Castela, de quem recebe o título de Conde de Portugal.

Esse Payo Guterres, Senhor do Castelo de Leiria, c.c. Moninha Dama da Rainha Dona Teresa, tem um neto, Payo Guterres, Senhor do Castelo de Almeida que ele conquistou dos árabes em Riba Coa, ao tempo de Sancho I, (1154-1211 = 2o Rei de Portugal) e que legou aos seus descendentes, que tomaram do nome deste Castelo o sobrenome de família ALMEIDA.

João Fernandes de Almeida é o 1,º a aparecer na história com esse sobrenome nas Inquirições de 1258, pois fundou no termo de Azurara da Beira, hoje Concelho de Mangualde, nas terras da Herdade da Cavalaria que recebera com muitos privilégios d’El Rei Sancho I, a vila de ALMEIDA, entre 1223 e 1245.

João Fernandes de Almeida é filho de Fernão Canelas que era Senhor das Quintas de Pinheiro e Canelas.

Seu neto, Lourenço Anes de Almeida, foi Alcaide-Mor de Linhares e Castelo Novo.

Há, também, Fernão Alvares de Almeida, Alcaide-Mor de Abrantes, aio dos filhos de D. João I, o Mestre de Avis, (1357-1433, 10o Rei de Portugal), seu filho, Diogo Fernandes de Almeida está sepultado na igreja de Sta. Maria do Castelo e seus descendentes recebem em 1476, o título de Conde de Abrantes, extinto em 1530 e renovado entre 1645-1656 com Miguel de Almeida, que foi um dos 40 Fidalgos da Restauração dos Braganças, em 1640.

Dos Condes de Abrantes, descende outro Diogo Fernandes de Almeida, Prior do Crato, cujo filho, Lopo de Almeida, tem entre seus descendentes: a Casa dos Condes de Avintes, cuja varonia Almeida se conservou até o 8o Conde de Avintes, e a Casa dos Condes de Assumar, sendo que o neto do 1.º Conde de Assumar, Pedro de Almeida, foi feito Vice Rei das Índias e recebe, em 1744, o título de Marquês de Castelo Novo, (onde fora Alcaide-Mor, Lourenço, que é neto de João Fernandes de Almeida, o 1.º Almeida).

O título é, em 1748, mudado para Marquês de Alorna por ter, Pedro de Almeida, conquistado essa praça de guerra. A varonia Almeida se conserva até o neto do Marquês de Alorna. No Brasil tivemos Dom Pedro Miguel de Almeida Portugal, nascido a 17/10/l688, com 28 anos separou-se da família para vir ao Brasil, em 1717, como 3º governador da nova Capitania de São Paulo e Minas do Ouro.

Tornou-se, em 1718, 2º Conde de Assumar, título herdado de seu pai e foi, mais tarde, Marquês de Alorna.

BRASÃO DE ARMAS: De vermelho, com uma dobre cruz acompanhada de seis besantes, tudo de ouro; e bordadura do mesmo. Timbre: uma águia estendida de vermelho, ou de negro, carregada de nove besantes de ouro, três no peito e três em cada asa, também com os nove besantes. Brasão de armas da família Almeida foi concedido a 01/03/1494 e está na Sala dos Brasões do palácio de Sintra, entre as famílias da alta nobreza de Portugal qualificadas D. Manuel I, o Venturoso, (1469-1521), 14o Rei de Portugal de 1495 a 1521.

O nome Almeida é composto por 2 palavras árabes: Al = o, a, os, as e Mâjd = glória, com os adjetivos: Majíd = glorioso ou Majida = gloriosa Na evolução do árabe para o português temos: Al majída >=> Almajída >=> Almaída >=> Almaida >=> Almeida Neste caso a interpretação é: o castelo é uma: morada gloriosa, ou uma conquista gloriosa.

Fontes: Anuário Genealógico Brasileiro, Vol. IX, 1947; Nobiliário de Famílias de Portugal, Manuel José da Costa Felgueiras Gayo, Braga, 1990; Dicionário das Famílias Brasileiras, Cunha Bueno/Carlos Barata, 2000, O

'2.ª Hipótese'

A história da Família Almeida é tão antiga quanto à invenção da roda. E, é, por conseguinte, a história de uma das famílias mais bem documentadas desde a antiguidade, e por essa razão, se pode traçar uma linha geral até os primeiros ancestrais da minha família. Trata-se de uma família de origem Semita Ismaelita, da qual o patriarca Shem, um dos filhos de Noé que gerou Terah pai de Abraão, é bisavô de Ismael que se espalhou pelo mundo desde a invasão dos Sírios por volta de 721 a.C a Samaria Capital de Israel.

Todos os antepassados da família foram deportados sistematicamente para uma região entre os mares Cáspio e Negro. Isso decorre do fato de que, na antiguidade a família Almeida já era um grupo familiar muito influente que tinha em seu poder vasta quantidade de terras e muita influência política naquela região.

Durante muitos séculos os membros da família Almeida se mantiveram mergulhados no mais profundo silêncio para evitar novas perseguições de povos que de uma forma ou de outra rejeitavam os descendentes Ismaelitas, que a malgrado de tantos ataques se tornavam a cada dia mais abastados.

Por volta do século VI d.C eles se estabelecem na região da Sicília como uma das famílias mais poderosas naquele território.

Nasce nesse momento o nome Almeida, que até então todos eram conhecidos somente por seus nomes de origem Ismaelitas obviamente. Embora, muitos historiadores sugerem que o nome Almeida se originou do árabe, eles cometem um erro crasso ao fazer tal afirmativa. Há de fato, uma relação nisso tudo. “Entretanto, foram os etruscos que reconhecendo a importâncias dos novos vizinhos passaram a chamá-los de “os gloriosos ou poderosos” que consequentemente, com a chegada dos mouros mais tarde diziam que aquela família de Ismaelitas era os “ al-majid”, isso porque os árabes também são semitas.

Foi nessa época que o nome Almeida aparece como parte de um recenseamento, no qual somente família com ancestrais nobres poderiam entrar.

À época só pessoas que pertenciam a aristocracia eram recenseadas como: Clérigos, Militares, artistas e proprietários de terras.

Quando os Mouros invadiram a Península Ibérica no início do século XII, alguns membros militares da família Almeida se estabeleceram na Espanha e Portugal.

Talvez, seja por essa razão que, diversos linhagistas apontam Portugal como berço da família Almeida. Mas, isto é um erro. É um disparate sem tamanho asseverar que a família Almeida se originou de Payo Gutierres que viveu durante o reinado de D. Sancho I (1211). Ora, a história comprova que Payo Gutierres tomou o Castelo de Almeida dos Mouros que na verdade não eram Mouros de descendência mais os Almeida Ismaelitas vindos da Sicilia junto com os Mouros. Infortunadamente, a partir desse ponto da história os descendentes de Payo lança-mão do nome do castelo como seu sobrenome.

Com efeito, nenhum descendente de Payo Guterres ou Gutierres é de facto um Almeida.

Os legítimos Almeidas reaparecem muito mais tarde na figura de D. Pedro de Almeida Portugal neto do Conde de Assumar e vice-rei das Índias.

Embora, já existissem diversos Almeidas no Brasil Colônia, os verdadeiros Almeidas Ismaelitas desembarcaram só em 1808 junto com a Família Real Portuguesa da qual faziam parte sendo descendentes do Duque de Coimbra.

Os outros que haviam chegados antes, como o 3.º governador da Capitania de São Paulo e Minas do Ouro, o Marquês de Alorna era um Almeida por ter descendência de ancestrais portugueses Ismaelitas por casamento.

Ao chegar ao Brasil, como havia quase que se perdido a identidade dos Almeidas Ismaelitas, meus antepassados houve por bem acrescentar o Nome “Veríssimo” ao nosso nome Almeida dado pelos etruscos lá na Sicília para separar o joio do trigo. Minha avó Maria das Dores Veríssimo de Almeida (nasc. 1889) contavam que todos os escravos das Fazendas Terra de São Bento de seus antepassados em Alagoas após a Lei do Ventre-Livre e posteriormente a Abolição se dizia Almeida ou de/ dos Almeidas, por isso haver muito negros hodiernamente com o sobrenome de Almeida, mesmo não sendo eles de origem Ismaelita.

Aroldo Torquato Veríssimo de Ameida